XP Expert

Banco Asiático de Desenvolvimento lança plano de financiamento para redução de emissões | Café com ESG, 02/05

Descarbonização da energia na Amazônia vai custar no mínimo R$ 5 bi; 74% das empresas brasileiras pretendem investir em energias renováveis

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• Na última semana, o Ibovespa e o ISE acumularam alta de +0,06% e +1,37%, respectivamente. O pregão de sexta-feira também encerrou em território positivo, com o Ibov em alta de +1,46% e o ISE subindo +1,97%.

• No Brasil, (i) segundo uma pesquisa da consultoria Grant Thornton, o país deve ampliar consideravelmente o investimento em energias sustentáveis – de acordo com o estudo, 74% das 264 empresas brasileiras consultadas pretendem investir em energias renováveis nos próximos 12 meses; (ii) o governo federal deve lançar nos próximos dias um novo programa de descarbonização da Amazônia Legal, região onde existem 211 localidades que ainda não estão conectadas ao Sistema Interligado Nacional (SIN) – alguns números preliminares indicam que serão requeridos investimentos da ordem de pelo menos R$ 5 bilhões, dos quais R$ 3 bilhões já foram garantidos para reduzir a geração a diesel na região.

• No internacional, o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) anunciou hoje pela manhã um mecanismo de garantia de financiamento para ajudar a região a reduzir as emissões de gases de efeito estufa e construir infraestrutura resiliente ao impacto das mudanças climáticas – o plano de financiamento é o primeiro mecanismo desse tipo a ser apresentado por um banco de desenvolvimento.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

74% das empresas brasileiras pretendem investir em energias renováveis, diz Grant Thornton

“Se as intenções do empresariado brasileiro se concretizarem, o país deve ampliar consideravelmente o investimento em energias sustentáveis. Isso é o que aponta a pesquisa semestral International Business Report (IBR), da consultoria Grant Thornton, ao revelar que 74% das 264 empresas brasileiras consultadas pretendem investir em energias renováveis nos próximos 12 meses. O estudo, realizado com mais de 4.700 empresários de 28 países, ainda apontou que a energia solar receberá a maior fatia dos recursos (94%), seguida pela energia eólica (22%), bioeletricidade (10%) e energia oceânica (5%). Outro dado relevante, segundo o relatório, é que o impacto do custo de energia nas empresas vem caindo no Brasil. O índice ficou em 39% na última pesquisa, contra 47% na anterior, realizada seis meses antes. No segundo semestre de 2021 este custo representou 58%. O país atingiu também a menor média anual dos últimos três anos: No mundo, a África do Sul ficou com a energia mais custosa, com 74%, seguida pela Itália (70%) e Irlanda e Nigéria (69%). Na América Latina, a média é de 39% do custo e globalmente, 60%.”

Fonte: Exame, 02/05/2023

Startup quer reflorestar a Mata Atlântica com drones

“Reflorestamento é uma atividade cara e lenta mesmo em terrenos planos e de fácil acesso. Em regiões acidentadas, a complexidade – e o custo – aumentam muito. A startup francesa Morfo está trazendo ao Brasil uma tecnologia que usa imagens de satélite e drones para dar mais eficiência ao plantio de árvores. “No modo tradicional, uma pessoa planta em um dia uma área de 0,5 hectare a 1 hectare. Com nossos drones, esse número vai para 50 hectares”, diz o CEO da Morfo Brasil, Gregory Maitre. A Morfo produz cápsulas com sementes germinadas, que são lançadas do ar, muitas vezes em áreas em que o acesso de maquinário é inviável.  A densidade da dispersão das sementes varia de acordo com a região e com as condições climáticas. Um drone pode lançar cerca de 180 cápsulas por minuto. Apesar desse componente futurista, a empresa afirma que a chave da sua tecnologia está nas cápsulas.”

