XP Expert

BNDES vai comprar créditos de carbono pela primeira vez | Café com ESG, 16/03

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O Ibov fechou em território negativo nesta terça-feira, em leve queda de -0,9%, enquanto o ISE em alta de +0,1%.

• No Brasil, (i) o BNDES vai comprar créditos de carbono pela primeira vez e a instituição abre, hoje, uma chamada pública para aquisição de até R$ 10 milhões desses certificados de sequestro ou redução de gases do efeito estufa por empresas ou projetos ambientais; e (ii) um investimento de impacto feito por grandes empresas brasileiras começa a tirar do papel hoje um projeto inédito de locação de moradia popular no centro de São Paulo totalmente concebido pelo setor privado. 

• No internacional, os países da União Europeia apoiaram, ontem, o plano do bloco de impor uma tarifa de emissões de dióxido de carbono pela primeira vez no mundo sobre as importações de produtos poluentes, embora os detalhes mais precisos precisem ser trabalhados nas próximas negociações – o plano inicial é introduzir custos de emissão a partir de 2026 nas importações de aço, cimento, fertilizantes, alumínio e eletricidade.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Investimento de impacto cria locação popular no centro de SP 

“Um investimento de impacto feito por grandes empresas brasileiras começa a tirar do papel hoje um projeto inédito de locação de moradia popular no centro de São Paulo totalmente concebido pelo setor privado. A ambição é ser uma alternativa de moradia digna – e escalável – para quem vive na periferia e gasta longas horas no transporte público todos os dias ou mora precariamente em ocupações e cortiços na região central da cidade. A ideia do Soma, Sistema Organizado de Moradia Acessível, é comprar terrenos e construir edifícios com recursos 100% captados por meio de instrumentos financeiros de mercado e remunerar os investidores, no longo prazo, com o aluguel pago pelos moradores. Tudo isso debaixo do guarda-chuva de uma ONG, que também fica responsável pela gestão do condomínio e pela gestão social do projeto.”

Fonte: Capital Reset, 15/03/2022

Mineradoras defendem poder de veto de índios em projetos em suas terras

“Mineradoras brasileiras e estrangeiras que operam no país se posicionaram nesta terça-feira contra o projeto de lei apoiado pelo governo Bolsonaro que prevê a abertura de terras indígenas para projetos de mineração. As empresas dizem que o tema precisa de um debate mais amplo. E se colocam contra o papel limitado que o texto dá aos índios. O projeto de lei estabelece que os índios precisam ser ouvidos sobre futuros empreendimentos em suas terras, mas sem poder de veto. As mineradoras defendem que os projetos só poderiam ser implementados com a anuência dos povos indígenas. A posição foi emitida por meio de um comunicado divulgado pela Instituo Brasileiro de Mineração (Ibram), que reúne mineradoras e empresas que apoiam o setor, entre elas gigantes como Vale, Anglo American, CBMM, Rio Tinto, Vallourec, Huawei, Gerdau e Votorantim.”

Fonte: Valor Econômico, 15/03/2022

Política

BNDES faz primeira compra de crédito de carbono

“O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai comprar créditos de carbono pela primeira vez. A instituição abre, hoje, uma chamada pública para aquisição de até R$ 10 milhões desses certificados de sequestro ou redução de gases do efeito estufa por empresas ou projetos ambientais. O diretor de participações, mercado de capitais e crédito indireto do BNDES, Bruno Laskowsky, define a investida como o “projeto-piloto” de um programa mais consistente que vai envolver chamadas de R$ 100 milhões a R$ 300 milhões nos próximos dois anos. Os créditos visados pelo BNDES são exclusivamente do mercado voluntário, no qual os agentes não têm teto de emissões nem são regulados por uma agência ou governo nacional, como na União Europeia. Globalmente, esse mercado voluntário ultrapassou US$ 1 bilhão em ativos em 2021 e, no Brasil, é dominado por projetos ligados à preservação de biomas e reflorestamento”

Fonte: Valor Econômico, 16/03/2022

Economistas de presidenciáveis debatem iniciativas sustentáveis e sociais em evento

“Em evento realizado nesta terça-feira (15), economistas das equipes de précandidatos à Presidência da República discutiram iniciativas sociais e de sustentabilidade. Todos reconheceram a necessidade de ampliar incentivos a essas ações, mas houve divergência em relação à origem dos recursos para o financiamento dos projetos. […] Marconi destacou a necessidade de “recuperar função de financiador de grandes iniciativas de investimento” do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “O BNDES acabou fragilizado e enfraquecido nos últimos anos”, complementou. Já Latif pontuou que precisam haver estudos para medir o retorno das ações sociais e de sustentabilidade. “Falamos de recursos públicos, é essencial que se tenha estudo de custo benefício e retorno de cada ação de fomento e com transparência transmitir isso pra sociedade”, disse.”

Fonte: Valor Econômico, 15/03/2022

Opinião

Glossário ESG: edição para indicadores e mecanismos de avaliação

“Há um tempo, escrevi aqui que sustentabilidade é uma sopa de letrinhas. Há uma diversidade enorme de metodologias, ferramentas e conceitos que tratam dessa agenda tão relevante. Cada uma com sua sigla. É até natural, afinal os problemas que precisamos resolver são muitos e muito grandes. Só em conceitos e metodologias, podemos falar de ESG, TBL, CSV, RSC e EoM, entre outras. Sem falar nas instituições e índices, como GRI, CDP, IFRS, ISSB, SASB, ISE, DJSI — e por aí vai. Essa complexidade dificulta o entendimento e o engajamento das pessoas com o tema. Por isso, disponibilizei na época um pequeno glossário de conceitos em ESG. Não é um exercício de valor acadêmico em que tenha buscado o máximo de precisão das definições — outras pessoas podem entender os conceitos de outra maneira —, mas pode ajudar a dar sentido e organizar o pensamento.”

