XP Expert

União Europeia vai investir R$ 10 bi em hidrogênio verde no Brasil | Café com ESG, 13/06

União Europeia anuncia investimento bilionário em hidrogênio verde brasileiro; China planeja novos projetos frente mudanças climáticas

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado encerrou o pregão de segunda-feira com resultados positivos de sexta-feira, com o Ibov e o ISE subindo +0,27% e +0,82%, respectivamente.

• No Brasil, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou ontem que a União Europeia investirá 2 bilhões de euros na produção de hidrogênio verde no Brasil, como parte dos planos do bloco europeu de buscar reduzir a dependência e o uso de combustíveis fósseis – além disso, a UE também fará uma doação inicial de 20 milhões de euros ao Fundo Amazônia.

• No internacional, (i) ainda sobre a UE, o bloco lançou no final do ano passado uma nova regra para impedir que as empresas vendam em seu mercado café, carne bovina, soja, borracha, óleo de palma e outras commodities ligadas ao desmatamento – os investidores europeus estão atentos e as empresas devem provar que suas cadeias de suprimentos não estão contribuindo para a destruição das florestas ou serem multadas em até 4% de seu volume de negócios em um país; e (ii) conforme as secas se aproximam, a China está planejando novos projetos de infraestrutura hídrica na esperança de mover mais água por todo o país e mitigar o impacto das mudanças climáticas – no final de maio, as autoridades divulgaram planos para construir essa “rede de água” e desbloquear as principais artérias do sistema fluvial até 2035, aumentando a capacidade de nivelar a distribuição de abastecimento de água.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Fundo tem US$ 65 milhões para escalar reciclagem de plástico na América Latina 

“Focada em investimentos em economia circular, a Circulate Capital chega à América Latina e ao Caribe com um novo fundo de US$ 65 milhões para dar escala a iniciativas voltadas ao combate à poluição por plástico e à circularidade do material. A gestora já atua na Ásia há cinco anos e, para a expansão na nova geografia, atraiu como investidores as petroquímicas Chevron Phillips Chemical e Dow, as fabricantes de bens de consumo Danone, Mondelēz International e Unilever, além do laboratório de inovação do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID Lab) e da plataforma de impacto Builders Vision. Em linha com a média global, só 10% do plástico é reciclado na América Latina, estima a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).Inicialmente, o dinheiro será aplicado no Brasil, no Chile, na Colômbia e no México, países cujas condições se mostram favoráveis para desenvolver o setor de reciclagem e gestão de resíduos sólidos, na análise da Circulate Capital. Por enquanto, ainda não foi definido quanto dos recursos virá para o Brasil, diz a diretora de relações com investidores e de comunicação estratégica na América Latina, Nataly Acosta. Mas é no país que se concentram 164 das 700 empresas já identificadas pela Circulate Capital como oportunidades de investimento na América Latina. A maior parte delas (80%) na área de infraestrutura de reciclagem, da fabricação à recuperação do plástico.”

Fonte: Capital Reset, 13/06/2023

Grupo Boticário fortalece governança e planejamento da agenda ESG 

“Gerir os resíduos sólidos gerados por sua cadeia produtiva. Zerar o balanço hídrico de água. Assegurar a rastreabilidade dos fornecedores de matérias-primas críticas. Ter ao menos 25% de lideranças corporativas negras. Estes são alguns dos compromissos que o Grupo Boticário se comprometeu, há dois anos, a cumprir até 2030. Com essa lista de objetivos ambiciosos em mãos e pouco tempo pela frente, o Grupo decidiu, em 2022, focar esforços em estruturar a governança e em evoluir a discussão sobre as metas voltadas exclusivamente para a agenda ESG. “Um passo importante dado em 2022 foi fortalecer ainda mais a nossa governança ESG com uma estrutura dedicada ao tema na vice-presidência”, explica Fernando Modé, CEO do Grupo Boticário. Modé conta ainda que o ano foi marcado pela reestruturação do Comitê ESG, do qual participa a alta liderança, que passou a ser presidido por uma conselheira independente. “É preciso fazer do ESG um modelo mental e considerar profundamente as relações de causalidade entre ação, resultado e impacto”, diz Carolina Costa, líder do Comitê ESG do Grupo Boticário. Para aprimorar o planejamento e a performance das ações ESG, o Grupo Boticário implementou na agenda a metodologia OKR, sigla para objective key results, que, como o nome diz, se baseia em metas e métricas de resultado e já era aplicada na gestão estratégica do grupo.”

