XP Expert

Decreto presidencial remove restrições à exportação de lítio pelo Brasil | Café com ESG, 11/07

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão de sexta-feira em território neutro, com o Ibov e o ISE em leve queda de -0,4% e -0,1%, respectivamente. Na semana, o Ibov e o ISE fecharam em alta de +1,7% e +2,6%, respectivamente.

• No Brasil, a Carbonext, consultora e desenvolvedora de projetos de geração de créditos de carbono, em sua segunda rodada de captação de recursos, recebeu um investimento de US$ 40 milhões da Shell Brasil, que passa agora a ser sua sócia minoritária – a empresa deve anunciar um terceiro aporte neste segundo semestre com foco no investimento em tecnologia para o acompanhamento dos projetos de preservação florestal e também possibilitar a criação de novas fronteiras de negócios para a empresa, como bioeconomia e reflorestamento na Floresta Amazônica.

• Do lado da política, (i) o Brasil voltou a atacar o plano europeu de introduzir unilateralmente a taxa carbono sobre importações procedentes de países que não estejam submetidos aos mesmos padrões ambientais – o presidente do Comitê de Meio Ambiente do Parlamento, Pascal Canfin, considera que a taxa carbono colocará o clima nas regras comerciais; e (ii) um decreto presidencial publicado na semana passada removeu as restrições à exportação de lítio pelo Brasil e tem o potencial de destravar investimentos bilionários na cadeia de suprimentos desse insumo-chave para as baterias e fundamental na transição energética do setor de transportes.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Assine conteúdos exclusivos aqui!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Carbonext recebe aporte de US$ 40 milhões da Shell

“Em sua segunda rodada de captação de recursos, a Carbonext, consultoria e desenvolvedora de projetos de geração de créditos de carbono, recebeu um investimento de US$ 40 milhões (cerca R$ 200 milhões) da Shell Brasil, que passa agora a ser sua sócia minoritária. É o segundo aporte da companhia, que já recebeu R$ 30 milhões em sua rodada Série A, com mais de 20 investidores, entre eles fundos de “venture capital” como o Canary e a Alexia Ventures, além da FitPart, o “family office” do ex-banqueiro Tom Freitas Valle. A empresa deve anunciar um terceiro aporte neste segundo semestre. Segundo Luciano Corrêa da Fonseca, ex-diretor do Pátria Investimentos e sócio da Carbonext, o recurso será utilizado para investimento em tecnologia para ajudar no desenvolvimento e acompanhamento dos projetos de preservação florestal e também possibilitar a criação de novas fronteiras de negócios para a empresa, como bioeconomia e reflorestamento na Floresta Amazônica.”

Fonte: Valor Econômico, 11/07/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema

Mudanças no programa habitacional Casa Verde e Amarela animam setor imobiliário

“O Conselho Curador do FGTS aprovou na manhã de quinta-feira (7) novas mudanças no programa habitacional Casa Verde e Amarela — com aumento dos limites das faixas de renda. A decisão foi recebida com entusiasmo pelo mercado imobiliário, e as medidas devem começar a vigorar no próximo dia 18. Já foram feitas revisões no Casa Verde e Amarela em fevereiro e maio deste ano, mas o setor imobiliário ainda ansiava por mais, para rebater o aumento de custo da construção e a perda do poder de compra dos consumidores, com a inflação alta. “Todos os dias, sofremos ainda os reflexos da pandemia. Esses impactos causaram um problema para quem está produzindo no mercado, que, diferentemente do médio padrão, não consegue fazer repasse de preço”, afirma Renée Silveira, diretora de incorporação da Plano&Plano, que atua no segmento.”

Fonte: Valor Econômico, 08/07/2022

Xavantes inicia construção das primeiras usinas híbridas para sistemas isolados do Brasil

“A Xavantes, empresa controlada pelo Grupo OnCorp, deu o pontapé inicial para a construção das duas primeiras usinas híbridas para sistemas isolados do país, em Roraima. As plantas ficam nos municípios de Amajari, Uiramutã e Pacaraima e têm capacidade instalada de 10 megawatts (MW) para atender mais de 41 mil habitantes. O valor do investimento é de R$ 54 milhões feito pela OnCorp, sendo 30% de capital próprio e 70% funding. A previsão é que as plantas entrem em operação comercial em abril de 2023. A solução consorcia a geração de energia das fontes térmica a diesel e solar fotovoltaica com sistema armazenamento de energia.”

