Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 06/09

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado encerrou o pregão de sexta-feira levemente em alta, com o Ibov e ISE subindo +0,21% e +0,38%, respectivamente. Contudo, o ganho não foi capaz de compensar as quedas ao longo da semana, com ambos os índices recuando -2,3%.

• No Brasil, do lado das empresas, a Natura está lançando, em parceria com o Mapbiomas, o InfoAmazonia e o Hacklab, o site chamado PlenaMata – uma plataforma para monitorar em tempo real o desmatamento na Amazônia. No campo político, Bruno Funchal, secretário especial do Tesouro e Orçamento, comentou em evento sexta-feira sobre o diálogo com investidores estrangeiros, destacando que eles questionam 3 pontos principais: fiscal, ambiental e político – no ambiental, o secretário destacou que (i) o Plano Anual de Financiamento (PAF) incorporou a pauta ESG; e (ii) segundo ele, há planos para, em algum momento, emitir bônus soberanos ESG.

• Além disso, no internacional, as principais associações marítimas propuseram a criação de um imposto global sobre as emissões de carbono dos navios para ajudar a acelerar os esforços da indústria para se tornar mais verde. Com cerca de 90% do comércio mundial transportado por mar, o transporte marítimo global é responsável por quase 3% das emissões mundiais de CO2 e o setor está sob pressão crescente para se tornar mais limpo.

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Natura lança plataforma para monitorar desmatamento na Amazônia

“A marca de cosméticos Natura, do grupo Natura&Co, está lançando, em parceria com o Mapbiomas, o InfoAmazonia e o Hacklab, uma plataforma para monitorar desmatamento na Amazônia. O site, batizado de PlenaMata, vai monitorar em tempo real o desmatamento, reunindo dados das instituições que acompanham a floresta, além de informações sobre iniciativas de preservação e conteúdo editorial, com reportagens que ajudem a tornar mais fácil a compreensão dos números. Durante a redação desta nota, por exemplo, o monitor apontava que 1.374.350 árvores têm sido derrubadas por dia em 2021. Disponível em português e inglês, o PlenaMata tem como foco, na etapa de lançamento, o monitoramento da Amazônia legal brasileira, que representa cerca de 60% do bioma.”

Fonte: Valor Econômico, 03/09/2021

Produtos da floresta, ecoturismo e parcerias: Caminhos para proteger a Amazônia

“Em um cenário de devastação ambiental da Amazônia, têm surgido ações que mostram que é possível salvar a maior floresta tropical do mundo e ainda lucrar com isso. São iniciativas que servem como inspiração para o presente e o futuro da Amazônia, mesmo diante das adversidades. A destruição alcançou 813 mil km² em 2020, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), com o número de focos de fogo chegando a 130 mil no ano. Os efeitos da devastação aparecem no amplo estudo “Fatos da Amazônia”, publicado no site Amazônia 2030, plataforma que reúne documentos sobre a crise ambiental. Os estudos mostram a destruição da natureza no Brasil em dois macroambientes: o bioma Amazônia e Amazônia Legal.”

Fonte: Estadão, 04/09/2021

Exploração de madeira avança em três Estados da Amazônia, mostra estudo

“A área de divisa de três Estados – Mato Grosso, Rondônia e Amazonas – está sofrendo uma pressão de desmatamento que já começa a alterar o chamado “arco do fogo” da destruição da floresta no bioma amazônico. A extração de madeira avança sobre o território da floresta, mostra levantamento que avalia o impacto na área. O trabalho mostra o impacto da retirada de madeira na área central daquela divisa tríplice, atingindo também áreas públicas de preservação. Os dados são de uma parceria das entidades Imazon, Imaflora, Idesam e Instituto Centro de Vida (ICV) com a Rede Sistema de Monitoramento da Exploração Madeireira (Rede Simex). O levantamento mostra que a exploração de madeira se concentra fortemente na região no norte do Mato Grosso, que lidera a exploração com 236 mil hectares afetados, metade da área de extração (51%).”

Fonte: Estadão, 04/09/2021

Lideranças debatem até que ponto é possível reduzir as emissões de carbono nos processos produtivos

“[…] Não há dúvida de que a agenda ESG entrou de vez no radar das empresas, quase sempre com o apoio irrestrito da alta liderança. O grande desafio agora é inserir a lente da sustentabilidade nos processos de tomada de decisão e incluir o ESG de fato nas estratégias de negócios. A boa notícia é que o que antes era visto com um custo operacional, hoje pode ser um passaporte para captação de investimentos. “Hoje temos uma indústria financeira muito melhor equipada e preparada para empurrar as empresas na direção da incorporação da agenda ESG. A quantidade de títulos com “carimbo ESG” emitidos pelas empresas dobrou em relação a 2018, superando os US$ 730 bilhões em 2020. Somente no primeiro trimestre de 2021, o volume já atingiu US$ 470 bilhões. Isso mostra que as empresas estão conseguindo assumir compromissos e, a partir daí, captar recursos para cumpri-los”, explica Clarissa Lins, da Catavento.”