Fonte: Capital Reset, 12/06/2023

Hora e vez das bolsas europeias? Gestora vê espaço para “ações de valor” e lista 12 promessas

“O cenário de inflação em alta e taxas de juros elevadas irão beneficiar as ações focadas em geração de valor na Europa, segundo avaliação da gestora Janus Henderson, que tem sob gestão € 19,1 bilhões em ações. Uma das razões é que esses papéis estão com preços mais atrativos que os encontrados no mercado americano. “A diferença de avaliação entre Europa e Estados Unidos [medida pelo múltiplo de Schiller de preço sobre lucro] é extrema, apresentado o que parecer ser um ponto de entrada atraente para as ações europeias. Um euro mais fraco torna os produtos da região mais competitivos em comparação com seus pares internacionais”, de acordo com relatório da gestora. As chamadas “ações de valor” são aquelas negociadas abaixo do preço considerado justo. Esses papéis também costumam ser bons pagadores de dividendos. Já as chamadas “ações de crescimento” são as que os investidores esperam um avanço acelerado das receitas e lucros. Outro fator que contribui, segundo a Janus Henderson, para aumentar a atratividade das ações europeias é que a região está bem posicionada para tirar proveito dos temas ESG. “As emissões ‘net-zero’ são um foco para os defensores da sustentabilidade em todo o mundo. Acreditamos que as empresas de energia são essenciais para alcançar uma transição ordenada para uma economia de baixo carbono”, reforça o relatório, lembrando que as empresas de energia a região possuem tecnologia e caixa para financiar novos investimentos que propiciem essa transição.”

Fonte: InfoMoney, 12/06/2023

Confira como criar práticas de ESG nas empresas

“Para criar práticas de ESG nas empresas, o primeiro passo é estudar os 17 objetivos definidos pela ONU. Dessa maneira, você consegue entender o que deve ser atingido, além de compreender o que a sua empresa pode fazer para se adequar ao cenário. Após isso, verifique como cada um desses objetivos, chamados de ODS, podem causar impacto na sua empresa. Seja de forma positiva ou negativa, é preciso fazer essa análise para compreender como o seu negócio pode começar a mudar a sua realidade. Em seguida, defina quais mudanças e metas serão criadas, de acordo com a capacidade de atuação da sua empresa. Considere suas finanças, o tamanho da sua operação, entre outros pontos que podem afetar o seu funcionamento diário. Por fim, informe os colaboradores sobre as mudanças a serem feitas, além de deixar claro o impacto que isso pode causar. Manter a equipe engajada é essencial para fazer com que a sua empresa tenha sucesso na implementação das práticas de ESG.”

Fonte: G1 – Globo, 12/06/2023

Quais empresas listadas na bolsa têm as melhores reputações quando o assunto é ESG?

“Entre 2020 e 2022, as buscas na internet pelo termo ESG (do inglês Environmental, Social and Governance) cresceram mais de 1.200% no Brasil, segundo dados do Google Trends. Mas as pesquisas não se detém, apenas, a entender o que a sigla significa. Há um interesse crescente sobre o que as empresas, especialmente aquelas listadas nas bolsas de valores, estão fazendo em relação ao tema. Agora, uma publicação analisa e resume quais foram os projetos e os investimentos corporativos no âmbito das questões ambientais, sociais e de governança e como estas iniciativas impactaram a reputação e imagem de 100 empresas brasileiras. O Anuário Integridade ESG 2022, publicado pela Insight Comunicação, traz um retrato das práticas ESG de 100 empresas, entre elas, companhias listadas na bolsa de valores. Um dos resultados do levantamento mostra que as iniciativas estão concentradas em poucas companhias.”

Fonte: Valor Investe, 12/06/2023

Política

Desmatamento na Amazônia: avisos do Deter somam 812 km²

No mês de maio, o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), por meio do Deter, levantamento sobre modificações na floresta amazônica, identificou 812,32 km² de área desmatada da série. Porém, levando em consideração o segundo trimestre deste ano, pode-se observar o início de uma possível tendência de alta – fator de atenção para os próximos meses. O desmatamento identificado teve uma diminuição, quando considerado o mês neste ano e no anterior. Em 2022, foram identificados 899,64 km² de área desmatada em maio. Se for considerado os últimos quatro anos, o mês de maio de 2023 tem o menor desmatamento da série. Outro detalhe importante é que maio corresponde ao mês de transição para o período seco na Amazônia. “Agora, devemos cobrar maior pressão para a contenção, porque é esperado que o desmatamento se intensifique devido a chegada da estação seca”, observou Talita Assis, especialista em ESG na EXAME. Além disso, pensando em contenção do desmate, o período contou com um fato importante: o lançamento oficial do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm), lançado em 2004. A fase cinco, que é a fase atual do projeto, conta com alguns eixos: atividades produtivas sustentáveis, monitoramento e controle ambiental, ordenamento fundiário e territorial e instrumentos normativos e econômicos – com o objetivo de criação de áreas de conservação. Para saber mais sobre o plano, leia aqui.   “

