XP Expert

Varejistas brasileiras C&A e Riachuelo avançam na agenda ESG | Café com ESG, 05/04

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• Na segunda-feira, o mercado fechou em território neutro, com o Ibov e o ISE em leve queda de -0,2% e -0,6%, respectivamente.

• No Brasil, (i) o CDP lançou a nova carteira do Índice CDP Brasil de Resiliência Climática (ICDPR70), que contou com um retorno de 6,09% durante a vigência da última carteira, de 30 de abril de 2021 a 31 de março deste ano, contra 0,93% do Ibovespa e -0,04% do IBrX – desde o lançamento em abril de 2020, o ICDPR70 acumula rentabilidade de 77,25%, vs. 64,34% e 66,70% do Ibovespa e IBrX, respectivamente; e (ii) empresas de varejo avançam na agenda ESG, com a C&A trabalhando para garantir rastreabilidade de seus fornecedores, circular peças usadas e mobilizar o segmento do varejo para a adoção de práticas ESG, enquanto a Riachuelo, na busca por diminuir os impactos ambientais de sua operação, firmou uma parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), para desenvolver um novo fio a partir das sobras resultantes do processo de produção.

• No internacional, (i) de acordo com o maior gestor de fundos do Reino Unido, a Legal & General Investment Management, a descarbonização da economia global está em risco, a menos que maiores quantidades de capital sejam direcionadas para a indústria de mineração, uma vez que os metais industriais, como por exemplo o cobre, são necessários para atingir zero emissões líquidas até 2050; e (ii) desastres naturais provocados pelas mudanças climáticas podem afetar significativamente o orçamento federal dos Estados Unidos por ano – segundo a avaliação do Escritório de Gestão e Orçamento da Casa Branca, a faixa superior do impacto até o final do século poderia totalizar uma perda de receita anual de 7,1%, equivalente a US$ 2 trilhões por ano.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Assine conteúdos exclusivos aqui!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Índice de resiliência climática lança nova carteira

“[…] No Brasil, o CDP lançou o primeiro índice de resiliência climática com empresas listadas no país em 2020. E esse referencial chega à terceira carteira teórica em 2022 com um desempenho significativo. Com o nome de Índice CDP Brasil de Resiliência Climática (ICDPR70) – o número 70 faz referência ao peso de 70% para a nota de gestão de risco climático conferida pelo CDP como critério de avaliação para o indicador, enquanto os outros 30% dizem respeito a liquidez – o indicador superou em muito o Ibovespa em 2021. O referencial climático exibiu retorno de 6,09% durante a vigência da carteira, de 30 de abril de 2021 a 31 de março deste ano, contra 0,93% do principal indicador da B3 e -0,04% do IBrX. Desde o lançamento em abril de 2020, o ICDPR70 acumula rentabilidade de 77,25%. O Ibovespa e o IBrX registram, respectivamente, 64,34% e 66,70%.”

Fonte: Valor Econômico, 05/04/2022

C&A quer aprofundar agenda ESG no varejo de moda e lança metas de sustentabilidade

“Prestes a lançar seu relatório de sustentabilidade anual, a varejista de moda C&A vem trabalhando para garantir rastreabilidade de seus fornecedores, circular peças usadas – transformando-as em novos produtos – e mobilizar o segmento do varejo para a adoção de práticas ESG. As medidas fazem parte de uma agenda de metas da companhia a serem colocadas em prática até 2030 para intensificar práticas sustentáveis. “Dentro da companhia, isso já está enraizado. Agora, queremos provocar essa mudança fora da companhia, chamar a sociedade e o fornecedor”, afirma Cyntia Kasai, gerente executiva de ESG da C&A Brasil, área que foi estruturada no ano passado, mas cujo assunto já estava no radar da companhia””

Fonte: Valor Econômico, 04/04/2022

Riachuelo se une ao IPT para desenvolver fibra sustentável

“A Riachuelo, conhecida rede brasileira de varejo de moda, produziu 43,2 milhões de peças de roupas em 2021, que geraram em torno de 3,5 mil toneladas de resíduos têxteis. Na busca por diminuir os impactos ambientais de sua operação, reduzindo a dependência de matéria-prima virgem e avançando em suas iniciativas ESG, a empresa firmou uma parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), para desenvolver um novo fio a partir das sobras resultantes do processo de produção de suas duas fábricas, em Fortaleza e Natal. O objetivo é que o novo fio seja utilizado na confecção de roupas.”

Fonte: Valor Econômico, 04/04/2022

Reputação de marca faz empresas brasileiras investirem mais em ESG

“O Brasil foi o país onde o maior número de empresas já conseguiu implementar suas estratégias de sustentabilidade: 68% das empresas contam com estratégias em funcionamento, 26% a mais em relação ao ano anterior. Entre elas, 28% confirmam ter incorporado mais pilares relacionados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU em suas estratégias de sustentabilidade nos últimos 12 meses. Os dados são da segunda edição do estudo “Sustentabilidade na Agenda das Lideranças da América Latina” promovida pela SAP reunindo entrevistas com 410 líderes regionais, divulgada nesta segunda-feira, 04/04. Diversidade e Inclusão funcionam como uma das principais portas de entrada para o mundo da sustentabilidade: 63% das empresas endereçam o tema de alguma forma. Vêm na sequência cadeias de valor socialmente responsáveis (53%), força de trabalho preparada e ações relacionadas com as emissões de carbono (ambas com 45%) e economia circular (32%). Em qualquer um dos casos, 39% dos consultados indicam que já começaram a ver resultados de suas ações de sustentabilidade e 29% esperam reportá-los ao longo de 2022.”

