XP Expert

BNDES seleciona cinco empresas para a compra de créditos de carbono | Café com ESG, 27/05

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão de quinta-feira em território positivo, com o Ibov estável e o ISE em alta de +1,2% e +1,5%, respectivamente.

• No Brasil, o BNDES irá comprar R$ 8,7 milhões em créditos de carbono de cinco empresas, que participaram de uma chamada pública para aquisição de até R$ 10 milhões em créditos de carbono, para a qual foram apresentadas 11 propostas – as empresas selecionadas foram Biofílica, Solví, Sustainable Carbon, Carbonext e Tembici.

• No internacional, (i) a vinculação de bônus a metas ESG parece estar virando uma regra no mundo corporativo, para incentivar os executivos a não ficarem só no discurso – das empresas que fazem parte do índice FTSE 100, da bolsa de Londres, 45% já aderiram ao mecanismo; e (ii) Tim Buckley, presidente-executivo da Vanguard, 2a maior gestora de ativos do mundo (US$ 8,1 trilhões sob gestão) e maior investidor em empresas de carvão em todo o mundo, disse que está determinado a proteger seus clientes dos riscos climáticos, mas isso não exigiria que ele encerrasse novos compromissos com as indústrias de combustíveis fósseis.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Assine conteúdos exclusivos aqui!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Transformação tecnológica requer mais energia limpa

“Duas grandes tendências que vão ajudar a moldar a economia do futuro e correm em paralelo são a inovação tecnológica e a transição para uma economia de baixo carbono. Os dois mundos se encontram quando se trata da demanda por energia. Se, por um lado, novas tecnologias requerem um uso maior de energia elétrica, por outro, inovações melhoram a eficiência e ajudam a reduzir o consumo. No passado, o uso de energia era voltado principalmente para atividades mecânicas e aquecimento. Agora, com o uso cada vez maior da economia digital e dos equipamentos elétricos e eletrônicos, tem aumentado o consumo da energia elétrica. […] A TIM avalia que, com a chegada do 5G, haverá aumento no consumo entre 30% e 40% comparado ao 4G. Uma pesquisa da empresa de gerenciamento de redes e refrigeração Vertiv, feita com a SLT Partners, aponta que, até 2026, redes de telecomunicações vão consumir entre 150% a 170% a mais de energia.”

Fonte: Valor Econômico, 27/05/2022

Clique aqui para acessar o nosso relatório | “Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG

Política

BNDES vai comprar R$ 8,7 milhões em créditos de carbono de cinco empresas

“O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai comprar R$ 8,7 milhões em créditos de carbono de cinco empresas. Elas participaram de uma chamada pública para aquisição de até R$ 10 milhões em créditos de carbono, para a qual foram apresentadas 11 propostas. As empresas selecionadas foram Biofílica, Solví, Sustainable Carbon, Carbonext e Tembici, informou o banco. Os créditos de carbono mensuram e precificam a redução ou a remoção de unidades equivalentes a uma tonelada de dióxido de carbono na atmosfera e contribuem para a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas. As empresas selecionadas desenvolvem projetos com parceiros que preveem a geração de créditos de carbono.”

Fonte: InfoMoney, 26/05/2022

Regulação

Informações ESG devem vir a mercado a partir de regulação internacional em2024

“O ano de 2024 deve ser o momento em que as informações ambientais, sociais e de governança (ESG) devem ficar conhecidas de maneira mais organizada, a partir de regras estabelecidas por reguladores dos principais mercados de capitais. Essa é a visão de Bruno Luna, chefe da Assessoria de Análise Econômica e Gestão de Riscos, área da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que conduziu um estudo sobre o tema. “Atualmente não há nenhuma regra de fato para valer. No âmbito internacional, os principais mercados apresentaram propostas e ampliação de transparência de informações ESG, que estão em audiência pública ou em fase de análise. O tema será discutido com reguladores ao longo do ano”, disse Luna, em entrevista a jornalistas. […] No Brasil, a CVM vai passar a exigir mais informações ESG das companhias a partir de 2023, com as mudanças feitas na resolução 59, que ditam as regras do formulário de referência. “

Fonte: Valor Econômico, 26/05/2022

Reguladores internacionais caminham para normas abrangentes sobre ESG, diz pesquisa da CVM

“Enquanto a falta de padronização e confiança nas informações divulgadas estão no foco de preocupações dos investidores quanto às práticas ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês), reguladores internacionais caminham para normas mais abrangente sobre o tema, segundo uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), com a colaboração do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). O foco regulatório tem sido as mudanças climáticas e as principais preocupações dos reguladores e participantes do mercado giram em torno do greenwashing. As primeiras irregularidades começam a ser punidas, ainda que de forma incipiente. Recentemente, a Securities and Exchange Commission (SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA) aceitou um acordo de US$ 1,5 milão com o BNY Mellon Investment Adviser.”

