XP Expert

Gestores de ativos europeus consideram interromper o lançamento de produtos que não cumprem padrões ESG | Café com ESG, 27/06

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão na última sexta-feira em território positivo, com o Ibov e o ISE em alta de +0,6% e +0,1%, respectivamente. Na semana, o Ibov e o ISE fecharam recuando -1,2% e -0,2%, respectivamente.

• No Brasil, a maioria dos conselhos de administração que possuem mulheres entre seus membros destinam apenas um assento às conselheiras, de acordo com um levantamento do BMA Advogados.

• No internacional, (i) mais de dois terços dos gestores de ativos europeus estão considerando interromper o lançamento ou distribuição de produtos que não cumprem os padrões ESG, de acordo com uma pesquisa da PwC Luxembourg – a pesquisa com 3.354 entrevistados sugeriu que os ativos ESG na Europa podem crescer entre 7,4 trilhões de euros e 9,0 trilhões de euros até 2025 e representar até 56% do total de ativos de fundos mútuos europeus, contra 37% no final do ano passado; e (ii) na cúpula do G7 na Alemanha neste fim de semana, grandes empresas globais pressionaram os líderes mundiais a intensificar ações no combate às mudanças climáticas, pedindo por preços de carbono de larga escala e medidas para aumentar a demanda por tecnologia limpa.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Assine conteúdos exclusivos aqui!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Maioria dos conselhos tem apenas uma mulher

“A maioria dos conselhos de administração no Brasil que possuem mulheres entre seus membros destinam apenas um assento às conselheiras, mostra um levantamento do BMA Advogados. Na última temporada de assembleias, houve eleição em 139 empresas. E em 104 delas houve a escolha de conselheiras. O resultado ainda está abaixo do esperado, mas de alguma maneira apresenta evolução, diz a advogada Ana Paula Reis, sócia do BMA Advogados e responsável pelo estudo. “Os números ainda estão longe do que gostaríamos que fossem. Se tivermos ao menos duas mulheres por conselho, representará um avanço muito maior do que foi no passado”, afirma. Há uma pressão maior do mercado por mais diversidade e uma força-tarefa de entidades como o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) para a certificação de novas conselheiras, afirma.”

Fonte: Valor Econômico, 24/06/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3

Estudo mapeia negócios de impacto a partir do lixo

“Com o incentivo do Plano Nacional de Resíduos Sólidos (Planares) – aprovado este ano, com metas para a gestão de resíduos sólidos no país e exigências adicionais para as empresas – e o avanço da agenda ESG (práticas ambientais, sociais e de governança na sigla em inglês) no mercado corporativo, ganham impulso os negócios a partir do lixo. Diante do cenário, um amplo estudo da Artemisia, aceleradora de negócios de impacto social, em parceria com a Gerdau, mapeia 13 segmentos de atuação que apresentam oportunidades para empreendedores de
impacto socioambiental. De gestão de resíduos em locais de difícil acesso, como comunidades, à facilitação de compostagem para pequenos e grandes geradores, passando por coleta seletiva em condomínios e aproveitamento de resíduos de construção civil e demolição, há uma série de subsetores com oportunidades para quem quer ganhar dinheiro e, ao mesmo tempo, resolver um problema social, como mostra a “Tese de Impacto Socioambiental em Reciclagem”.”

Fonte: Valor Econômico, 27/06/2022

Política

Cresce procura de municípios por planos de transição energética

“Encontros internacionais que debatem planos de combate à mudança climática ganham cada vez mais repercussão, mas para que as metas sejam atingidas é preciso acelerar a adesão de municípios a projetos de transição energética e isso envolve desde questões mais complexas, como a construção de fazendas solares ou eólicas, até a troca de lâmpadas incandescentes por led, conforme apontam especialistas ouvidos pelo Valor. A boa notícia é que o movimento já foi iniciado por dezenas de prefeituras ao redor do país, embora os passos ainda sejam lentos. Em São Paulo, o Desenvolve SP, banco de fomento do governo estadual, criou linhas de crédito especialmente voltadas a projetos de eficiência energética e energia renovável. Uma das orientações é promover a construção, nos municípios, de usinas fotovoltaicas para gerar energia solar, limpa e de baixo custo.”

Fonte: Valor Econômico, 24/06/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Transição Energética & Metais Verdes

Opinião

O que é litigância climática? Entenda como ela funciona e como que as empresas precisam se preocupar

“A palavra “litigância” é usada no Direito para se referir a um conflito que se encontra em tribunal para avaliação de um juiz. Um tipo de situação que tem aparecido em cortes mundo afora, inclusive no Brasil, está ligada ao aquecimento global. Mais especificamente, à responsabilização de governos e empresas por ações que levam ao aumento de temperatura do planeta. É a chamada litigância climática. A litigância climática se origina, em geral, por questionamentos e denúncias de organizações do terceiro setor, ministérios públicos e outras organizações relacionadas a emissões de gases poluentes em excesso ou a compromissos assumidos que não foram cumpridos. Apesar de serem mais facilmente ligados a questões ambientais, as consequências de um planeta mais quente – com secas e chuvas severas, tornados e furacões atípicos, e desiquilíbrio de ecossistemas – impactará a vida de milhões – se não bilhões – de pessoas, em especial, nas regiões mais vulneráveis.”

