Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 22/11

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• Na sexta-feira, o mercado encerrou em território positivo, com o Ibov e o ISE em alta de +0,6% e +0,8%, respectivamente. Na semana, o Ibov e o ISE fecharam em queda de -0,3% e -1,9%, respectivamente.

• No Brasil, (i) o Ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, afirmou estimar que o mercado global de créditos de carbono deve estar em pleno funcionamento já no ano que vem e renderá ao menos US$ 10 bilhões ao ano ao país em um futuro próximo; e (ii) a Lojas Renner informou que é a empresa de varejo com maior pontuação no mundo no índice Dow Jones de Sustentabilidade Global (DJSI World), o índice que é referência global em sustentabilidade corporativa ao avaliar as práticas ESG das maiores companhias de capital aberto, alcançando 80 pontos sobre 100 no ranking, 15 a mais do que o obtido no ano anterior.

• No internacional, o Banco Central Europeu (BCE) afirmou hoje que nenhum grande credor da zona do euro atende às metas de gestão de risco climático impostas pelo órgão regulador e, mesmo depois de ter delineado suas expectativas relacionadas ao risco climático e ambiental um ano atrás, os bancos parecem estar lentos em adaptá-las, mas o BCE continua pedindo aos credores que acelerem o ritmo.

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Lojas Renner reitera compromissos públicos de sustentabilidade após evolução em índice de referência

“O índice Dow Jones de Sustentabilidade Global (DJSI World) anunciou nesta semana sua nova constituição, contando com nove empresas brasileiras na carteira. Em nota, a Lojas Renner (LREN3) informou que é a empresa de varejo com maior pontuação no mundo, alcançando 80 pontos sobre 100 no ranking, 15 a mais do que o obtido no ano anterior. O índice é referência global em sustentabilidade corporativa ao avaliar as práticas ESG das maiores companhias de capital aberto, de diferentes setores da economia. Além disso, apontou, pela primeira vez a Lojas Renner passa a integrar o DJSI em duas categorias simultaneamente: a World Index (com mais de 320 empresas selecionadas, sendo 9 brasileiras) e a Emerging Markets Index (com mais de 100 empresas, sendo 10 brasileiras).”

Fonte: InfoMoney, 19/11/2021

Pauta racial ganha espaço nas empresas, mas números ainda são ruins

“Na PepsiCo, membros do comitê executivo recebem mentoria de funcionários negros sobre questões raciais. Iniciativa semelhante é adotada pela L’Oréal, que também possui um programa para acelerar a carreira de profissionais negros na companhia. Já a Mondelez, dona de marcas como Lacta, Trident e Oreo, prometeu atingir 37% de pretos e pardos nos cargos de liderança até 2024. Esses são apenas alguns exemplos de compromissos assumidos por empresas no Brasil nos últimos meses. Em meio à onda ESG (sigla em inglês para boas práticas ambientais, sociais e de governança), a agenda de diversidade e inclusão ganhou força no mundo corporativo. No entanto, apesar do alinhamento no discurso, o caminho até a equidade racial é longo.”

Fonte: Valor Econômico, 20/11/2021

ESG vem de berço: 9 livros infantis sobre protagonismo negro

“Manter determinados acontecimentos vivos na memória coletiva é uma responsabilidade ética, como tantas outras na estratégia de governança das empresas. Por causa dela, no dia 20 de novembro comemoramos o Dia da Consciência Negra. A data serve para refletirmos sobre a inserção do negro na sociedade brasileira e reconhecer seu protagonismo na formação dela, em que constitui 56% da população, segundo dados do IBGE. Sabemos que nas universidades, em cargos de médio e alto escalão nas empresas, nos conselhos de administração e em tantos outros setores não há uma representatividade equivalente.”

Fonte: Capital Reset, 20/11/2021

Política

Ministro prevê ganho anual de US$ 10bi com mercado de carbono

“O mercado global de créditos de carbono deve estar em pleno funcionamento já no ano que vem e renderá ao menos US$ 10 bilhões ao ano ao país em um futuro próximo. A estimativa é do ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, que concedeu entrevista exclusiva ao Valor. Após anos de negociação, esse mercado teve as regras definidas durante a Conferência das Nações Unidas para as Mudanças Climáticas (COP26), que ocorreu entre 31 de outubro e 13 de novembro na cidade escocesa de Glasgow. O mercado de carbono na COP26 foi a principal vitória do Brasil, que chegou ao evento sob críticas mundiais devido à péssima reputação do presidente Jair Bolsonaro nesta área e dos seguidos recordes no desmatamento da Amazônia. O país, de acordo com Leite, será o grande beneficiado com o início das transações, ficando com cerca de 20% dos US$ 50 bilhões anuais que serão movimentados em nível global.”

