XP Expert

Descarbonização em foco: Vale, distribuidoras e Embraer são o destaque | Café com ESG, 22/12

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O Ibov fechou o pregão desta terça-feira em alta de +0,5%, enquanto o ISE fechou em leve queda de -0,07%.

• No Brasil, (i) a Vale anunciou ontem a venda de seus ativos de carvão em Moçambique por US$ 270 milhões para a Vulcan Minerals, subsidiária da indiana Jindal Group, concretizando a saída da Vale do negócio de carvão, objetivo que havia sido comunicado pela empresa no início do ano, com a ambição de se tornar líder na mineração de baixo carbono; e (ii) a dez dias do fim do ano, menos da metade das distribuidoras de combustíveis bateram as metas de descarbonização fixadas pelo governo, uma vez que 68 de um total de 143 empresas adquiriram créditos de produtores e importadores de biocombustíveis suficientes para compensar as emissões provocadas pela queima de produtos fósseis, como gasolina e óleo diesel, vendidos por essas distribuidoras.

• No internacional, a Agência de Proteção Ambiental (EPA) finalizou novos requisitos para as emissões advindas de automóveis até 2026, que revertem a decisão do ex-presidente Donald Trump, com padrões mais robustos e rigorosos, que acelerará uma mudança dos EUA para mais veículos elétricos.

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Vale vende ativo em Moatize e sai de carvão

“A Vale anunciou ontem a venda de seus ativos de carvão em Moçambique por US$ 270 milhões para a Vulcan Minerals, subsidiária da indiana Jindal Group. A venda inclui a mina de Moatize e o Corredor Logístico Nacala (CLN). A empresa vai receber US$ 80 milhões no fechamento e US$ 190 milhões do negócio existente até a conclusão, além de ter assinado um acordo de royalties por dez anos. A operação concretiza a saída da Vale do negócio de carvão, objetivo que havia sido comunicado pela empresa no início do ano, dentro de um esforço não apenas para focar em seus principais negócios, mas também dentro da ambição de se tornar líder na mineração de baixo carbono. A transação ainda depende de aprovação das autoridades regulatórias em Moçambique e Malawi. A Vale iniciou os investimentos em Moatize depois da assinatura dos contratos de concessão, em 2007. O projeto englobava desde o início a mina e a logística e porto para transporte do carvão. A produção começou em 2011, mas já em 2014 a companhia questionava a competitividade dos seus ativos em Moçambique, fruto da queda dos preços do carvão.”

Fonte: Valor Econômico, 22/12/2021

Clique aqui para acessar o relatório | “Vale (VALE3): Vale avança no seu plano de desinvestimento com a venda de sua mina de carvão

Distribuidoras de combustíveis tentam bater meta de descarbonização, e crédito de carbono dispara

“A dez dias do fim do ano, menos da metade das distribuidoras de combustíveis bateram as metas de descarbonização fixadas pelo governo. Apenas 68 de um total de 143 empresas adquiriram créditos de produtores e importadores de biocombustíveis suficientes para compensar as emissões provocadas pela queima de produtos fósseis, como gasolina e óleo diesel, vendidos por essas distribuidoras. O prazo para atingir a meta termina no dia 31. Quem não cumprir será multado. As metas de descarbonização são individuais, cada distribuidora tem a sua. Quanto mais combustível uma empresa vende, mais crédito de carbono tem que ser adquirido. O crédito é chamado de Crédito de Descarbonização (Cbio), negociado na B3. A medida faz parte da Política Nacional de Biocombustíveis (Renovabio), criada em 2017 para que o Brasil cumpra as obrigações assumidas na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2015 (COP-21).”

