XP Expert

Ministro do Meio Ambiente afirma que Brasil tem as características para ser o maior mercado global de carbono | Café com ESG, 23/02

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• Na terça-feira, o mercado fechou em território positivo, com o Ibov e o ISE em alta de +1,0% e +0,9%, respectivamente.

• No Brasil, o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, afirmou em painel ontem que o Brasil tem características para ser o maior player do mundo no mercado de carbono, ao mesmo tempo em que reconheceu que para conseguir aprovar as questões legais necessárias para a criação deste mercado no Brasil – pauta em andamento no Congresso -, é preciso não apenas vontade política, mas também uma ajuda de quem entende de fazer dinheiro e incentivos financeiros.

• Na Europa, do lado das empresas, (i) as mulheres atualmente representam quase 40% dos conselhos das 100 maiores companhias do Reino Unido, em comparação com apenas 12,5% há uma década; e (ii) o HSBC, maior banco britânico, pretende reduzir as emissões associadas a empréstimos feitos a clientes do setor de petróleo e gás em 34% até 2030, marcando a primeira vez que o banco se compromete com tal objetivo.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Essa empresa quer levar ingredientes amazônicos ao plant-based

“Depois de 20 anos na Amazônia e no Cerrado desenvolvendo cadeias de fornecimento de bioinsumos para a indústria de cosméticos, o grupo Sabará, controlado pela família de mesmo nome, quer aplicar esse conhecimento num segmento de crescimento explosivo: o de alimentos à base de planta. No ano passado, o grupo vendeu a Beraca, que fornece óleos e manteigas para marcas como Natura, Boticário e L’Occitane, para a suíça Clariant, por um valor não revelado. “Faz cinco anos que estou engendrando uma Beraca de alimentos e agora terei mais tempo para isso”, diz Ulisses Sabará, sócio-diretor do grupo.

Fonte: Capital Reset, 22/02/2022

Política

Governo quer incentivar redução de emissões fisgando o empresário pelo bolso

“Para conseguir aprovar as questões legais necessárias para a criação do mercado de carbono no Brasil, por exemplo, pauta em andamento no Congresso, é preciso não apenas vontade política, mas também uma ajuda de quem entende de fazer dinheiro e incentivos financeiros. “O Brasil tem características para ser o maior player (participante) do mundo no mercado de carbono. Nosso custo de emissões é 10 vezes menor. Estamos discutindo com o Ministério da Economia e o Banco Central a taxonomia e os critérios mínimos para registrar o carbono no Brasil para garantir que seja carbono de qualidade e que possamos exportá-lo. Temos várias oportunidades de fontes, como renováveis, reflorestamento, agricultura e indústria de baixa emissão. Estamos fazendo reuniões com o setor privado e com o BNDES”, disse o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, em painel sobre Economia verde nesta terça-feira, organizado pelo banco BTG Pactual.”

Fonte: Valor Econômico, 23/02/2022

Internacional

Empresas

Mais mulheres assumem os principais cargos da UK Plc

“As mulheres agora representam quase 40% dos conselhos das 100 maiores empresas do Reino Unido, em comparação com apenas 12,5% há uma década, com recomendações em vigor para permitir mais representação feminina na alta administração, disse um relatório apoiado pelo governo. na terça-feira. Os pesquisadores analisaram a representação das mulheres em cerca de 24.000 posições em empresas nos índices blue-chip FTSE 100 , mid-cap FTSE 250 e FTSE 350. Isso coloca a Grã-Bretanha em segundo lugar globalmente, acima do quinto lugar em 2020 e logo atrás da França, que tem uma representação de quase 44%, de acordo com o relatório. A construtora Taylor Wimpey nomeou este mês Jennie Daly como CEO e a maior varejista de suprimentos para animais de estimação da Grã-Bretanha, Pets At Home , nomeou a executiva da Sky UK Lyssa McGowan como sua CEO.