Fonte: Valor Econômico, 27/06/2022

Internacional

Empresas

Gestores de fundos europeus devem apostar tudo em ESG

“Mais de dois terços dos gestores de ativos e distribuidores europeus estão considerando interromper o lançamento ou distribuição de produtos que não cumprem os padrões ambientais, sociais e de governança (ESG), mostrou uma pesquisa da PwC Luxembourg na segunda-feira. […] A pesquisa da PwC com 3.354 entrevistados sugeriu que os ativos ESG domiciliados na Europa poderiam crescer entre 7,4 trilhões de euros e 9,0 trilhões de euros (US$ 7,8 a US$ 9,5 trilhões) até 2025 e representar até 56% do total de ativos de fundos mútuos europeus, contra 37% no final do ano passado. Nesse contexto, quase 72% dos gestores de ativos europeus estavam dispostos a interromper todos os lançamentos de produtos não ESG, com mais de 60% planejando fazê-lo até o final de 2024, escreveu a PwC em seu relatório, acrescentando que prevê desafios de longo prazo para gestores de ativos que mantêm uma linha híbrida de produtos ESG/não ESG à medida que a mudança se materializa.”

Fonte: Reuters, 27/06/2022

CEOs globais pedem aos líderes do G7 que intensifiquem a ação climática

“As principais empresas globais estão pressionando os líderes mundiais a intensificar as ações para combater as mudanças climáticas na cúpula do G7 na Alemanha neste fim de semana, pedindo preços de carbono em larga escala e medidas para aumentar a demanda por tecnologia limpa. Em uma carta aberta antes do encontro de três dias que começa no domingo no resort bávaro de Schloss Elmau, mais de uma dúzia de chefes de grandes corporações, incluindo Bank of America e Shell, pediram políticas climáticas governamentais ambiciosas “que ofereçam clareza ao setor privado e estabilidade”. “Uma vez que as empresas possam ter certeza de um ambiente político estável e previsível com metas bem estabelecidas, faremos tudo ao nosso alcance para ajudar a sociedade a chegar lá”, escreveram.”

Fonte: Financial Times, 26/06/2022

China explora mercados por US$ 10 bilhões para supremacia em tecnologia limpa

“Três empresas chinesas de baterias e materiais para veículos elétricos estão atraindo investidores para mais de US$ 10 bilhões em novos financiamentos, à medida que o país consolida seu domínio sobre as cadeias globais de fornecimento de tecnologia limpa. A Contemporary Amperex Technology da China, maior fabricante de baterias do mundo, concluiu esta semana a segunda maior transação global de mercado de capitais deste ano, enquanto uma onda de empresas de baterias e terras raras se apressava para atender à crescente demanda. A angariação de fundos combinada pelos três grupos chineses – CATL, Tianqi Lithium e Huayou Cobalt – eclipsou as centenas de milhões de dólares gastos por Washington e aliados dos EUA, incluindo Austrália e Coreia do Sul, para reduzir a supremacia da China no setor.”

Fonte: Financial Times, 24/06/2022

Cimento sem carbono promete revolucionar a indústria da construção civil

“A produção global de cimento é responsável por 7% das emissões anuais de gases de efeito estufa, em grande parte devido à queima de calcário. Agora, uma equipe de pesquisa liderada pela Universidade da Califórnia, em Boulder, nos Estados Unidos, descobriu uma maneira de tornar essa indústria neutra — e até mesmo negativa — em carbono. O segredo é retirar o CO2 do ar com a ajuda de microalgas. Trabalhando em parceria com a Universidade da Carolina do Norte, em Wilmington, e com o Laboratório Nacional de Energias Renováveis, os engenheiros receberam US$ 3,2 milhões do Departamento de Energia dos Estados Unidos em um programa para desenvolver e ampliar a fabricação de cimento Portland à base de calcário biogênico e ajudar a construir um futuro de carbono zero.”

Fonte: Correio Braziliense, 27/06/2022

Política

AL tem desafios, mas crise global traz oportunidades

“A crise trazida pelo ambiente global de inflação elevada e bancos centrais reagindo com juros em alta certamente trará desafios para a América Latina. Ainda assim, a região pode aproveitar algumas oportunidades trazidas pelas mudanças geopolíticas. No curto prazo, a guerra na Ucrânia favorece as exportações agrícolas; no médio prazo, as tensões que fazem empresas globais procurarem estar mais perto fisicamente dos Estados Unidos também criam vantagens para a região; e, no longo prazo, as vantagens competitivas na área ambiental podem torná-la um referencial para as finanças verdes. Essas são algumas conclusões de um encontro do Citi com jornalistas latinos. Ernesto Cantu, CEO do Citi na América Latina, comentou que o atual ambiente de inflação e juros elevados em todo o mundo é bastante desafiador para a região e que a transição não será fácil.”

Fonte: Valor Econômico, 27/06/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia”

Temores pela ambição climática da UE à medida que os países buscam enfraquecer as propostas

“Os países da União Europeia estão buscando mudanças em uma série de políticas de mudança climática nas negociações sobre as leis, levantando preocupações de que algumas medidas podem fazer com que a UE perca suas metas verdes. A UE está negociando uma grande revisão de seu mercado de carbono e leis sobre energia, transporte e florestas, atualizando-os para atingir a meta de 2030 de reduzir as emissões líquidas de gases de efeito estufa em 55% em relação aos níveis de 1990.”

Fonte: Reuters, 24/06/2022

Tokyo Gas inicia teste de metano sintético usando hidrogênio verde

“A Tokyo Gas Co Ltd , maior fornecedora de gás de cidade do Japão, disse nesta sexta-feira que iniciou um programa piloto de metanação, uma tecnologia para ajudar a descarbonizar o gás de cidade, e planeja usar gás verde hidrogênio obtido de energia renovável para o teste até março próximo. A metanação converte hidrogênio e dióxido de carbono (CO2) em metano sintético, uma alternativa para o principal componente do gás natural. É considerada uma forma de utilizar o CO2 como matéria-prima que pode ajudar a empresa a alcançar a neutralidade carbônica em 2050.”

Fonte: Reuters, 24/06/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.