Fonte: Exame, 12/06/2023

União Europeia vai investir R$ 10 bi em hidrogênio verde no Brasil

A União Europeia investirá 2 bilhões de euros (R$ 10,5 bilhões) na produção de hidrogênio verde no Brasil, como parte dos planos do bloco europeu de buscar reduzir a dependência e o uso de combustíveis fósseis, e fará uma doação inicial de 20 milhões de euros (R$ 105 milhões) ao Fundo Amazônia. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou a contribuição nesta segunda-feira, 12, no Palácio do Planalto. “A Europa vai investir 2 bilhões de euros para apoiar a produção brasileira de hidrogênio verde, promovendo a eficiência energética na sua indústria”, afirmou ela, após audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Queremos contribuir com 20 milhões de euros para o Fundo Amazônia. Os Estados-membros também deverão contribuir”, completo. Segundo a presidente da Comissão Europeia, a Europa tem grande responsabilidade em deter o desmatamento na floresta amazônica. O Brasil tem plano e compromisso de zerar o desmate ilegal até 2030. Ela disse que já existe um projeto de 480 milhões de euros para combater o desmatamento e promover o uso sustentável da terra.”

Fonte: Exame, 12/06/2023

Internacional

Empresas

O fundo BlackRock tem como alvo a ecologização do setor de materiais

A BlackRock lançou na terça-feira o “Brown to Green Materials Fund” visando empresas subvalorizados com uso intensivo de carbono que produzem as matérias-primas e produtos que impulsionam a transição energética. Os investidores estão cada vez mais focados em quais ações as empresas em setores como metais e mineração, cimento e construção estão tomando para descarbonizar, já que os setores produzem mais de 17% das emissões globais de gases de efeito estufa. A crescente demanda por lítio, cobre e outros metais críticos para a transição de energia verde está pronta para beneficiar o crescimento dos ganhos das empresas em toda a cadeia de suprimentos, da mina ao produto final, caso a adoção de tecnologias de menor carbono exceda as expectativas, disse a BlackRock.As empresas que produzem os materiais e têm um plano de qualidade para descarbonizar – e seus fornecedores – devem reascarrear à medida que suas margens aumentam e os riscos de sustentabilidade diminuem, disse. O gerente de fundos selecionou o All-Country World Index do provedor de índices MSCI para as empresas emissoras de maior emissão do mundo que provavelmente verão o aumento da demanda como resultado da transição nos próximos 10-20 anos, selecionando aquelas com a tecnologia e as finanças para implementar mudanças em um prazo realista, disse Evy Hambro, chefe global de Investimento Temático e Setorial da BlackRock.”

Fonte: Reuters, 13/06/2023

Investidores podem sair de empresas de bens de consumo por causa da lei de desmatamento da UE

A UE concordou em dezembro com uma nova regra para impedir que as empresas vendam em seu mercado café, carne bovina, soja, borracha, óleo de palma e outras commodities ligadas ao desmatamento. As empresas devem provar que suas cadeias de suprimentos não estão contribuindo para a destruição das florestas ou serem multadas em até 4% de seu volume de negócios em um estado membro da UE. A Union Investment da Alemanha, um dos 20 principais investidores na Unilever (ULVR.L) e na Reckitt (RKT.L), escreveu no ano passado para 56 empresas de bens de consumo para saber mais sobre o desmatamento em suas cadeias de suprimentos. “As multas podem ser um risco para o desempenho dessas empresas no mercado de ações”, disse Henrik Pontzen, chefe de ESG da Union Investment, que tem cerca de 424 bilhões de euros (US$ 467 bilhões) em ativos sob gestão e participações na Nestlé (NESN.S), Pepsico (PEP.O), Danone (DANO.PA), Beyond Meat (BYND.O). A União “excluirá as empresas quando todas as nossas opções de escalonamento estiverem esgotadas”, disse Pontzen. Ele não está sozinho em sua frustração com a falta de engajamento das empresas. Oito grandes acionistas institucionais – Schroders, Janus Henderson, NBIM, Union Investment, KLP, Aviva, Fidelity International e Ninety One – disseram à Reuters que estavam conversando com fabricantes de bens de consumo sobre essa questão, três dos quais disseram que identificarão ações que podem sair”

