XP Expert

Fundos europeus sustentáveis ​​atingem €4 trilhões, 40% do total de ativos administrados na UE | Café com ESG, 08/02

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• Na segunda-feira, o mercado fechou em território neutro, com o Ibov e o ISE em leve queda de -0,2% e -0,8%, respectivamente.

• No Brasil, do lado das empresas, a Ambipar desenvolveu uma maneira de fazer reflorestamento em massa respeitando práticas ESG, com a chamada biocápsula, uma tecnologia que permite que cápsulas biodegradáveis de colágeno provenientes de resíduos de indústria farmacêutica carreguem sementes de árvores nativas, agindo assim no reflorestamento em massa de áreas degradadas.

• No internacional, (i) ativos em fundos europeus comercializados como sustentáveis ​​atingiram 4 trilhões de euros – quase 40% de todos os ativos administrados em fundos domiciliados na União Europeia, de acordo com a Morningstar; e (ii) a CVS Health Corp. estabeleceu uma meta no ano passado de reduzir quase pela metade as emissões de carbono dos bens e serviços que compra até 2030, mas superou essa meta antes mesmo de torná-la pública.


Brasil

Empresas

Com foco em ESG, Ambipar cria tecnologia de reflorestamento

“A Ambipar desenvolveu em seu Laboratório de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação uma maneira de fazer reflorestamento em massa respeitando práticas ESG. Trata-se da biocápsula, um tecnologia que permite que cápsulas biodegradáveis de colágeno provenientes de resíduos de indústria farmacêutica carreguem sementes de árvores nativas. Com condicionador de solo (EcoSolo®), as biocápsulas são despejadas por drone e agem no reflorestamento em massa de áreas degradadas. Em escala global, existem 3,04 trilhões de árvores, segundo estimativas da Nature. Em média, são 422 árvores por pessoa no planeta, mas cerca de 7 bilhões dizimadas, por ano.”

Fonte: Forbes, 07/02/2022

Comunicação é a voz das empresas com foco em ESG

“O conceito de ESG — sigla em inglês para Environmental, Social and Governance, que representa a preocupação das empresas com melhores práticas ambientais, sociais e de governança, foi criado pela ONU durante um evento que reuniu instituições financeiras de vários países. […] As empresas ESG devem estar sempre atentas a seus stakeholders. A escuta consciente ajuda a entender o que cada um deles está pedindo e como isso converge para as ações e valores da empresa. A empresa tem voz. É por meio da comunicação que ela torna transparente suas intenções reais e mostra de que forma estão alinhadas com o conceito ESG. É fácil perceber quando a empresa já atua numa comunicação ESG. Suas comunicações são mais questionadoras, ela se coloca de forma menos impositiva, não agressiva e passa total segurança em suas mensagens. A comunicação é autêntica e consciente, visa inspirar e não impor.”

Fonte: Exame, 07/02/2022

Fundo ESG de sucesso prevê migração para empresas europeias

“A queda das ações de tecnologia dos EUA neste ano pode direcionar muitos investidores com preocupações ESG para a Europa, em busca de melhores taxas de retorno. A previsão é de um fundo de hedge focado em sustentabilidade que deixou a concorrência para trás. Grandes empresas de tecnologia — como Meta Platforms (dona do Facebook) — há muito tempo fazem parte de fundos ESG, porém diversas companhias europeias oferecem atributos mais duradouros em termos ambientais, sociais e de governança (componentes da sigla ESG em inglês), segundo Donald Pepper, co-CEO do Trium Capital.”

Fonte: Money Times, 07/02/2022

Opinião

Busca por energias renováveis ainda não aparece nas bolsas

“O mercado global de energia apresentou dois marcos no ano de 2021: a retomada da demanda energética junto à crise de oferta das fontes fósseis e o discurso de mudanças climáticas reforçado principalmente durante a COP26, em Glasgow, na Escócia. A elevação dos preços das commodities energéticas, principalmente a partir do segundo semestre de 2021, mostra o quanto a economia mundial ainda recorre às fontes tradicionais, como petróleo e gás natural, e torna seus olhos mesmo para a fonte nuclear, refletida pelas altas nos preços do urânio.”