Fonte: Estadão, 21/12/2021

O ‘carro voador’ da Embraer decola para a Bolsa

“A Eve, subsidiária da Embraer que vai produzir os ‘carros voadores’ conhecidos como eVTOLs, será listada na bolsa de Nova York, valendo mais de US$ 2 bilhões. A companhia anunciou o fechamento da fusão com a SPAC Zanite. SPACs são empresas que primeiro abrem o capital em bolsa e depois vão em busca de um negócio para adquirir e, por isso, são chamadas de companhias de cheque em branco. Com isso, a Eve pavimenta o caminho para seguir levantando capital e financiar sua expansão. Na largada, um grupo de investidores fará uma injeção privada de capital, levando o caixa da empresa a pouco mais de US$ 500 milhões. O negócio também cristaliza uma guinada que a Embraer procura dar em seu negócio depois de ter sido deixada no altar pela americana Boeing um ano e oito meses atrás, justamente quando os efeitos negativos da pandemia sobre o setor aéreo entraram em cena.”

Fonte: Capital Reset, 21/12/2021

Clique aqui para acessar relatório | “Embraer (EMBR3): Eve Fecha Acordo de Fusão com a Zanite; Positivo

Grupo Boticário: linha de crédito para fornecedores atrelada a metas ESG

“O Grupo Boticário, que tem a sustentabilidade embutida em seu modelo de negócio, quer ajudar seus fornecedores a também atuarem de forma responsável com o planeta e a sociedade. Em parceria com o Itaú BBA, a empresa lançou o Risco Sacado ESG, uma linha de crédito com condições especiais para fornecedores que adotem práticas ambientais, sociais e de governança O produto possibilita a antecipação de recebíveis – o chamado risco sacado –, operação financeira que se assemelha a uma linha de crédito. Na prática, ela permite que o fornecedor adiante o recebimento de suas vendas junto às instituições financeiras de maneira simples e rápida. O parceiro que já fizer parte da plataforma Facilita da Mooz, fintech do Grupo Boticário criada para prover serviços financeiros à cadeia da empresa, e cumprir com os requisitos determinados pelo programa em relação às melhores práticas ESG, poderá ter acesso a taxas mais atrativas.”

Fonte: Exame, 20/12/2021

Engie: “Energia renovável está no coração da discussão ESG”

“Nunca se falou tanto em sustentabilidade e boas práticas empresariais no Brasil. O assunto começou a ganhar mais tração no ano passado, em função do agravamento da crise sanitária mundial. Entretanto, 2021 trouxe um novo desafio ambiental: o País passa pela pior crise hídrica em 91 anos. É importante lembrar que pelo menos 61% da energia gerada em solo brasileiro tem origem hidrológica, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Não é por acaso, portanto, que as empresas elétricas passaram a entrar nos holofotes. De acordo com Eduardo Sattamini, diretor-presidente da Engie Brasil Energia, e uma das maiores produtoras de energia elétrica do País, a falta de chuvas mostra a importância da diversificação de fontes energéticas. A ideia é mitigar os impactos de uma nova crise hídrica no futuro.”

Fonte: E-investidor, 21/12/2021

Opinião

Cinco livros para os consumidores conscientes do futuro (sim, em pleno Natal) 

“Seria muito prático começar esta coluna com a mensagem mais óbvia e aparentemente coerente com nosso assunto aqui: “compre livros para as crianças neste Natal! E, sobretudo, escolha aqueles com temática ESG adaptada aos pequenos leitores”. Mas educação infantil, apreço pela literatura e ESG são temas complexos, para os quais não há atalhos. Fuja das soluções fáceis ou rápidas e percorra todo o caminho: defina prioridades, lide com as adversidades, seja criativo e, por que não, usufrua de cada conquista. Nessas temáticas, o “talk” não anda sem o “walk”, assim como deveria ser nas conferências climáticas, nas reuniões de conselho das empresas, nos governos, nas pequenas e grandes equipes, na vida profissional e na pessoal.”

