XP Expert

Geração de energia a partir do carvão deve atingir nível recorde esse ano | Café com ESG, 20/12

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado fechou o pregão de sexta-feira em território negativo, com o Ibov e ISE em queda de -1,0% e -0,2%, respectivamente. Na semana, o Ibov fechou recuando -0,5%, enquanto o ISE -0,3%.

• No Brasil, (i) uma estimativa do presidente do conselho da BlackRock e diretor da Anbima, Carlos Takahashi, mostrou que o país tem um longo potencial para a emissão de ativos aderentes às práticas ESG, podendo chegar a ~R$15bn (considerando ativos de renda fixa, como debêntures), entretanto, atualmente, ainda está longe de sua capacidade; e (ii) em uma modelagem inédita no país que deve ser estreada em 2022, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está estruturando novas concessões de infraestrutura que serão leiloadas de forma “casada” com ativos ambientais, como por exemplo, quem arrematar a leilão de uma rodovia ou de um porto, levará junto a exigência de cuidar de um parque nacional ou floresta pública.

• No internacional, a Agência Internacional de Energia (AIE) pediu ações fortes e imediatas dos governos para combater as emissões de carvão, uma vez que a quantidade de eletricidade gerada pela queima do combustível fóssil está estimada para atingir um recorde este ano, com um aumento de 9% A/A, depois de cair em 2019 e 2020.

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Clique aqui para acessar o nosso relatório | “Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera

Brasil

Empresas

Brasil deve ter cerca de R$ 15bi em ativos de renda fixa aderentes às práticas ESG

“O Brasil tem um longo potencial para a emissão de ativos aderentes às práticas ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês), mas ainda está longe de sua capacidade. A estimativa do presidente do conselho da BlackRock e diretor da Anbima, Carlos Takahashi, é de que, no país, esse número esteja em torno de R$ 15 bilhões, considerando ativos de renda fixa, como debêntures. No mundo como um todo, esse número já soma quase US$ 2 trilhões. “Se olharmos a dinâmica do crescimento, isso possivelmente vai ser atingido com velocidade muito maior do que esperamos. Os Estados Unidos estão acelerando muito e a Europa já tem o tema consolidado”, afirmou, ao participar do evento “Rio, a capital dos investimentos verdes”. Para ele, o Brasil ainda está bastante longe do potencial que possui. O executivo citou que, até outubro, as emissões no país chegam a R$ 500 bilhões no total. Cerca de 60% são ativos de renda fixa, como debêntures. Os ativos que podem ser classificados como ESG ficam entre R$ 14 bilhões e R$ 15 bilhões.”

Fonte: Valor Econômico, 18/12/2021

Economia circular envolve mais de 760 empresas

“A versão mineira da meta lixo zero – conceito segundo o qual tudo é reaproveitado – já envolveu mais de 760 empresas do Estado em uma engrenagem colaborativa de negócios. Capitaneado pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), o programa de economia circular, ampliado este ano, nasceu em 2017, em uma evolução do Programa Mineiro de Simbiose Industrial (PMSI), que por sua vez existe desde 2009. Entre os resultados alcançados soma a recuperação de 140 mil toneladas de resíduos que deixaram de ir para aterros sanitários; 200 mil toneladas de recursos naturais virgens poupados; 90 mil toneladas de carbono não emitidas; 13 milhões de metros cúbicos de água reutilizados e poupança de R$ 8,7 milhões em custos para as empresas participantes. “Promovemos encontros entre companhias do Estado e distritos industriais, com objetivo de gerar negócios a partir de recursos subutilizados que estejam disponíveis”, afirma Guilherme Zanforlin, especialista em meio ambiente da Fiemg.”

Fonte: Valor Econômico, 20/12/2021

Brasil deveria ser a primeira nação neutra em carbono, diz presidente da Roland Berger

“A pandemia e a crise do clima estão causando grandes mudanças no modelo de desenvolvimento econômico, e o Brasil tem potencial para ser um dos países vencedores. Quem faz essa afirmação é António Bernardo, presidente da consultoria internacional Roland Berger no Brasil. Em entrevista à Folha, ele diz que o país deveria se esforçar para ser o primeiro a atingir a neutralidade de carbono. “Isso seria uma meta fantástica. Quase todos os países, principalmente na Europa, estão colocando 2050 como prazo para a neutralidade”, diz. Para Bernardo, o Brasil pode ser líder em tudo que é relacionado a indústrias sustentáveis, mas é preciso que o setor privado tenha um papel diferente. Segundo ele, as companhias ainda estão apenas no discurso do ESG (sigla em inglês para boas práticas ambientais, sociais e de governança), apesar de algumas boas exceções.”

Fonte: Folha de São Paulo, 18/12/2021

Quem são as candidatas a unicórnios da Amazônia

“A aceleradora Amaz acaba de escolher as seis startups que participarão do seu programa de 2022. As selecionadas são parte de uma aposta em negócios que consigam juntar crescimento rápido com respeito ao meio ambiente e impacto econômico na Amazônia. Nascida dentro da Plataforma Parceiros da Amazônia (PPA), uma organização que reúne ONGs e setor privado, a Amaz levantou um fundo de R$ 25 milhões para dar o empurrão necessário a um tipo de negócio que faz todo o sentido no papel, mas que ainda não existe, diz Mariano Cenamo, fundador e CEO da aceleradora. “Não temos a referência de negócios que cresceram exponencialmente resolvendo problemas sociais e ambientais”, diz Cenamo. “Estamos tentando encontrá-los.” A proposta atraiu 156 inscritas.”

