XP Expert

Novo relatório da ONU indica emergência climática | Café com ESG, 21/03

Simone Tebet reforçou aposta do governo brasileiro em ampliar a produção agrícola; Relatório de Síntese do Sexto Ciclo de Avaliação do IPCC da ONU sobre emergência climática

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado encerrou o pregão de segunda-feira em território negativo, com o Ibov e o ISE caindo -1,0% e -1,7%, respectivamente.

• No Brasil, (i) o regulador ambiental do Brasil, Ibama, pediu à petrolífera Petrobras informações adicionais sobre seu plano de perfurar na foz do rio Amazonas antes de autorizar a Petrobras a testar sua resposta emergencial a derramamentos de óleo, disse o presidente da agência, Rodrigo Agostinho, à Reuters – o pedido frustrou as esperanças da Petrobras de iniciar o teste de perfuração ainda nesta semana; (ii) durante a assembleia anual do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, aproveitou para reforçar diante de autoridades internacionais, a aposta do governo brasileiro em ampliar a produção agrícola, voltada para atender a demanda mundial por alimentos, sem aumentar os índices de desmatamento.

• No internacional, o Relatório de Síntese do Sexto Ciclo de Avaliação do IPCC da ONU afirma que mundo precisa avançar mais rápido na descarbonização e ao mesmo tempo acelerar as adaptações necessárias para a convivência com um clima em mutação – apesar de as conclusões científicas já terem sido publicadas, o documento é relevante pois representa uma espécie de “sumário executivo” que vai orientar as negociações internacionais nas próximas COPs.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Agência ambiental brasileira frustra plano da Petrobras de perfurar na foz do Amazonas

“O regulador ambiental do Brasil, Ibama, pediu à petrolífera Petrobras informações adicionais sobre seu plano de perfurar na foz do rio Amazonas antes de autorizar a Petrobras a testar sua resposta emergencial a derramamentos de óleo, disse o presidente da agência, Rodrigo Agostinho, à Reuters. O pedido frustrou as esperanças da Petrobras de iniciar o teste de perfuração ainda nesta semana, disse uma fonte próxima à empresa na segunda-feira. O Ibama não definiu a data do teste porque a Petrobras não entregou todos os documentos exigidos, mas será agendado assim que a empresa fornecer as informações, disse Agostinho. A Petrobas vê a foz do Amazonas como a mais nova e importante fronteira para a exploração de petróleo no Brasil e a empresa planejou o teste para avaliar sua resposta em caso de um grande vazamento.”

Fonte: Reuters, 20/03/2023

O que mudou para os diretores de sustentabilidade com o ESG

“Com a popularização da agenda ESG, um novo cargo tem ganhado destaque nas empresas. São os Chief Sustainability Officers (CSOs), responsáveis, entre outras coisas, por desenvolver a estratégia de sustentabilidade e impacto social das companhias. Um estudo conduzido pela consultoria de recrutamento executivo Egon Zehnder, com 329 empresas de 53 países, descobriu que 8% das organizações têm um CSO à frente do tema. Apesar de ser um número pequeno, o levantamento aponta que, atualmente, esses profissionais se reportam diretamente aos CEOs e conselhos, o que representa uma valorização da agenda e do cargo dentro das companhias. Caroline Lico, responsável pela pesquisa, afirma que houve um crescimento da demanda por parte das empresas em atrair líderes seniores com experiência em sustentabilidade.”

Fonte: Valor Econômico, 20/03/2023

A divulgação da integração ESG aos negócios: dificuldades e perspectivas futuras

“Com frequência reparo que a sigla ESG é usada como sinônimo de sustentabilidade. A sustentabilidade trata de forma integrada o sistema composto pelo ambiente, pela sociedade e pela economia. Por outro lado, o ESG se refere a como empresas e investidores integram aspectos ambientais, sociais e de governança aos seus modelos de negócios, ou seja, se traduz em uma perspectiva de negócios sobre a sustentabilidade. Já não vivemos em tempos, portanto, em que os temas ambientais, sociais e de governança estão distantes da estratégia das empresas. A gente goste ou não, a discussão da sustentabilidade e um mundo em clara transição criaram o cenário legítimo para que a sigla ESG ganhasse destaque em diversas esferas: na mídia, nos governos e reguladores, na agenda dos consumidores, nas empresas e, por consequência, nos relatórios divulgados ao mercado.”

Fonte: Valor Econômico, 20/03/2023

KPMG aponta os desafios ESG do setor mínero-metalúrgico

“No mundo, 30% das empresas do setor de mineração e metalurgia integram as metas de ESG (sustentabilidade socioambiental e governança corporativa, na sigla em inglês) à sua estratégia empresarial. Outros 48% desenvolveram metas de ESG, mas não tornaram essas metas parte da estratégia geral da companhia. Essas são conclusões de um relatório produzido pela KPMG, a partir de entrevistas com mais de 320 líderes mundiais no setor mínero-metalúrgico. “É importante que as empresas não só adotem metas de ESG, mas também façam com que estejam presentes nas reuniões regulares dos gestores”, afirmou Nelmara Arbex, sócia-líder de consultoria em ESG da KPMG no Brasil. Ela observou que uma das exigências do BlackRock, por exemplo, é a diversidade de gênero na alta gestão das empresas. “Até por exigência dos investidores as empresas precisam avançar nessa direção”, acrescentou Arbex.”