Fonte: Capial Reset, 02/05/2023

Estudo: 23% das profissões devem sofrer mudanças até 2027, com novas tecnologias e ESG em alta

De acordo com o relatório O Futuro do Trabalho 2023, elaborado pelo Fórum Econômico Mundial com o apoio da Fundação Dom Cabral, os avanços tecnológicos, como inteligência artificial e Big Data, associados a transformações nas cadeias de suprimentos, mudanças no perfil dos consumidores e à transição verde são fatores que têm impulsionado alterações no mercado de trabalho. A partir dos novos cenários, surgem demandas por novos empregos em diversos setores da atividade econômica e regiões mundo afora. Contudo, o aumento do custo de vida, a desaceleração do crescimento econômico e as tensões geopolíticas acarretam perdas de postos de trabalho, além da adoção de tecnologias que comprometem a continuidade de certas profissões. Ao todo, 23% das ocupações no mercado de trabalho devem se modificar até 2027. Em uma base de dados que analisa 673 milhões postos de trabalho há, neste período, a expectativa de 69 milhões de empregos criados, liderados principalmente pela transição verde e pela transformação tecnológica, mas, neste mesmo período, 83 milhões de postos poderão serão eliminados. Isso corresponde a uma redução líquida de 14 milhões de postos de trabalho, ou 2% do emprego atual.”

Fonte: Época Negócios, 01/05/2023

Sustentabilidade e diversidade estão relacionadas à maior lucratividade, aponta Bain e EcoVadis

“O estudo Iniciativas ESG Geram Valor?, realizado pela Bain em parceria com a EcoVadis, indica que as atividades referentes às práticas de sustentabilidade, diversidade e satisfação dos colaboradores estão relacionadas à maior lucratividade financeira e ao crescimento para empresas privadas. O estudo avaliou como iniciativas e resultados ESG impactaram 100 mil empresas – 80% delas privadas. “A pesquisa traz perspectivas relevantes para o debate sobre como as atividades ESG interferem no desempenho financeiro. Ela mostra que resultados positivos em ESG são uma característica das empresas de sucesso”, afirma Daniela Carbinatto, sócia da Bain & Company. A pesquisa revela que vários aspectos das iniciativas ESG indicados nos scorecards da EcoVadis – como a implementação de práticas para reduzir o carbono e melhorar diversidade, equidade e inclusão (DE&I), e a adoção da sustentabilidade nos processos de gestão e na cadeia de suprimentos – mostram uma correlação entre resultados ESG e desempenho financeiro. “

Fonte: Exame, 02/05/2023

Política

Descarbonização da energia na Amazônia vai custar no mínimo R$ 5 bi

“O governo federal deve lançar nos próximos dias um novo programa de descarbonização da Amazônia Legal, região onde existem 211 localidades que ainda não estão conectadas ao Sistema Interligado Nacional (SIN) e são atendidas principalmente por usinas isoladas movidas a óleo diesel. O programa será conduzido pela Secretaria Nacional de Transição Energética e Planejamento, que objetiva a entrega de energia limpa e renovável, principalmente solar, a comunidades quilombolas, ribeirinhas e indígenas, incluindo as terras Indígena Yanomami. Cerca de 2,7 milhões de pessoas são atendidas por sistemas isolados. Em alguns locais, o tempo de abastecimento com energia elétrica não passa de quatro horas. Ironicamente esta região responde por quase um quarto da capacidade instalada de geração de eletricidade do país, que é exportada para os grandes centros consumidores. Segundo Silveira, alguns números preliminares indicam que serão requeridos investimentos da ordem de pelo menos R$ 5 bilhões, dos quais R$ 3 bilhões já foram garantidos para reduzir a geração a diesel na região.”