Fonte: Reuters, 22/02/2022

HSBC visa redução de 34% nas emissões de petróleo e gás até 2030

“O HSBC pretende reduzir as emissões associadas a empréstimos feitos a seus clientes de petróleo e gás em 34% nesta década, disse o chefe de sustentabilidade do banco à Reuters, marcando a primeira vez que o maior banco britânico se compromete com tal objetivo. Mais de 100 bancos se comprometeram a atingir zero emissões líquidas de carbono até 2050 e estão sob pressão para fornecer detalhes sobre os cortes profundos de curto prazo nas “emissões financiadas” necessários para que os bancos tenham alguma chance de atingir sua meta. “Isso está redefinindo a maneira como tomamos decisões de financiamento e investimento daqui em diante”, disse a diretora de sustentabilidade do grupo, Celine Herweijer, sobre as metas de 2030 do HSBC.”

Fonte: Reuters, 22/02/2022

Mulheres estão por trás das mudanças nos investimentos ESG

“Um dos efeitos dos turbulentos anos de 2020 e 2021 é que eles transformaram a forma como muitos de nós olhamos para dinheiro e riqueza. A convergência de grandes crises fez com que quase todos reavaliassem o que pensávamos saber em todos os aspectos de nossas vidas: desde a pandemia nos seus níveis socioeconômicos e a crise econômica que causou; até o aumento dramático nos efeitos das mudanças climáticas. O mesmo tem acontecido com o investimento. Como resultado, o investimento ESG baseado em valores – voltado para Meio Ambiente, Social e Governança – assumiu o centro do palco e superou outras estratégias de investimento.”

Fonte: Forbes, 22/02/2022

Para cumprir meta ambiental, PepsiCo corre atrás de fornecedor e cliente

“Pouco antes da pandemia da covid-19, a rede de supermercados britânica Tesco promoveu uma conferência com seus fornecedores. O executivo-chefe (CEO) da PepsiCo na Europa, Silviu Popovici, recorda que o então CEO da Tesco, Dave Lewis, segurava um pacote de batatinhas Walkers. Popovici conta que Lewis mostrou o pacote e disse aos participantes: “Nós não vendemos ar – nós não transportarmos ar e não vendemos ar”. Lewis, então, fez um alerta a todos os fornecedores. Se não resolvessem o problema do desperdício de embalagens, seus produtos corriam o risco de perder o lugar nas prateleiras da Tesco. A PepsiCo, dona da Walkers, deu ouvidos: começou a reduzir as embalagens e a valer-se de materiais de menor impacto ambiental, como o cartão. Hoje, a fabricante de salgadinhos e bebidas, cujo valor de mercado soma US$ 235 bilhões, tenta exercer influência similar nos próprios fornecedores.”

Fonte: Valor Econômico, 23/02/2022

Vestas está de olho em hidrogênio verde e ‘offshore’

“Mesmo enfrentando um ano complicado para o setor eólico com alta de preços das commodities e problemas no transporte internacional, a fabricante de aerogeradores Vestas fechou 2021 com um dos melhores anos da história. Agora os planos de longo prazo incluem uma nova fábrica de equipamentos para eólicas de alto-mar (offshore) e hidrogênio verde. O presidente da companhia na América Latina, Eduardo Ricotta, acredita que a região terá protagonismo nas futuras soluções eólicas em alto-mar (“offshore”) e para o mercado de hidrogênio verde. Em conversa com o Valor, o executivo disse que a empresa já visualiza uma nova frente de negócios com a possibilidade de uma unidade focada no segmento. “Estamos fazendo estudos de fabricação local mapeando onde teremos os melhores recursos para saber exatamente o local da fábrica, pois os equipamentos são grandes e a fabricação precisa ser próxima do local onde serão as instalações”, afirma.”

