XP Expert

Em janeiro, US$ 31 bilhões saíram de fundos que não apresentam critérios ESG | Café com ESG, 09/03

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• Na terça-feira, o Ibov fechou em leve queda de -0,3%, enquanto o ISE fechou o pregão em alta de +1,3%.

• No Brasil, a Norte Energia, responsável pela construção e operação da usina de Belo Monte (PA), vai entrar no mercado de comercialização de certificados de neutralização de carbono do tipo I-REC (International Renewable Energy Certificate) e tem como meta atender cerca de 10% do mercado brasileiro de certificados de descarbonização ainda em 2022.

• No internacional, (i) um grupo das maiores empresas petrolíferas do mundo – incluindo Saudi Aramco, Shell e Exxon Mobi – disse ontem que se comprometeu a cortar emissões fugitivas de metano, um potente gás de efeito estufa, para perto de zero até 2030; e (ii) em janeiro deste ano, US$7bn entraram em fundos que integram ESG, ao passo em que US$31bn foram movimentados para fora de fundos não-ESG no mercado global, segundo dados do Bank of America.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Norte Energia vai emitir certificados de neutralização de carbono a partir de Belo Monte

“A Norte Energia, responsável pela construção e operação da usina de Belo Monte (PA), vai entrar no mercado de comercialização de certificados de neutralização de carbono. A empresa recebeu autorização para emitir certificados internacionais do tipo I-REC (International Renewable Energy Certificate). Os papéis serão vendidos a empresas interessadas em comprovar a origem renovável da eletricidade que usam nas operações. A meta da Norte Energia é atender a cerca de 10% do mercado brasileiro de certificados de descarbonização ainda em 2022.”

Fonte: Valor Econômico, 09/03/2022

Santander adquire 80% da WayCarbon, consultoria líder em ESG

“O Grupo Santander anunciou hoje um acordo para a compra de 80% da WayCarbon Soluções Ambientais e Projetos de Carbono, empresa líder em consultoria ESG (sigla em inglês para meio ambiente, governança e sociedade) sediada no Brasil. A WayCarbon tem assessorado organizações públicas e privadas a realizar as suas transições energéticas há 15 anos, com 170 funcionários atendendo a clientes de 18 países. A empresa oferece três serviços principais para ajudar os clientes a desenvolver e implementar estratégias para aumentar sua sustentabilidade: consultoria ESG; software de gestão de estratégias ESG e de risco climático; e originação e comercialização de créditos de carbono.”

Fonte: Valor Investe, 08/03/2022

Expansão do mercado de carbono no Brasil vai além de regulamentação

“As políticas de compensação de carbono desenvolvidas pelas empresas não as tornam automaticamente neutras em carbono, diz André Rocha, professor e pesquisador do Instituto Federal da Bahia (IFBA). Ele ressalta que também é necessário analisar a compatibilidade com metas setoriais já estabelecidas a partir dos compromissos assumidos pelo Brasil na Conferência do Clima (COP 26), realizada em 2021. “É preciso discutir se realmente conhecemos quais são os principais setores emissores de carbono em nosso país, quando a gente fala da criação de projetos de lei para instituir um mercado, que no caso brasileiro, voluntário, se considerarmos que o Brasil não se submete a nenhum tipo de regramento de restrição de carbono”, afirma Rocha, que participou ontem da “Live do Valor ”, parte de uma semana especial sobre práticas ESG.”

Fonte: Valor Econômico, 09/03/2022

Clique aqui para acessar o relatório | “Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema

Deloitte lista tendências no setor mineral e cita ESG e cibersegurança

“Investir em segurança cibernética, redefinir seu papel junto às comunidades adjacentes, disseminar práticas ESG (do inglês environmental, social and corporate governance) por todas as áreas do negócio e demonstrar a relevância da atividade para a economia de baixo carbono são algumas das grandes tendências que devem ter impacto na mineração global, nos próximos 12 a 18 meses, segundo o relatório “Tracking the Trends 2022 – Redefinindo a mineração”, produzido pela consultoria Deloitte. O relatório destaca que as iniciativas adotadas hoje pela indústria terão reflexos em sua competitividade na próxima década, e as dez tendências elencadas podem ajudar as mineradoras no percurso rumo à economia de baixo carbono. “São tendências globais, que podem ser aplicadas ao Brasil”, diz a sócia-líder da indústria de mineração da Deloitte, Patrícia Muricy.”

Fonte: Valor Econômico, 09/03/2022

Opinião

ESG torna esta guerra diferente de todas as outras

“Guerras nunca são positivas e todas elas têm razoavelmente um mesmo script. Uma nação que ataca primeiro, outra que é atacada, por uma disputa de poder, terras e tudo mais que aumente a hegemonia da nação que toma a iniciativa do ataque. E esta da Rússia contra a Ucrânia também preenche todos esses requisitos. No entanto, esta é uma guerra diferente em algo específico: é a primeira sob o chapéu dos valores ESG (sigla em inglês para ambiente, socialmente responsável e governança corporativa) que hoje as empresas tanto seguem. Foi nos últimos dois ou três anos que uma boa parte das companhias, globalmente, passou a levar a sério os princípios ESG. Até então, muitos acreditavam que isso não passava de uma onda verde e social só para inglês ver. Mas, se foi onda, fez parte de um tsunami de sustentabilidade que engoliu definitivamente o mundo corporativo.”

