Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 19/10

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• Após terminar a semana em alta, o Ibov fechou em leve queda de -0,2% ontem, enquanto o ISE encerrou em território levemente positivo (+0,2%).

• No Brasil, a Vale assinou um Memorando de Entendimento com a Jiangsu Shagang Group Co, produtora de aço chinesa, em que ambas concordaram em buscar oportunidades para desenvolver soluções para a siderurgia focadas na redução das emissões de CO2, em linha com a meta da Vale de reduzir 15% das emissões líquidas de Escopo 3 até 2035.

• No internacional, (i) dados mostram um movimento crescente de companhias preocupadas com o risco climático de seus investimentos e operações, com 83 das 100 maiores empresas globais apoiando as recomendações de reportar riscos e oportunidades climáticos que vêm sendo desenvolvidas desde 2015 pela Força-Tarefa de Divulgação Financeira Relacionada ao Clima (TCFD, na sigla em inglês); e (ii) os legisladores dos EUA estão considerando medidas de precificação de carbono para reduzir as emissões de gases do efeito estufa, disse um alto conselheiro da Casa Branca ontem.

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Vale (VALE3) faz acordo com produtora chinesa de aço para reduzir emissão de carbono

“A Vale (VALE3) assinou um Memorando de Entendimento com a Jiangsu Shagang Group Co, em que ambas concordaram em buscar oportunidades para desenvolver soluções para a siderurgia focadas na redução das emissões de CO2. Segundo o comunicado, as empresas pretendem desenvolver estudos de viabilidade econômica para a utilização de produtos de menor impacto de carbono no processo de fabricação do aço, como produtos de minério de ferro de alta qualidade, bem como cooperação em plantas Tecnored. “Esta iniciativa contribui para alcançar o compromisso da Vale de reduzir 15% das emissões líquidas de Escopo 3 até 2035. Além disso, a Vale busca reduzir suas emissões absolutas de Escopo 1 e 2 em 33% até 2030 e alcançar neutralidade até 2050, em linha com o Acordo de Paris, liderando o caminho em direção à mineração de baixo”, informou a empresa.”

Fonte: InfoMoney, 18/10/2021

A nova roupa da Cesp? Votorantim e CPP unem ativos de energia e querem levar gigante de renováveis à bolsa

“A Votorantim e o fundo de pensão canadense CPP estão consolidando seus ativos de energia no Brasil, numa operação que deve criar uma das maiores companhias de energia renovável do país. O plano é levá-la à bolsa, por meio da incorporação da Cesp, já listada. Os dois sócios investem juntos em energia no país há quatro anos e são donos da antiga estatal paulista, que foi vendida para uma joint venture controlada por ambas as companhias em 2018. Agora, estão unindo todas as suas operações no setor. A consolidação — que resultará numa empresa com capacidade de geração de 3,3 GW e receita de R$ 5,8 bilhões em 2020 — se dará em duas etapas. Na primeira, a joint venture VRTM, que já tem o controle da Cesp e parques eólicos, vai passar a incorporar também as participações acionárias da Votorantim Energia em ativos hidrelétricos, além da Votener, comercializadora de energia do grupo — a segunda maior do país —, e projetos em desenvolvimento.”

Fonte: Capital Reset, 18/10/2021

Clientes buscam alternativas após ciberataque à empresa de call center

“Após o ciberataque sofrido pela empresa de call center Atento, no Brasil, clientes como Azul, Itaú Unibanco, Cielo e Riot Games acionaram planos de contingência e buscam alternativas em canais de atendimento locais. O Itaú Unibanco informou ter interrompido parte da operação de suas centrais de atendimento, preventivamente, em razão da tentativa de ciberataque à Atento. “A medida impacta parcialmente as centrais de atendimento, sobretudo as demandas relacionadas a cartões, financiamento de veículos e crédito consignado”, disse o banco em comunicado, esclarecendo que seus sistemas não foram comprometidos.”

Fonte: Valor Econômico, 18/10/2021

Política

UE tenta atrair Brasil para meta contra metano

“A União Europeia (UE) diz continuar esperando a adesão do Brasil a uma iniciativa global para reduzir emissões de metano em pelo menos 30% até 2030 em relação aos níveis de 2020, o que poderia acelerar a transição verde na agricultura. Esta iniciativa deverá ser lançada na Conferência do Clima, em duas semanas em Glasgow. O Brasil é o quinto maior emissor mundial desse potente gás de efeito estufa, com 5,09% do total, só atrás de China (15,1%), Rússia (10,4%), Índia (8,15%) e EUA (7,62%), segundo dados do Banco Mundial com base em 2018. Sem a agricultura, as emissões brasileiras de metano representam 1% do total mundial. É incluindo esse setor que o montante pula para 5% do total global.”

