XP Expert

Shein assume compromissos de se concentrar mais na sustentabilidade | Café com ESG, 26/04

Shein foca no pilar (E) para atrair mais consumidores; Conselho Europeu aprova imposto sobre carbono

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado encerrou o pregão de terça-feira novamente em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -0,69% e -0,57%, respectivamente. 

• No lado das empresas, (i) a varejista chinesa Shein, que vende roupas de baixo custo e tem conquistado participação no mercado brasileiro, planeja se concentrar mais na sustentabilidade, segundo compromissos assumidos ontem pelo vice-presidente executivo, Donald Tang – a companhia destacou o exemplo da Shein Exchange, plataforma onde os compradores podem revender roupas usadas lançada nos Estados Unidos em outubro, com previsão de expandir para outros mercados ainda em 2023; e (ii) a Nestlé, uma das maiores empresas de alimentos do mundo, está sob uma onda crescente de críticas que têm como alvo seus planos e ações de mitigação climática – organizações de responsabilização corporativa divulgaram um relatório em que reiteraram a urgência de a multinacional estabelecer metas específicas para a redução das emissões de metano, considerado o principal “ponto cego” do plano climático da companhia.

• Na política, o Conselho Europeu adotou essa semana cinco leis que permitirão à União Europeia (UE) reduzir emissões de gases estufa nos principais setores da economia – a mais importante é a aprovação do imposto de ajuste de fronteira sobre carbono, conhecido pela sigla CBAM, sendo a primeira taxa de carbono sobre importações do mundo.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Vitrine de projetos com soluções baseadas na natureza chega ao Brasil

“A aceleradora de investimentos Capital for Climate, realiza nesta terça-feira, 25, em São Paulo, a primeira Cúpula de Investimentos em Soluções baseadas na Natureza (NbS, na sigla em inglês) com foco em oportunidades de investimentos em biomas brasileiros. “Embora em nível global as NbS representem um terço das oportunidades totais de redução de emissões para o Net Zero até 2050, no Brasil a proporção é mais que o dobro disso. Se realizado corretamente, com seu sofisticado mercado de capitais e indústria agrícola, em comparação com outras regiões tropicais de alta floresta, o Brasil pode se tornar o maior mercado para investimentos em NbS no Hemisfério Sul”, disse Tony Lent, cofundador da Capital for Climate, em entrevista exclusiva ao Prática ESG. Segundo ele, o encontro vai apresentar o Brazil Nature-based Solutions (NbS) Investment Collaborative, um braço da aceleradora voltado para oportunidades de investimentos exclusivamente no Brasil e com o selo NbS. “Acelerar a implantação em larga escala de NbS no Brasil nesta década poderia reduzir rapidamente essas emissões e também devolver as florestas brasileiras ao seu papel de grandes absorvedores de carbono, geradoras de chuva para o Brasil e estabilizadoras do sistema climático da Terra”, afirma Lent.”

Fonte: Valor Econômico, 25/04/2023

Embrapa usa ‘tecnologia de Marte’ em plataforma de créditos de carbono

“A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) vai lançar amanhã a Aglibs, uma plataforma que promete destravar o mercado voluntário de créditos de carbono. A tecnologia foi baseada na Espectroscopia de Avaria Induzida por Laser (Libs, na sigla em inglês), utilizada pela agência espacial norte-americana (Nasa) para avaliar os solos em Marte. A Embrapa Instrumentação, de São Paulo, em parceria com a fintech Agrorobótica, que nasceu dentro da unidade em 2015, desenvolveu a inteligência artificial (IA), que combina diferentes softwares e sensores para analisar as condições do solo e das plantas. Débora Milori, pesquisadora da Embrapa que coordena o Laboratório Nacional de Agrofotônica (Lanaf), explica que a tecnologia dispensa o preparo de amostras e não gera resíduos. “Ela usa pulsos laser de alta energia para criar um microplasma na superfície da amostra, e assim, determinar a sua composição química”, diz. A Aglibs analisa 22 parâmetros, entre eles a textura, densidade e pH do solo; macro e micronutrientes; e estoque de carbono. Segundo o CEO da Agrorobótica, Fábio Angelis, outros métodos de análise aplicam vários reagentes químicos e técnicas para obter as mesmas informações. “O LIBS mensura com um único tiro laser”, afirma.”

