XP Expert

Número de companhias listadas na B3 assumindo compromissos climáticos aumenta cada vez mais | Café com ESG, 07/06

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão de segunda-feira em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -0,8% e -1,3%, respectivamente.

• No Brasil, um levantamento da consultoria Luvi One em parceria com a fintech Arara.io mostrou que a quantidade de companhias listadas assumindo compromissos de impacto climático está aumentando – em 2021, 37% das empresas listadas na B3 tinham metas de redução de impacto ambiental, em 2022 esse percentual subiu para 45%.

• No internacional, (i) ontem, o presidente Joe Biden renunciou às tarifas sobre painéis solares de quatro países do Sudeste Asiático por dois anos e invocou a Lei de Produção de Defesa para estimular a fabricação de painéis solares em casa; (ii) um relatório da Global Fashion Agenda, um grupo sem fins lucrativos da indústria da moda, mostrou que as empresas do setor estão produzindo duas vezes mais emissões do que o permitido para cumprir as metas climáticas da ONU, e devem reformar urgentemente suas práticas de reciclagem e resíduos, bem como sistemas de pagamento.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Assine conteúdos exclusivos aqui!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Cresce entre listadas na B3 compromisso com o clima

“Há mais companhias listadas assumindo compromissos de impacto climático, de acordo com um levantamento da consultoria Luvi One em parceria com a fintech Arara.io. Se em 2021, 37% das empresas listadas na B3 tinham metas de redução de impacto ambiental, em 2022 esse percentual subiu para 45%. O levantamento analisou todas as 404 companhias listadas na bolsa. Os dados da pesquisa mostram que metas ligadas ao consumo de energia foram as que mais cresceram ano a ano – 41% das companhias estabelecem compromissos para um consumo energético sustentável, ante 29% no levantamento anterior. “As empresas estão indo na direção correta. Há mais celeridade em alguns casos do que outros. Mas, de maneira geral, há sensibilidade e a agenda ESG [práticas ambientais, sociais e de governança, na sigla em inglês] está ganhando ‘momentum’”, afirma o economista Felipe Gutterres, presidente da Luvi One, e responsável pelo levantamento. O executivo foi diretor financeiro da empresa de logística portuária Wilson Sons por 12 anos.”

Fonte: Valor Econômico, 07/06/2022

Como Pecém largou na frente na corrida pelo hidrogênio verde no Brasil

“Duna Uribe, a diretora comercial do Porto do Pecém, no Ceará, sabia que seria requisitada no evento global que reuniu a nascente indústria do hidrogênio verde, em maio, em Roterdã, a cidade portuária holandesa. Mas o interesse do mundo no Brasil a surpreendeu. “Fiquei impressionada”, disse Uribe uma semana depois de voltar da Holanda. “Grupos industriais, como siderúrgicas e montadoras, mas também traders que começam a enxergar o hidrogênio como uma nova commodity, todos querem saber mais.” Com sol, vento abundantes e uma indústria de energias renováveis estabelecida, o Brasil é apontado como um dos potenciais líderes globais na produção de hidrogênio verde. Existem iniciativas espalhadas pelo país, mas o porto cearense está na dianteira.”

Fonte: Capital Reset, 07/06/2022

Economia ‘versus’ Meio Ambiente ou Economia ‘e’ Meio Ambiente?

“São 30 anos desde a Conferência Internacional da ONU sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Rio 92. O marco na história das negociações ambientais globais ainda é lembrado pelos esforços e acordos de Chefes de Estados para a preservação dos ecossistemas, mas especialmente por ter chamado a atenção para o fato de que somos parte de um só planeta, uma sociedade que depende dos recursos aqui existentes para a sua sobrevivência e continuidade. Embora muitas vezes cheguemos à conclusão de que não avançamos o suficiente nas últimas décadas, estamos em um momento importante de escrever – ou reescrever – nossa história em relação ao meio ambiente.”

Fonte: Valor Econômico, 06/06/2022

Internacional

Empresas

Marcas de moda não conseguem lidar com desperdício e pagamento injusto, diz relatório da indústria

“A indústria da moda está produzindo duas vezes mais emissões do que o permitido para cumprir as metas climáticas da ONU em menos de oito anos, e deve reformar urgentemente suas práticas de reciclagem e resíduos, bem como sistemas de pagamento, um relatório de um grupo sem fins lucrativos da indústria encontrado. O setor está muito aquém das metas de sustentabilidade da ONU para 2030, que mais de 150 marcas assinaram, conclui a Global Fashion Agenda, uma ampla coalizão que inclui a Ellen MacArthur Foundation e a Textile Exchange. Embora tenha havido progresso na administração de recursos, ambientes de trabalho e escolhas de materiais, a indústria estava atrasada nos sistemas salariais e na chamada circularidade, com base em dados anônimos coletados pela ferramenta de relatórios da indústria Higg.”

Fonte: Financial Times, 06/06/2022

Desinvestimento: existem maneiras melhores de limpar empresas “sujas”?

