Radar ESG – Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG

Como a Iguatemi, a brMalls e a Multiplan se posicionam em relação aos fatores ESG? Veja no relatório completo


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Neste relatório, analisamos como as empresas brasileiras de shoppings dentro do nosso universo de cobertura então posicionadas em relação aos fatores ESG. Para o setor de Shoppings, vemos os pilares Social e Governança como os fatores mais importantes na análise ESG, enquanto a frente Ambiental também desempenha um papel importante. A brMalls se destaca em relação à Iguatemi e à Multiplan em termos de iniciativas ESG, impulsionado principalmente por suas robustas iniciativas sociais, aliadas à boa governança da companhia, com maioria independente no Conselho de Administração. Do ponto de vista ambiental, a Multiplan se destaca dos pares, enquanto a Iguatemi é uma clara vencedora quando o tema é igualdade de gênero, com destaque para sua Diretoria Executiva, com mulheres representando 50% dos membros.

Ao longo do conteúdo, destacamos os tópicos ESG em uma perspectiva setorial e como a brMalls (BRML3), a Iguatemi (IGTA3) e a Multiplan (MULT3) se posicionam quando o tema é ESG.

¹ Programa Nacional de Meio Ambiente das Nações Unidas


Afinal, o que importa para os shoppings quando o assunto é ESG?

Como mencionamos em nosso relatório de início de cobertura de Research ESG na XP (ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema), definir a materialidade, ou seja, o nível de relevância, dos fatores ESG para cada um dos setores é uma tarefa importante. Para os shoppings, vemos os pilares Social e de Governança como os fatores mais importantes na análise ESG desse setor, enquanto a frente Ambiental também desempenha um papel importante. Abaixo destacamos os tópicos ESG comuns para todas as empresas, em uma perspectiva setorial.

Meio Ambiente. De acordo com o Programa Nacional de Meio Ambiente das Nações Unidas, o setor imobiliário é responsável por quase 40% das emissões de carbono relacionadas à energia em todo o mundo. Os chamados Green Buildings, ou “edifícios verdes” no termo em português, são edifícios ou espaços construídos a partir de critérios relacionados à sustentabilidade social, ambiental e econômica – em outras palavras, são edificações que utilizam seu local, a energia, água e materiais de forma eficiente. Isso posto, essa é uma estratégia eficaz de mitigação dos impactos do setor imobiliário ao meio ambiente e vemos as empresas do segmento com um amplo acesso às oportunidades de crescimento das práticas de construção verde, sejam elas implementadas em propriedades novas ou existentes.

Especificamente em relação aos shoppings, que são o foco deste relatório, vemos um esforço cada vez maior em direção à adoção de práticas que os tornem mais eficientes em relação ao uso de recursos, o que vemos com bons olhos. Ao longo deste relatório destacamos como a brMalls, a Iguatemi e a Multiplan têm se posicionado em relação a essa frente, com destaque para as iniciativas visando um consumo mais eficiente de energia e água.

Social. Na nossa visão, os shoppings e demais empreendimentos imobiliários possuem um papel social importante, à medida em que contribuem para o desenvolvimento urbano das cidades, fomentam práticas sustentáveis ​​e de longo prazo com suas comunidades e clientes e contribuem para a geração de empregos e construção de capital humano e social por meio de treinamento e desenvolvimento dos funcionários. É válido mencionar, entretanto, que o grande número de operações de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês) nos últimos anos envolvendo o setor de shoppings adiciona desafios em se tratando das empresas e suas respectivas relações com os funcionários – eventos dessa natureza podem afetar o engajamento e a produtividade dos mesmos devido às incertezas inerentes sobre a estabilidade no emprego, a mudança de funções e também de cultura.

Governança. O pilar de Governança Corporativa é um tema fundamental para todas as empresas e em se tratando das companhias brasileiras do setor de shoppings esse pilar tem uma materialidade ainda maior. Historicamente, os shoppings no Brasil são “empresas de dono”, ou seja, com estrutura acionária altamente concentrada, e a voz do CEO desempenha um papel importante na condução das decisões estratégicas dessas empresas.