Fonte: Valor Econômico, 22/11/2021

Brasil alerta UE sobre discriminação no plano de taxa carbono

“O governo brasileiro alertou a União Europeia (UE) sobre potencial de discriminação, viés protecionista e violação de regras internacionais no projeto de taxa carbono na fronteira que Bruxelas pretende implementar a partir de 2023. O Itamaraty protocolou a posição brasileira na quinta-feira na consulta pública aberta pelos europeus sobre sua proposta de lei do mecanismo de ajuste de carbono na fronteira (CBAM, na versão em inglês) que planeja aplicar em importações provenientes de países com regras ambientais menos estritas. A lista inicial visa a importações de aço, cimento, alumínio, fertilizantes e eletricidade, mas vai ser depois expandida a outros setores. A taxação sobre o produto importado vai mudar dependendo da intensidade de carbono na produção.”

Fonte: Valor Econômico, 22/11/2021

Clique aqui para acessar o relatório | Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema

Internacional

Empresas

‘Greenflation’ um risco para as energias renováveis, mas a viabilidade a longo prazo intacta

“O aumento dos preços das commodities necessárias para a energia renovável aumentará os custos de criação de novos projetos de energia verde, mas isso será equilibrado por um melhor acesso a fundos e economias de escala, disseram conselheiros políticos e um investidor. Os custos crescentes, assim como os problemas da cadeia de suprimentos para algumas das commodities e bens necessários para projetos verdes, não serão uma ameaça de longo prazo para a viabilidade econômica da energia limpa, disseram eles ao Reuters Global Markets Forum na semana passada. Os custos indiretos que cairão com as economias de escala incluem itens como taxas de licença, custos de mão de obra para instalações e custos de aquisição de clientes. Os custos gerais para a indústria tenderão a cair, visto que há poucas barreiras para o aumento, disse Harry Boyd Carpenter, diretor-gerente de economia verde e mudança climática do Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento (BERD).”

Fonte: Reuters, 22/11/2021

Sequestro de carbono, uma solução à vista

“Diante da emergência climática, pesquisadores investigam cada vez mais técnicas para sequestrar o dióxido de carbono (CO2), principal responsável pelo efeito estufa. Uma das principais estratégias no mundo tem sido capturá-lo nos processos de produção de bens de consumo, energia e indústrias, para armazená-lo em outros espaços, como no fundo do mar, solo ou rochas. O ponto positivo desses projetos de Captura e Armazenamento de Carbono (CCS – Carbon Capture and Storage, na sigla em inglês) é que eles conseguem atuar em fontes com alta concentração de CO2. Cenário diferente encontra-se ao tentar sequestrar quando ele já está na própria atmosfera – processo que requer muito mais energia. A Agência Internacional de Energia (IEA), vinculada à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), enxerga o papel da CCS na redução das emissões cumulativas nas próximas décadas. É necessário sair da capacidade de captura atual, de cerca de 40 milhões de toneladas por ano, para uma média de sequestro estimada em 10,4 gigatoneladas em 2070. De acordo com a estimativa da IEA, a indústria de CCS pode gerar impacto econômico total de £ 200 bilhões entre 2020 e 2050 e criar 15 mil novos empregos em todo o mundo. Hoje, a maior parte dos projetos está na Europa e nos EUA.”

Fonte: Isto É, 21/11/2021

Clique aqui para acessar o relatório | Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira

Incorporação de ESG em balanços das companhias requer novos especialistas

“Ainda há muitas dúvidas sobre como será a incorporação dos aspectos ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês) nas demonstrações financeiras, mas as empresas vão precisar de novos especialistas com conhecimento específico sobre o tema. “Tudo vai depender sobre como o tema será direcionado. A agenda de compromissos públicos assumidos pelas empresas, como a redução do efeito estufa, por exemplo, traz novos componentes na elaboração das demonstrações e da responsabilidade dos organismos de governança das companhias”, disse o sócio-líder de governança da KPMG, Sebastian Soares, ao participar do “Encontro de Contabilidade”. Atualmente, tirando as empresas de economia mista, as companhias de capital aberto não têm obrigação de divulgar um relatório de sustentabilidade. Mas de forma geral, as companhias não devem ter um “caminho árduo” para prover essas informações ao mercado, já que outros documentos têm conexão com o assunto. “Os demonstrativos devem ajustar esse processo no futuro, mas vamos precisar de especialistas trabalhando nestes aspectos nas companhias”, acrescentou.”

Fonte: Valor Investe, 19/11/2021

Regulação

Bancos da zona do euro ainda não cumprem as metas de risco climático do Banco Central Europeu

“Nenhum grande credor da zona do euro atende às metas de gestão de risco climático do Banco Central Europeu, disse o BCE hoje, poucos meses antes de realizar o maior teste de estresse climático até agora. O BCE delineou suas expectativas relacionadas ao risco climático e ambiental há um ano, mas os bancos parecem estar lentos em adaptá-las e o supervisor repetidamente pediu aos credores que acelerem o ritmo. “Os bancos deram os primeiros passos para incorporar os riscos relacionados ao clima, mas nenhum está perto de atender a todas as expectativas da supervisão”, disse o BCE em um comunicado. “Apenas um terço dos bancos têm planos em vigor que são pelo menos amplamente adequados, e metade não terá concluído a implementação de seus planos até o final de 2022”, acrescentou.

Fonte: Reuters, 22/11/2021


Índices ESG e suas performances

Última atualização em 19/11/2021

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.