XP Expert

Preço dos Cbios volta a R$100 em abril | Café com ESG, 26/04

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão de segunda-feira em território misto, com o Ibov em leve queda de -0,4%, já o ISE subindo +0,4%.

• No Brasil, os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) negociados na B3 voltaram a encostar na faixa dos R$100 neste mês, mesmo com o aumento da emissão de papéis, reflexo do início da safra sucroalcooleira no Centro-Sul – no acumulado do ano, o preço médio dos CBios negociados até o momento está em R$88,21.

• No internacional, (i) a Exxon Mobil Corp, maior produtora de petróleo dos EUA, planeja investir US$ 15 bilhões em seis anos para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa e está recrutando um comerciante de biocombustível e etanol na América do Norte, como parte de seus esforços para desenvolver combustíveis com emissões mais baixas; e (ii) um grupo de investidores do Credit Suisse que pressiona por uma ação climática mais rápida no banco suíço mais que dobrou de tamanho, aumentando a pressão sobre seu conselho antes da reunião anual de acionistas na sexta-feira, em um cenário em que o CS, junto com outros grandes bancos, está sob crescente pressão de investidores para parar de financiar o desenvolvimento de combustíveis fósseis para limitar as mudanças climáticas e ajudar as empresas a se afastarem de uma economia de alto carbono.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Assine conteúdos exclusivos aqui!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Preço dos CBios volta a encostar nos R$ 100, mesmo com oferta maior

“Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) negociados na B3 voltaram a encostar na faixa dos R$ 100 neste mês, mesmo com o aumento da emissão de papéis, reflexo do início da safra sucroalcooleira no Centro-Sul. Cada CBio equivale a 1 tonelada de carbono de emissão deixa de ser liberada na atmosfera a partir da substituição de combustíveis fósseis por biocombustíveis. No último dia de negociação com dados disponíveis, 22 de abril, o preço médio ficou em R$ 99,45. Em 14 de abril, o valor médio CBio chegou a R$ 100,19, e desde então vem oscilando na casa dos R$ 99. No acumulado do ano, o preço médio dos CBios negociados até o momento está em R$ 88,21, segundo cálculo do ItaúBBA.”

Fonte: Valor Econômico, 25/04/2022

Clique aqui para acessar o relatório: “Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema

Enel Green Power inicia operação comercial em parque eólico em Pernambuco

“A Enel Green Power, braço de energias renováveis da italiana Enel no Brasil, iniciou as operações comerciais do parque de geração de energia eólica Fontes dos Ventos II, localizado em Pernambuco. O projeto tem capacidade instalada de 99 megawatts (MW), a partir de 18 aerogeradores, e recebeu cerca de R$ 430 milhões em investimentos. A energia será comercializada no mercado livre, no qual grandes consumidores podem escolher os próprios fornecedores, por meio da comercializadora Enel Trading. Um dos clientes é a varejista Lojas Renner. […] Segundo a Enel Green Power, o contrato permitirá à Renner uma redução de cerca de 40% no custo final da energia e vai evitar a emissão de aproximadamente 6,2 mil toneladas de carbono por ano.”

Fonte: Valor Econômico, 25/04/2022

Máxima inicia liquidação do primeiro FIDC de comercialização

“A comercializadora Máxima Energia iniciou o processo de desinvestimento de R$ 100 milhões de um Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC) levantado em 2019 com o Julius Baer e o AndBank para financiar a compra e venda de energia no Brasil. Na época, a operação foi a primeira criação de um FIDC específico para a comercialização de energia no Brasil em um contexto em que o tema da abertura do mercado livre de energia no Brasil ganhava força. “Fizemos a captação de R$ 100 milhões em 2019 para dar crédito para a comercialização de energia elétrica, incluindo comercializadores, consumidores, geradores e autoprodutores (…). Agora na fase desinvestimentos, vamos devolver dinheiro para o investidor antes das eleições presidenciais deste ano. Até setembro a meta é liquidar 100% do fundo”, disse o CEO da companhia, Rafael Bispo.”

Fonte: Valor Econômico, 26/04/2022

Do Brasil, Softys dá partida em plataforma ESG

“Com operações em oito países da América Latina, a Softys, fabricante de papéis de higiene e produtos de cuidados pessoais do grupo chileno CMPC, escolheu o Brasil para o pontapé inicial da “Softys Contigo”, plataforma que reúne ações com foco em meio ambiente, sociedade e governança (ESG) e vai beneficiar até 30 mil pessoas, direta e indiretamente, que vivem em comunidades e assentamentos em toda a região. Mediante investimentos de US$ 6 milhões entre 2022 e 2026, a iniciativa implementada em parceria com a ONG Teto visa a ampliar o acesso a saneamento e água potável na América Latina. Além de estar alinhada às metas socioambientais traçadas para os próximos anos, contribuirá para que a Softys se consolide como empresa multilatina e multicultural – os últimos cinco anos foram marcados por aquisições em diferentes países – e de funcionários engajados no voluntariado.

