XP Expert

Investor Day da Vale apresenta foco importante no tema ESG | Café com ESG, 30/11

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• Ontem, o mercado encerrou em território positivo, recuperando parte das perdas de sexta-feira, com o Ibov e o ISE em alta de +0,6% e +0,5%, respectivamente.

• No Brasil, a Vale teve ontem seu Investor Day em NY, com parte importante do evento dedicada à temática ESG, e contou com o anuncio de metas sociais por parte da empresa, incluindo objetivos em termos de diversidade de raça e de gênero, como a antecipação de 2030 para 2025 a meta de ter 26% de mulheres no universo e alcançar 40% de negros em posições de liderança até 2026.

• No internacional, (i) a Nissan, montadora de automóveis japonesa, apresentou ontem um plano de US$ 18 bilhões de dólares para lançar 15 modelos de carros elétricos até 2030 e, assim, correr atrás do atraso na preocupação com questões ambientais, frente a outras montadoras; e (ii) as emissões de gases de efeito estufa da União Europeia tiveram alta de +18% na primavera passada, frente à retomada pós as paralisações devido à pandemia – de abril a junho, as emissões totalizaram 867 milhões tCO2e, um aumento acentuado vs. ano passado, mas ainda abaixo de qualquer trimestre pré-pandêmico e e em uma tendência de longo prazo de redução constante.

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Mineradora quer ter 40% de lideranças negras em 2026

“As metas sociais apresentadas pela Vale aos investidores ontem, em encontro na Bolsa de Nova York (NYSE), incluem objetivos em termos de diversidade de raça e de gênero. A empresa vem aumentando o número de mulheres na força de trabalho e pretende ter mais negros em cargos de liderança. A Vale antecipou de 2030 para 2025 a meta de ter 26% de mulheres no universo total de trabalhadores da empresa. Esse percentual hoje é de 18,7% e era de 13,5% em 2019. O presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, disse que houve um aumento de 39% entre 2019 e 2021 no número de mulheres na companhia. Em termos absolutos, foram incorporadas mais 4,5 mil profissionais. A outra meta envolve o número de negros em cargos de liderança. A Vale tem 29% de negros em funções de líderes, percentual que deve chegar a 40% em 2026. Na última edição do programa de trainee, a Vale selecionou 95 profissionais negros. Significa que, dos 144 trainees contratados pela empresa, 66% se autodeclararam pretos ou pardos no momento da inscrição. Dentre os 144 contratados, 98 são mulheres, o que equivale a 68% da turma.”

Fonte: Valor Econômico, 30/11/2021

Clique aqui para acessar o nosso último relatório | “Vale (VALE3): Feedback do Vale Day 2021 – Outro atraso no ramp-up da produção de minério de ferro”

Equilíbrio entre ESG e as finanças

“Em todo o mundo, cada vez mais empresas se pautam por iniciativas sustentáveis que contribuem para minimizar a crise climática. No Brasil não é diferente. Antes de a sigla ESG (governança ambiental, social e corporativa) entrar na moda, já se adotavam práticas de reciclagem e economia circular na transição para uma economia de baixo carbono. Essas metas se transformaram em compromissos de médio e longo prazos e, aliadas à agenda de inovação, são acompanhados de perto por investidores, acionistas e consumidores. A sustentabilidade é base para o desenvolvimento de novos produtos e processos na indústria. Na construção civil, o coprocessamento vem substituindo os combustíveis fósseis por biomassas e resíduos sólidos urbanos. A produção do cimento, por exemplo, demanda alto consumo de energia térmica, sobretudo nos fornos, que chegam a temperaturas de até 1.500 graus Celsius, exigindo a utilização de combustíveis fósseis.”

