XP Expert

Na Europa, venda de carros novos a combustão será proibida a partir de 2035 | Café com ESG, 28/10

Weg investe na eletrificação de transporte pesado; venda de carros novos a combustão será proibida na Europa a partir de 2035; e produtores de biocombustíveis pedem por planos estratégicos de descarbonização dos transportes

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão de quinta-feira em território positivo, com o Ibov e o ISE em alta de +1,7% e +3,0%, respectivamente.

• No Brasil, a Weg, uma das maiores fabricantes do mundo de motores elétricos para a indústria, agora está de olho em um negócio maior, o da eletrificação do transporte pesado – um investimento de R$ 660 milhões anunciado há um mês vai ser dedicado para aumentar a produção de motores para esses veículos, de acordo com Valter Luiz Knihs, diretor de sistemas industriais e e-mobility da empresa.

• No exterior, (i) a venda de carros novos com motores a combustão será proibida na Europa a partir de 2035, uma decisão que deve acelerar a eletrificação dos transportes no bloco e potencialmente no resto do mundo – o tema vinha sendo discutido havia meses, e o acordo foi anunciado na tarde de ontem; e (ii) produtores de biocombustíveis de vários países da América Latina se uniram para pedir aos governos de seus países um plano regional de transição energética que impulsione o uso de biocombustíveis nos transportes sobre rodas, aéreo, fluvial e marítimo – no total, treze organizações representantes de produtores assinaram um manifesto reivindicando aos governos regionais ações mais contundentes para promover os biocombustíveis como estratégia de descarbonização dos transportes.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

A aposta da Weg nos caminhões e ônibus elétricos

“Fundada há 61 anos por um eletricista, um administrador e um mecânico, a multinacional brasileira Weg aposta nesses três “genes” para entrar num mercado que promete ser um dos mais movimentados das próximas décadas: a mobilidade elétrica. A empresa de Jaraguá do Sul (SC), uma das maiores fabricantes do mundo de motores elétricos para a indústria, agora está de olho em um negócio maior, com mais visibilidade – e mais concorrência –: o da eletrificação do transporte pesado. A Weg desenvolveu e fabrica os motores do primeiro caminhão elétrico e 100% brasileiro, o e-Delivery, da Volkswagen. Os primeiros 350 veículos já são usados por empresas como Ambev, Femsa e Heineken para a última milha das entregas em grandes centros urbanos. Um investimento de R$ 660 milhões anunciado há um mês vai ser dedicado “em boa parte” para aumentar a produção de motores para esses veículos, diz Valter Luiz Knihs, diretor de sistemas industriais e e-mobility da empresa.”

Fonte: Capital Reset, 27/10/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante

Assaí muda conselho e prepara sucessão

“A rede de atacarejo Assaí confirmou a informação, antecipada pelo Valor PRO na quinta-feira, de que Ronaldo Iabrudi deve deixar o cargo de vice-chairman do conselho de administração da companhia a partir desta sexta-feira. A companhia ainda informou em fato relevante que Belmiro Gomes, atual CEO do Assaí, segue na função. Segundo fontes ouvidas, a empresa também já definiu que Gomes deverá ocupar uma cadeira no conselho e se manter, ao mesmo tempo, como presidente da rede por um determinado período, permanecendo a atual estratégia e modelo de gestão, como antecipou ontem o Valor. A indicação de Gomes ao colegiado ainda será anunciada pela rede ao mercado futuramente.”

Fonte: Valor Econômico, 28/10/2022

Frigoríficos fazem investimentos em cadeias sustentáveis

“Os principais frigoríficos do país, JBS Friboi, Minerva e Marfrig, estão empenhados em promover práticas sustentáveis em suas cadeias produtivas. O objetivo é reduzir o impacto de uma atividade intensiva em emissão de carbono e em desflorestamento e degradação do solo, e que se tornou alvo de atenção de consumidores e organizações internacionais de proteção ambiental. De acordo com a Quarta Comunicação Nacional do Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês), 18,5% das emissões de gases de efeito estufa (GEE) no Brasil são provenientes da pecuária. O principal fator de emissão bovina é o chamado arroto do boi – o gás metano gerado no processo digestivo dos animais ruminantes.”

