XP Expert

BNDES pretende alavancar a restauração de florestas | Café com ESG, 19/01

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.


Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

O Ibov encerrou o pregão de terça-feira em campo positivo, em alta de +0,3%, enquanto o ISE, em leve queda de -0,6%.

• No lado das empresas, (i) uma pesquisa feita pela consultoria PwC mostrou que a média global de empresas com compromissos de emissões líquidas zero é de apenas 22% e, no caso das empresas brasileiras, o percentual chega a 27%, mas ainda é considerado baixo; e (ii) dados do Refinitiv Eikon mostraram que empresas de setores “sustentáveis”, incluindo energia renovável, levantaram um valor recorde de capital em 2021, tomando emprestado US$ 47,6 bilhões por meio de emissão de ações em 2021, superando um recorde de US$ 33,25 bilhões em 2020, impulsionados pela crescente demanda por investimentos voltados para problemas sociais e ambientais.

• No campo político, um novo fundo que será criado pelo BNDES pretende alavancar a restauração de florestas nos biomas do Cerrado, da Amazônia e da Mata Atlântica, iniciativa lançada em meio à profusão de anúncios pró-clima feitos durante a COP26 e, agora, o BNDES está em busca do gestor do novo mecanismo.


Brasil

Empresas

Ainda são poucas as empresas com compromisso de zerar emissões, mostra pesquisa

“Mesmo com a participação recorde do setor privado, em novembro, na Conferência sobre Mudanças Climáticas das Nações Unidas em Glasgow, a COP26, a média global de empresas com compromissos de emissões líquidas zero é de apenas 22%. O dado é de uma pesquisa com mais de 4,4 mil CEOs feita pela consultoria PwC. No caso das empresas brasileiras, o percentual chega a 27%, mas ainda é considerado baixo. A pesquisa global é feita pela PwC há 25 anos. O perfil das perguntas é tradicionalmente mais focado em crescimento econômico e indicadores de produtividade e eficiência, mas este ano a intenção foi fazer um cenário das medidas ESG adotadas pelas empresas.”

Fonte: Valor Econômico, 19/01/2022

Energia a partir do lixo deve gerar R$ 600 milhões em investimentos em 2022

“O segmento de geração de energia a partir do lixo vai investir R$ 600 milhões no Brasil em 2022 para o início das obras da Usina de Recuperação Energética (URE) Barueri, com potência instalada de 20 MW, que venceu o Leilão A-5 em setembro de 2021. Segundo a Associação Brasileira de Recuperação Energética de Resíduos (Abren), o setor tem ainda a expectativa de mais R$ 4 bilhões em aportes nas URE Mauá (80MW), URE Caju (31MW) e URE Consimares (20MW) nos próximos anos, caso esses empreendimentos vençam os próximos leilões A-5 ou A-6. “Há outras questões que envolvem os projetos, como a finalização do licenciamento ambiental e financiamento para começarem as obras. Essa é uma expectativa de mercado”, diz o presidente da Abren, Yuri Schmitke.”

Fonte: Valor Econômico, 18/01/2022

Agro tem 19 companhias no Índice de Carbono Eficiente da B3

“Ao comprar uma ação, você apostaria em companhias verdes? Se sim, como medir e o que é, de fato, uma companhia verde? Na primeira semana de janeiro, a B3, a bolsa de valores de São Paulo, anunciou quais empresas e instituições financeiras compõem para este ano o seu Índice de Carbono Eficiente (ICO2), uma métrica que, de acordo com a bolsa de valores, demonstra “o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono”. No índice deste ano estão 67 ações de 64 companhias de capital aberto que pertencem a 29 setores. O agro, que não está fora dessa lista, tem uma participação significativa de 29,6% do total. São 19 companhias que atuam no agro de forma direta ou participam em parte de suas cadeias de valores, além das instituições financeiras com crédito para custeio e investimentos.”