Fonte: Capital Reset, 21/12/2021

Internacional

Empresas

Agência de Proteção Ambiental dos EUA finaliza novos requisitos de emissões de veículos mais rígidos

“A Agência de Proteção Ambiental (EPA) finalizou na segunda-feira novos requisitos para as emissões advindas de veículos até 2026, que revertem a decisão do ex-presidente Donald Trump de cortes de poluição de automóveis, com padrões mais robustos e rigorosos, que acelerará uma mudança dos EUA para mais veículos elétricos. O administrador da EPA, Michael Regan, chamou os rígidos padrões de “factíveis”, mesmo quando prometeu avançar rapidamente com a próxima rodada de requisitos. “Estamos estabelecendo padrões robustos e rigorosos que reduzirão agressivamente a poluição que está prejudicando as pessoas e nosso planeta”, disse Regan. Em agosto, o governo do presidente Joe Biden propôs desfazer os requisitos de flexibilização da ação da era Trump impostos durante a presidência de Barack Obama. A nova regra finalizada na segunda-feira é mais dura do que a proposta de agosto da EPA ou os requisitos emitidos por Obama. Se expresso em requisitos de milhas por galão (mpg), as regras da EPA resultariam em uma média do mundo real em toda a frota de cerca de 40 mpg em 2026, contra 38 mpg sob a proposta de agosto e 32 mpg sob as regras de Trump.”

Fonte: Reuters, 20/12/2021

Porto de Los Angeles testará hidrogênio de esterco como combustível para maquinário

“Um membro do grupo Toyota iniciará um teste de quatro anos em um dos maiores portos dos Estados Unidos usando equipamento de carga movido a hidrogênio derivado de dejetos animais. O programa piloto vai acontecer no porto de Los Angeles de fevereiro a março de 2026, disse a distribuidora japonesa de commodities e equipamentos Toyota Tsusho, na terça-feira. Serão sete máquinas movidas a células de combustível, entre elas um guindaste, máquinas de descarga de contêineres e caminhões. O hidrogênio virá do gás natural renovável, ou biometano. Derivado do esterco produzido em fazendas e transformado em combustível, esse gás contribui para a redução das emissões de dióxido de carbono.”

Fonte: Valor Econômico, 22/12/2021

Mudanças climáticas desestabilizaram os polos da Terra, colocando o resto do planeta em perigo

“A plataforma de gelo estava se rompendo. Pesquisas mostraram que a água quente do oceano a vem erodindo por baixo. Imagens de satélite revelaram fissuras longas e paralelas na extensão congelada, como arranhões das garras de algum monstro. Uma fratura cresceu tanto e tão rápido que os cientistas começaram a chamá-la de “a adaga”. “Foi extremamente surpreendente ver as coisas mudando tão rápido”, disse Erin Pettit. O glaciologista do estado de Oregon escolhera este local para sua pesquisa de campo na Antártida precisamente por causa de sua estabilidade. Enquanto outras partes da geleira Thwaites desmoronavam, esta cunha de gelo flutuante agia como uma barreira, retardando o derretimento. Era para ser estável, durável e segura. Mas agora as mudanças climáticas transformaram a plataforma de gelo numa ameaça – para o trabalho de campo de Pettit e para o mundo.”

Fonte: Estadão, 21/12/2021

Os preços da gasolina na Europa atingem novas altas à medida que piora a crise energética

“Os preços do gás na Europa atingiram novos recordes com a interrupção do fluxo de um gasoduto russo importante, assustando os compradores que estavam lutando para garantir o abastecimento durante uma crise energética que se agravava. O gás para entrega na Europa no mês que vem, que já estava sendo negociado em níveis recordes, saltou mais de 20% na terça-feira, fechando a € 181 por megawatt-hora. Depois de quatro meses em que a diminuição da confiança no abastecimento russo já havia empurrado os preços do gás no atacado para os mais altos da história, o último aumento de preço ameaça aumentar ainda mais as contas de energia das famílias e da indústria em todo o continente e aumentar as pressões inflacionárias, assim como as temperaturas são projetadas derrubar. No Reino Unido, onde mais de duas dúzias de fornecedores de energia já quebraram este ano, os preços subiram 20% na terça-feira, para um recorde de 450 pence por termômetro.”

Fonte: Financial Times, 21/12/2021


Índices ESG e suas performances

Última atualização: 21/12/2021

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.