XP Expert

Energia renovável no holofote das empresas brasileiras | Café com ESG, 14/07

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão de quarta-feira em território neutro, com o Ibov e o ISE em leve queda de -0,4%.

• No Brasil, o aumento da busca por energia elétrica de fontes renováveis, como eólica e solar, com o objetivo de reduzir a pegada de carbono, entra de vez na pauta das empresas – de acordo com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e entidades do setor, a luz está verde para as fontes alternativas, pois um eventual descompasso abrangente entre demanda e oferta ou entre geração e transmissão não devem acontecer, já que o país tem fontes de energias renováveis em abundância.

• No internacional, (i) dados mostram que os fundos europeus de ações que usam critérios ESG tiveram a primeira fuga de recursos desde o começo do boom ESG, em 2016 – a somatória dos efeitos da guerra da Ucrânia com a perspectiva de uma desaceleração da economia mundial afetou essa classe de investimento e os fundos de ações ESG perderam 16% dos recursos sob gestão no segundo trimestre deste ano; e (ii) dados do S&P Global mostraram que os esforços para alcançar a neutralidade de carbono até 2050 provavelmente permanecerão fora de alcance, já que a oferta de cobre não atende à demanda em meio ao crescente uso de painéis solares, veículos elétricos e outras tecnologias renováveis.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Assine conteúdos exclusivos aqui!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Transição para fontes de energia renováveis entra de vez na pauta das empresas

“O aumento da busca por energia elétrica de fontes renováveis, como eólica e solar, na esteira da redução da pegada de carbono por empresas de todos os tipos e porte, não deve deixar ninguém no escuro. De acordo com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e entidades do setor, a luz está verde para as fontes alternativas, pois um eventual descompasso abrangente entre demanda e oferta ou entre geração e transmissão não estão no radar. “Não temos gargalos em energias renováveis”, reforça Elbia Gannoum, presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica). “O que vemos nessa perspectiva de mudanças climáticas, de transição energética, é que o Brasil tem um ativo muito valioso em mãos. Precisa aproveitar”, acrescenta.”

Fonte: Valor Econômico, 13/07/2022

Empresas investem em sistemas agroflorestais de olho nos pilares ESG

“De olho na economia do futuro, que tem o objetivo de combinar alta produtividade e baixo impacto socioambiental, startups apostam na agrofloresta para transformar o agronegócio. Nesse sistema, áreas degradadas e de baixa produtividade podem ser recuperadas com o cultivo de árvores e plantas de culturas diferentes. Ou seja, o produtor usa uma mesma área para plantar árvores e produtos agrícolas, garantindo benefícios ecológicos e econômicos. A premissa do modelo é imitar o comportamento e a lógica das florestas, mantendo o solo saudável e diversificando a produção do negócio. Além disso, os produtores podem agregar valor ao produto, ter acesso a capital verde e explorar novos mercados.”

Fonte: Folha de São Paulo, 14/07/2022

Gigantes da construção lançam desafio de inovação ESG com startups

“O MITHUB, uma plataforma de inovação no Brasil do setor de construtechs e proptechs, que é como são chamadas as empresas de tecnologia da construção civil e do segmento imobiliário, está com inscrições abertas para a 8ª edição do MITHUB Challenge com foco em governança ambiental, social e corporativa (ESG), desde a produção e uso dos materiais até os trabalhos nas edificações. Com parceiros como Cyrela, Dexco, Gerdau, Votorantim, Lello e Zap+/OLX, o projeto busca atrair startups que utilizem inovação e tecnologia para solucionar impactos do setor e aproximarem das grandes empresas do mercado, ajudando no desenvolvimento de todo o ecossistema.”

