Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 22/10

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado encerrou o pregão de ontem em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -2,8% e -3,0%, respectivamente.

• No Brasil, do lado das empresas, (i) a JBS lançou ontem a primeira oferta de títulos de dívida agro atrelados a metas de sustentabilidade do mercado de capitais local: as taxas de juros da emissão, um CRA de R$ 1 bilhão, estarão atreladas à meta do grupo de controlar a origem – direta e indireta – de 100% do gado até 2025; e (ii) a Suzano antecipou em cinco anos, de 2030 para 2025, a meta de remover 40 milhões de toneladas de gás carbônico equivalente da atmosfera, com a medida refletindo a crença, na companhia, de que iniciativas de curto prazo são “imprescindíveis” ante a emergência climática.

• Além disso, segundo estudo da representação no país da Câmara de Comércio Internacional, o potencial de geração de receita com créditos de carbono para o país pode chegar a US$ 100 bilhões até 2030, dependendo de como o artigo 6 do Acordo de Paris for destravado e implementado.

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

JBS lança título de R$ 1bi atrelado à metade controle de origem do gado

“A JBS pôs ontem na rua a primeira oferta de títulos de dívida agro atrelados a metas de sustentabilidade do mercado de capitais local. As taxas de juros da emissão, um CRA de R$ 1 bilhão, estarão atreladas à meta do grupo de controlar a origem – direta e indireta – de 100% do gado até 2025. No mercado de capitais brasileiro, outros emissores agro já haviam captado títulos verdes – a Suzano estreou nesse mercado, com um CRA de R$ 1 bilhão há cinco anos -, mas nunca um título no mercado doméstico com metas de sustentabilidade (SLB, sigla usada no mercado), afirmou uma fonte. No mundo corporativo em geral, a Via Varejo foi a primeira a emitir SLBs com metas no mercado local. Em maio, a dona das Casas Bahia captou R$ 1 bilhão em debêntures sustentáveis, uma emissão que causou críticas pelas metas, consideradas fracas pelos especialistas.”

Fonte: Valor Econômico, 22/10/2021

Suzano vê “emergência climática” e antecipa meta

“A Suzano, maior produtora mundial de celulose de eucalipto, antecipou em cinco anos, de 2030 para 2025, a meta de remover 40 milhões de toneladas de gás carbônico equivalente da atmosfera. A medida reflete a crença, na companhia, de que iniciativas de curto prazo são “imprescindíveis” ante a emergência climática. A antecipação da meta será suportada pela ampliação da cobertura vegetal via plantios comerciais e áreas de conservação. A companhia também seguirá buscando aperfeiçoar o manejo florestal, por meio de pesquisa e gestão, de forma a evitar perdas, maximizar a produtividade e ampliar a remoção de carbono. Outras iniciativas para reduzir as emissões de gases do efeito estufa nas operações próprias e ao longo da cadeia de valor estão previstas. Atualmente, a companhia mantém 2,38 milhões de hectares de plantio e preservação, dos quais 40% referentes a preservação.”

Fonte: Valor Econômico, 22/10/2021

Crédito de carbono pode gerar US$ 100bi ao país

“O potencial de geração de receita com créditos de carbono para o Brasil pode chegar a US$ 100 bilhões até 2030, dependendo de como o artigo 6 do Acordo de Paris for destravado e implementado, segundo estudo da representação no país da Câmara de Comércio Internacional (ICC, na sigla em inglês) juntamente com a consultoria WayCarbon. O secretário-geral mundial da ICC, John Denton, enviou carta a ministros de mais de 130 países apontando como alta prioridade do setor privado na COP26, em Glasgow, um acordo com regras “robustas e funcionais” para operacionalizar o artigo 6 do Acordo Climático de Paris sobre os mercados internacionais de carbono. Diz ser um componente considerado essencial crucial, com potencial de aumentar significativamente a ambição e a ação climática, e reduzir custos, através de um maior envolvimento do setor privado e de financiamentos, tecnologia e expertise mais difundidos para incentivar a ação climática. Conforme Denton, a implementação do artigo 6 poderia reduzir o custo total da implementação dos compromissos climáticos nacionais em mais da metade de um total de US$ 250 bilhões por ano em 2030.”

Fonte: Valor Econômico, 22/10/2021

A Dama da COP: “Essa é a cúpula da ambição e da ação”

“A mobilização inédita do setor privado em relação à agenda climática e o maior engajamento dos Estados Unidos — o maior emissor do mundo — na pauta trouxeram grandes expectativas em relação à COP26, que acontecerá em Glasgow. Mas, mais do que divulgar compromissos ambiciosos para redução de emissões, países e empresas precisarão mostrar como pretendem chegar lá, afirma Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) e uma das principais articuladoras da agenda climática e ambiental no setor privado do país. “Essa vai ser a COP da ambição e da ação — e isso vale tanto para os países quanto para as empresas. Nem nas mesas de negociação e nem na imprensa, ninguém vai ganhar uma linha se não mostrar o que está fazendo”, diz a executiva.”

Fonte: Capital Reset, 22/10/2021

Produtos

XP lança fundo ESG de ‘economia limpa’ em parceria com gestora francesa

“A corretora XP Investimentos lançou, nesta quinta-feira (21), um novo fundo ESG (sigla em inglês para práticas ambientais, sociais e de governança corporativa) em parceria com a gestora francesa AXA IM, que tem cerca de US$ 1 trilhão em ativos sob gestão. O produto investe em empresas que trabalham com o conceito de “economia limpa” em quatro principais áreas: transporte de baixo carbono, preservação de recursos naturais, energia inteligente e tecnologia agrícola. Chamado de AXA Clean Economy Limpa, o fundo é voltado a investidores qualificados (que têm no mínimo R$ 1 milhão em aplicações financeiras), tem taxa de administração de 0,8% ao ano e aporte inicial de R$ 500, sem taxa de entrada ou saída. O fundo temático de ações engloba empresas de diversas regiões do mundo, incluindo Estados Unidos, Espanha, França e Alemanha, e de diversos setores, como saúde, tecnologia e imobiliário. Entre elas, estão Hannon Armstrong, NextEra Energy, Siemens, Tesla, entre outras.”