Indo além, quando falamos de empresas de shoppings que são companhias de capital aberto, ou seja, que possuem suas ações listadas na B3, Bolsa de valores brasileira, a maior parte delas fazem parte do Novo Mercado – como é o caso da Iguatemi e da brMalls – o mais alto nível de governança corporativa da B3, que prevê a adoção de um conjunto de regras societárias que ampliam os direitos dos acionistas, além de aprimorar a divulgação de políticas e existência de estruturas de monitoramento e controle.


brMalls: Independência como fator chave

Vemos brMalls se destacando em relação à Iguatemi e à Multiplan, principalmente por suas robustas iniciativas na frente Social, com destaque para 49% de mulheres na força de trabalho da empresa, aliado à boa Governança, com maioria independente no Conselho de Administração da empresa. Em uma perspectiva Ambiental, vemos com bons olhos os esforços da brMalls para melhorar o consumo de energia e água e vemos essas iniciativas desempenhando um papel importante. Veja abaixo os principais destaques de cada pilar ESG.

Meio Ambiente

Consumo de energia. A brMalls vem trabalhando em diversas iniciativas visando ser mais eficiente em relação ao consumo de energia, com destaque para:

  1. Iluminação de LED – de acordo com a empresa, a mudança da iluminação convencional para a de LED levou a brMalls a uma economia de energia de 50% na iluminação dos shoppings, o equivalente à mais de R$ 12 milhões por ano em termos de custo. Até o momento, 25 dos shoppings da empresa já usam 100% de iluminação LED, gerando melhor aproveitamento de energia e reduzindo danos ao meio ambiente.
  2. Iluminação natural – com o objetivo de diminuir a necessidade de iluminação artificial e aumentar a natural, a brMalls está investindo na presença de coberturas envidraçadas, também chamadas de claraboias, que permitem a passagem da luz. Em 2019, 21 shoppings da empresa possuíam essa estrutura.
  3. Automação da Central de Água Gelada (CAG) – Os sistemas de água gelada são muito utilizados em processos de resfriamento, como por exemplo em aplicações de ar condicionado. A CAG é composta por três principais componentes: Unidade refrigeradora (chiller, no termo em inglês), torre de resfriamento e fancoil. Considerando que o sistema de ar condicionado representa cerca de 40% do consumo total de energia dos shoppings, a automação desse sistema é uma forma eficiente de reduzir esse consumo e vemos com bons olhos a implementação de melhorias na operação desse sistema. Em 2019, 13 shoppings da brMalls já contavam com sistemas de automação da CAG e 6 empreendimentos já estavam em fase final de implantação.
  4. Campanha de engajamento – Com o objetivo de gerar o engajamento da equipe de campo e minimizar o desperdício através da premiação de seus colaboradores, a brMalls lançou o “+ Eficiência”, projeto criado a partir do sucesso alcançado pelo shopping Tijuca ao longo de 2017, que permitiu a redução de 16 milhões de litros e 1,37 milhão de kWh de consumo de água e energia, respectivamente, levando a uma economia de quase R$ 2 milhões ao condomínio do shopping. Com esses resultados, a brMalls passou a estimular outros shoppings a implantar o projeto, visando uma operação mais eficiente e sustentável. Segundo a empresa, atualmente são 21 shoppings participantes.

Com projetos que aprimoram continuamente a eficiência energética, a empresa reduziu em 19% o consumo de energia de seus shoppings entre 2015 e 2019. Comparando o consumo de energia com o ATC (Área Total Construída) da brMalls, o consumo por metro quadrado da empresa reduziu de 138 kWh/m² em 2015 para 121 kWh/m² em 2018, o que corresponde a uma economia de R$ 30 milhões.

Consumo de água: Para reduzir o consumo de água, cada shopping da brMalls busca as melhores práticas que podem aumentar o equilíbrio entre qualidade e redução de resíduos. Nesse sentido, destacamos três iniciativas principais: (i) Poço artesiano (27 shoppings da brMalls possuem poços artesianos e 1 shopping está em fase de perfuração); (ii) Reuso (atualmente os shoppings Mooca, Catuaí Maringá, Estação Cuiabá, Norte Shopping e Piracicaba possuem sistema de reaproveitamento) e (iii) Captação de água da chuva, que representa uma economia de 50% na conta de água (em 2019, os shoppings Catuaí Maringá, Catuaí Londrina e Estação Cuiabá já possuíam este sistema).