Fonte: Reuters, 13/06/2023

Política

À medida que as mudanças climáticas atingem, a China pesa novos megaprojetos de água

À medida que as secas se aproximam, a China está planejando novos projetos ambiciosos de infraestrutura hídrica na esperança de que mover mais do precioso líquido por todo o país mitiga o impacto das mudanças climáticas – mas especialistas alertam que mais desvios fluviais podem ser caros. No final de maio, as autoridades divulgaram planos para construir uma “rede de água” nacional de novos canais, reservatórios e instalações de armazenamento, dizem que impulsionará a irrigação e reduzirá o risco de inundações e secas. O ministro dos Recursos Hídricos, Li Guoying, disse que o plano “desbloquearia as principais artérias” do sistema fluvial até 2035, aumentando a capacidade do estado de nivelar a distribuição de abastecimento de água. Mas os especialistas dizem que essa abordagem não é apenas cara e ambientalmente perturbadora, mas pode deixar as regiões do sul mais vulneráveis a interrupções de fornecimento e exigir infraestrutura adicional para lidar.”

Fonte: Reuters, 13/06/2023


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Como os investidores institucionais estão vendo o tema ESG? Feedback da nossa rodada de reuniões (link)
  • Hidrogênio Verde (H2V): O combustível do futuro? (link)
  • Brunch com ESG: AMER3 e BBAS3 em destaque; Conferência de Davos chega ao fim (link)
  • Radar ESG | Setor financeiro (BBAS3, BBDC4, BPAC11, B3SA3, ITUB4, SANB11): Sólida performance ESG, com espaço para melhoria na governança (link)
  • Retrospectiva ESG: 12 meses, 12 acontecimentos e 12 relatórios que você não pode perder (link)
  • Novo ano, nova carteira do ISE B3: Tudo o que você precisa saber (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para janeiro (link)
  • Nova resolução da CVM define regras ESG mais rígidas para companhias abertas (link)
  • Radar ESG | Papel e Celulose (SUZB3, KLBN11, RANI3): Bem posicionadas, apesar dos riscos ambientais acima da média (link)
  • Radar ESG | Vestuário Esportivo (SBFG3, TFCO4, VULC3): E no jogo ESG, quem vence? (link)
  • Radar ESG | DASA (DASA3): Bom desempenho ESG, com oportunidades de melhoria (link)
  • ESG: Top 5 tendências para 2023 (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para dezembro (link)
  • COP27 chega ao fim; 5 principais destaques da conferência (link)
  • Copa do Mundo 2022: ESG escalado para entrar em campo? (link)
  • COP27: Três principais mensagens dos primeiros dias (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback webinar ESG; Destravando valor via a sustentabilidade (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para novembro (link)
  • Radar ESG | PetroRio (PRIO3): Desenvolvendo as estratégias para atuar no campo ESG (link)
  • COP27: Um mês para a próxima conferência climática da ONU (link)
  • Aura Minerals (AURA33): Indo a campo; Principais destaques da visita ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Duas alterações para o mês de outubro (link)
  • ESG & Telecom | 5G Insights; Capítulo 4: Como o uso do 5G pode impulsionar a descarbonização? (link)
  • Radar ESG | Eletrobras (ELET3): Mudanças que vêm para o bem; Melhorias ESG também estão por vir (link)
  • Radar ESG | Guararapes (GUAR3): Evoluindo em como vestir essa agenda (link)
  • Radar ESG | Zenvia (ZENV): Dando os primeiros passos na agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Frigoríficos brasileiros: Em busca de maior sustentabilidade e melhor governança (BRFS3, JBSS3, MRFG3, BEEF3) (link)
  • ESG: Como os clientes institucionais estão evoluindo no tema? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para setembro (link)
  • Raio-X das metas de emissões das companhias brasileiras (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • ESG: Três aprendizados da Expert XP 2022 (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para julho (link)
  • Radar ESG | Alupar (ALUP11): Bem posicionada para se beneficiar da tendência da transição energética; esperamos mais por vir (link)
  • Radar ESG | Intelbras (INTB3): Agregando valor através de oportunidades em tecnologia limpa (link)
  • Radar ESG | Grupo Vittia (VITT3): Melhorando a sustentabilidade na agricultura (link)
  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.