Fonte: Valor Econômico, 26/05/2022

Opinião

Agenda ESG ganha impulso em 2022

“Os últimos dois anos serão lembrados pela maior crise sanitária já enfrentada pelo planeta, com impactos sociais, econômicos e psicológicos que atingiram todas as nações. No momento em que essa crise começa a dar sinais de abrandamento, 2022 chega para desafiar a estabilidade global com o maior conflito armado em solo europeu desde o fim da Segunda Guerra Mundial. É nesse contexto de pandemia e guerra que outro importante evento se manifesta: o entendimento definitivo das pessoas, organizações e governos quanto à urgência de união e esforço conjunto em torno dos temas ambientais, sociais e climáticos, essenciais para a manutenção da vida na Terra, do nosso sistema político-econômico e para a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva.”

Fonte: O Globo, 27/05/2022

Internacional

Empresas

Bônus vinculados a metas ESG ganham espaço no mercado

“O CEO da farmacêutica Bristol Myers Squibb (BMS), Giovanni Caforio, tem 790 mil motivos para se preocupar com seu bônus deste ano – esta é a quantidade de dólares que ele recebeu a menos em 2021 por não tirar do papel todas as metas ESG da empresa. E olhe que a BMS faturou US$ 46,2 bilhões, US$ 400 milhões a mais que o previsto. […] A vinculação de bônus a metas ESG parece estar virando uma regra no mundo corporativo, para incentivar os executivos a não ficarem só no discurso. Das empresas que fazem parte do índice FTSE 100, da bolsa de Londres, 45% aderiram ao mecanismo. Entre as do Russell 3000, das companhias com maior valor de mercado listadas nos Estados Unidos, 20% fizeram o mesmo – em 2018, eram apenas 7%. “

Fonte: Época Negócios, 27/03/2022

Vanguard se recusa a encerrar novos investimentos em combustíveis fósseis

“A segunda maior gestora de ativos do mundo, Vanguard, se recusou a interromper novos investimentos em projetos de combustíveis fósseis e encerrar seu apoio à produção de carvão, petróleo e gás. O presidente-executivo Tim Buckley disse que o grupo, que administra US$ 8,1 trilhões para mais de 30 milhões de investidores e é o maior investidor em empresas de carvão em todo o mundo, está determinado a proteger seus clientes dos riscos climáticos, mas isso não exigiria que ele encerrasse novos compromissos com as indústrias de combustíveis fósseis. . “A Vanguard não busca direcionar a estratégia da empresa. Envolvemo-nos com as empresas sobre as alterações climáticas, pedimos-lhes que estabeleçam metas e relatem como estão a mitigar os riscos climáticos. Essa transparência garantirá que os riscos climáticos sejam precificados adequadamente pelo mercado”, disse Buckley em entrevista ao Financial Times.”

Fonte: Financial Times, 25/03/2022

Blue Like an Orange investe R$ 600 milhões no Brasil, de olho nos ODS

“O economista francês Bertrand Badré era o número 2 do Banco Mundial em 2015, quando os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU foram lançados. Do seu posto, acompanhou de perto a elaboração das metas e também o seu lançamento. Mas começou a nutrir um incômodo. “Era como se bastasse concordar sobre os objetivos e a crise climática e a pobreza estariam resolvidos”, disse Badré ao Reset, em passagem pelo Brasil. “Houve pouca discussão sobre quanto custaria para chegar lá e se o capitalismo, como conhecemos, funcionaria para nos levar naquela direção.””

Fonte: Capital Reset, 27/05/2022

Gestores de fundos defendem ressalva em produto ‘verde’

“Até recentemente, a grande valorização dos ativos que se saíam bem em fatores ESG, como as fontes de energia “verdes” e as empresas de tecnologia com baixa pegada de carbono, tornava fácil para o gestor de ativos prometer aos clientes que eles poderiam salvar o mundo e, ao mesmo tempo, ficar ricos. Essa dinâmica, porém, foi alterada pela onda de queda das ações de tecnologia e pelo grande salto nas cotações das companhias de combustíveis fósseis, impulsionado pela invasão da Ucrânia pela Rússia. Os investimentos que priorizam atingir a meta do Acordo de Paris sobre o clima, de manter o aquecimento global abaixo de 1,5° C, não são mais um caminho garantido para se conseguir um desempenho imediato superior ao dos referenciais do mercado, se é que alguma vez o foram. Gestores de ativos experimentados dizem que isso coloca sobre seu setor o ônus de ser muito mais claro sobre como exatamente seus fundos ESG atuam. Enquanto alguns se valem dos fatores ambientais para ajudar a identificar oportunidades de ganhar dinheiro, outros se dedicam a evitar ativamente empresas de alta emissão de carbono ou a investir proativamente para impedir as mudanças climáticas.”

Fonte: Valor Econômico, 27/03/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.