Fonte: Valor Econômico, 28/10/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “ESG Radar | Frigoríficos brasileiros (BRFS3, JBSS3, MRFG3, BEEF3): Em busca de maior sustentabilidade e melhor governança

‘Moeda ambiental’ da BMV atrai investimentos sustentáveis de micro e pequenas empresas

“A criação das Unidades de Crédito de Sustentabilidade (UCS) pelo Grupo Brasil Mata Viva (BMV) deu oportunidade para que micro e pequenas empresas invistam em ESG e busquem diferenciais socioambientais para os produtos que entregam ou para os serviços que prestam. O perfil dos investidores é diversificado, mas 30% do público é de pequenos empresários. Integram a lista instituições financeiras, fundos de investimentos, indústrias de alimentos, construtoras, escritórios de advocacia e até consultório dentário. Segundo Maria Tereza Umbelino, CEO do BMV, as empresas compram esses créditos por visualizarem a possibilidade de, no futuro, essa aquisição ajudá-las a conseguir taxas diferenciadas em captações financeiras.”

Fonte: Valor Econômico, 28/10/2022

O ESG como alavanca de valor para as empresas

“Nos últimos 100 anos vivemos um processo de transição de uma economia majoritariamente industrial para uma economia digital baseada no capital intelectual. Paralelamente a esse movimento, observamos um aumento significativo na relevância dos fatores intangíveis na determinação do valor das empresas. Ativos tangíveis como máquinas, imóveis e estoques representavam 83% do valor de mercado do índice S&P 500 em 1975, proporção que caiu para apenas 10% em 2020, de acordo com a Ocean Tomo, especialista em avaliação de ativos. Assim, dados não financeiros como a qualidade do time de gestão, a cultura corporativa, a excelência no atendimento ao cliente e a capacidade de inovar e gerenciar a cadeia de valor como um todo passaram a assumir maior relevância na determinação do valor intrínseco de uma empresa.”

Fonte: Valor Econômico, 27/10/2022

Brasil pode ser protagonista em créditos de carbono

“A agropecuária, responsável por 27% das emissões brasileiras de gases de efeito estufa, já deu os primeiros passos no mercado voluntário de crédito de carbono. É verdade que ainda um tanto timidamente, registrando apenas 15 projetos de pecuária e 28 florestais. A oferta atual de crédito de carbono no mercado brasileiro é de menos de 1% do potencial anual do país, a maior parte em conservação e geração de energia a partir de resíduos, segundo recente estudo da McKinsey. As projeções, contudo, apontam para um futuro mais promissor.”

Fonte: Valor Econômico, 28/10/2022

Política

Supremo Tribunal do Brasil decide a favor da recuperação do Fundo Amazônia

“A Suprema Corte do Brasil deve exigir que o governo reative um fundo internacional de bilhões de dólares destinado a proteger a floresta amazônica, enquanto o país enfrenta um desmatamento desenfreado, de acordo com um comunicado do tribunal na quinta-feira. A maioria dos ministros da Suprema Corte decidiu que o governo deve tomar medidas em 60 dias para reativar o Fundo Amazônia, congelado em 2019 quando o governo do presidente Jair Bolsonaro decidiu mudar sua estrutura de governança. A Noruega pagou US$ 1,2 bilhão ao fundo entre 2008 e 2018, recursos destinados a financiar projetos de sustentabilidade e ajudar a reduzir o desmatamento na maior floresta tropical do mundo. A Alemanha também doou mais de US$ 68 milhões.”

Fonte: Reuters, 27/10/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo

Opinião

Sustentabilidade não é caridade. No fim do dia tem que ser um negócio 

“O argentino Javier Constante é um entusiasta da indústria química e da agenda ESG. A base do negócio que ele dirige é o petróleo e o plástico está entre os principais produtos da Dow Química. O que poderia ser um conflito­ é enfrentado por ele com segurança e naturalidade. No pilar ambiental, sua preocupação é a tecnologia evoluir com a urgência que o planeta precisa. Na âmbito social, ele — um dos raros CEOs de multinacionais a assumir a homossexualidade —, reforçou a diversidade na alta liderança da empresa. Agora o foco é a inclusão com igualdade. “Meritocracia é importante, mas não dá para exercitá-la se os profissionais partem de uma situação de desigualdade. É nisso que a Dow está trabalhando”, afirmou.”

Fonte: Isto É Dinheiro, 27/10/2022

Internacional

Empresas

Produtores de biocombustível pedem políticas para transição energética na América Latina

“Produtores de biocombustíveis de vários países da América Latina se uniram nesta quinta-feira para pedir aos governos de seus países um plano regional de transição energética que impulsione o uso de biocombustíveis nos transportes sobre rodas, aéreo, fluvial e marítimo. Treze organizações representantes de produtores assinaram um manifesto reivindicando aos governos regionais ações mais contundentes para promover os biocombustíveis como estratégia de descarbonização dos transportes. Dentre os signatários, há quatro organizações brasileiras: a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), a Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio), a União Nacional do Etanol de Milho (Unem) e a União da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia (Unica). O documento também é assinado pela Associação Internacional de Transporte Aéreos (Iata).”