Fonte: Valor Econômico, 30/11/2021

Opinião

Lições de pioneiros do ESG

“Usamos sempre a palavra JORNADA para definir a implementação da sustentabilidade numa empresa porque é isso mesmo: um passo após o outro. Muitas vezes paramos. Em outras, recuamos para depois avançar. Como costumo dizer, “não se dorme e acorda sustentável”. Não chegamos em 2021 aprovando um mercado global de carbono devido apenas às articulações da COP26. No limite, foram necessárias 26 COPs para os avanços que celebramos em Glasgow. E precisaremos de umas tantas outras para alcançar o que ainda ficou a desejar. E, nesta jornada, temos que reconhecer as pessoas que nos fizeram chegar até aqui. Segundo um dicionário, “pioneiro é a palavra usada para descrever alguém que é o primeiro a abrir caminho através de uma região mal conhecida”. Desbravador, descobridor, aquele e aquela que prepara os resultados futuros. Resultados que, quando falamos de sustentabilidade, virão. Mais cedo ou mais tarde. Porque, inexoravelmente, chegará o momento em que as questões sociais, ambientais e de governança serão plenamente incorporadas ao econômico, gerando, assim, o necessário novo padrão de capitalismo – e de mundo.”

Fonte: Valor Investe, 30/11/2021

Clique aqui para acessar o nosso último relatório | “COP26: Implicações do documento final”

Internacional

Empresas

Nissan vai colocar US$ 18 bi para recuperar terreno nos carros elétricos

“A Nissan está tentando correr atrás do atraso – e quer fazer isso a bordo de um carro elétrico. A montadora japonesa apresentou nesta segunda-feira um plano de US$ 18 bilhões de dólares para lançar 15 modelos de carros elétricos até 2030. A montadora japonesa foi uma das pioneiras dos veículos a bateria com o modelo Leaf, lançado em 2010, mas perdeu o passo diante dos avanços de concorrentes tradicionais e novos, como a Tesla. O investimento anunciado é o dobro do que foi destinado aos elétricos na década passada. Mas, apesar disso, a empresa ainda evita se comprometer com a aposentadoria do motor a combustão. Ao todo, a companhia pretende lançar 23 novos modelos, dos quais 15 serão inteiramente elétricos. Os outros oito serão híbridos, ou seja, terão motor elétrico e também um pequeno motor a gasolina que funciona como um gerador para carregar a bateria.”

Fonte: Capital Reset, 29/11/2021

Gases de efeito estufa da UE aumentam em quase um quinto com a recuperação econômica

“As emissões de gases de efeito estufa dos países da União Europeia aumentaram 18% na primavera passada, de acordo com dados do escritório de estatísticas do bloco, dado que todos os setores econômicos lançaram mais gases nocivos na atmosfera à medida que se recuperavam das paralisações pandêmicas. O Eurostat disse que as emissões totalizaram 867 milhões de toneladas de CO2 equivalente de abril a junho, um aumento acentuado em relação ao mesmo período do ano passado, quando bloqueios em toda a região levaram as emissões aos níveis mais baixos já registrados. No entanto, acrescentou que os níveis permaneceram abaixo de qualquer trimestre pré-pandêmico e continuaram uma tendência de longo prazo de redução constante. O setor de manufatura e construção – responsável por mais de um terço das emissões, a maior parcela – viu os níveis saltarem 22% em relação a 2020, enquanto o setor de fornecimento de eletricidade aumentou 17% e a agricultura permaneceu estável.”

Fonte: Reuters, 29/11/2021

Alto escalão acha ESG importante, mas maioria só tem ação no marketing

“Apesar de 92% dos executivos de alto escalão acreditarem que práticas ESG (ligadas a preocupações ambientais, sociais e de governança, da sigla em inglês) são importantes, apenas 48% incluem esses objetivos nas operações e nos cargos. É o que mostra estudo da empresa de recrutamento e avaliação de executivos Russell Reynolds com empresas de consumo, que têm pressão direta por mudanças por parte dos consumidores e podem ajudar a influenciar fornecedores. Embora muitas companhias tenham diretores de sustentabilidade (85%), poucos têm conhecimento do assunto, investem na construção efetiva da área ou se reportam a quadros estratégicos das companhias. Quase nenhum deles se reporta diretamente aos presidentes executivos. Geralmente, os executivos da segmento ocupam várias funções e estão ligados às equipes de marketing, recursos humanos ou assuntos corporativos. Além disso, apenas 21% acreditam que os negócios estão atualmente desempenhando um papel crítico para seguir as diretrizes dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU). Os ODS exigem que as empresas busquem maneiras de impactar positivamente a sociedade, o meio ambiente e funcionários.”

