XP Expert

Reguladores dos EUA buscam apertar as regras de produtos ESG | Café com ESG, 06/10

Vale busca oportunidade nos metais verdes, CBA amplia segmento de reciclagem e reguladores internacionais endurecem regulação para produtos ESG

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão de quarta-feira em território neutro, com o Ibov em alta de +0,8% e o ISE em leve queda de -0,2%.

• No Brasil, (i) a Vale contratou assessores financeiros para vender fatia minoritária no negócio de metais básicos, em transação que pode chegar a US$ 2,5 bilhões – a lógica da transação é criar valor em um negócio que a companhia brasileira considera estar “escondido” e que os investidores não reconheceriam o valor real desse segmento de atividade na companhia, responsável pela produção de níquel, cobre e cobalto, entre outros metais; e (ii) a CBA está buscando ampliar seu segmento de reciclagem, visando a desenvolver um portfólio sustentável no longo prazo com melhor relação entre risco e retorno, e considera realizar novas fusões e aquisições, de acordo com o que os executivos da empresa falaram ontem no “CBA Day” – a empresa terá, em 2023, nova linha de reciclagem na Metalex, controlada de transformação de sucata de alumínio.

• No internacional, agentes reguladores nos EUA e na Europa estão tentando endurecer as regras sobre produtos populares que tenham compromisso ESG, enquanto investidores e empresas reagem – os fundos ESG cresceram nos últimos anos, ultrapassando US$ 350 bilhões em ativos líquidos em 2021 nos EUA, à medida que os investidores procuram financiar empresas comprometidas com mudanças climáticas e outras questões correlacionadas, entretanto, informações de má gestão não confirmadas e padrões mais flexíveis levam reguladores a apertar as regras.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Transição energética abriu oportunidade para Vale nos metais

“A informação de que a Vale contratou assessores financeiros para vender fatia minoritária no negócio de metais básicos, em transação que pode chegar a US$ 2,5 bilhões, segundo o britânico “Financial Times”, confirma movimento que a mineradora vem perseguindo há anos, mas que, até hoje, por diferentes razões, não se materializou. A lógica da transação é criar valor em um negócio que a companhia brasileira considera estar “escondido”. Significa que os investidores não reconheceriam o valor real desse segmento de atividade na companhia, responsável pela produção de níquel, cobre e cobalto, entre outros metais. Pelas contas das fontes ouvidas pelo FT, o negócio de metais da Vale valeria US$ 25 bilhões, e a transação envolveria a venda de fatia entre 10% a 15% do negócio, daí que se chegue ao valor de US$ 2,5 bilhões na operação.”

Fonte: Valor Econômico, 05/10/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Transição Energética & Metais Verdes: Explorando companhias bem posicionadas

CBA acelera produção de alumínio via reciclagem

“A Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) busca ampliar seu segmento de reciclagem, visando a desenvolver um portfólio sustentável no longo prazo com melhor relação entre risco e retorno, e considera realizar novas fusões e aquisições, de acordo com executivos da empresa, controlada pelo grupo Votorantim, durante o “CBA Day” nesta quarta-feira (5). A empresa terá, em 2023, nova linha de reciclagem na Metalex, controlada de transformação de sucata de alumínio. Após isso, será a maior fábrica da América Latina para processamento de sucata de extrusão, informou o diretor de negócios primários, Alexandre Viana. Segundo disse, a nova unidade terá capacidade de fazer a separação de diversos tipos de materiais e de acessar sucatas de menor preço e receber material solto. A nova linha vai ampliar o conteúdo reciclado e dar maior flexibilidade aos clientes. Com a Alux, a empresa passou a ter acesso a um mercado de 300 mil toneladas.”

Fonte: Valor Econômico, 06/10/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG

Consórcio de empresas liderado pela FGV vai desenvolver calculadora de emissão de carbono para a pecuária

“Empresas como Imaflora, Agrotools, Waycarbon, WRI e DSM fazem parte de um consórcio liderado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) selecionado para ser responsável pelos estudos da iniciativa “Pecuária de Baixo Carbono”. A seleção foi feita pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A iniciativa tem como objetivo a elaboração de estratégias e modelos de negócios que adotem tecnologias de baixo carbono na produção de carne e leite no Brasil, promovendo a sustentabilidade por meio da avaliação e certificação das emissões de gases de efeito estufa na pecuária.”