Fonte: Exame, 15/03/2022

Se houver reforma (tributária), a hora de torná-la mais verde é agora!

“Ainda sem apoio do Executivo e com o Parlamento já em clima de eleições, há muitas dúvidas sobre se a Reforma Tributária vai mesmo avançar. A PEC 110 encontra-se atualmente em tramitação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal. A acirrada disputa política entre quem ganha e quem perde em carga tributária e na distribuição da arrecadação contribui para afastar o interesse de parlamentares na matéria, o que pode ser ainda mais problemático no ambiente da Câmara dos Deputados, que será a casa revisora. Apesar disso, avaliamos que há chances de que a PEC 110/2019 avance, ao menos no Senado, ainda este ano. Em termos de sustentabilidade socioambiental, a Reforma Tributária avançou ao incorporar, ainda que parcialmente, três propostas dos ambientalistas: o que é pouco se considerarmos o papel relevante das finanças públicas para o impulsionamento da transição para uma economia verde e de baixas emissões de carbono.”

Fonte: Estadão, 15/03/2022

Internacional

Empresas

Exxon Mobil perde recurso para interromper investigações sobre mudanças climáticas

“Um tribunal federal de apelações rejeitou nesta terça-feira o esforço da Exxon Mobil Corp (XOM.N) para impedir Massachusetts e Nova York de investigar se a petroleira mentiu para investidores e o público sobre o que sabia sobre as mudanças climáticas. O Tribunal de Apelações do 2º Circuito dos EUA em Manhattan disse que a Exxon não poderia processar a procuradora-geral de Massachusetts, Maura Healey, no tribunal federal, porque estava processando o mesmo caso nos tribunais estaduais de Massachusetts.Também disse que o caso federal da Exxon contra a procuradora-geral de Nova York, Letitia James, foi discutível depois que ela decidiu não apelar da indeferimento de um juiz estadual em dezembro de 2019 de seu processo contra a empresa após um julgamento sem júri.”

Fonte: Reuters, 15/03/2022

ERG da Itália gastará 2,9 bilhões de euros para aumentar a pegada verde da Europa

“O ERG da Itália (ERG.MI) gastará 2,9 bilhões de euros (3,2 bilhões de dólares) nos próximos cinco anos, buscando aumentar sua presença na Europa e aumentar os lucros quase dobrando sua capacidade de energia verde.Em seu novo plano, a maior operadora de energia eólica da Itália disse que visava cerca de 10 mercados em toda a Europa e geraria metade de seus principais ganhos no exterior até 2026. Ela adicionará 2,2 gigawatts de nova capacidade ao longo do período para atingir 4,6 GW, quase metade dos quais virá de aquisições para as quais havia alocado 1,4 bilhão de euros (US$ 1,5 bilhão).”

Fonte: Reuters, 15/03/2022

OMV da Áustria anuncia transição verde na reformulação da estratégia

“O grupo de energia austríaco OMV vai virar a página de sua adesão à Rússia e pode sinalizar uma saída gradual de seus negócios de petróleo e gás quando apresentar sua estratégia sob o novo presidente-executivo Alfred Stern em Quarta-feira. Depois que Stern assumiu o cargo de CEO no ano passado, o engenheiro de plásticos anunciou a maior mudança na história da OMV – uma mudança para plásticos especiais construídos em torno de sua compra de sucesso do grupo petroquímico Borealis.”

Fonte: Reuters, 15/03/2022

Política

Conselheiros da UE propõem adicionar rótulo ‘âmbar’ às regras de finanças verdes

“Os assessores da União Europeia no livro de regras de investimento verde do bloco vão propor a adição de uma categoria “âmbar” ao sistema, para sinalizar investimentos que não são totalmente ecologicamente corretos, disse o principal assessor da UE nesta terça-feira. “A plataforma em breve recomendará uma estrutura de taxonomia estendida que inclui uma categoria âmbar, que acreditamos ser ambientalmente robusta e que acreditamos ser a melhor opção para descrever as múltiplas transições em vários objetivos ambientais para vários setores econômicos, que agora devemos adotar”, Nathan Fabian, presidente da plataforma de conselheiros da Comissão Europeia sobre a taxonomia de finanças sustentáveis ​​da UE.”

Fonte: Reuters, 15/03/2022

Países da UE apoiam plano para tarifa de fronteira de carbono pela primeira vez no mundo

“Os países da União Europeia apoiaram nesta terça-feira o plano do bloco de impor uma tarifa de emissões de dióxido de carbono pela primeira vez no mundo sobre as importações de produtos poluentes, embora os detalhes mais precisos precisem ser trabalhados nas próximas negociações. A UE quer introduzir custos de emissão de CO2 a partir de 2026 nas importações de aço, cimento, fertilizantes, alumínio e eletricidade – uma medida destinada a proteger a indústria europeia de ser prejudicada por produtos mais baratos fabricados em países com regras ambientais mais fracas.”

Fonte: Reuters, 15/03/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.