Fonte: Valor Econômico, 08/07/2022

Política

Brasil ataca plano da União Europeia de taxar carbono

“O Brasil voltou a atacar a União Europeia (UE) na área ambiental, na Organização Mundial do Comércio (OMC). Alvejou agora o plano europeu de introduzir unilateralmente a taxa carbono sobre importações procedentes de países que não estejam submetidos aos mesmos padrões ambientais. Pelo plano original europeu, a taxa carbono será aplicada na importação de aço, cimento, alumínio, fertilizantes e eletricidade. Mas no Parlamento Europeu, há propostas para incluir na lista produtos químicos, plásticos, hidrogênio e amoníaco. Para parlamentares europeus, um Mecanismo de Ajuste de Carbono na Fronteira (CBAM, na sigla em inglês) forte incentivará a redução de emissões de carbono globalmente e servirá para evitar o risco de “carbon leakage” – o deslocamento da produção para fora da UE em países com políticas climáticas menos rigorosas.”

Fonte: Valor Econômico, 08/07/2022

Regulação

Decreto libera exportação de lítio do Brasil – e pode destravar investimentos na cadeia das baterias

“Um decreto presidencial publicado na quarta-feira remove restrições à exportação de lítio pelo Brasil e tem o potencial de destravar investimentos bilionários na cadeia de suprimentos desse insumo-chave para as baterias e fundamental na transição energética do setor de transportes. Até aqui, uma empresa só podia exportar o lítio equivalente a 10% de seus recursos minerais, ao mesmo tempo em que a venda ao exterior dependia de uma autorização expressa do governo brasileiro. Com o novo decreto, tanto a cota quanto a anuência prévia deixam de existir, eliminando um risco que sempre pairou sobre as decisões de investimento na cadeia do lítio no país. […] Ana Cabral-Gardner, co-CEO da Sigma, faz coro: “Esse decreto pode destravar um tsunami de investimentos em toda a cadeia do lítio no Brasil”.”

Fonte: Capital Reset, 08/07/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Transição Energética & Metais Verdes: Explorando companhias bem posicionadas

Internacional

Empresas

Varejistas europeias descumprem acordo voluntário contra desmate, diz ONG

“Treze redes de varejo da Europa ainda não cumprem um compromisso que assumiram voluntariamente para interromper suas compras de alimentos, inclusive carne, feitos com soja colhida em áreas que foram desmatadas após agosto de 2020. A conclusão é de um levantamento da organização ambientalista Mighty Earth. As empresas assinaram o acordo – que prevê a interrupção de compras de soja produzida em áreas com desmatamento legal e ilegal – em outubro do ano passado. A ONG identificou que, na cadeia de fornecimento dessas varejistas, que compram soja das cinco principais tradings que atuam no Brasil, há produtores que desmataram 27 mil hectares – dos quais, 613 hectares de maneira ilegal – em dez fazendas no Cerrado depois da data-limite prevista no compromisso. As propriedades ficam no Matopiba (confluência entre Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).”

Fonte: Valor Econômico, 10/07/2022

Navios ficam mais velhos e mais lentos à medida que as regras de emissões aumentam

“Se o transporte marítimo é o coração do comércio global, seu pulso está prestes a ficar mais lento. Diante da incerteza sobre quais combustíveis usar a longo prazo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, muitas empresas de navegação estão mantendo frotas envelhecidas, mas as embarcações mais antigas podem em breve começar a navegar mais devagar para cumprir as novas regras ambientais. A partir do próximo ano, a Organização Marítima Internacional (IMO) exige que todos os navios calculem sua intensidade anual de carbono com base nas emissões de uma embarcação para a carga que transporta – e mostrem que ela está diminuindo progressivamente. Embora os navios mais antigos possam ser adaptados com dispositivos para reduzir as emissões, os analistas dizem que a solução mais rápida é ir mais devagar, com uma queda de 10% nas velocidades de cruzeiro reduzindo o uso de combustível em quase 30%, segundo o credor do setor marítimo Danish Ship Finance.”

Fonte: Reuters, 11/07/2022

Regulação

Aumenta a pressão sobre os reguladores para examinar os provedores de dados ESG

“A pressão está crescendo sobre os reguladores para examinar formalmente os dados e os provedores de rating que concedem aos investimentos pontuações altas ou baixas em princípios ambientais, sociais e de governança (ESG). Um membro influente de um conselho consultivo da Comissão Europeia acrescentou sua voz aos pedidos para que os provedores de dados e ratings ESG sejam regulamentados em meio a crescentes preocupações com o greenwashing no setor de gestão de ativos. Pierre Bollon, que atua no Comitê Econômico e Social Europeu (CESE) e é um representante geral da AFG, a Associação Francesa de Gestão de Ativos, disse que os provedores de dados estão desempenhando um papel cada vez mais importante no setor de investimentos e devem estar sujeitos às mesmas regulamentações escrutínio como outras partes do setor de serviços financeiros.”

Fonte: Reuters, 11/07/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.