XP Expert

Brasil adere à iniciativa sobre comércio e sustentabilidade ambiental na OMC | Café com ESG, 13/06

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão de sexta-feira em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -1,5% e -2,2%, respectivamente. Na semana, o Ibov e o ISE fecharam recuando -5,1% e -6,2%, respectivamente.

• No Brasil, (i) segundo Francis Queen, executivo da Raízen, a companhia já tem visto uma demanda pelo etanol como uma das soluções para a redução das emissões de carbono no transporte aéreo e marítimo, entretanto, de acordo com ele, se toda a atual produção brasileira de etanol for utilizada para a fabricação do bioquerosene de aviação, seria possível atender apenas 4% da demanda para abastecer os aviões; e (ii) o Brasil aderiu a uma iniciativa sobre comércio e sustentabilidade ambiental na Organização Mundial do Comércio (OMC) ontem, conforme anúncio do chefe da delegação brasileira na conferência da entidade – com a formalização ao Tessd, sigla para Trade and Environmental Sustainability Structured Discussions, o país procura sair de postura reativa e ser mais propositivo na realidade da cena internacional, com consumidores ao redor do mundo preocupados com o modo de produção do que compram.

• No internacional, Google, Meta (dona do Facebook) e Microsoft — três dos maiores compradores corporativos de energia limpa do mundo — levantaram pontos de atenção sobre um projeto de energia renovável de quase US$ 4 bilhões, apoiado pelo investidor bilionário Warren Buffett, em Iowa – segundo as gigantes de tecnologia, o projeto não atende necessariamente o interesse dos clientes, incluindo eles próprios.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Assine conteúdos exclusivos aqui!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Raízen vê demanda crescente por etanol como solução para reduzir CO2

“A Raízen já percebe demanda pelo etanol como uma das soluções para a redução das emissões de carbono no transporte aéreo e marítimo, segundo Francis Queen, vice-presidente executivo de operações de etanol, açúcar e bioenergia da companhia. “A Raízen já tem uma demanda muito grande desse tipo de cliente. As pessoas já estão procurando essa alternativa”, afirmou ele em apresentação no Simpósio de Bioenergia de Mato Grosso do Sul. Segundo Queen, se toda a atual produção brasileira de etanol for utilizada para a fabricação do bioquerosene de aviação, seria possível atender apenas 4% da demanda para abastecer os aviões. Para produzir um litro de combustível de aviação, é preciso o dobro do volume de etanol.”

Fonte: Valor Econômico, 10/06/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde

Política

Brasil anuncia adesão a iniciativa ambiental na OMC

“O Brasil decidiu aderir a uma iniciativa sobre comércio e sustentabilidade ambiental na Organização Mundial do Comércio (OMC), anunciou nesse domingo (12) o chefe da delegação brasileira na conferência da entidade, o secretário-geral do Itamaraty, Fernando Simas Magalhães. “O Brasil continuará a se engajar plenamente nessas discussões”, disse o secretário. Para alguns observadores, isso ilustra como o “comércio está ficando verde’’. Com a formalização ao Tessd, sigla para Trade and Environmental Sustainability Structured Discussions, o Brasil procura sair de postura reativa e ser mais propositivo na realidade da cena internacional, com consumidores em redor do mundo preocupados com o modo de produção do que compram. A percepção internacional sobre políticas ambientais do governo Bolsonaro é especialmente negativa.”

Fonte: Valor Econômico, 13/06/2022

Brasil espera UE definir o que é ‘desmatamento’

“A definição sobre o que é “desmatamento” se tornou uma frente de disputa no desenho da política que a União Europeia (UE) quer adotar para barrar importações de commodities agrícolas associadas a cortes de vegetação realizados após 2020 – ilegais ou legais no país de produção. […] Se a proposta abranger apenas o desmate de “florestas”, conforme definição da Agência das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) – e presente na proposta elaborada pela Comissão Europeia -, 74% da área ainda preservada no Cerrado poderia ser desmatada para a produção de commodities para o bloco, ou 79 milhões de hectares. Mas se o projeto quiser barrar o desmatamento de regiões em “terras com madeira”, um outro conceito também da FAO, a desproteção do bioma na cadeia de fornecimento da UE cairia para 18%. Esse percentual se refere a áreas de pastagem natural.”

Fonte: Valor Econômico, 13/06/2022

A rota para a OCDE passa pela proteção do meio ambiente

“O Brasil mudou nestes últimos três anos e meio. E o mundo mudou ainda mais, talvez em outra direção – de 2016 para cá, o Acordo de Paris espraiou requisitos verdes nos acordos comerciais e de investimento. Sem contar o boom de novos atores que se apropriaram da agenda – de investidores a eleitores, mundo afora. Assim, faz sentido que o “mapa do caminho” desenhado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para adesão do Brasil como membro, lançado na semana passada, contenha as habituais palavras acima mencionadas, mas também meio ambiente, biodiversidade e mudança do clima. Tanto porque a situação do Brasil é digna de preocupação nessa seara quanto porque o Zeitgeist impõe uma “régua climática”.”

