Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 15/10

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado encerrou o pregão de ontem em território negativo, com o Ibov e o ISE em leve queda de -0,2% e -0,5%, respectivamente.

• Do lado das empresas, um estudo produzido pelo Observatório da Transparência, iniciativa da Global Reporting Initiative (GRI), mostrou quais são as empresas brasileiras mais transparentes na divulgação de informações sobre sustentabilidade a partir da avaliação de relatórios anuais, integrados e de sustentabilidade de mais de 70 companhias.

• No campo político, (i) o Brasil espera aproveitar a CoP 26 para desfazer a imagem de vilão ambiental, com os ministérios das Relações Exteriores e do Meio Ambiente avaliando, inclusive, aumentar a meta de redução de emissões como gesto de boa vontade durante a conferência (o país já se comprometeu a reduzir emissões em 37% até 2025 e 43% até 2030, em relação a 2005, e a ideia, ainda em gestação, é aumentar esse último índice a 45%); e (ii) a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que o Brasil vai mostrar na CoP 26 os avanços que teve na sustentabilidade da produção agropecuária, ao mesmo tempo em que reconheceu que é possível melhorar e invocou a parceria estratégica com a China para ajudar nesse desenvolvimento.

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Estudo traz empresas mais transparentes em sustentabilidade

“Entre as maiores empresas brasileiras, Banco do Brasil, Bradesco, BRF, Cemig, Cielo, CPFL Energia, EDP, Eletrobras, Engie, Itaú Unibanco, Lojas Renner, Natura, Petrobras e Suzano são as mais transparentes na divulgação de informações sobre sustentabilidade. A conclusão é de um estudo produzido pelo Observatório da Transparência, iniciativa do conselho consultivo no Brasil da Global Reporting Initiative (GRI), instituição dedicada ao desenvolvimento de padrões para relatórios de sustentabilidade. A pesquisa, divulgada com exclusividade ao Valor, foi feita com base na avaliação de relatórios anuais, integrados e de sustentabilidade de mais de 70 companhias a partir de critérios como clareza e confiabilidade. Foi avaliado, por exemplo, se o momento em que o relatório foi divulgado ao mercado se mostrou o mais oportuno; se o documento é atestado por uma terceira parte independente; e se as informações que constam nele são coerentes com o que é divulgado pela companhia em releases ou no Formulário de Referência enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).”

Fonte: Valor Econômico, 15/10/2021

Braskem Idesa emite US$ 1,2bi em bonds atrelados à sustentabilidade

“A Braskem Idesa, joint venture formada pela brasileira Braskem e pela petroquímica mexicana Idesa, conseguiu levantar US$ 1,2 bilhão com a emissão de bonds atrelados a metas ambientais, os chamados sustainability-linked bonds (SLB). Os títulos têm prazo de dez anos e o yield ficou em 7%, disse o diretor financeiro da companhia, Danilo Garcez, ao Valor. A demanda pelos papéis chegou a US$ 3,9 bilhões, o que, segundo ele, demonstra a confiança do investidor. “Muitas casas deram ordens de US$ 100 milhões ou mais.” Pelo modelo de uma SLB, a companhia se compromete com uma meta de sustentabilidade que, após um prazo, é verificada por terceiros. Se ela não for cumprida, a taxa do papel tem um acréscimo.”

Fonte: Valor Econômico, 15/10/2021

Política

Governo cogita proposta mais ambiciosa de redução de emissões

“O Brasil espera aproveitar a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (CoP 26) para desfazer a imagem de vilão ambiental construída nos dois primeiros anos do governo Jair Bolsonaro perante a comunidade internacional. Derrubar desconfianças e alterar a percepção sobretudo de negociadores americanos e europeus – além de mostrar que o país quer colaborar para um acordo que leve à efetiva redução as emissões de gases de efeito estufa – talvez sejam os maiores desafios do país no evento, que ocorre entre 31 de outubro e 12 de novembro em Glasgow, na Escócia. Os ministérios das Relações Exteriores e do Meio Ambiente avaliam, inclusive, aumentar a oferta brasileira de redução de emissões como gesto de boa vontade durante a conferência. O país já se comprometeu a reduzir suas emissões em 37% até 2025 e 43% até 2030, em relação a 2005 – proposta já chamada de “manobra contábil” ambiental por especialistas. Uma ideia, ainda em gestação, é aumentar esse último índice a 45%.”