Fonte: Valor Econômico, 27/10/2022

Startup BetaBlocks cria serviço de blockchain do tipo ‘white label’

“Depois do modelo cripto-as-a-service (CaaS), infraestrutura que permite a neobancos e e-commerces se tornarem corretoras de criptoativos, o segmento agora conta com a versão blockchain de infraestrutura “white label” para produção de NFTs (token não fungível) e ativos digitais em geral. O serviço foi desenvolvido pela startup BetaBlocks, que recebeu R$ 8 milhões de fundos de venture capital e passou por aceleração da Endeavor. Fundada em 2018 em Miami, a startup fornece blockchain-as-a-service (BaaS) para empresas de diferentes segmentos de negócios customizarem a digitalização de produtos e serviços com suas próprias marcas por uma fração do custo de um projeto desenvolvido do zero, como muitas companhias têm se aventurado no universo da chamada web3.”

Fonte: Valor Econômico, 28/10/2022

Política

UE proíbe venda de novos carros a combustão a partir de 2035 

“A venda de carros novos com motores a combustão será proibida na Europa a partir de 2035. A decisão deve acelerar a eletrificação dos transportes no bloco e potencialmente no resto do mundo. O tema vinha sendo discutido havia meses, e o acordo foi anunciado na tarde desta quinta-feira (27). A medida representa o fim de um símbolo da industrialização do continente. “As montadoras europeias já estão provando estar prontas para dar esse passo, com cada vez mais carros elétricos de preço acessível chegando ao mercado”, afirmou em comunicado o chefe de políticas climáticas da UE, Frans Timmermans. “A velocidade da mudança nos últimos anos é notável.”A medida se aplica a carros de passeio e vans e faz parte do pacote Fit fot 55, que se refere à meta de reduzir em 55% as emissões de gases de efeito estufa do bloco até 2030.”

Fonte: Capital Reset, 27/10/2022

Mundo a caminho de aumento de temperatura de até 2,6°C até 2100, informa ONU

“As promessas climáticas feitas por países em todo o mundo são lamentavelmente inadequadas e colocam o mundo no caminho certo para um aumento de temperatura entre 2,4°C e 2,6°C até 2100, previu o principal órgão ambiental da ONU, com os efeitos fatais do aquecimento global já evidentes. A última análise do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente das metas anunciadas por 194 países, responsáveis por mais de 90% de todos os gases de efeito estufa, disse que não havia “nenhum caminho credível para 1,5°C”, referindo-se ao acordo de Paris para limitar a emissão global de gases de efeito estufa. aquecimento. As temperaturas já subiram pelo menos 1,1°C na era industrial. […] As metas atualizadas anunciadas pelos países este ano reduziriam menos de 1% das emissões projetadas para 2030 – muito longe da queda de 45% necessária para limitar o aquecimento global a 1,5°C, disse o PNUMA.”

Fonte: Capital Reset, 27/10/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • COP27: Um mês para a próxima conferência climática da ONU (link)
  • Aura Minerals (AURA33): Indo a campo; Principais destaques da visita ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Duas alterações para o mês de outubro (link)
  • ESG & Telecom | 5G Insights; Capítulo 4: Como o uso do 5G pode impulsionar a descarbonização? (link)
  • Radar ESG | Eletrobras (ELET3): Mudanças que vêm para o bem; Melhorias ESG também estão por vir (link)
  • Radar ESG | Guararapes (GUAR3): Evoluindo em como vestir essa agenda (link)
  • Radar ESG | Zenvia (ZENV): Dando os primeiros passos na agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Frigoríficos brasileiros: Em busca de maior sustentabilidade e melhor governança (BRFS3, JBSS3, MRFG3, BEEF3) (link)
  • ESG: Como os clientes institucionais estão evoluindo no tema? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para setembro (link)
  • Raio-X das metas de emissões das companhias brasileiras (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • ESG: Três aprendizados da Expert XP 2022 (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para julho (link)
  • Radar ESG | Alupar (ALUP11): Bem posicionada para se beneficiar da tendência da transição energética; esperamos mais por vir (link)
  • Radar ESG | Intelbras (INTB3): Agregando valor através de oportunidades em tecnologia limpa (link)
  • Radar ESG | Grupo Vittia (VITT3): Melhorando a sustentabilidade na agricultura (link)
  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.