Social

Capital humano. De acordo com a MSCI, as práticas da brMalls no que se refere ao capital humano se comparam favoravelmente com as de seus pares do setor. O crescimento inorgânico da empresa no passado, por meio de várias operações de M&A, colocou desafios à companhia, dado as dificuldades em relação à manutenção das relações com os funcionários. No entanto, as iniciativas de gestão de talentos da brMalls, que incluem treinamento de liderança, programas de desenvolvimento e pesquisas de engajamento de funcionários, desempenharam um papel importante para atrair, reter e desenvolver o capital humano da empresas.

Diversidade e inclusão: Em se tratando da diversidade da força de trabalho, destaque positivo para a brMalls. Do quadro total de funcionários da empresa, 49% são mulheres.

Governança

Governança corporativa. Conforme mencionado anteriormente, a brMalls está comprometida com o mais alto padrão de governança corporativa, uma vez que está listada no Novo Mercado na B3. A empresa não conta com nenhum acordo de acionistas e possui apenas uma classe de ação (B3: BRML3) – apenas ações ordinárias, que estão todas em circulação (100% em free float), com um voto por ação ordinária. Em nossa visão, este princípio de “uma ação, um voto” ajuda a alinhar o poder econômico e o poder de voto e garante que nenhuma classe de acionistas tenha mais poder de voto do que a exposição econômica.

Conselho de Administração. Vemos o conselho da brMalls bem organizado para fornecer uma visão estratégica eficaz para a gestão da empresa. O atual Conselho de Administração é maioritariamente independente, o que pode ajudar a fornecer um contrabalanço em relação à visão da gestão da empresa (dos 7 membros, 6 são independentes). Além disso, a empresa foi classificada com a maior faixa de pontuação de governança corporativa (menor risco) pela ISS Corporate Solutions, empresa especializada em soluções de governança corporativa.

Diversidade do Conselho de Administração. Em relação à diversidade do conselho, pontuamos para a ausência de mulheres na composição do mesmo. Sobre esse tema, destacamos que vários estudos recentes mostram que empresas com poucas conselheiras tendem a ser menos eficazes daquelas cujos conselhos são mais diversificados.

Práticas em relação à remuneração. De acordo com a MSCI, a brMalls encontra-se abaixo da média de classificação em relação a seus pares em se tratando do tópico remuneração, destacando algumas frente de preocupação em relação ao alinhamento dos interesses da administração com os dos acionistas da empresa. Nesse sentido, notamos que a brMalls já teve desafios no que diz respeito à divulgação dos valores de remuneração no passado, mas vemos que o turnaround na governança da empresa, iniciado em 2017 quando Ruy Kameyama assumiu a presidência da brMalls, vem desempenhando um papel importante para endereçar essa questão.

MSCI ESG Ratings

A empresa possui uma classificação BB pelo MSCI ESG Ratings. Em uma perspectiva global, o rating BB coloca a brMalls dentre os 16% de empresas com essa classificação sob os constituintes do Índice MSCI ACWI no setor imobiliário (89 empresas).


Iguatemi: Referência em se tratando da igualdade de gênero

Vemos a Iguatemi bem posicionada nos aspectos Sociais e de Governança, enquanto na frente Ambiental a empresa fica atrás de seus pares locais. Quando o assunto é igualdade de gênero, a Iguatemi é referência, com destaque para a Diretoria Executiva da empresa, com mulheres representando 50% dos membros. Em relação à divulgação das métricas ESG da Iguatemi, vemos espaço para melhorias, visando dar mais transparência aos investidores e ao mercado. Veja abaixo os principais destaques de cada pilar ESG.