Fonte: Valor Econômico, 19/10/2021

Pará lança edital para chamada de interessados em concessões florestais para a venda de créditos de carbono

“O governador do Pará, Helder Barbalho, lançou na manhã desta segunda-feira edital com chamada para interessados em assumir concessões florestais no estado para venda de crédito de carbono. Ele assinou ainda os decretos de criação da Unidade de Conservação de São Benedito, do comitê gestor da Política Estadual de Clima e da Estratégia Estadual de Bioeconomia. Os atos foram realizados na abertura do Fórum Mundial de Bioeconomia, em Belém, capital paraense, em modelo híbrido, também com transmissão pela internet. O evento global reúne empresas, autoridades e interessados na construção de uma bioeconomia circular. O foco está em debater e promover inovações que contribuam para a substituição de indústrias produtos e serviços de base não renovável por novos de sustentação biológica.”

Fonte: O Globo, 18/10/2021

Opinião

Recuperação econômica verde e social nas cidades

“As crises energética e hídrica que agravam os efeitos negativos da pandemia na economia brasileira, aprofundando desigualdades sociais, são um forte alerta de que não é mais admissível que se faça planejamento e gestão pública sem enfrentar a emergência climática. O Brasil já experimenta inúmeros efeitos de um clima em transformação, incluindo chuvas torrenciais, inundações e deslizamentos de terras, alguns com vítimas fatais. No médio e longo prazo, as cidades costeiras serão afetadas pela elevação do nível do mar. A redução dos índices pluviais eleva o risco alimentar e energético. Esses impactos atingem todas as pessoas e, geralmente, são mais fortes nas comunidades urbanas pobres e marginalizadas. Os governos nacionais enfrentam hoje um desafio triplo: recuperar a economia após a covid-19, enfrentar as ameaças geradas pelas mudanças climáticas e avançar seus objetivos de desenvolvimento de longo prazo. Soma-se a isso o impacto social da pandemia, refletido no aumento do desemprego, expansão da pobreza e de assentamentos informais.”

Fonte: Valor Econômico, 19/10/2021

A tendência ESG e a conscientização das novas gerações

“As gerações mais jovens têm ensinado muita coisa para as gerações passadas sobre meio ambiente, sociedade e governança. Tudo aponta que as próximas lideranças corporativas irão trazer tudo da agenda Environmental, Social and Governance. A preocupação com a descontrolada emissão de CO2, o desmatamento desenfreado, salários desiguais entre homens e mulheres está tão presente na vida dos mais jovens como a tecnologia que, a propósito, pode ser considerada a precursora de tal mudança de comportamento. Pautas importantes que só ficavam no papel há duas décadas e, que agora, estão sendo mais pressionadas pelos consumidores que acabam por “modificar” a estrutura das companhias.”

Fonte: E-Investidor, 18/10/2021

Internacional

Empresas

Cresce a preocupação de empresas com risco climático

“Entre as 100 maiores empresas globais, 83 apoiam as recomendações de reportar riscos e oportunidades climáticos que vêm sendo desenvolvidas desde 2015 pela Força-Tarefa de Divulgação Financeira Relacionada ao Clima – a TCFD, na sigla em inglês. Trata-se de um movimento crescente de companhias preocupadas com o risco climático de seus investimentos e operações. Há 2.600 empresas, de 89 países e capital estimado em US$ 25 trilhões que apoiam a iniciativa global que busca tornar mais transparente o risco climático das corporações. Uma análise de 1.650 relatórios de empresas, de 69 países e oito setores revelou que, pela primeira vez em seis anos, 50% das empresas examinadas divulgaram seus riscos climáticos e oportunidades relacionadas ao clima. Esses dados fazem parte do relatório “Outlook 2021”, da TCFD, presidida por Michael Bloomberg. O relatório foi divulgado há poucos dias.”

Fonte: Financial Times, 19/10/2021

BlackRock apoia a expansão do projeto de dados climáticos corporativos

“A BlackRock Inc, a maior gestora de ativos do mundo, colocou seu peso em um plano para fornecer dados aprofundados e gratuitos sobre como milhares de empresas estão se adaptando à transição para uma economia de baixo carbono. Antes das negociações climáticas globais COP26 em Glasgow, a BlackRock disse que apoiava um plano para expandir a Iniciativa do Caminho de Transição, um projeto de gestão de ativos criado em 2017 que visa avaliar a resposta das empresas às mudanças climáticas. A mudança ocorre à medida que mais investidores globais fazem suas próprias promessas de emissões líquidas de carbono zero em seus portfólios – um compromisso que requer uma análise profunda dos planos climáticos díspares das empresas nas quais investem. De acordo com o plano, o número de empresas avaliadas pelo TIP saltará de 400 para 10.000, por meio da criação de um Centro de Transição Climática Global TPI na London School of Economics and Political Science.”