Fonte: Valor Econômico, 08/02/2022

Carbono, mercado de oportunidades verdes

“A real oportunidade do mercado global de carbono já chegou, os movimentos do governo federal durante a COP-26 provocaram uma alta expressiva de preços e demanda por créditos de carbono no mercado voluntário, de floresta nativa, reflorestamento e energias renováveis. O Brasil foi peça fundamental nas negociações, atuando de forma cooperativa para alcançarmos um consenso mundial na regulamentação do artigo 6 do Acordo do Clima na COP-26 em Glasgow, no ano passado. Trabalhamos de forma responsável e planejada na realização das etapas necessárias para criar um mercado de carbono que atenda aos interesses do nosso País.”

Fonte: Estadão, 08/02/2022

Internacional

Empresas

O dilema da energia nuclear: onde colocar o lixo letal

“Todas as manhãs, Benoit Gannaz coloca um pequeno dispositivo preto no bolso do peito para garantir que seu trabalho não o esteja matando. Como todo trabalhador da usina nuclear de Chooz A, no norte da França, ele carrega um detector que mede os níveis de radiação ionizante o tempo todo. O reator foi desligado há mais de três décadas e os materiais mais perigosos foram removidos logo depois, mas ninguém aqui está se arriscando – muito menos o gerente de projeto que supervisiona o desafiador e demorado processo de descomissionamento da Chooz A. Gannaz é garantir a os materiais perigosos restantes no local são removidos e armazenados com segurança agora que o ciclo de vida do reator está no fim. Os riscos são gerenciáveis, porém, diz ele. A exposição radioativa é medida em sieverts. Um o deixaria doente, cinco provavelmente o matariam. Em mais de 15 anos no campo, Gannaz diz que a maior exposição anual que ele já recebeu foi de 0,05 mSv, ou um milésimo de sievert.”

Fonte: Financial Times, 07/02/2022

Quatro em cada 10 euros de ativos de fundos europeus agora vendidos como ‘sustentáveis’

“Ativos em fundos europeus comercializados como sustentáveis ​​atingiram 4 trilhões de euros – quase 40% de todos os ativos administrados em fundos domiciliados na União Europeia – disse a Morningstar nesta segunda-feira no mais recente sinal de aumento na demanda por produtos considerado mais verde. Isso representa um aumento de cerca de 2 trilhões de euros em abril do ano passado, logo após a introdução das regras.”

Fonte: Reuters, 07/02/2022

Planos climáticos corporativos geralmente ficam aquém

“A CVS Health Corp. estabeleceu uma meta no ano passado de reduzir quase pela metade as emissões de carbono dos bens e serviços que compra até 2030 como parte de seu novo plano de mudança climática. Devido em parte à maneira como a gigante farmacêutica estabeleceu a meta, ela superou essa meta antes mesmo de torná-la pública em outubro passado, de acordo com suas divulgações de emissões. A rede de drogarias definiu 2019 como o ano base para as reduções de emissões planejadas, um ano em que suas emissões de bens e serviços adquiridos foram excepcionalmente altas. Em 2020, eles caíram 53%, de acordo com números do relatório de responsabilidade social corporativa da CVS de abril passado – mais do que a redução de 47% que pretendia até 2030.”

Fonte: The Wall Street Journal, 07/02/2022

Conversa dupla da Cruzada Climática da BlackRock

“O capitalismo das partes interessadas não tem a ver com política… É o capitalismo.” Assim afirmou o CEO da BlackRock, Larry Fink, em sua carta anual aos CEOs da América no mês passado, na qual ele pediu aos chefes corporativos que se mantivessem fiéis ao “propósito” de suas próprias empresas. Mas qual propósito, exatamente? Na mesma carta, Fink também pede aos CEOs que estabeleçam “metas de curto, médio e longo prazo para reduções de gases de efeito estufa”. Suas demandas são explícitas: “Pedimos que você emita relatórios consistentes com a Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima”. A BlackRock regularmente faz demandas como essas de suas empresas de portfólio, exigindo que elas atendam aos padrões de seu “conselho de padrões contábeis de sustentabilidade”. O Sr. Fink afirma que quer que os CEOs permaneçam fiéis aos propósitos das empresas que dirigem, ao mesmo tempo em que exige que eles promovam os propósitos corporativos que a BlackRock favorece. Ele não pode ter as duas coisas.”

Fonte: The Wall Street Journal, 07/02/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.