Fonte: Capital Reset, 13/06/2022

Opinião

Análise: ESG na gestão pública

“As urgências que o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), da Organização das Nações Unidas (ONU), alertou, no início de 2022, foram amplificadas pela guerra da Rússia contra a Ucrânia, que cruelmente se estende. O documento avisa que, somente acelerando os cortes nas emissões de gases de efeito estufa, será possível evitar piora nas já muito graves consequências para o clima no planeta. O conflito evidenciou um mundo com interdependências de gás, fertilizantes, de produção agrícola, sem que haja um plano B em casos de interrupção de fornecimento. Esse cenário está nos submetendo ao uso prolongado da energia do carvão, danosa ao meio ambiente, em nome da garantia de segurança energética. O planeta revira-se na busca de novos relacionamentos comerciais, que não tornem os países sujeitos a apenas um fornecedor. Vimos a alta dependência e o impasse, a partir da guerra, das importações pelo Brasil dos fertilizantes russos.”

Fonte: Correio Braziliense, 13/06/2022

Internacional

Empresa

Google, Meta e Microsoft enfrentam Warren Buffett sobre projeto do maior parque eólico dos EUA

“Google, Meta (dona do Facebook) e Microsoft — três dos maiores compradores corporativos de energia limpa do mundo — estão soando o alarme sobre um projeto de energia renovável de quase US$ 4 bilhões, apoiado pelo investidor bilionário Warren Buffett, em Iowa. Segundo as gigantes de tecnologia, o projeto não atende necessariamente o interesse dos clientes, incluindo eles próprios. Se for aprovado, vai ser o maior complexo de parques eólicos dos Estados Unidos quando entrar em operação até o final de 2024, produzindo energia suficiente para mais de 700 mil residências.”

Fonte: Valor Econômico, 12/06/2022

Relatório lança dúvidas sobre promessas de emissões líquidas zero de grandes empresas globais

“Os planos corporativos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa ficam aquém do necessário para combater as mudanças climáticas, com “grandes lacunas de credibilidade” encontradas entre as maiores empresas do mundo, de acordo com um novo balanço de esforços zero nos setores público e privado. Cerca de metade das maiores empresas da Forbes 2000 ainda não anunciaram planos para chegar a zero líquido – o ponto em que as emissões de gases de efeito estufa são negadas por cortes profundos na produção, bem como métodos para absorver o dióxido de carbono atmosférico. Das 702 empresas com meta de zero líquido, dois terços não deixaram claro como planejam atingir essa meta, segundo a Net Zero Tracker em seu relatório anual.”

Fonte: Reuters, 12/06/2022

Política

Comida vs combustível: guerra na Ucrânia aguça debate sobre uso de colheitas para energia

“A disparada dos preços dos alimentos causada pela guerra na Ucrânia aumentou o risco de fome, aumentando a pressão sobre os produtores de combustíveis de baixo carbono derivados de plantações e provocando um debate “alimentos versus biocombustíveis”. Antes da invasão da Rússia, a produção global de biocombustíveis era recorde. Nos Estados Unidos, principal produtor de biocombustíveis, 36% da produção total de milho foi para biocombustíveis no ano passado, enquanto o biodiesel respondeu por 40% do óleo de soja. Mas algumas empresas de alimentos e formuladores de políticas estão pedindo uma flexibilização dos mandatos para misturar biocombustíveis em gasolina e diesel para aumentar a oferta global de grãos e óleos vegetais. “Agora não é o momento [para os governos] incentivarem a conversão de culturas alimentares em energia por meio de incentivos políticos artificiais ou metas de mistura obrigatórias”, disse o International Food Policy Research Institute, com sede em Washington.”

Fonte: Financial Times, 13/06/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia”

Regulação

SEC investiga Goldman Sachs em razão de fundos ESG, diz em fontes

“A Securities and Exchange Commission (SEC, equivalente à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA) está investigando o braço de gestão de ativos do Goldman Sachs em razão de seus fundos que visam investir com base em padrões ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês), de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. A investigação da SEC é a mais recente instância conhecida do escrutínio dos reguladores sobre estratégias de investimento em ações ou títulos com base nesses critérios. A designação ESG tem sido uma benção para os gestores de ativos que lutaram nos últimos anos para competir com fundos de índice com baixas taxas de
administração. A investigação civil da SEC está focada nos negócios de fundos mútuos do Goldman, disseram as pessoas, e a empresa administra pelo menos quatro fundos que têm energia limpa ou ESG em seus nomes.”

Fonte: Valor Econômico, 10/06/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.