Fonte: Forbes Brasil, 18/01/2022

Política

Como o BNDES quer acelerar a recuperação de florestas 

“Um novo fundo que será criado pelo BNDES pretende alavancar a restauração de florestas nos biomas do Cerrado, da Amazônia e da Mata Atlântica. A iniciativa foi lançada em meio à profusão de anúncios pró-clima feitos durante a COP26 e agora o BNDES está em busca do gestor do novo mecanismo. O prazo para inscrição dos interessados termina no dia 31. Batizado de Floresta Viva, o fundo será filantrópico e vai reunir recursos de doação do próprio BNDES (que por estatuto tem que destinar parte do lucro para filantropia) e de empresas parceiras. A estrutura é de um ‘matchfund’, ou seja, para cada R$ 1 do setor privado, o banco coloca R$ 1. A primeira rodada de captação e investimento do fundo será de R$ 140 milhões no total (metade do BNDES e metade dos demais doadores), e contará com recursos de Petrobras, Fundo Vale, Heineken, Coopercitrus, Itaipu, Philip Morris e Estado do Mato Grosso do Sul.”

Fonte: Capital Reset, 19/01/2022

Opinião

Anbima mostra importância dada ao ESG por instituições financeiras

“Embora 85% das gestoras de recursos e 90% dos bancos brasileiros considerem que a sustentabilidade é importante, apenas 26% dos primeiros e 43% dos últimos incluem esse tema em seus códigos de conduta, revelou pesquisa da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O estudo mostrou que 85% das casas classificam com notas de 7 a 10 a importância da Governança Ambiental, Social e Corporativa (ESG, na sigla em inglês). As notas de 9 a 10 foram conferidas por 44% dos participantes contra 42% que atribuíram de 7 a 8. Apenas 3% das casas disseram enxergar o ESG com importância de 0 a 4. Apesar disso, somente para 18% a sustentabilidade é vista como parte essencial do desenvolvimento da divulgação de produtos. Dentre as instituições entrevistadas, é de 29% a fatia das que dizem estar totalmente implantada ou disseminada a inserção dos aspectos ligados à sustentabilidade no código de conduta. Segundo 45%, essa inserção está em processo de implantação, para 21% há planos para implantação, mas nada concreto, e são 5% as que responderam não haver nada sendo implantado ou disseminado.”

Fonte: Valor Econômico, 18/01/2022

Internacional

Empresas

Exxon promete zerar emissões líquidas de carbono em suas operações até 2050

“A Exxon Mobil Corp prometeu nesta terça-feira reduzir para zero suas emissões líquidas de carbono de suas operações globais até 2050, alcançando rivais que estão minimizando as pegadas de carbono.O plano de 2050 da Exxon, considerado desde o ano passado, cobre as emissões de sua produção de petróleo, gás e produtos químicos e da energia que essas operações consomem, as chamadas metas de escopo 1 e 2. A empresa não se comprometeu com as emissões dos consumidores que usam esses produtos. “Estamos desenvolvendo roteiros abrangentes para reduzir as emissões de gases de efeito estufa de nossos ativos operados em todo o mundo”, disse o CEO da Exxon, Darren Woods, em comunicado. A empresa está “trabalhando com parceiros para obter resultados semelhantes de redução de emissões” em propriedades onde a Exxon não é responsável pelas operações, disse ele.”

Fonte: Valor Econômico, 18/01/2022

Empresas ‘sustentáveis’ levantam valor recorde de patrimônio em 2021

“Empresas de setores “sustentáveis”, incluindo energia renovável, levantaram um valor recorde de capital em 2021, mostraram dados do Refinitiv Eikon, impulsionados pela crescente demanda por investimentos voltados para problemas sociais e ambientais. Os dados mostraram que empresas sustentáveis ​​tomaram emprestado US$ 47,6 bilhões por meio de emissão de ações em 2021, superando um recorde de US$ 33,25 bilhões em 2020. A Refinitiv identifica 30 setores, incluindo equipamentos e serviços de energia renovável, carros elétricos, biodiesel, utilitários de energia solar e sistemas e equipamentos eólicos como setores sustentáveis. Nas principais regiões, as empresas americanas levantaram a maior parte do patrimônio, em US$ 26,6 bilhões, enquanto as empresas da Ásia-Pacífico e da Europa levantaram US$ 12,3 bilhões e US$ 7,9 bilhões, respectivamente.”