“Em 2020, a Universidade de Cambridge anunciou que retiraria seu fundo de dotação de £ 3,5 bilhões de todos os investimentos em combustíveis fósseis até 2030. Eliminar sua exposição de quase £ 100 milhões ao setor de energia foi necessário para alinhar sua estratégia de investimento com a ciência climática, que mostrou a necessidade de reduzir as emissões de carbono para zero líquido para evitar uma catástrofe, explicou. Ao alienar, disse o vice-chanceler Stephen Toope, Cambridge estava “respondendo de forma abrangente a uma necessidade ambiental e moral urgente de ação”. Ativistas fizeram campanha por anos para Cambridge fazer tal movimento, até mesmo atrapalhando a corrida de barcos Oxford-Cambridge. Apenas dois anos antes, no entanto, a universidade havia descartado o desinvestimento em ações de petróleo e gás.”

Fonte: Financial Times, 07/06/2022

Goldman Sachs retorna ao mercado de dívida ESG com acordo de US$ 700 milhões

“O Goldman Sachs Group Inc. levantou US$ 700 milhões no mercado de grau de investimento dos EUA para ajudar a financiar iniciativas ambientais e sociais, sua primeira venda de títulos sustentáveis de referência em mais de um ano. O banco com sede em Nova York vendeu um título de sustentabilidade com vencimento em cinco anos, segundo uma pessoa com conhecimento do assunto. O bônus rende 1,35 ponto percentual acima de títulos do Tesouro, após discussões iniciais de cerca de 1,6 ponto percentual, disse a pessoa, que pediu para não ser identificada, pois os detalhes são privados. Nos mercados dos EUA, a emissão acima de US$ 500 milhões é considerada um acordo de referência. Os recursos do acordo financiarão uma série de projetos e ativos que respondem a questões ambientais, sociais e de sustentabilidade críticas, incluindo aquelas relacionadas à transição climática e crescimento inclusivo, disse a fonte.”

Fonte: Valor Econômico, 06/06/2022

Temasek promete US$ 3,6 bilhões para plataforma de investimento focada no clima

“A Temasek Holdings, de Cingapura, comprometeu-se com um investimento inicial de 5 bilhões de dólares australianos (3,6 bilhões de dólares) para lançar sua plataforma de investimento GenZero com o objetivo de acelerar a descarbonização, marcando um dos maiores desembolsos desse tipo de um investidor estatal. A GenZero investirá globalmente em três áreas de foco, tecnologias voltadas para o clima, soluções para proteger os ecossistemas naturais e serviços para reduzir a emissão de carbono, disse a Temasek em comunicado na segunda-feira.”

Fonte: Reuters, 06/06/2022

China testa títulos de baixo carbono para ajudar empresas a se tornarem mais verdes

“A China está lançando os chamados títulos de transição de baixo carbono para ajudar as empresas a se tornarem mais verdes, disse o regulador do mercado de títulos interbancários do país nesta segunda-feira, enquanto Pequim busca a neutralidade de carbono. Sob o esquema piloto, empresas de oito setores, incluindo energia elétrica, siderurgia, petroquímica e aviação civil, emitirão títulos para financiar os esforços de descarbonização, informou a Associação Nacional de Investidores Institucionais do Mercado Financeiro (NAFMII) em comunicado.”

Fonte: Reuters, 06/06/2022

Como o investimento ESG chegou a um acerto de contas

“O termo ESG tem menos de duas décadas, mas pode já estar chegando ao fim de sua vida útil. A sigla remonta a 2004, quando um relatório encomendado pela ONU pediu “melhor inclusão de fatores ambientais, sociais e de governança corporativa (ESG) nas decisões de investimento”. Na esteira de escândalos corporativos como Enron e WorldCom, e o derramamento de óleo Exxon Valdez, as instituições financeiras aderiram avidamente ao “pacto global”. Demorou para pegar. Entre maio de 2005 e maio de 2018, o ESG foi mencionado em menos de 1% das chamadas de resultados, segundo análise da gestora de ativos Pimco.”

Fonte: Financial Times, 06/06/2022

Política

Biden suspende tarifas de painéis solares para quatro países e invoca lei de defesa

“O presidente Joe Biden renunciou às tarifas sobre painéis solares de quatro países do Sudeste Asiático por dois anos e invocou a Lei de Produção de Defesa para estimular a fabricação de painéis solares em casa, disse a Casa Branca nesta segunda-feira, confirmando um relatório da Reuters. A isenção tarifária se aplica a painéis do Camboja, Malásia, Tailândia e Vietnã e servirá como uma “ponte” enquanto a fabricação dos EUA aumenta, disse a Casa Branca. As ações de empresas de energia solar dos EUA, incluindo SunPower Corp, Enphase Energy Inc e Sunrun Incsubiram depois que a Reuters informou anteriormente que Biden emitiria uma proclamação que garantiria painéis representando cerca de 80 por cento do As importações dos EUA não enfrentariam tarifas, que poderiam ter sido cobradas retroativamente como parte de uma investigação do Departamento de Comércio.”

Fonte: Reuters, 06/06/2022

Japão pede exames rigorosos na supervisão nuclear

“O Japão avançará com o reinício seguro de usinas nucleares e incluirá exames rigorosos em sua supervisão regulatória nuclear, mostrou o esboço final de seu esboço anual de política econômica visto pela Reuters. O governo visa acelerar a descarbonização e melhorar a autossuficiência energética, e o uso de fontes de energia com alto efeito de descarbonização, como a energia nuclear, será uma parte fundamental para conseguir isso, de acordo com o projeto.”

Fonte: Reuters, 06/06/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.