Meio Ambiente

Consumo de energia. A Iguatemi vem implementando ações de sustentabilidade para redução do consumo de energia, tais como: (i) Migração para o Mercado Livre de energia (atualmente, todos os shoppings da empresa, com exceção do Iguatemi Brasília, são abastecidos pelo Mercado Livre); (ii) Substituição do sistema de iluminação convencional por tecnologias novas e mais eficientes (por exemplo, LED) e (iii) Automação da CAG, visando melhorar a eficiência dos shoppings (por exemplo, ar condicionado).

Consumo de água. Em relação às ações da Iguatemi para economizar água e aumentar a autossuficiência da empresa, destacamos: (i) Uso de poços artesianos; (ii) Presença de estações de tratamento de água e esgoto e (iii) Instalação de equipamentos de economia de água.

Social

Diversidade. A Iguatemi está comprometida com a defesa da igualdade de gênero, garantindo oportunidades iguais para homens e mulheres no ambiente de trabalho. Nesse sentido, destacamos que a empresa firmou em 2019 o Woman’s Empowerment Principle’s (WEP’s), um projeto da ONU e do Pacto Global, para reforçar o compromisso com a defesa da igualdade de gênero. Além disso, a empresa ficou em 20º lugar no Prêmio GPTW Mulheres, ranking das maiores empresas do país na promoção de um bom ambiente de trabalho para o desenvolvimento da carreira de mulheres. Atualmente, a Iguatemi tem 3 de 6 membros mulheres na Diretoria Executiva – Sra. Cristina Anne Beets (CFO e RI), Sra. Dilene Rodrigues Teixeira (Diretora Jurídica) e Sra. Erika Jereissati Zullo (Retail Leasing Diretora) – e dos 7 membros do Conselho de Administração, 1 é mulher – a conselheira independente Sra. Ana Karina Bortoni Dias.

Capital humano. A empresa oferece benefícios não remunerados, como seguro saúde e de vida e planos de opção de compra de ações aos funcionários para administrar os desafios de retenção de talentos comuns ao setor imobiliário.

Governança

Governança corporativa. Conforme mencionado anteriormente, a Iguatemi está listada no Novo Mercado, atendendo a todos os requisitos do mais alto nível de governança corporativa da B3, Bolsa de valores brasileira.

Conselho de Administração. O conselho da Iguatemi é composto por 7 membros, dos quais 3 são independentes. Dito isso, o conselho da empresa carece de uma maioria independente, bem como de um presidente independente, o que pode prejudicar a capacidade do conselho de agir como contrapeso à gestão.

Diversidade do Conselho de Administração. Diferentemente da composição da Diretoria Executiva da Iguatemi, que possui 50% de mulheres, o Conselho de Administração da empresa conta com apenas 1 mulher em 7 membros – Sra. Ana Karina Bortoni Dias. Embora reconheçamos que vários estudos recentes mostram que empresas com poucas conselheiras tendem a ser menos eficazes daquelas cujos conselhos são mais diversificados, vemos a Iguatemi bem posicionada no que diz respeito à igualdade de gênero.

MSCI ESG Ratings

A empresa possui uma classificação B pelo MSCI ESG Ratings. Em uma perspectiva global, o rating B coloca a Iguatemi dentre os 12% de empresas com essa classificação sob os constituintes do Índice MSCI ACWI no setor imobiliário (89 empresas).


Multiplan: Práticas sociais se destacam, mas governança pode ser ponto de atenção

A Multiplan posiciona seus shoppings como propriedades comerciais e destinos de uso misto, proporcionando lazer e acesso à serviços de saúde. Vemos iniciativas específicas da empresa ajudando a melhorar o nível de consumo de recursos, bem como a geração de resíduos, o que é complementado também pelo rastreamento de todo o portfólio que é feito pela Multiplan. Dessa forma, vemos a empresa bem posicionada nas frentes Ambiental e Social, enquanto a Governança da empresa fica atrás de seus pares locais. Veja abaixo os principais destaques de cada pilar ESG.