Fonte: Reuters, 18/01/2022

HSBC reforça equipe de sustentabilidade

“O banco britânico HSBC disse nesta terça-feira que nomeou Natalie Blyth como Chefe Global de Sustentabilidade de Bancos Comerciais, como parte dos esforços da empresa para ajudar clientes corporativos na transição para uma economia de baixo carbono. Blyth, membro do comitê executivo do banco comercial que está no banco há 14 anos, começa seu novo cargo imediatamente e se reportará ao presidente-executivo do Global Commercial Banking, Barry O’Byrne, disse o HSBC em comunicado. Além disso, o banco disse que nomeou Christian Deseglise como Chefe do Grupo de Infraestrutura e Inovação Sustentáveis, e Chris Webb como Chefe do Grupo de Mercados de Carbono. Deseglise, anteriormente Chefe de Finanças Sustentáveis ​​e Investimentos em Bancos e Mercados Globais, se concentraria no desenvolvimento de empreendimentos para ajudar o banco a cumprir seu compromisso de gastar US$ 1 trilhão financiando a mudança de zero líquido.”

Fonte: Reuters, 18/01/2022

Política

China lança campanha para preencher lacuna no monitoramento de gases de efeito estufa

“A China forçará os principais setores industriais e regiões a tomar medidas para medir as emissões de gases de efeito estufa como parte de uma nova iniciativa para melhorar a qualidade e a supervisão dos dados, de acordo com um documento do Ministério do Meio Ambiente revisado pela Reuters. Sob o programa piloto, alguns dos maiores fornecedores de energia a carvão da China, siderúrgicas e produtores de petróleo e gás devem elaborar novos planos abrangentes de monitoramento de gases de efeito estufa até o final deste ano. Isso ocorre quando a China, o maior emissor de gases de efeito estufa do mundo, precisa aumentar sua medição de emissões de carbono de acordo com seu monitoramento de poluentes do ar para cumprir a promessa do presidente Xi Jinping de se tornar neutra em carbono por volta de 2060, dizem especialistas e ambientalistas.”

Fonte: Reuters, 18/01/2022

Opinião

A unidade EV da Europa vem com riscos ambientais e sociais

“A estratégia da Comissão Europeia de eliminar os motores a combustão em favor dos veículos elétricos é uma escolha política que traz riscos ambientais e sociais, disse o CEO da Stellantis, Carlos Tavares, em entrevista a jornais europeus. Desde a fusão da Fiat Chrysler e da Peugeot para criar a quarta maior montadora do mundo em produção, Tavares traçou um plano de eletrificação de 30 bilhões de euros (US$ 34 bilhões) que ajudou as ações da Stellantis a subir mais de 60% em seu primeiro ano.  “O que está claro é que a eletrificação é uma tecnologia escolhida pelos políticos, não pela indústria”, disse ele em entrevista conjunta aos franceses Les Echos, Handelsblatt, Corriere della Sera e El Mundo. Ele acrescentou que existem maneiras mais baratas e rápidas de reduzir as emissões de carbono. “Dado o atual mix energético europeu, um carro elétrico precisa percorrer 70.000 quilômetros para compensar a pegada de carbono da fabricação da bateria e começar a alcançar um veículo híbrido leve, que custa metade do preço de um EV (veículo elétrico), ” ele disse.”

Fonte: Reuters, 18/01/2022

Mundo precisa investir mais de US$ 3 trilhões em energias renováveis ​​em 10 anos

“O mundo precisa investir pelo menos 3 trilhões de dólares em energia renovável nos próximos 10 anos, disse a agência de notícias estatal WAM citando o ministro da Indústria dos Emirados Árabes Unidos (EAU), Sultan al-Jaber, nesta terça-feira em Dubai. O ministro, que também é o executivo-chefe da Abu Dhabi National Oil Company (ADNOC), acrescentou que os Emirados Árabes Unidos continuam comprometidos em fornecer suprimentos confiáveis ​​de petróleo e gás com menos emissões de carbono. O ministro estava participando de uma sessão na Cúpula da Semana de Sustentabilidade de Abu Dhabi no local da Expo 2020 em Dubai.”

Fonte: Reuters, 18/01/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.