Fonte: Estadão, 29/11/2021

Oportunidades com a questão ambiental

““A descarbonização da economia é a maior oportunidade de inovação que o mundo já teve”, comentou Bill Gates, em junho deste ano, durante o anúncio da parceria entre a Comissão Europeia e a Breakthrough Energy – rede de entidades e iniciativas, fundada por Gates, com objetivo de impulsionar aportes em tecnologias verdes. O acordo prevê inversões de US$ 1 bilhão entre 2022 e 2026 em projetos de hidrogênio verde, combustíveis sustentáveis para aviação, captura direta do ar e armazenamento de energia. O esforço para expandir o ecossistema voltado a projetos climáticos demonstra a urgência global em mitigar os danos causados ao planeta. O desafio está em “escalar e implementar inovações e tecnologias”, lembrou Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, no início deste mês, em seu discurso durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP26), realizada em Glasgow, na Escócia. Levantamento realizado pela Dealroom.com, empresa que provê dados sobre startups, e pela London & Partners, agência de promoção de investimentos da cidade de Londres (Inglaterra), aponta que, desde o Acordo de Paris (2015), houve crescimento expressivo no número de empresas de tecnologia climática, ou climate techs.”

Fonte: Valor Econômico, 30/11/2021

Grupo verde desafiará a aprovação do projeto Pluto LNG da Woodside

“A Woodside Petroleum disse na terça-feira que um órgão ambiental contestará a decisão do governo de aprovar a expansão de seu trem Plutão LNG devido às preocupações com os danos ambientais causados pelas emissões de gases de efeito estufa. O Conselho de Conservação da Austrália Ocidental (CCWA) contestará legalmente a aprovação do trabalho do estado para o projeto Pluto LNG Train 2 na Península de Burrup. A empresa e o BHP Group aprovaram recentemente US$ 12 bilhões para desenvolver o projeto gêmeo Scarborough e Pluto Train 2, que é essencial para a Woodside, a maior empresa independente de petróleo e gás da Austrália. Scarborough, que deve produzir 8 milhões de toneladas de GNL por ano para exportação e 180 terajoules por dia de gás para o mercado doméstico, deve reviver Woodside, que teve crescimento limitado nos últimos anos.”

Fonte: Reuters, 30/11/2021

Política

UE avalia plano de ajuda externa de €300bi

“A União Europeia (UE) quer mobilizar até € 300 bilhões em gastos com infraestrutura e outros projetos para um plano chamado Global Gateway (Portal Global) como resposta ao influente projeto chinês da Iniciativa do Cinturão e da Rota (BRI em inglês). As propostas preliminares da Comissão Europeia, a que o “Financial Times” teve acesso, sugerem que as ambições da UE dependerão muito de alavancar os gastos do setor privado tanto quanto o investimento público, além de, ao mesmo tempo, cooptar gastos dos países-membros do bloco. Os € 300 bilhões, a serem investidos até 2027, incluirão recursos da UE, dos paísesmembros, das instituições financeiras europeias e dos bancos de desenvolvimento nacionais. Também “tentará mobilizar financiamento e know-how do setor privado e apoiar o acesso a finanças sustentáveis”, segundo o documento. A comissão vai explicitar os planos amanhã.”

Fonte: Valor Econômico, 30/11/2021

Opinião

Escassez de gás na Europa aumentará os custos dos fertilizantes e os preços dos alimentos

“É quase certo que a escassez de gás natural na Europa terá impactos sociais e políticos mais sérios do que os aumentos do preço da gasolina, que estão se mostrando desconfortáveis para o governo Biden. O problema vai além de uma ameaça imediata de escassez de energia, ou mesmo da possibilidade de apagões contínuos em caso de períodos prolongados de frio. O gás natural é responsável por cerca de 80% dos custos variáveis dos componentes essenciais do fertilizante de nitrogênio, como a amônia. O preço da amônia na Europa quase triplicou entre janeiro e março. Fertilizantes caros pressionam os suprimentos de comida. Congelar no escuro com fome não deixa os eleitores felizes. Na melhor das hipóteses, no próximo ano ou dois agricultores europeus terão de absorver grandes aumentos no preço dos fertilizantes, talvez economizando em suas aplicações. Isso leva a menores safras e, portanto, a preços mais altos dos alimentos.”

Fonte: Financial Times, 29/11/2021


Índices ESG e suas performances

Última atualização: 26/11/2021

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.