Fonte: Valor Econômico, 02/05/2023

Internacional

Empresas

Ativos ESG caem US$ 163,2 bilhões no mundo no 1º tri, aponta instituto

“O total de ativos sob gestão em fundos ESG caiu cerca de US$ 163,2 bilhões globalmente durante o primeiro trimestre de 2023 em relação ao ano anterior, segundo dados compartilhados exclusivamente com a CNN pela Lipper. Somente em março, o total de ativos sob gestão no mercado de fundos de investimentos responsáveis ​​caiu US$ 6,8 bilhões. Atualmente, eles estão enfrentando uma “tempestade perfeita de sentimento negativo”, disse Robert Jenkins, chefe de pesquisa global da Lipper, um provedor de dados financeiros. Apesar da previsão sombria, Jenkins continua otimista. Ele vê isso como uma fase natural da evolução do mercado. Um sistema novo e mais eficiente está tomando forma, incorporando os padrões ESG na base das avaliações de ações, explica. O investimento ESG como uma entidade separada pode estar em declínio, mas a abordagem estava errada para começar, aponta o chefe de pesquisa da Lipper. Em vez disso, deve ser integrado à análise fundamental de cada investidor.”

Fonte: CNN, 02/05/2023

Qantas escolhe primeira CEO mulher enquanto Alan Joyce se prepara para partir

“A principal companhia aérea da Austrália, a Qantas Airways Ltd (QAN.AX), nomeou na terça-feira a diretora financeira Vanessa Hudson como sua próxima diretora executiva, tornando-a a primeira mulher a liderar a centenária companhia aérea. Em novembro, Hudson substituirá Alan Joyce, cujos 15 anos no cargo o tornaram um dos CEOs mais antigos de uma grande empresa australiana e uma figura de destaque na indústria global de aviação. Hudson será uma das poucas executivas liderando uma grande empresa na Austrália, embora a operadora rival Virgin Australia também tenha uma mulher como CEO, Jayne Hrdlicka. “Eu venho com uma compreensão desta organização que é muito profunda”, disse Hudson a repórteres em sua primeira coletiva de imprensa como CEO designado. “Acho que a experiência que tive, e também recentemente, ajudando a gerenciar o COVID, me coloca em uma ótima posição para olhar para frente em termos de todos os investimentos que estão chegando com novas aeronaves, mas também continuar investindo em nossos clientes”, disse ela.”

Fonte: Reuters, 02/05/2023

BAD anuncia plano de financiamento para esforços asiáticos de combate às mudanças climáticas

“O Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) anunciou na terça-feira um mecanismo de garantia de financiamento para ajudar a região a reduzir as emissões de gases de efeito estufa e construir infraestrutura resiliente ao impacto das mudanças climáticas. O novo plano de financiamento é o primeiro mecanismo desse tipo a ser desenvolvido por um banco de desenvolvimento e reflete a pressão que esses credores enfrentam dos acionistas para inovar a fim de enfrentar a crise climática que atingiu duramente a Ásia. “A mudança climática é a questão crítica de nossa vida, e aqui na Ásia e no Pacífico, estamos na linha de frente dessa batalha”, disse o presidente do ADB, Masatsugu Asakawa, em um comunicado anunciando o lançamento da instalação. “Os eventos climáticos que experimentamos nos últimos 12 meses só aumentarão em intensidade e frequência, por isso devemos tomar medidas ousadas agora”, disse ele. Nomeado Mecanismo de Financiamento Inovador para o Clima na Ásia e no Pacífico (IF-CAP), o plano é o primeiro mecanismo de garantia alavancado para o financiamento do clima adotado por um banco multilateral de desenvolvimento, disse o ADB.”