Fonte: Valor Econômico, 25/04/2023

Azul assina o Compromisso Empresarial Brasileiro para a Biodiversidade

“A Azul, maior companhia aérea em número de voos e cidades atendidas no Brasil, tem intensificado de várias formas os seus investimentos e suas ações para fortalecer sua estratégia global de ESG. A decisão mais recente nesse sentido foi a assinatura do Compromisso Empresarial Brasileiro Para a Biodiversidade. O documento – que reúne nove metas alinhadas às estratégias nacionais e globais sobre o tema – foi criado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) com o objetivo de ajudar as empresas, dos mais variados setores, a alinharem seus modelos de negócios com padrões mais sustentáveis de consumo e produção. Com a adesão da Azul, a única aérea até o momento a assinar o Compromisso, a companhia reforça seu posicionamento como empresa promotora de ações de conservação da biodiversidade e ainda deixa público, quais estratégias irá adotar para cumprir as metas propostas pelo CEBDS. São elas: o Projeto Amazônia, que apoia o desenvolvimento da bioeconomia local ao oferecer a cooperativas e produtores locais, o transporte de seus produtos a preço de custo, levando os produtos amazônicos para os principais mercados consumidores do país; o programa de combate ao tráfico de animais silvestres, em parceria com a ONG Amigos da Fauna; e o programa de compensação de emissões, que oferece aos Clientes a possibilidade de compensar as emissões de CO2 do seu assento, com uma taxa que é voluntária e repassada a projetos de conservação na Amazônia apoiados pela Azul.”

Fonte: Voe News, 25/04/2023

Investidor vê ‘ponto cego’ em políticas ambientais da Nestlé

“A Nestlé, uma das maiores empresas de alimentos do mundo, está sob uma onda crescente de críticas que têm como alvo seus planos e ações de mitigação climática. Na última quinta-feira, em sua assembleia anual de acionistas realizada em Lausanne, na Suíça, esse foi um dos temas da pauta dos 1.257 participantes do encontro. No mesmo dia, as organizações Changing Markets Foundation, de responsabilização corporativa, e Mighty Earth, ambientalista, divulgaram um relatório em que reiteraram a urgência de a multinacional estabelecer metas específicas para a redução das emissões de metano. Esse é considerado o principal “ponto cego” do plano climático da múlti suíça: ela é uma das maiores fornecedoras globais de leite ao mercado consumidor, mas não tem qualquer meta de redução ou mitigação do metano – um poluente 80 vezes mais danoso para a atmosfera do que o gás carbônico – emitido pelas vacas leiteiras. A Nestlé já se comprometeu a cortar em 50% suas emissões de gases de efeito estufa até 2030 e se tornar neutra em carbono em 2050. A empresa é também o mais recente foco das ações do movimento Climate Claims Watch, que, de tempos em tempos, tem eleito organizações para pressioná-las por mudanças em seu envolvimento com a emergência climática. Antes da Nestlé, o alvo do movimento foi a Fifa.”

Fonte: Valor Econômico, 25/04/2023

Na era do ESG, cleantechs ganham relevância e mercado já tem mais de 100 empresas

“Com a missão de reduzir impactos ecológicos negativos através da tecnologia, inovação e sustentabilidade, as cleantechs (abreviação de “clean technology” ou “tecnologia limpa”) estão só começando, mas já ocupam uma brecha importante num mercado cada vez mais preocupado com as metas de ESG. Mapeamento realizado em 2021 pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups), com o apoio da EDP Brasil, mostrou que, apesar de embrionário, o segmento já tem cases de relevância, além de oportunidades claras para novos empreendedores.De acordo com o levantamento, são 102 cleantechs ativas em todo Brasil, sendo que a maioria (39%) atua no segmento de ar e meio ambiente. Ou seja, tecnologias que mitigam o impacto de substâncias poluentes ao meio ambiente. Logo em seguida estão aquelas que trabalham com energia limpa (26,5%) e as que oferecem soluções em eficiência (19,6%). Ainda segundo o mapeamento, a maioria das cleantechs (54%) atua no mercado B2B, principalmente em São Paulo, que é o Estado com maior representatividade do segmento. Embora a média de tempo de fundação das cleantechs seja de 3,2 anos, um percentual considerável de 17,7% tem mais de 5 anos no mercado. Isso mostra que há cases com mais relevância e maturidade e explica o número representativo (33,3%) de startups que estão na fase de tração do negócio.”