Fonte: Valor Econômico, 15/10/2021

Parceria com China é peça-chave na sustentabilidade do agro, diz Tereza Cristina

“A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta quinta-feira que o Brasil vai mostrar na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 26), na Escócia no próximo mês, os avanços que teve na sustentabilidade da produção agropecuária. Mesmo assim, ela reconheceu que é possível melhorar e invocou a parceria estratégica com a China para ajudar nesse desenvolvimento. “Na COP 26 teremos a oportunidade de apresentar os avanços do Brasil nesse setor. Sabemos que podemos ir muito além, temos condições de aumentar nossa produtividade, aproximando produtor das necessidades do mercado internacional e fortalecendo o compromisso com o crescimento econômico e a conservação ambiental”, afirmou durante evento do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC). “O Brasil é exemplo de produção com sustentabilidade. O agronegócio brasileiro tem colecionado resultados que transformaram o país em potência agroambiental”, pontuou.”

Fonte: Valor Investe, 14/10/2021

Regulação

Ações para prevenir incidentes cibernéticos devem ser redobradas, diz diretor do BC

“O diretor de Regulação do Banco Central, Otavio Damaso, afirmou que, em meio ao forte processo de digitalização pelo qual passa o sistema financeiro, as ações para prevenir e mitigar incidentes cibernéticos devem ser redobradas. A declaração foi feita na abertura do 11º Congresso Internacional de Gestão de Riscos. “A prevenção de incidentes cibernéticos, em todas as dimensões, é um ponto de atenção permanente. A crescente digitalização do sistema financeiro é extremamente desejável, traz inúmeros benefícios em vários segmentos e o BC vai continuar incentivando isso. Mas ações de prevenção e mitigação de incidentes cibernéticos devem ser redobradas, tanto nas instituições financeiras como nas infraestruturas de mercado. Essas políticas devem ser revisadas e praticadas por todos os stakeholders.”Segundo ele, as ações de contingência também são uma peça-chave. Damaso ressaltou que o sistema financeiro deve manter um nível máximo de resiliência cibernética, com o propósito também de assegurar a manutenção da credibilidade que a sociedade deposita nas instituições financeiras.”

Fonte: Valor Investe, 13/10/2021

Opinião

Agenda climática e comércio internacional

“O Mecanismo de Ajustamento Carbônico Fronteiriço ou CBAM, na sigla em inglês (“Carbon Border Adjustment Mechanism”), é um dos alvos da União Europeia para, em 2030, reduzir em pelo menos 55% suas emissões líquidas de gases com efeito estufa comparadas às emissões de 1990 e, em 2050, alcançar a meta global de ter zero emissões. Criado com o conceito de evitar o vazamento de carbono e com aplicação inicial apenas aos setores do ferro e aço, cimento, fertilizantes, alumínio e energia, o CBAM busca equalizar o preço do carbono entre produtos nacionais e importados, impondo a importadores a obrigatoriedade de adquirir certificados, que levarão em conta o custo do carbono se, em um cenário hipotético, os produtos importados tivessem sido produzidos nos mesmos padrões da UE; ou de demonstrar que o preço do carbono já foi pago e as ações de neutralidade implementadas para que o custo adicional de importação seja deduzido.”

Fonte: Valor Econômico, 15/10/2021

‘Desmitos’ do ESG

“Há cerca de dois anos o tema ESG (Environmental, Social and Governance) chegou na mídia. E conforme a onda sobre o tema se expandiu e ganhou ressonância em praticamente todas as empresas e em diferentes camadas da sociedade, alguns “profetas do atraso” passaram a prometer derrubar os mitos que envolvem o ESG. Pois bem, o debate sobre um tema é sempre bastante saudável, principalmente, quando as lentes da discussão estão calibradas para o atual contexto do mundo e não para um passado que já não mais condiz com a realidade dos fatos e dos dados. […] É perfeitamente possível unir lucro e responsabilidade. E arriscamo-nos dizer que boa parte das empresas mais admiradas e bem-sucedidas da atualidade já pensam desta maneira – inclusive, há pesquisas globais e com recorte nacional que mostram que as empresas só têm a ganhar adotando esse pensamento na prática.”