Fonte: Valor Investe, 09/03/2022

Internacional

Empresas

Grandes petrolíferas almejam emissão zero de metano até 2030

“Um grupo das maiores empresas petrolíferas do mundo, incluindo Saudi Aramco , Shell e Exxon Mobi, disse nesta terça-feira que se comprometeu a cortar emissões fugitivas de metano, um potente gás de efeito estufa, para perto de zero até 2030. A decisão da Oil and Gas Climate Initiative (OGCI), que inclui 12 das maiores empresas de petróleo e gás do mundo, segue os apelos dos governos na cúpula climática da COP26 de Glasgow no ano passado para reduzir as emissões de metano em 30% até 2030.”

Fonte: Reuters, 08/03/2022

Fundos ESG têm fluxo global positivo em janeiro; investidores tiram US$ 31 bi de opções sem esses critérios

“Fundos ESG vêm ganhando destaque internacional, de acordo com o Bank of América – em janeiro de 2022, US$ 7 bilhões entraram em iniciativas ESG, enquanto US$ 31 bilhões foram movimentados para fora de fundos não-ESG no mercado global, na Europa Ocidental, nos Estados Unidos e América do Norte e em mercados emergentes. O ESG (sigla em inglês para práticas ambientais, sociais e de governança) ganha espaço na Europa, à medida que os regulamentos europeus se tornam mais rígidos sobre questões climáticas e a população está mais em sintonia com a temática.”

Fonte: Valor Investe, 08/03/2022

Empresas precisam ser transparentes em informações

“Transparência é chave para qualquer empresa que busque boas práticas ambientais, sociais e de governança – que o mercado hoje define como ESG, na sigla em inglês. A demanda por informações é crescente e envolve diferentes grupos de interesse, de investidores a clientes e fornecedores. Sem padrões consistentes para aferir e divulgar o quanto a companhia está comprometida com a gestão sustentável dos negócios, que envolve centenas de indicadores, a missão é impossível. Nessa seara, o Global Reporting Initiative (GRI) saiu na frente: lançou em 2000 o primeiro conjunto de diretrizes para reportar questões relacionadas à sustentabilidade. Hoje, computa mais de 10 mil empresas, distribuídas por uma centena de países, que seguem suas orientações e parâmetros para publicar relatórios de sustentabilidade e relatos integrados de gestão e estratégia. A metodologia do GRI é base dos documentos de 75% das 250 maiores companhias do mundo.”

Fonte: Valor Econômico, 09/03/2022

No topo dos bancos da Europa, ainda é um mundo de homens

“As mulheres continuam sendo visitantes raras dos mais altos escalões dos bancos europeus. Os 25 maiores bancos por ativos passaram por 22 mudanças de presidente-executivo e presidente nos últimos dois anos, incluindo anúncios de nomeações futuras, de acordo com uma análise da Reuters de cargos seniores no setor. Vinte e um desses 22 empregos foram para homens. Apenas um credor – o britânico NatWest – tem uma CEO do sexo feminino, enquanto dois – o espanhol Santander e o holandês Rabobank – têm uma mulher presidindo seus conselhos de administração.”

Fonte: Reuters, 08/03/2022

O ‘cisne negro’ que pode abalar a produção de carros elétricos

“A guerra na Ucrânia está impondo toda sorte de desafios à já conturbada transição para uma economia de baixo carbono. Se a disparada no preço do petróleo deve tornar mais caro o combustível fóssil, as sanções e boicotes à Rússia também têm potencial de disrupção de fornecimento na indústria de veículos elétricos. Esse risco começou a se materializar, ontem, quando o preço do níquel protagonizou o que alguns analistas chamaram de ‘o cisne negro dos cisnes negros’, numa referência a eventos no mercado financeiro que são imprevisíveis, extremamente raros e de impacto severo e persistente. Numa decisão inédita, a London Metal Exchange, maior bolsa de metais do mundo, teve que suspender as negociações do níquel na manhã de ontem depois que o preço do contrato de três meses mais que dobrou, ultrapassando os US$ 100 mil por tonelada. O metal já havia subido 80% na véspera, levando a uma alta de 250% em apenas dois dias.”

Fonte: Capital Reset, 09/03/2022

Política

Como a UE planeja reduzir a dependência do gás russo em dois terços este ano

“A União Européia anunciou terça-feira que reduzirá suas compras de gás russo em dois terços antes do final do ano, em resposta à invasão da Ucrânia pelo país . Isso marca uma mudança significativa porque a UE é altamente dependente das importações de energia russas. A UE importou 45% de suas importações totais de gás da Rússia em 2021. O plano é chamado REPowerEU.”

Fonte: Reuters, 08/03/2022

Os EUA adicionaram menos energia eólica em 2021 do que no ano anterior

“As novas instalações eólicas caíram em 2021, à medida que o setor enfrentava uma série de desafios, incluindo obstáculos na cadeia de suprimentos, bloqueios logísticos e barreiras comerciais internacionais, de acordo com uma nova análise da S&P Global Market Intelligence. A empresa disse na segunda- feira que os desenvolvedores adicionaram cerca de 12,9 gigawatts de novos projetos em 2021, uma redução de 20% em relação às adições de 2020. Naquele ano, um recorde de 16 gigawatts de capacidade eólica foi adicionado.”

Fonte: Reuters, 08/03/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.