Fonte: Valor Econômico, 26/04/2022

Produtor do Sul de Minas participa de pesquisa sobre emissão de carbono na cafeicultura

“Durante cerca de cinco meses, um cafeicultor de Guaranésia (MG) participou do Projeto Carbono, um estudo sobre a produção e captura de carbono na lavoura de café. A pesquisa foi realizada pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) em parceria com o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) e da Universidade de São Paulo (USP). Um dos participantes do estudo foi o cafeicultor Mário de Freitas Eiras Garcia que possui cerca de 520 hectares de café arábica espalhados por várias propriedades em Guaranésia (MG). Ele contou que a pesquisa surgiu através de um convite feito por uma exportadora de Guaxupé (MG). “Fomos convidados porque todos conhecem nosso trabalho na cafeicultura. Eles sabem que é alinhado às boas práticas de manejo. Somos certificados há mais de 15 anos”, explicou o produtor.

Fonte: G1, 25/04/2022

Internacional

Empresas

Exxon abre papel de comerciante de biocombustíveis à medida que expande iniciativas de emissões mais baixas

“A Exxon Mobil Corp está recrutando um comerciante de biocombustível e etanol na América do Norte, disse a empresa em um post de mídia social, como parte de seus esforços para desenvolver combustíveis com emissões mais baixas. O maior produtor de petróleo dos EUA planeja investir US$ 15 bilhões em seis anos para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, inclusive por meio de biocombustíveis. A demanda por combustíveis renováveis e créditos de carbono está aumentando à medida que os compradores fazem a transição para um mercado de emissões mais baixas. A posição será responsável por desenvolver e capturar oportunidades comerciais e de derivativos apoiadas pela presença da cadeia de produção e fornecimento nos mercados dos EUA e Canadá, disse a Exxon em uma publicação no LinkedIn. No cargo, o trader trabalhará com fornecedores e clientes para gerenciar riscos em toda a cadeia de valor, incluindo matérias-primas, biocombustíveis e mercados de crédito renovável, disse o anúncio.

Fonte: Reuters, 25/04/2022

Trabalho híbrido incentiva redução da emissão de carbono

“Pesquisa revela que, entre os trabalhadores híbridos, a preocupação com as mudanças climáticas é maior do que em relação aumento dos preços dos combustíveis: Dois terços (66%) concordam que é importante reduzir o deslocamento para tornar o equilíbrio entre vida profissional e pessoal mais sustentável; Quase três quartos dos líderes empresariais (73%) estão preocupados com o impacto do deslocamento no meio ambiente; 78% das empresas estão comprometidas em reduzir sua emissão de carbono. De acordo com uma pesquisa realizada, entre as empresas do índice FTSE 250, pelo IWG — líder global e nacional em espaços de trabalho flexíveis como coworkings e escritórios — como uma tendência global, os funcionários de escritórios estão reduzindo seus deslocamentos e adotando um regime de trabalho mais sustentável. Em média, esses trabalhadores estão se deslocando 2,5 dias por semana a menos em comparação com os níveis pré-pandemia.

Fonte: SEGS, 25/04/2022

Cresce rebelião de investidores do Credit Suisse sobre ação climática antes da reunião anual

“Um grupo de investidores do Credit Suisse que pressiona por uma ação climática mais rápida no banco suíço mais que dobrou de tamanho, aumentando a pressão sobre seu conselho antes da reunião anual de acionistas na sexta-feira. O Credit Suisse, junto com outros grandes bancos, está sob pressão de investidores para parar de financiar o desenvolvimento de combustíveis fósseis para limitar as mudanças climáticas e ajudar as empresas a se afastarem de uma economia de alto carbono. Onze acionistas do Credit Suisse originalmente apresentaram uma resolução em março pedindo ao banco que reduzisse a exposição aos ativos de combustíveis fósseis. Esse grupo, com US$ 2,4 trilhões em ativos coletivos, incluía a maior gestora de ativos da Europa, Amundi. O Credit Suisse decidiu estabelecer novas metas para reduzir as emissões relacionadas à sua carteira de empréstimos, mas os investidores disseram que isso não foi o suficiente.

Fonte: Reuters, 25/04/2022

Política

Atividade humana está levando a mais desastres – relatório da ONU

“A atividade humana está contribuindo para um número crescente de desastres, com 350 e 500 desastres de médio ou grande porte por ano ocorrendo globalmente nas últimas duas décadas e eventos mais frequentes esperados, de acordo com um relatório da ONU. O número de desastres – muitos deles relacionados ao clima, como incêndios e inundações, mas também outros perigos, como pandemias ou acidentes químicos – pode chegar a 560 por ano, ou 1,5 por dia, até 2030, colocando milhões de vidas em perigo. Escritório das Nações Unidas para Redução do Risco de Desastres (UNDRR) em seu relatório de avaliação global. A mudança climática está causando eventos climáticos mais extremos, disse, acrescentando que os humanos tomaram decisões com foco muito estreito e foram otimistas demais sobre o risco de possíveis desastres, deixando-os despreparados. O impacto dos desastres também foi intensificado pelo crescimento populacional em áreas mais propensas a catástrofes naturais, disse o relatório.

Fonte: Reuters, 25/04/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.