Fonte: Convergência Digital, 04/04/2022

Opinião

ESG se incorpora a todas as áreas do Direito, afirma Yun Ki Lee

“A constatação de que a civilização mudou mais nos últimos vinte anos que nos 500 anos anteriores está decodificada numa sigla: ESG, o apelido dado a um conceito que pede muitas palavras para sua descrição. Trata-se da fusão de princípios que, ao longo da história, pareciam ser naturalmente antagônicos — a proteção do meio ambiente e as novas perspectivas sociais, agora sintonizadas com a gestão dos negócios. Será necessário algum tempo até que o discurso ganhe contornos mais efetivos, mas o mais importante está em vigor — a constatação de que sem essa ética as chances de sobrevivência são escassas e improváveis.”

Fonte: Conjur, 04/04/2022

Internacional

Empresas

Maior investimento em mineração é necessário para cumprir metas climáticas, diz LGIM

“A descarbonização da economia global está em risco, a menos que maiores quantidades de capital sejam direcionadas para a indústria de mineração, alertou o maior gestor de fundos do Reino Unido. Nos níveis atuais de investimento, a Legal & General Investment Management avalia que o mundo não será capaz de alcançar o “enorme aumento” na oferta de metais industriais necessários para atingir zero emissões líquidas até 2050. Um relatório, elaborado pela LGIM em colaboração com a mineradora BHP, estima que a demanda acumulada por cobre terá que dobrar nos próximos 30 anos e quadruplicar para níquel para alcançar o acordo de Paris para limitar o aquecimento global a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.”

Fonte: Financial Times, 05/04/2022

Guerra na Europa muda a cultura ESG

“Enquanto o mundo corporativo ainda tenta adaptar seus processos decisórios à instantaneidade da internet, a guerra da Rússia na Ucrânia inaugura uma nova era para os adeptos da cultura do ESG (governança ambiental, social e corporativa). Em um par de semanas, para a surpresa de agentes de mercado, mais de 200 empresas suspenderam operações ou simplesmente fecharam as portas no território russo. Um mês após o início do conflito, esse número é quase o dobro. A resposta das marcas, em velocidade inédita, levanta dúvidas sobre as consequências das ações tomadas no “calor do momento”. Especialistas ouvidos pelo Prática ESG, plataforma do Valor, dizem que “boicotar” o mercado russo – com seus 140 milhões de consumidores – certamente não foi uma
decisão fácil.”

Fonte: Valor Econômico, 05/04/2022

Seguradora britânica Aviva se torna a segunda empresa FTSE com CEO e CFO feminina

“A seguradora britânica Aviva nomeou nesta segunda-feira Charlotte Jones como sua próxima diretora financeira, dizendo que se tornou apenas a segunda empresa do FTSE 100 com uma dupla mulher CEO-CFO no comando. Jones, que substitui Jason Windsor, foi anteriormente chefe de finanças da RSA Insurance e vice-presidente de CFO do Deutsche Bank, além de ter ocupado altos cargos financeiros em gestores de ativos, incluindo Jupiter Fund Management (JUP.L) .Ela se juntará à Aviva, liderada pela presidente-executiva Amanda Blanc, em setembro. A empresa também nomeou a executiva Andrea Montague como diretora de risco no ano passado.”

Fonte: Reuters, 04/04/2022

Política

Mudança climática pode custar US$ 2 trilhões ao orçamento dos EUA até o final do século, diz Casa Branca

“Inundações, incêndios e secas provocados pelas mudanças climáticas podem afetar significativamente o orçamento federal dos Estados Unidos por ano até o final do século, disse a Casa Branca em sua primeira avaliação desse tipo neste domingo. A avaliação do Escritório de Gestão e Orçamento, encarregada pelo presidente Joe Biden em maio passado, descobriu que a faixa superior do impacto das mudanças climáticas no orçamento até o final do século poderia totalizar uma perda de receita anual de 7,1%, equivalente a US$ 2 trilhões por ano em dólares de hoje.”

Fonte: Reuters, 04/04/2022

Opinião

Mudança para energia limpa deve acelerar para evitar o pior das mudanças climáticas, diz painel da ONU

“O mundo precisa acelerar rapidamente sua transição do carvão e de outros combustíveis fósseis para evitar mudanças climáticas extremas, de acordo com um relatório divulgado na segunda-feira pelo painel de ciências climáticas da ONU. O relatório justifica a crescente preocupação entre cientistas, ativistas e governos de que as promessas de reduzir as emissões de gases de efeito estufa até agora são inadequadas para impedir que as temperaturas globais subam mais de 1,5 ou 2 graus Celsius – o nível em que pesquisadores dizem que as mudanças climáticas correm o risco de ficar fora de controle .”

Fonte: Reuters, 04/04/2022


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.