Fonte: Estadão, 14/10/2021

ESG? Investidores buscam empresas com sólidas iniciativas em ESGD

“A implantação da sustentabilidade em seus diferentes âmbitos torna-se mandatória para as empresas, já que o tema está ganhando relevância em toda a sociedade. Os investidores utilizam os relatórios ESG como parâmetro de avaliação para aplicarem seus recursos, priorizando companhias que respondam de forma positiva a todos os critérios e invistam em programas de fomento à diversidade e inclusão. […] Porém, acredito que a sigla ESG poderia ser transformada em ESGD, incluindo a diversidade como um poderoso pilar de investimento, afinal, inúmeras pesquisas mostram que implantar projetos de diversidade gera retorno financeiro para as companhias e, ao mesmo tempo, impacta positivamente a sociedade.”

Fonte: Você S/A, 08/10/2021

Terceiro Setor

Cozinhas solidárias na luta contra a fome

“A pandemia de Covid-19 acelerou um quadro de fome que já vinha com tendência crescente no país. Mais da metade dos brasileiros vive hoje em situação de insegurança alimentar e não sabe o que vai comer no próximo dia. A ONU (Organização das Nações Unidas) constatou em sua mais recente pesquisa que mais de 800 milhões de pessoas enfrentaram a fome no mundo em 2020, aumento de 20% em apenas um ano. Ficou evidente a exclusão social dessas pessoas e o conjunto de vulnerabilidades privação de direitos fundamentais a que estão submetidas.”

Fonte: Folha de São Paulo, 14/10/2021

Escola de negócios reafirma compromisso com educação para redução de desigualdades

“A Fundação Dom Cabral celebra em outubro um ano da criação de braço social que amplia o acesso à educação. A escola de negócios reuniu iniciativas que geram autonomia, dignidade e prosperidade para jovens em situação de vulnerabilidade, empreendedores populares e organizações sociais. Criado em outubro de 2020, o FDC – Centro Social Cardeal Dom Serafim incorporou a Fundação José Fernandes de Araújo, que ofertava bolsas de graduação para jovens em instituições renomadas. No primeiro semestre de 2021, foram concedidas 82 bolsas e 66 renovações. “Não há crescimento econômico sustentável sem respaldo de ações sociais que possibilitem que as desigualdades sejam reduzidas”, diz Nádia Rampi, diretora estatutária e líder do FDC – Centro Social Cardeal Dom Serafim.”

Fonte: Folha de São Paulo, 14/10/2021

Internacional

Política

Regulação

Os chefes dos bancos do Fed, em carta ao senador Warren, prometem cumprir a revisão de ética

“Os presidentes dos bancos regionais do Federal Reserve dos EUA responderam às críticas de suas regras de ética feitas pela senadora democrata Elizabeth Warren com uma carta conjunta saudando a revisão do assunto pelo Conselho de Governadores do Fed e se comprometendo a fazer todas as alterações resultantes desse processo. “Recentemente, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, instruiu a equipe do Conselho de Governadores a realizar uma revisão abrangente das regras de ética em relação a participações financeiras e atividades permitidas por funcionários seniores do Federal Reserve”, disseram os presidentes, de acordo com uma cópia da carta vista pela Reuters . “Agradecemos esta importante revisão e aplicaremos todas as alterações resultantes ao Código de Conduta de cada Federal Reserve Banks.” A breve carta, datada de 20 de setembro, foi escrita pelo presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, em nome de todos os bancos e assinada por cada um dos presidentes dos bancos.”

Fonte: Reuters, 14/10/2021

Opinião

Ngozi Okonjo-Iweala: A adoção de um preço global de carbono é essencial

“No mês passado, a comunidade científica confirmou o que a maioria de nós já sabe. A mudança climática está aqui. Se não for diminuída, a frequência e a intensidade de seus impactos só vão piorar. Já estamos vendo a perda de vidas e o efeito na estabilidade macroeconômica. É essencial tomar medidas ousadas por meio da introdução de um preço global de carbono. O ímpeto da mudança climática está aumentando, com governos e empresas prometendo obter emissões líquidas de carbono zero até 2050 ou antes. Muitos já adotaram uma série de iniciativas. Os membros da Organização Mundial do Comércio notificaram formalmente mais de 4.500 medidas relacionadas ao clima, desde 2009, desde impostos diretos até a regulamentação, e discutiram suas implicações comerciais. No entanto, ainda estamos bem aquém do que é necessário para limitar o aquecimento global a 1,5 ou até 2 graus Celsius. A COP26, a conferência climática da ONU no mês que vem, testará a vontade política para fechar a lacuna.”

Fonte: Financial Times, 14/10/2021


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.