Fonte: Valor Econômico, 23/02/2022

Airbus e fabricante de motores CFM testarão propulsão de avião a hidrogênio

“A Airbus disse nesta quarta-feira que construirá um demonstrador para testar a tecnologia de propulsão para futuros aviões a hidrogênio em cooperação com a fabricante franco-americana de motores CFM International. A fabricante de aviões planeja instalar uma versão especialmente adaptada de um motor de geração atual perto da traseira de um avião de teste superjumbo A380. A Airbus entregou seu último A380 em dezembro. A CFM, de propriedade conjunta da General Electric e da Safran é a maior fabricante de motores a jato do mundo em número de unidades vendidas. A nova parceria na tecnologia de hidrogênio foi relatada pela Reuters na quarta-feira.

Fonte: Reuters, 22/02/2022

Rosneft planeja construir três centros de armazenamento de carbono até 2030

“A Rosneft planeja construir três centros de armazenamento de captura de carbono (ССS) até 2030 como parte de uma estratégia que verá o maior produtor de petróleo da Rússia se tornar neutro em carbono até 2050, disse seu primeiro vice-presidente. disse. Didier Casimiro também disse a repórteres na segunda-feira que a empresa pretende atingir sua meta de participação do gás natural na produção total “independentemente do potencial de exportação”. A Rosneft aprovou uma nova estratégia visando emissões líquidas zero até 2050 em dezembro. Sob a estratégia, a participação do gás natural na produção total de hidrocarbonetos crescerá para 25% até 2025.”

Fonte: Reuters, 22/02/2022

Regulação

Think-tank financeiro pede classificações ESG

“O Reino Unido deve regular as classificações de sustentabilidade das empresas para melhorar a transparência, reduzir o risco de lavagem verde e proteger os investidores, disse um órgão regulador de pesquisa nesta segunda-feira. A parede de dinheiro destinada aos fundos ambientais, sociais e de governança (ESG) levantou preocupações entre os reguladores sobre a lavagem verde, quando as credenciais de sustentabilidade são exageradas para atrair dinheiro dos investidores.”

Fonte: Reuters, 22/02/2022

Sustentabilidade corporativa empurra um enigma de US$ 35 trilhões para auditores

“Verificações confiáveis ​​sobre as credenciais de sustentabilidade das empresas levarão anos para serem desenvolvidas, dizem os auditores, o que significa que os investidores que investem trilhões de dólares em fundos verdes continuam em maior risco de serem enganados. Dada a demanda por investimentos que apoiem as metas ambientais, sociais e de governança (ESG), a pressão é para que as empresas não exagerem ou deturpem os benefícios de suas atividades, fenômeno conhecido como “greenwashing”. A auditoria ESG está em sua infância, sem um padrão global obrigatório único. E os esforços para criar um regime mais rigoroso para esse tipo de auditoria levarão vários anos para serem encerrados, à medida que investidores, empresas e auditores tentam lidar com dados novos e complexos.”

Fonte: Reuters, 22/02/2022

Política

UE quer responsabilizar empresas por dano ambiental e a direitos humanos

“A Comissão Europeia, o braço executivo da UE, apresentará hoje proposta para responsabilizar as empresas por danos ambientais e violações de direitos humanos em suas cadeias de fornecedores globalmente. Isso ampliará o cerco também sobre as atividades em países terceiros, incluindo o Brasil. A Europa vem alinhando medidas para aumentar a vigilância na relação comérciosustentabilidade ambiental e social. E poderá influenciar outros países em termos de ESG (ambiental, social e governança) se quiserem negociar com o mercado europeu, um dos maiores do mundo. No ano passado, a UE delineou a taxa de carbono na fronteira e a proposta para proibir entrada de várias commodities se produzidas em áreas desmatadas. Agora lançará a “Directive on Corporate Sustainable Due Diligence”, estabelecendo obrigações ambientais e de direitos humanos para as empresas. A França quer ir além, com introdução de reciprocidade de normas nos acordos comerciais da UE.”

Fonte: Valor Econômico, 23/02/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.