Fonte: Capital Reset, 20/12/2021

Política

BNDES estuda concessão ‘casada’ de rodovia com ativo ambiental

“Em uma modelagem inédita no país, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está estruturando novas concessões de infraestrutura que serão leiloadas de forma “casada” com ativos ambientais. Quem arrematar a leilão de uma rodovia ou de um porto, por exemplo, levará junto a exigência de cuidar de um parque nacional ou floresta pública. O novo mecanismo poderá estrear ainda em 2022, disse ao Valor o diretor de concessões e privatizações do BNDES, Fábio Abrahão. Segundo ele, o banco tem estudado uma carteira de concessões ambientais que somam cerca de 14 milhões de hectares, tamanho pouco superior ao de um país como a Grécia. Na lista estão 54 unidades de conservação em oito Estados. São dois tipos de negócios: parques nacionais (que podem ser explorados para fins turísticos e de visitação) e florestas públicas (com manejo sustentável de madeira e outros produtos).”

Fonte: Valor Econômico, 20/12/2021

STF suspende decisão de Ricardo Salles que concentrava poder sobre Conselho do Meio Ambiente

“Caiu mais uma decisão tomada pelo então ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles. Nesta sexta-feira, 17, a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu o decreto do presidente Jair Bolsonaro que reduzia a participação da sociedade civil no Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Trata-se do principal conselho do País na definição das diretrizes e políticas ambientais. Com a suspensão, o órgão passa a vigorar com a sua estrutura anterior. Nesta semana, o STF já tinha declarada inconstitucional a norma que revogava a proteção a manguezais e restingas em todo o País, medida liderada por Salles e que abria essas áreas para especulação imobiliária. Com as mudanças feitas por Salles, o governo passou a controlar um órgão que, por missão e histórico, sempre teve composição técnica e independente. Desde julho de 2019, o Conama, que define normas e regras ambientais, foi desidratado em relação à sua estrutura anterior, por determinação de Salles.”

Fonte: Estadão, 18/12/2021

Opinião

Malwee quer reduzir em 58% emissões de carbono na cadeia de fornecedores

“O grupo Malwee se comprometeu a reduzir em 58% as emissões de gases do efeito estufa em sua cadeia de fornecedores até o fim da próxima década, segundo o plano de metas ambientais que apresentou na última conferência mundial sobre mudanças climáticas, realizada em novembro. Com sede em Santa Catarina e três unidades industriais, o grupo têxtil reduziu em 75% as emissões de suas fábricas ao trocar uma caldeira e fazer outras mudanças nos últimos anos, indo além da meta de 50% estabelecida pelo compromisso firmado com a Organização das Nações Unidas. Para alcançar a meta estabelecida para a cadeia de suprimentos, o grupo têxtil aposta em produtores de algodão com práticas sustentáveis, que usem menos adubo e menos pesticidas no plantio, e no emprego de fibras de tecido sintéticas recicladas em suas confecções.”

Fonte: Folha de São Paulo, 19/12/2021

Internacional

Empresas

Geração de energia a partir do carvão deve atingir nível recorde

“A Agência Internacional de Energia pediu ações fortes e imediatas dos governos para combater as emissões de carvão, uma vez que previu que a quantidade de eletricidade gerada pela queima do combustível fóssil atingiria um recorde este ano. Em seu relatório anual sobre o carvão, o grupo com sede em Paris disse que a geração global de energia a partir do carvão deveria saltar 9% em 2021 para um máximo histórico de 10.350 terawatts-hora, depois de cair em 2019 e 2020. “O carvão é o única maior fonte de emissões globais de carbono, e o nível historicamente alto de geração de energia a carvão deste ano é um sinal preocupante de quão longe o mundo está em seus esforços para reduzir as emissões para zero líquido”, disse o diretor executivo da IEA, Fatih Birol. “Sem ações fortes e imediatas por parte dos governos para combater as emissões de carvão – de uma forma que seja justa, acessível e segura para os afetados – teremos poucas chances, se houver, de limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius.”

Fonte: Financial Times, 19/12/2021

Califórnia investiga o tratamento que o Google dá às trabalhadoras negras

“O regulador de direitos civis da Califórnia está investigando o tratamento que o Google dá às trabalhadoras negras após supostos incidentes de assédio e discriminação, de acordo com duas pessoas a par do assunto e e-mails da agência vistos pela Reuters. Advogados e analistas do Departamento de Fair Employment and Housing (DFEH) da Califórnia entrevistaram repetidamente várias mulheres negras que trabalharam na empresa Alphabet Inc (GOOGL.O) sobre suas experiências lá, de acordo com os documentos e as fontes. As fontes falaram sob condição de anonimato para não comprometer a obra. As perguntas têm se centrado em suposto assédio e discriminação no local de trabalho, de acordo com os e-mails. As conversas ocorreram no mês passado, disse uma das fontes. O DFEH não quis comentar. O Google disse que está focado em “construir uma igualdade sustentável” para seus trabalhadores negros e que 2020 foi seu maior ano de contratação de trabalhadores “Negros +”, uma designação que inclui pessoas pertencentes a várias raças.”

Fonte: Reuters, 17/12/2021


Índices ESG e suas performances

Última atualização em 17/12/2021

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.