Fonte: Reuters, 19/10/2021

Emergência climática exige corrida às eólicas

“Embora já esteja consolidada como um dos grandes pilares do processo global de transição energética, a fonte eólica precisa urgentemente acelerar seu ritmo de crescimento. Para que países consigam atingir a meta de zerar emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050, o volume de implantação de usinas eólicas, até 2030, tem de quadruplicar em relação aos 93 gigawatts (GW) instalados no ano passado – marca que significou um recorde para a indústria, que hoje beira os 800 GW de potência em todo o mundo. A constatação é de um manifesto lançado ontem pelo Conselho Global de Energia Eólica (GWEC, na sigla em inglês), assinado por cerca de 90 empresas e entidades que atuam na cadeia. “Em uma emergência climática, que demanda respostas rápidas e ambiciosas, estamos operando quase no modo ‘business as usual’ [o mesmo de sempre], como se tivéssemos todo o tempo do mundo. Para nós, os processos e compromissos precisam estar em conformidade com a situação de urgência”, disse o presidente do GWEC, Ben Backwell, ao Valor.”

Fonte: Valor Econômico, 19/10/2021

Negócios de £ 10 bilhões são prometidos antes da cúpula do investidor verde no Reino Unido

“Os ministros do Reino Unido vão saudar na terça-feira quase £ 10 bilhões de investimentos prometidos por empresas como a Iberdrola e Prologis com o início de parcerias globais para apoiar o “crescimento verde” na economia britânica. A série de investimentos em infraestrutura, tecnologia e energia do Reino Unido foram prometidos para coincidir com uma cúpula verde patrocinada pelo governo que reunirá mais de 200 dos financiadores e executivos do mundo. A Iberdrola comprometeu £ 6 bilhões por meio de sua subsidiária ScottishPower no Reino Unido para um desenvolvimento eólico offshore na costa de East Anglia. Este investimento, que criaria 7.000 empregos, mas já foi relatado antes, também está sujeito a consentimento de planejamento e a um contrato de subsídio do governo. O presidente da Iberdrola, Ignacio Galán, disse que seria um “passo significativo” para conseguir energia eólica offshore suficiente para abastecer todas as residências do Reino Unido até 2030.”

Fonte: Financial Times, 18/10/2021

Política

Taxa de carbono para política climática – Conselheiro de Biden

“Os legisladores dos EUA estão considerando medidas de precificação de carbono para reduzir as emissões do aquecimento climático, disse um alto conselheiro da Casa Branca na segunda-feira, já que os democratas podem ser forçados a abandonar um componente-chave do aquecimento global do projeto de lei que se opõe ao senador Joe Manchin, membro do partido de centro. “Há muitas coisas na mistura agora que as pessoas estão pensando… As taxas climáticas são uma delas, seja uma taxa setorial ou ampla, nenhuma dessas questões está fora da mesa”, disse ele. A conselheira climática Gina McCarthy disse em uma reunião do conselho de conselheiros do presidente Joe Biden em ciência e tecnologia. “O Congresso está debatendo e esperamos ver o fim desse debate em breve”, disse McCarthy. Ela não disse se a Casa Branca está pressionando os legisladores a apoiarem uma política de taxas de carbono.”

Fonte: Reuters, 18/10/2021

Regulação

BCE divulga regras para teste de estresse climático — e quer ver impacto de carbono a US$ 100/t 

“O Banco Central Europeu acaba de divulgar os parâmetros do primeiro teste de estresse climático a que serão submetidos os bancos do bloco, que será rodado de março a julho do ano que vem. Com as regras publicadas hoje, veio uma novidade. As instituições terão que estimar não só como o risco das mudanças climáticas podem afetar suas carteiras de empréstimo, mas também suas operações de ‘trading’ no mercado, segundo a Bloomberg. As regras do BCE são seguidas com lupa pelos reguladores bancários do mundo todo, porque a autoridade europeia tem liderado essa agenda, servindo de parâmetro para os demais. O Banco Central do Brasil está na vanguarda do movimento e quer rodar um teste de estresse climático para as instituições locais já no ano que vem.”

Fonte: Capital Reset, 18/10/2021


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.