Fonte: Valor Econômico, 03/09/2021

Política

Governo reforçou colchão de liquidez para lidar com período de volatilidade, diz Funchal

“[…] Bruno Funchal, secretário especial do Tesouro e Orçamento, foi questionado sobre o diálogo com investidores estrangeiros. Comentou que, desde que o Brasil perdeu o grau de investimento, a participação de estrangeiros diminuiu bastante e hoje a dívida é financiada basicamente por locais. Nem por isso o governo deixou de olhar para o interesse dos estrangeiros. Esses investidores questionam sobre três pontos principais: fiscal, ambiental e político. O secretário destacou que o Plano Anual de Financiamento (PAF) incorporou a pauta ESG (sigla em inglês para aspectos ambientais, sociais e de governança). Há planos para, em algum momento, emitir bônus soberanos ESG.”

Fonte: Valor Econômico, 03/09/2021

Opinião

Contratações em tecnologia perpetuam exclusão social e dificultam diversidade

“Um relatório conduzido pela McKinsey & Company, com mais de mil empresas em 12 países, defende que a diversidade é alavanca importante de performance financeira das empresas. Ou seja, a inclusão confere às companhias uma vantagem competitiva considerável. A análise amplia e aprofunda a pesquisa “Why diversity matters?” (“Por que diversidade é importante?”) realizada em 2015. Acontece que o progresso de iniciativas de diversificação dos profissionais contratados tem sido lento. Gestores hesitam em apontar o modo mais eficaz de atrelar as próprias metas de crescimento e criação de valor à sua capacidade de formar equipes mais diversas.”

Fonte: Folha de São Paulo, 03/09/2021

Brasil e o desafio da emissão zero

“Uma aliança formada por 70 presidentes de grandes empresas globais, entre elas a KPMG, enviou recentemente uma carta endereçada aos líderes do G-7, grupo formado pelas sete principais nações mundiais, como os EUA, Alemanha, Canadá, França, Itália, Japão e Reino Unido. O tema foi a mudança climática. Cinco meses antes da realização da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, que acontecerá em novembro deste ano, no Reino Unido, o objetivo dos empresários foi enfatizar a colaboração público-privada como vital para uma economia baseada na emissão zero de carbono em 30 anos. Entre as recomendações na carta as principais são a eliminação de todos os subsídios aos combustíveis fósseis e a obrigatoriedade para que todas as empresas estabeleçam metas de descarbonização. Dados recentes mostraram que o país se tornou o quinto maior emissor de gases do efeito estufa no ano passado, o ano da pandemia. Isso se deu em grande parte por causa do desmatamento e aumento dos incêndios florestais”

Fonte: Valor Econômico, 06/09/2021

Uma nova Amazônia para o Brasil do futuro

“O Brasil abraça a retomada do crescimento em um novo momento do mundo. A nova agenda é ampla, e nenhuma pauta revela tanto sobre o nosso futuro quanto o modelo de desenvolvimento que escolheremos para a Amazônia. Tendo a importância do bioma em vista, nos unimos há pouco mais de um ano, os três maiores bancos privados do País, com o objetivo de contribuir de forma propositiva, com ações concretas e que se relacionem com as nossas atividades no setor financeiro, envolvendo pelo exemplo outras empresas e a sociedade em geral. Nasceu ali o Plano Amazônia, como batizamos a iniciativa que teve como ponto de partida uma relação de dez compromissos visando ao desenvolvimento estruturado e sustentável do território amazônico.”

Fonte: Estadão, 05/09/2021

Internacional

Empresas

Indústria naval propõe taxa para acelerar futuro carbono zero

“As principais associações marítimas propuseram a criação de um imposto global sobre as emissões de carbono dos navios para ajudar a acelerar os esforços da indústria para se tornar mais verde. Com cerca de 90% do comércio mundial transportado por mar, o transporte marítimo global é responsável por quase 3% das emissões mundiais de CO2 e o setor está sob pressão crescente para se tornar mais limpo. Pela primeira vez, a Câmara Internacional de Navegação (ICS) e a Intercargo propuseram em conjunto uma taxa baseada nas contribuições obrigatórias dos navios que comercializam globalmente, excedendo 5.000 toneladas brutas, para cada tonelada de CO2 emitida. O dinheiro arrecadado iria para um fundo climático que seria usado para implantar infraestrutura de abastecimento em portos ao redor do mundo para fornecer combustíveis mais limpos, como hidrogênio e amônia, de acordo com a proposta.”