Fonte: Reuters, 02/05/2023

Startups portuguesas defendem agenda socioambiental

“Já não é mais possível pensar negócios inovadores sem ter em mente também os impactos sociais e ambientais da tecnologia. O papel socioambiental das startups foi um dos pontos de conexão entre os discursos de vários dos participantes da conferência prévia ao Web Summit Rio realizada nesta segunda-feira (1º) pela Câmara Portuguesa de Comércio e Indústria do Rio de Janeiro e a organização sem fins lucrativos Startup Portugal, com apoio de outras instituições no consulado geral de Portugal no Rio. A delegação portuguesa para o Web Summit Rio, conferência de tecnologia que vai até 4 de maio, é composta por 25 startups que, juntas, levantaram mais de 28 milhões de euros em investimentos. Diretor-executivo da Startup Portugal, Antonio Dias Martins enfatizou que as startups, mais do que as empresas tradicionais, nascem com a perspectiva de desenvolver negócios sustentáveis. “Isso, por um lado, já vem com os fundadores, com as gerações novas que estão na base dessas iniciativas empreendedoras e, portanto, é algo que eles consideram de enorme importância”, disse Martins. “

Fonte: Valor Econômico, 02/05/2023


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Como os investidores institucionais estão vendo o tema ESG? Feedback da nossa rodada de reuniões (link)
  • Hidrogênio Verde (H2V): O combustível do futuro? (link)
  • Brunch com ESG: AMER3 e BBAS3 em destaque; Conferência de Davos chega ao fim (link)
  • Radar ESG | Setor financeiro (BBAS3, BBDC4, BPAC11, B3SA3, ITUB4, SANB11): Sólida performance ESG, com espaço para melhoria na governança (link)
  • Retrospectiva ESG: 12 meses, 12 acontecimentos e 12 relatórios que você não pode perder (link)
  • Novo ano, nova carteira do ISE B3: Tudo o que você precisa saber (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para janeiro (link)
  • Nova resolução da CVM define regras ESG mais rígidas para companhias abertas (link)
  • Radar ESG | Papel e Celulose (SUZB3, KLBN11, RANI3): Bem posicionadas, apesar dos riscos ambientais acima da média (link)
  • Radar ESG | Vestuário Esportivo (SBFG3, TFCO4, VULC3): E no jogo ESG, quem vence? (link)
  • Radar ESG | DASA (DASA3): Bom desempenho ESG, com oportunidades de melhoria (link)
  • ESG: Top 5 tendências para 2023 (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para dezembro (link)
  • COP27 chega ao fim; 5 principais destaques da conferência (link)
  • Copa do Mundo 2022: ESG escalado para entrar em campo? (link)
  • COP27: Três principais mensagens dos primeiros dias (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback webinar ESG; Destravando valor via a sustentabilidade (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para novembro (link)
  • Radar ESG | PetroRio (PRIO3): Desenvolvendo as estratégias para atuar no campo ESG (link)
  • COP27: Um mês para a próxima conferência climática da ONU (link)
  • Aura Minerals (AURA33): Indo a campo; Principais destaques da visita ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Duas alterações para o mês de outubro (link)
  • ESG & Telecom | 5G Insights; Capítulo 4: Como o uso do 5G pode impulsionar a descarbonização? (link)
  • Radar ESG | Eletrobras (ELET3): Mudanças que vêm para o bem; Melhorias ESG também estão por vir (link)
  • Radar ESG | Guararapes (GUAR3): Evoluindo em como vestir essa agenda (link)
  • Radar ESG | Zenvia (ZENV): Dando os primeiros passos na agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Frigoríficos brasileiros: Em busca de maior sustentabilidade e melhor governança (BRFS3, JBSS3, MRFG3, BEEF3) (link)
  • ESG: Como os clientes institucionais estão evoluindo no tema? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para setembro (link)
  • Raio-X das metas de emissões das companhias brasileiras (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • ESG: Três aprendizados da Expert XP 2022 (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para julho (link)
  • Radar ESG | Alupar (ALUP11): Bem posicionada para se beneficiar da tendência da transição energética; esperamos mais por vir (link)
  • Radar ESG | Intelbras (INTB3): Agregando valor através de oportunidades em tecnologia limpa (link)
  • Radar ESG | Grupo Vittia (VITT3): Melhorando a sustentabilidade na agricultura (link)
  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.