Fonte: Mercado & Consumo, 25/04/2023

Internacional

Empresas

Shein, gigante do varejo chinesa, diz que vai ampliar esforços em sustentabilidade

“A varejista chinesa Shein planeja se concentrar mais na sustentabilidade, disse o vice-presidente executivo, Donald Tang, nesta terça-feira, acrescentando que os consumidores não estão mais preocupados somente com a acessibilidade. A Shein vende roupas de baixo custo e tem conquistado a participação de mercado de outros varejistas de moda. A empresa produz na China para vender online no exterior e tem sido criticada por promover a moda descartável. “Os consumidores hoje não estão mais olhando apenas para o preço”, disse Tang no Congresso Mundial de Varejo em Barcelona. “Na próxima fase de crescimento, precisamos pensar em tudo o que fazemos tendo em mente o ESG”. Tang disse que a Shein está oferecendo aos clientes a opção de escolher materiais mais sustentáveis e pagar um prêmio por eles. Os itens da linha são parcialmente feitos com poliéster reciclado.O executivo também mencionou a Shein Exchange, a plataforma da empresa onde os compradores podem revender roupas usadas, lançada nos Estados Unidos em outubro, e que pretende ampliar para outros mercados neste ano. Na semana passada, o executivo esteve reunido com o ministro da Fazenda do Brasil, Fernando Haddad. Na oportunidade, Tang afirmou que a Shein pretende nacionalizar 85% de suas vendas no Brasil em quatro anos, projeto que vai consumir 750 milhões de reais em investimentos.”

Fonte: Reuters, 25/04/2023

Um em cada cinco carros vendidos este ano será elétrico

“Espera-se que os carros elétricos representem quase um quinto do mercado global este ano, de acordo com o relatório de perspectivas da Agência Internacional de Energia (AIE) para o mercado de veículos elétricos divulgado na quarta-feira. As vendas devem crescer 35% este ano para chegar a 14 milhões, disse o relatório, compreendendo 18% do mercado – acima dos apenas 4% em 2020. A mudança de motores de combustão para carros elétricos reduzirá a demanda global por petróleo em pelo menos cinco milhões de barris por dia, de acordo com as projeções da AIE. Mais da metade dos carros elétricos em circulação até agora em todo o mundo estão na China, que também domina a produção global de baterias e foi responsável por 60% das vendas de carros elétricos em 2022. SUVs e carros grandes respondem por quase dois terços dos modelos elétricos a bateria na China e na Europa e ainda mais nos Estados Unidos. “Fora da China, há uma necessidade de os fabricantes de equipamentos originais (OEMs) oferecerem opções acessíveis e com preços competitivos para permitir a adoção em massa de veículos elétricos”, disse o relatório.”

Fonte: Reuters, 26/04/2023

Política

UE concorda com metas obrigatórias de combustível sustentável para a aviação

“A União Européia fechou um acordo para estabelecer metas obrigatórias para as companhias aéreas na Europa aumentarem o uso de combustíveis de aviação sustentáveis, em uma tentativa de iniciar um mercado de combustíveis verdes e começar a reduzir a pegada de carbono do setor de aviação. Após conversas noturnas, os negociadores do Parlamento Europeu e dos Estados membros da UE fecharam o acordo pouco antes da meia-noite de terça-feira. A proposta visa aumentar tanto a demanda quanto a oferta de combustíveis de aviação sustentáveis ​​(SAF), que têm emissões líquidas de CO2 zero ou menos emissões de CO2 do que o querosene de combustível fóssil. Por enquanto, esses combustíveis são produzidos em pequenas quantidades e são muito mais caros do que os combustíveis de aviação convencionais. Os fornecedores de combustível devem garantir que 2% do combustível disponibilizado nos aeroportos da UE seja SAF em 2025, subindo para 6% em 2030, 20% em 2035 e gradualmente para 70% em 2050. A partir de 2030, 1,2% dos combustíveis também devem ser combustíveis sintéticos, aumentando para 35% em 2050. Combustíveis sintéticos são feitos usando emissões de CO2 capturadas, que os proponentes dizem equilibrar o CO2 liberado quando o combustível é queimado em um motor.”