Fonte: Valor Investe, 21/10/2021

Política

Mato Grosso concentra metade da exploração de madeira em toda Amazônia

“Um mapeamento sobre exploração madeireira aponta que, entre os meses de agosto de 2019 e julho de 2020, metade de toda essa atividade na Amazônia ocorreu no Mato Grosso. Ao todo, foram explorados 234,2 mil hectares de florestas nativas no Estado. Deste total, 38% registraram extrações ilegais. O desmatamento, englobando todos os tipos de causa – como abertura de pastagem, por exemplo –, costuma ser liderado pelo Pará, mas é do Mato Grosso que tem saído a maior parte dos troncos que abastecem o setor. Na prática, a área explorada para fins exclusivamente madeireiros no Mato Grosso foi equivalente à soma do volume extraído nos outros seis Estados da Amazônia Legal com atividade madeireira: Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia e Roraima. Os dados fazem parte de um relatório técnico do Instituto Centro de Vida (ICV). Para realizar o levantamento, o instituto se baseia no Sistema de Monitoramento da Exploração Madeireira (Simex) do Imazon, e em informações da Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema/MT).”

Fonte: Estadão, 22/10/2021

Terceiro Setor

Projetos que combatem seca com tecnologia terão piloto no sertão nordestino

“Quatro projetos com soluções para enfrentar a seca no semiárido foram selecionados no Lab Água, programa da Votorantim Energia e do Instituto Votorantim. As iniciativas incluem melhoria do acesso à água e soluções de convivência com a escassez hídrica. São elas GeoGO (Brasília, DF), SDW (Salvador, BA), Versati (Campinas, SP) e o Instituto Nacional do Semiárido – Insa (Campina Grande, PB). Todas receberão capital semente, no valor total de R$ 230 mil, para validar seus projetos na Serra do Inácio, divisa entre Pernambuco e Piauí, a partir de novembro deste ano.”

Fonte: Folha de São Paulo, 21/10/2021

Internacional

Empresas

BlackRock se opôs à reeleição de 800 diretores de empresa no terceiro trimestre

“A BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, disse na quinta-feira que votou contra a reeleição de mais de 800 diretores da empresa durante um terceiro trimestre dominado pela Ásia para assembleias gerais anuais. O maior número de votos – 320 – foi em resposta às preocupações em torno da independência dos conselheiros, com 227 votos em questões relacionadas à diversidade da diretoria, 113 em questões salariais e 80 relacionadas a muitos outros cargos dos conselheiros. A votação ocorreu após 571 engajamentos com 520 empresas distintas, em linha com o mesmo período do ano anterior, sendo a governança o tema mais discutido, informou em relatório. Mudanças climáticas e capital natural, que abrange temas como desmatamento e uso da água, foram discutidos em mais da metade das reuniões, acrescentou.”

Fonte: Reuters, 21/10/2021

Política

O primeiro título de capitalização verde do Reino Unido oferece taxa mais baixa do que os concorrentes

“O título de poupança verde inaugural do Reino Unido oferecerá aos compradores um retorno menor sobre seus investimentos do que os produtos concorrentes, já que o governo aposta no compromisso ambiental dos investidores para impulsionar a demanda. O National Savings & Investments, o esquema de poupança apoiado pelo governo, disse que seu primeiro título verde, que estará à venda na sexta-feira, virá com uma taxa fixa de 0,65% ao longo de três anos. Apelidado de “ouro livre de culpa”, após a margem de ouro sobre os certificados de dívida tradicionais do Reino Unido, o produto dos títulos financiará os gastos do governo em projetos ambientais, como investimento em energia renovável, infraestrutura de transporte verde e prevenção da poluição, disse a NS&I. “O Reino Unido já é um líder mundial em finanças verdes e esses novos títulos de capitalização inovadores proporcionarão retornos financeiros e benefícios ambientais, de forma transparente e segura”, disse o chanceler Rishi Sunak, que pressionou pelo lançamento de títulos verdes do Reino Unido para sinalizar o compromisso com o financiamento ambiental antes da conferência do clima COP26 no próximo mês.”

Fonte: Financial Times, 21/10/2021

Regulação

O Fed reprime as negociações de funcionários de alto escalão na tentativa de acabar com o escândalo de ética

“O Federal Reserve proibiu na quinta-feira a compra de ações individuais por seus principais funcionários e revelou um amplo conjunto de outras restrições sobre suas atividades de investimento, agindo cerca de seis semanas após relatos de negociações ativas por alguns legisladores do banco central dos EUA desencadearam um alvoroço ético. As novas regras limitarão os tipos de títulos financeiros que os altos funcionários do Fed podem possuir, incluindo a proibição de comprar ações individuais ou manter títulos individuais e títulos garantidos por agências. Também exige um aviso prévio de 45 dias e aprovação de qualquer transação e estipula que os investimentos sejam mantidos por pelo menos um ano. “Essas novas regras rígidas elevam o nível de exigência para garantir ao público que servimos que todos os nossos altos funcionários mantenham um foco único na missão pública do Federal Reserve”, disse o presidente do Fed, Jerome Powell, em um comunicado.”

Fonte: Reuters, 21/10/2021


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.