Meio Ambiente

Consumo de energia. A Multiplan está comprometida com as boas práticas de eficiência energética em seus projetos: (i) uso do Mercado Livre de energia pela empresa em todos os seus shoppings; (ii) iluminação LED; (iii) automação do CAG, com consequente melhoria da eficiência do ar condicionado e (iv) painéis solares na cobertura para geração de energia solar – o que vemos com bons olhos visando a eficiência energética e destacamos dois projetos principais: ParkShopping Canoas (conceitos e tecnologias modernas de aproveitamento de energia, iluminação e integração com meio ambiente) e VillageMall (a empresa inaugurou em 2019 o primeiro conjunto de usinas fotovoltaicas projetadas para abastecer integralmente o VillageMall – o parque solar evitará a emissão de 227.655 toneladas de CO2 nos próximos 25 anos de operação, o equivalente ao plantio de 418 mil árvores).

Consumo de água. A gestão do consumo de água nos shoppings da Multiplan é realizada de acordo com as circunstâncias locais e as legislações aplicáveis, buscando um consumo cada vez mais sustentável e em linha com as ações de conscientização da empresa. Dentre as iniciativas, destacamos: (i) uso de poços artesianos; (ii) reuso; e (iii) reservatórios para armazenamento de água da chuva.

Social

Capital humano. Segundo a Multiplan, a empresa acredita que a qualidade das relações está associada tanto a um adequado e saudável ambiente de trabalho quanto à conduta que a empresa incentiva por meio de suas políticas e diretrizes. Vemos a Multiplan bem posicionada para atrair, reter e desenvolver o capital humano, com práticas de gestão de talentos, benefícios aos funcionários e programas de treinamento.

Campanhas sociais. A empresa realiza frequentemente, em parceria com o poder público, uma série de melhorias nas cidades onde vai atuar, desde o aprimoramento dos acessos ao shopping até o desenvolvimento de ações sociais. Além disso, os shopping da Multiplan estão engajados no apoio à campanhas sociais e de conscientização, trabalhando em temas que vemos como importantes para o Brasil.

Governança

Governança corporativa. Conforme mencionado anteriormente, a Multiplan segue os parâmetros das Regras de Governança do Nível 2 da B3, que permite a emissão de ações ordinárias e ações preferenciais. A totalidade das ações preferenciais é detida por Ontario Teachers, um dos acionistas controladores, que, à época da abertura do capital, estava sujeita às restrições da Lei Canadense, que limitava a 30% das ações com direito a voto. Assim, as ações preferenciais não podem ser negociadas em nenhum mercado regulamentado, mas têm o mesmo direito de voto (exceto para a eleição e destituição de membros do Conselho de Administração). De modo geral, o desempenho da governança corporativa da Multiplan continua atrás dos concorrentes no mercado global e local, com preocupações persistentes sobre a estrutura e direitos de voto diferenciados, que podem limitar os interesses dos acionistas minoritários.

Conselho de Administração. De acordo com o Regulamento de Governança Corporativa Nível 2, seguido pela Multiplan, no mínimo 20% dos membros do Conselho de Administração deverão ser Conselheiros Independentes. O conselho da Multiplan é composto por 7 membros, dos quais apenas 1 é independente – atualmente, o Sr. Gustavo Franco assume a cadeira. A preocupação acerca da inexistência de maioria independente no conselho é parcialmente atenuada dado que a empresa dividiu as funções de CEO e presidente e nomeou um presidente totalmente independente, uma prática que é vista com bons olhos.

Diversidade do Conselho de Administração. Em relação à diversidade do conselho, dos 7 membros, nenhum é mulher. Conforme já destacamos, vários estudos recentes mostram que empresas com poucas conselheiras tendem a ser menos eficazes daquelas cujos conselhos são mais diversificados.

MSCI ESG Ratings

A empresa possui uma classificação B pelo MSCI ESG Ratings. Em uma perspectiva global, o rating B coloca a Multiplan dentre os 12% de empresas com essa classificação sob os constituintes do Índice MSCI ACWI no setor imobiliário (89 empresas).

Estamos retomando a cobertura dos shoppings brasileiros: Iguatemi (IGTA3; Preço-alvo de R$41,0/ação) e Multiplan (MULT3; Preço-alvo de R$25,0/ação) com recomendação de Compra e brMalls (BRML3; Preço-alvo de R$10,7/ação) com recomendação Neutra – clique no link abaixo para ler o relatório completo!

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.