Fonte: Valor Econômico, 21/03/2023

Nova ação contra desigualdades raciais

“Ninguém nasce odiando. Se as pessoas foram ensinadas a odiar elas podem ser ensinadas a amar. Esse princípio lapidar de Nelson Mandela ilustra, ilumina e traduz o espírito do dia internacional de luta contra a discriminação racial que a comunidade de nações celebra nesse dia 21 de março. Esse robusto ensinamento continua atual e necessariamente obrigatório em qualquer lugar do mundo e, principalmente, num país de profundas manifestações de discriminação, racismo explícito e profundas desigualdades raciais como é o Brasil. O modo de operar na teoria e na prática essas ações no ambiente corporativo foram definitivamente esmiuçadas, debatidas e equalizadas por Graça Machel, ativista global pelos direitos humanos e viúva de Mandela, no encontro com 70 presidentes das 140 empresas pela equidade racial do nosso país, componentes da Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e no Mover – Movimento Empresas pela Equidade Racial, reunidos no Fórum Internacional pela Equidade Racial Empresarial, realizada em novembro de 2022, na sede da Universidade Zumbi dos Palmares, na cidade de São Paulo”

Fonte: Valor Econômico, 21/03/2023

Energia renovável cria nova demanda por profissionais

“Um relatório da Agência Internacional de Energia Renovável (Irena), produzido em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), classificou o Brasil como o quinto país que mais gera empregos em energia renovável. Segundo o levantamento, foram cerca de 115 mil posições abertas entre 2020 e 2021. Uma das empresas responsáveis por disponibilizar vagas na área é a dinamarquesa Vestas, que tem escritórios em 88 países e produz turbinas de energia eólica. Kerstin Knapp, vice-presidente executiva de pessoas e cultura da companhia, conta que a organização lançou recentemente o seu primeiro programa de estágio na América Latina, no qual os participantes passam por um rodízio em diferentes áreas. “No Brasil, estamos trazendo pessoas diretamente da universidade para que elas possam ter sua primeira experiência profissional e testar para onde querem ir”, explica.”

Fonte: Valor Econômico, 20/03/2023

Clique aqui para ver o relatório completo Hidrogênio Verde: O combustível do futuro?

Política

Simone Tebet reforça posição do Brasil de aumentar produção agrícola sem desmatamento

“A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, reforçou neste sábado, diante de autoridades internacionais, a aposta do governo brasileiro em ampliar a produção agrícola, voltada para atender a demanda mundial por alimentos, sem aumentar os índices de desmatamento. O posicionamento veio em primeira participação da ministra na assembleia anual do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), realizada na Cidade do Panamá. “O Brasil sabe que, por ser uma potência agrícola, também precisa ter responsabilidade com a sustentabilidade. Nossa determinação é a do presidente Lula: aumentar a produção com desmatamento ilegal zero”, destacou Tebet, que é a governadora do Brasil no BID. A assembleia será realizada até amanhã (19). A ministra do Planejamento e Orçamento enfatizou que o governo brasileiro tem compromisso com a questão climática e o meio ambiente.”

Fonte: Valor Econômico, 21/03/2023

Internacional

Política

‘Janela do futuro sustentável está fechando’, diz IPCC

“O mundo precisa avançar mais rápido na descarbonização e ao mesmo tempo acelerar as adaptações necessárias para a convivência com um clima em mutação. Essas são as duas mensagens principais da quarta e última parte do Sexto Ciclo de Avaliação do IPCC, o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima, da ONU. Divulgado hoje, o chamado Relatório de Síntese compila as principais conclusões do painel científico que estuda a ciência da mudança climática, seus impactos e o que pode ser feito para combatê-la. “A janela de oportunidade para garantir um futuro sustentável e habitável para todos está rapidamente fechando”, afirma o relatório. “As escolhas e ações implementadas nesta década terão impacto agora e por milhares de anos.” Apesar de as conclusões científicas já terem sido publicadas, o documento é relevante pois representa uma espécie de “sumário executivo” que vai orientar as negociações internacionais nas próximas COPs.”

Fonte: Capital Reset, 20/03/2023

Falta ação, mas há tecnologia e recursos para a mitigação do aquecimento global, aponta IPCC

“Há urgência na aplicação de estratégias para o enfrentamento das mudanças climáticas, de modo a mitigar os danos e o aumento do aquecimento global, mas a boa notícia é que a tecnologia e os recursos financeiros para isto já existem, segundo o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgado nesta segunda-feira, 20. “A integração de ações climáticas efetivas e equitativas não apenas reduzirá perdas e danos à natureza e às pessoas, mas também proporcionará benefícios mais amplos”, disse o presidente do IPCC, Hoesung Lee. “Este Relatório Síntese ressalta a urgência de tomar medidas mais ambiciosas e mostra que, se agirmos agora, ainda podemos garantir um futuro sustentável habitável para todos”. De todo modo, a questão é que a janela de tempo se estreitou para evitar grandes impactos socioeconômicos.”