Fonte: Um Só Planeta, 05/10/2022

60% das empresas não contam com estratégias ESG

“A pressão da sociedade é enorme. Consumidores, investidores e funcionários, enfim, todos os stakeholders de médias e grandes empresas estão atentos à adoção das boas práticas relacionadas à agenda ESG. A sigla é um acrônimo para Environmental, Social and Governance; em português, Ambiental, Social e Governança corporativa, uma pauta com muito espaço para avançar. Esse é o cenário apontado no primeiro levantamento sobre o tema realizado no país, que teve a participação de 400 executivos de todos os setores da economia. “O objetivo era avaliar as estratégias, os riscos e as oportunidades socioambientais traçadas pelas companhias, além de entender quais ferramentas e mecanismos de gestão já foram implementados para cumprir a agenda”, explica Marcelo Tokarski, sócio-diretor do Instituto FSB Pesquisa, responsável pela realização do estudo, feito a pedido da consultoria de ESG Beon.”

Fonte: Valor Econômico, 05/10/2022

Agenda ESG ainda depende da liderança

“No universo heterogêneo do franchising, as práticas ESG (ambiental, social e governança, na sigla em inglês) assumem diversas formas. Do mero banimento de sacolas plásticas até a meta de trazer minorias para o chão da fábrica para participação na pesquisa e desenvolvimento (P&D) de todos os produtos. No setor de food service, por exemplo, pesquisa da Associação Brasileira de Franchising (ABF) revelou, no ano passado, que o controle do desperdício de alimentos era a principal prática adotada. Já um estudo mais antigo da entidade apontava a contratação de jovens aprendizes como a maior ação de RSA (sistema criptográfico) das empresas, seguida pela acessibilidade. Apesar da variedade de iniciativas, especialistas defendem que o estágio da agenda ESG na modalidade do varejo ainda é primário.”

Fonte: Valor Econômico, 06/10/2022

Companhia de Limpeza Urbana de Niterói dá início ao projeto ‘Carbono zero’

“A Companhia de Limpeza Urbana de Niterói (Clin) está contratando uma empresa especializada em consultoria ambiental para elaborar um inventário em emissões de gases de efeito estufa e o plano de ação de mitigação e compensação, dando início ao desenvolvimento do projeto “Carbono zero”, lançado em março. A partir desse inventário, que tem previsão de estar concluído em quatro meses, a Clin estará apta a buscar a certificação internacional de carbono zero. Mas a empresa afirma que, antes mesmo deste relatório final, já vem desenvolvendo, ao longo dos últimos anos, uma série de ações sustentáveis, como a produção diária de 400 mudas de plantas que têm capacidade de sequestrar cem por cento da emissão de CO² gerado por sua frota de veículos.”

Fonte: O Globo, 05/10/2022

Investimentos em saúde mental podem trazer benefícios financeiros

“[…] Assim como Oliveira, durante o período mais crítico da pandemia, milhares de brasileiros passaram a ver valor no cuidado mental, como já viam na saúde física e financeira. Uma pesquisa do Instituto Ipsos, de novembro de 2021, com entrevistados de 30 países, mostrou que o Brasil é o que mais se preocupa com a saúde mental: 75% dizem pensar com frequência em seu bem-estar mental. Mas a pandemia também impulsionou a temática no ambiente corporativo e diversas empresas se mexeram para oferecer suporte para os funcionários. O Banco do Brasil foi uma delas.”

Fonte: Valor Econômico, 05/10/2022

Internacional

Empresas

EUA e Europa falam em regras de ESG mais duras e investidores reagem

“Agentes reguladores nos EUA e na Europa tentam endurecer as regras sobre produtos populares que tenham compromisso Ambiental, Social e de Governança (ESG, na sigla em inglês), provocando uma reação de investidores e empresas. Os fundos ESG cresceram nos últimos anos, ultrapassando US$ 350 bilhões em ativos líquidos em 2021 nos EUA, à medida que os investidores procuram financiar empresas comprometidas com mudanças climáticas e outras questões correlacionadas. No entanto, informações de má gestão não confirmadas e padrões mais flexíveis levam reguladores a apertar as regras. Os regulamentos propostos pela Securities and Exchange Commission (SEC americana, equivalente à CVM no Brasil) estabeleceriam uma referência comum de como os produtos de investimento sustentável são rotulados, comercializados e divulgados.”