Fonte: Reuters, 26/04/2023

UE estreará primeira taxa de carbono do mundo em 2026

“O Conselho Europeu adotou ontem cinco leis que permitirão à União Europeia (UE) reduzir emissões de gases-estufa nos principais setores da economia. A mais importante é a aprovação do imposto de ajuste de fronteira sobre carbono, conhecido pela sigla CBAM. Trata-se da primeira taxa de carbono sobre importações do mundo. Os países do bloco também concordaram em promover uma reforma do mercado de créditos de carbono europeu, incluindo novos setores da economia como aviação e transporte marítimo. O Carbon Border Adjustment Mechanism atingirá as importações para a Europa de produtos intensivos em carbono. É uma medida para proteger a indústria europeia, que tem que lidar com os custos de cortar emissões e pode sofrer concorrência de empresas sediadas em outros países com regras climáticas muito mais brandas. A ideia é tornar os produtos estrangeiros de alta emissão mais caros que os europeus. A medida vem sendo desenhada na Europa desde 2019. Pode inspirar legislações similares em outras regiões. O senador democrata Sheldon Whitehouse disse ao “The New York Times” que pretende apresentar uma proposta de taxa similar a ser adotada pelos Estados Unidos nos próximos meses.”

Fonte: Valor Econômico, 25/04/2023


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Como os investidores institucionais estão vendo o tema ESG? Feedback da nossa rodada de reuniões (link)
  • Hidrogênio Verde (H2V): O combustível do futuro? (link)
  • Brunch com ESG: AMER3 e BBAS3 em destaque; Conferência de Davos chega ao fim (link)
  • Radar ESG | Setor financeiro (BBAS3, BBDC4, BPAC11, B3SA3, ITUB4, SANB11): Sólida performance ESG, com espaço para melhoria na governança (link)
  • Retrospectiva ESG: 12 meses, 12 acontecimentos e 12 relatórios que você não pode perder (link)
  • Novo ano, nova carteira do ISE B3: Tudo o que você precisa saber (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para janeiro (link)
  • Nova resolução da CVM define regras ESG mais rígidas para companhias abertas (link)
  • Radar ESG | Papel e Celulose (SUZB3, KLBN11, RANI3): Bem posicionadas, apesar dos riscos ambientais acima da média (link)
  • Radar ESG | Vestuário Esportivo (SBFG3, TFCO4, VULC3): E no jogo ESG, quem vence? (link)
  • Radar ESG | DASA (DASA3): Bom desempenho ESG, com oportunidades de melhoria (link)
  • ESG: Top 5 tendências para 2023 (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para dezembro (link)
  • COP27 chega ao fim; 5 principais destaques da conferência (link)
  • Copa do Mundo 2022: ESG escalado para entrar em campo? (link)
  • COP27: Três principais mensagens dos primeiros dias (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback webinar ESG; Destravando valor via a sustentabilidade (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para novembro (link)
  • Radar ESG | PetroRio (PRIO3): Desenvolvendo as estratégias para atuar no campo ESG (link)
  • COP27: Um mês para a próxima conferência climática da ONU (link)
  • Aura Minerals (AURA33): Indo a campo; Principais destaques da visita ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Duas alterações para o mês de outubro (link)
  • ESG & Telecom | 5G Insights; Capítulo 4: Como o uso do 5G pode impulsionar a descarbonização? (link)
  • Radar ESG | Eletrobras (ELET3): Mudanças que vêm para o bem; Melhorias ESG também estão por vir (link)
  • Radar ESG | Guararapes (GUAR3): Evoluindo em como vestir essa agenda (link)
  • Radar ESG | Zenvia (ZENV): Dando os primeiros passos na agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Frigoríficos brasileiros: Em busca de maior sustentabilidade e melhor governança (BRFS3, JBSS3, MRFG3, BEEF3) (link)
  • ESG: Como os clientes institucionais estão evoluindo no tema? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para setembro (link)
  • Raio-X das metas de emissões das companhias brasileiras (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • ESG: Três aprendizados da Expert XP 2022 (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para julho (link)
  • Radar ESG | Alupar (ALUP11): Bem posicionada para se beneficiar da tendência da transição energética; esperamos mais por vir (link)
  • Radar ESG | Intelbras (INTB3): Agregando valor através de oportunidades em tecnologia limpa (link)
  • Radar ESG | Grupo Vittia (VITT3): Melhorando a sustentabilidade na agricultura (link)
  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.