Fonte: Reuters, 06/09/2021

WhatsApp é multado por não informar ao usuário como compartilha dados com o Facebook

“Após uma investigação de dois anos, a Irlanda multou o WhatsApp em 225 milhões de euros, o equivalente a R$ 1,4 bilhão, por violar a lei da privacidade da União Europeia. O aplicativo de conversas não informou aos usuários como compartilhou dados com o Facebook, controlador do WhatsApp. As informações são do jornal Financial Times. A penalidade está entre as mais altas atreladas à lei na União Europeia, quatro vezes maior do que a aplicada até então. Autoridades do bloco interviram na investigação da Irlanda sobre o aplicativo de mensagens e forçaram o país a aumentar o valor. A lei da privacidade da União Europeia começou a valer em 2018 e exige que as companhias de tecnologia obtenham o consentimento claro dos usuários para muitas formas de coleta de dados.”

Fonte: Valor Investe, 05/09/2021

Ação climática não pode esperar pelo fim da pandemia, alertam publicações médicas

“O aquecimento global afeta tanto a saúde das pessoas que a ação climática emergencial não pode esperar enquanto o planeta enfrenta a pandemia de covid-19, alertaram publicações médicas de todo o mundo nesta segunda-feira (domingo, 5, no Brasil). “A saúde já está sendo prejudicada pelo aumento da temperatura global e pela destruição do mundo natural”, advertiu um editorial publicado por mais de 20 revistas de prestígio como Lancet, British Medical Journal e National Medical Journal of India. O editorial, escrito pelos diretores das publicações, aponta que esse fenômeno climático é responsável por inúmeros problemas de saúde. “Nos últimos 20 anos, a mortalidade por calor entre pessoas com mais de 65 anos aumentou mais de 50%”, afirmou. Desde a era pré-industrial, as temperaturas aumentaram cerca de 1,1ºC.”

Fonte: Isto É, 05/09/2021

Piaggio, KTM, Honda e Yamaha criam consórcio de baterias substituíveis

“A fabricante italiana de scooters Piaggio disse na segunda-feira que montou um consórcio com a Honda Motor Co., KTM AG e Yamaha Motor Co. para encorajar o uso de baterias substituíveis para motocicletas elétricas e veículos elétricos leves. O Swappable Batteries Motorcycle Consortium (SBMC) visa ampliar o uso de veículos elétricos leves, como scooters, ciclomotores e motocicletas, e apoiar uma gestão mais sustentável de suas baterias, disse um comunicado conjunto. Ele se concentrará em questões como vida útil da bateria, tempos de recarga, infraestrutura e custos e trabalhará na definição de especificações técnicas de padrão internacional para baterias substituíveis. As empresas do consórcio disseram ter dado as boas-vindas a outras pessoas que se juntassem a elas para estender os padrões ao maior número possível de empresas.”

Fonte: Reuters, 06/09/2021

Grupos de concessionárias de eletricidade desconfiam das ambições de energia limpa dos democratas

“Os democratas querem reduzir as emissões de carbono da rede elétrica dos EUA. Mas grupos que representam milhares de concessionárias de energia elétrica menores estão temerosos de serem recrutados para a campanha. O Congresso dos Estados Unidos, liderado pelos democratas, aprovou na semana passada uma estrutura de orçamento de US$ 3,5 trilhões para incluir um “programa de pagamento de eletricidade limpa”, que recompensaria as concessionárias que vendessem mais energia com emissão zero de carbono e penalizaria as que vendessem menos. A meta é incitar as concessionárias a vender 80% de sua eletricidade de fontes limpas até 2030, ante cerca de 40% agora. Duas associações comerciais juntas, representando a maioria das empresas de serviços públicos do país, levantaram preocupações sobre os custos de tal programa, no entanto, complicando sua aprovação.”

Fonte: Financial Times, 02/09/2021

Política

Lista Verde reconhece esforços de preservação da biodiversidade

“A União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) apresentou neste sábado (4) uma nova lista para analisar os êxitos na luta contra o declínio da biodiversidade no mundo: a Lista Verde. A UICN é mais conhecida por sua Lista Vermelha, criada em 1964, que classifica animais e plantas em nove categorias com base no grau de ameaça de extinção. Durante décadas, esta classificação permitiu alertar sobre a dramática situação de algumas espécies, com o objetivo de identificá-las e formular e aplicar políticas e medidas de proteção. A Lista Verde das Espécies tem dois objetivos: “medir a regeneração das espécies, algo que não foi feito até agora” e saber o impacto dos programas de conservação, explicou a coordenadora do grupo de trabalho da UICN sobre esta nova classificação, Molly Grace, em coletiva de imprensa no Congresso Mundial de Conservação, em Marselha (França).”

Fonte: Isto É, 04/09/2021


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.