Fonte: Estadão, 13/07/2022

Opinião

Disparada em crédito de carbono pode virar investigação no Cade

“O Ministério de Minas e Energia pediu ao Cade que abra uma investigação para apurar indícios de infração no mercado de créditos de carbono negociados na B3. O valor dos títulos, chamados de Cbios, disparou nos últimos meses. A alta joga pressão sobre os preços da gasolina e do diesel em um momento em que o governo tenta poupar o consumidor às vésperas da eleição. O Cbio foi o modelo criado pelo programa Renovabio para incentivar a produção e o consumo de combustíveis menos poluentes do que os derivados do petróleo. Ele é emitido por produtores e importadores de biocombustíveis, enquanto as distribuidoras de combustíveis fósseis têm metas anuais de descarbonização e, portanto, são obrigadas a adquirir os Cbios para atingir tais metas.”

Fonte: Folha de São Paulo, 13/07/2022

Internacional

Empresas

Europa vê fuga de investidores de fundos ESG 

“Os fundos europeus de ações que usam critérios ambientais, sociais e de governança tiveram a primeira fuga de recursos desde o começo do boom ESG, em 2016, aponta relatório do Bank of America. O continente concentra mais de 80% dos ativos mantidos em fundos considerados sustentáveis, segundo a empresa de informações de mercado Morningstar. Mas a somatória dos efeitos da guerra da Ucrânia com a perspectiva de uma desaceleração da economia mundial afetou os investimentos ESG. Os fundos de ações ESG perderam 16% dos recursos sob gestão no segundo trimestre deste ano. No mesmo período do ano passado, o volume de dinheiro havia aumentado 64%.”

Fonte: Capital Reset, 13/07/2022

Meta climática zero líquida pode falhar sem mais oferta de cobre

“Os esforços para alcançar a neutralidade de carbono até 2050 provavelmente permanecerão fora de alcance, já que a oferta de cobre não atende à demanda em meio ao crescente uso de painéis solares, veículos elétricos e outras tecnologias renováveis, mostraram dados da S&P Global nesta quinta-feira. O apetite mundial pelo metal vermelho chegará a 53 milhões de toneladas por ano até meados do século – mais que o dobro dos níveis atuais -, mas ficará aquém da oferta em 2,7 milhões de toneladas sem mais reciclagem e mineração, prevê o relatório. […] O cobre é usado para fazer a fiação encontrada em uma variedade de dispositivos eletrônicos. Os veículos elétricos usam duas vezes mais cobre que os motores de combustão interna.”

Fonte: Reuters, 14/07/2022

Cofco faz empréstimo de US$ 1,6bi atrelado a metas sustentáveis

“A Cofco International, trading de commodities controlada pela estatal chinesa Cofco, fechou um novo empréstimo com taxas atreladas a metas de sustentabilidade, agora no valor de US$ 1,6 bilhão. A economia com o desconto na taxa de juros obtida será usada para financiar a análise socioambiental de fazendas que fornecem soja à empresa diretamente, entre outros projetos ESG. O empréstimo foi acertado com 19 bancos de China, Austrália, Europa, Japão, Cingapura e Estados Unidos, no formato de linha de crédito rotativo. A linha é dividida em uma tranche de crédito rotativo de um ano e outra tranche de três anos. Trata-se do terceiro empréstimo sindicalizado vinculado a metas sustentáveis que a empresa realiza, que somam US$ 2,3 bilhões.”

Fonte: Valor Econômico, 13/07/2022

Regulação

Autoridade da UE pede definição comum de ‘sustentabilidade’ corporativa

“Um novo definidor global de padrões para relatórios de sustentabilidade de empresas precisa garantir que sua definição de “sustentabilidade” se encaixe com outras iniciativas para acabar com o “greenwashing“, disse o órgão regulador de valores mobiliários da União Europeia nesta quarta-feira. O novo definidor de padrões – o International Sustainability Standards Board ou ISSB – foi lançado em novembro de 2021 para combater o greenwashing, ou credenciais verdes exageradas. O ISSB propôs um conjunto de regras globais de divulgação de empresas de “linha de base”, que se concentram amplamente no impacto das mudanças climáticas nas empresas.”

Fonte: Reuters, 13/07/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.