Fonte: Exame, 21/03/2023

Biden usa primeiro veto para defender regra sobre investimento ESG

“O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, rejeitou na segunda-feira uma proposta republicana para impedir que gestores de fundos de pensão baseiem decisões de investimento em fatores como a mudança climática, no primeiro veto de sua presidência. “Acabei de assinar este veto porque a legislação aprovada pelo Congresso colocaria em risco as economias de aposentadoria de indivíduos em todo o país”, disse Biden em um vídeo postado no Twitter. O projeto foi aprovado no Congresso em 1º de março, quando o Senado votou por 50 a 46 para adotar uma medida para derrubar uma regra do Departamento do Trabalho, tornando mais fácil para os gestores de fundos considerar questões ambientais, sociais e de governança corporativa, ou ESG, para investimentos e decisões de direitos dos acionistas. , como por meio de votação por procuração.”

Fonte: Reuters, 20/03/2023

Por que não estamos pensando na escassez hídrica quando falamos de ESG?

“A sete anos do prazo final da Agenda 2030 instituída pela ONU com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), uma das agendas liga o sinal amarelo para vermelho: o ODS 06 – Água Potável e Saneamento. No 30º aniversário do Dia Mundial da Água (22 de março), a ONU promove a UN Water Conference (Conferência Mundial da Água) em Nova York (Estados Unidos) para propor agendas de ação com os Estados-membros, entidades da ONU, organizações da sociedade civil e setor empresarial. A Conferência ocorre de 22 a 24 de março dentro da sede da Organização das Nações Unidas, com mesas de discussões sobre os diferentes desafios e oportunidades mediadas por diversos países, incluindo o Brasil.”

Fonte: Exame, 21/03/2023


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Hidrogênio Verde (H2V): O combustível do futuro? (link)
  • Brunch com ESG: AMER3 e BBAS3 em destaque; Conferência de Davos chega ao fim (link)
  • Radar ESG | Setor financeiro (BBAS3, BBDC4, BPAC11, B3SA3, ITUB4, SANB11): Sólida performance ESG, com espaço para melhoria na governança (link)
  • Retrospectiva ESG: 12 meses, 12 acontecimentos e 12 relatórios que você não pode perder (link)
  • Novo ano, nova carteira do ISE B3: Tudo o que você precisa saber (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para janeiro (link)
  • Nova resolução da CVM define regras ESG mais rígidas para companhias abertas (link)
  • Radar ESG | Papel e Celulose (SUZB3, KLBN11, RANI3): Bem posicionadas, apesar dos riscos ambientais acima da média (link)
  • Radar ESG | Vestuário Esportivo (SBFG3, TFCO4, VULC3): E no jogo ESG, quem vence? (link)
  • Radar ESG | DASA (DASA3): Bom desempenho ESG, com oportunidades de melhoria (link)
  • ESG: Top 5 tendências para 2023 (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para dezembro (link)
  • COP27 chega ao fim; 5 principais destaques da conferência (link)
  • Copa do Mundo 2022: ESG escalado para entrar em campo? (link)
  • COP27: Três principais mensagens dos primeiros dias (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback webinar ESG; Destravando valor via a sustentabilidade (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para novembro (link)
  • Radar ESG | PetroRio (PRIO3): Desenvolvendo as estratégias para atuar no campo ESG (link)
  • COP27: Um mês para a próxima conferência climática da ONU (link)
  • Aura Minerals (AURA33): Indo a campo; Principais destaques da visita ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Duas alterações para o mês de outubro (link)
  • ESG & Telecom | 5G Insights; Capítulo 4: Como o uso do 5G pode impulsionar a descarbonização? (link)
  • Radar ESG | Eletrobras (ELET3): Mudanças que vêm para o bem; Melhorias ESG também estão por vir (link)
  • Radar ESG | Guararapes (GUAR3): Evoluindo em como vestir essa agenda (link)
  • Radar ESG | Zenvia (ZENV): Dando os primeiros passos na agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Frigoríficos brasileiros: Em busca de maior sustentabilidade e melhor governança (BRFS3, JBSS3, MRFG3, BEEF3) (link)
  • ESG: Como os clientes institucionais estão evoluindo no tema? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para setembro (link)
  • Raio-X das metas de emissões das companhias brasileiras (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • ESG: Três aprendizados da Expert XP 2022 (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para julho (link)
  • Radar ESG | Alupar (ALUP11): Bem posicionada para se beneficiar da tendência da transição energética; esperamos mais por vir (link)
  • Radar ESG | Intelbras (INTB3): Agregando valor através de oportunidades em tecnologia limpa (link)
  • Radar ESG | Grupo Vittia (VITT3): Melhorando a sustentabilidade na agricultura (link)
  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.