Fonte: E-Investor, 05/10/2022

Maersk faz pedido de seis novas embarcações de larga escala movidas a metanol verde

“A Maersk anunciou nesta quarta-feira (05) que fez um pedido para mais seis embarcações de larga escala movidas a metanol verde. A companhia diz que os navios, com capacidade transatlântica, serão construídos pela Hyundai Heavy Industries e poderão carregar até 17 mil contêineres. As seis embarcações serão entregues em 2025 e vão substituir um número igual de navios da frota da Maersk que estão chegando ao fim da vida útil. Incluindo o atual pedido, a companhia dinamarquesa agora já pediu 19 embarcações que podem ser operadas com metanol verde que podem reduzir em até 2,3 milhões de toneladas em emissões. O metanol verde é utilizado usando energia renovável e dióxido de carbono liberado como resultado da combustão ou decomposição de material orgânico. As novas embarcações também contam com motores que usam combustíveis tradicionais.”

Fonte: Valor Econômico, 05/10/2022

Nomura planeja contratar mais banqueiros para reforçar o financiamento verde

“A Nomura Holdings planeja contratar mais banqueiros para fortalecer seus negócios de financiamento sustentável em antecipação a um aumento na demanda por financiamento relacionado à descarbonização, disse seu chefe global de banco de investimento nesta quinta-feira. O plano de expansão vem depois que o maior banco de corretagem e investimento do Japão adicionou cinco diretores administrativos nos últimos seis meses para sua unidade Greentech, uma consultora de fusões e aquisições em tecnologia limpa.”

Fonte: Reuters, 06/10/2022

Auditores falharam no risco climático quando poluidores corporativos falham em testes básicos, mostra estudo

“Auditores falharam na divulgação de riscos relacionados ao clima em uma análise abrangente de empresas responsáveis por 80% das emissões de gases de efeito estufa industriais, já que nenhuma das 134 empresas avaliadas passou nos testes básicos. A revisão anual do grupo independente non-rofit Carbon Tracker descobriu que as empresas intensivas em carbono não estavam divulgando suficientemente os efeitos dos riscos relacionados ao clima e os planos de emissões líquidas zero em suas demonstrações financeiras, uma omissão que privou os investidores de informações importantes.”

Fonte: Financial Times, 05/10/2022

Política

Secas de 2022 são “praticamente impossíveis sem mudanças climáticas”, diz estudo

“As mudanças climáticas causadas pelo homem tornaram as secas que atingiram grandes áreas da Europa, China e América do Norte este ano pelo menos 20 vezes mais prováveis, concluiu um grupo internacional de cientistas. Temperaturas excepcionalmente altas no hemisfério norte secaram os solos durante os meses de verão e alimentaram secas que destruíram plantações, forçaram fábricas a fechar e afetaram a geração de energia hidrelétrica, descobriu o grupo World Weather Attribution. […] As mudanças climáticas tornaram as secas agrícolas e ecológicas que atingiram o hemisfério norte “pelo menos 20 vezes mais prováveis”, disseram os cientistas.”

Fonte: Financial Times, 05/10/2022

Opinião

Stuart Kirk retorna ao debate ESG

“Eu vi uma indicação impressionante do crescente interesse em investimentos ambientais, sociais e de governança neste fim de semana, na forma de uma enorme multidão saindo de uma tenda no FT Weekend Festival em Londres. No interior, Gillian estava debatendo os méritos e a evolução do ESG com Stuart Kirk, fazendo sua primeira aparição pública desde o discurso do Moral Money Summit que provocou o fim abrupto de seu mandato como chefe de investimento responsável do HSBC. Kirk teve alguns meses para considerar a resposta furiosa a seus comentários em maio, quando argumentou que o risco climático não deveria ser considerado risco de investimento . No sábado, ele parecia interessado em enfatizar a nuance de sua mensagem, defendendo uma revisão completa da agenda ESG para torná-la adequada ao propósito.”

Fonte: Financial Times, 05/10/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Alupar (ALUP11): Bem posicionada para se beneficiar da tendência da transição energética; esperamos mais por vir (link)
  • Radar ESG | Intelbras (INTB3): Agregando valor através de oportunidades em tecnologia limpa (link)
  • Radar ESG | Grupo Vittia (VITT3): Melhorando a sustentabilidade na agricultura (link)
  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.