Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 08/07

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Itaú fará parte de plataforma para compensar carbono

“O Itaú Unibanco anunciou o lançamento de uma plataforma de compensação de carbono, o Project Carbon, em parceria com bancos internacionais. O Canadian Imperial Bank of Commerce (CIBC), National Australia Bank (NAB) e NatWest Group (antigo Royal Bank of Scotland) também fazem parte do acordo. “(…) O projeto ajuda a remover algumas das barreiras existentes à compra de compensação voluntária de carbono”, afirmou o Itaú em comunicado. De acordo com o banco, a iniciativa está alinhada com a força-tarefa para escalagem dos mercados de carbono voluntários (TSVCM, na sigla em inglês). O mercado voluntário de carbono é aquele em que qualquer participante pode comprar ou vender créditos de carbono num ambiente não regulado.”

Fonte: Valor Econômico, 08/07/2021

Pacto inclui equidade racial na pauta ESG

“Transformar as empresas em agentes efetivos no combate à desigualdade racial no país. Esta é uma das premissas do Pacto de Promoção da Equidade Racial que está sendo lançado hoje. O movimento quer trazer a questão para o centro do debate econômico brasileiro propondo a implementação de um Protocolo ESG Racial, que servirá como um guia para companhias interessadas em atender as demandas por mais equidade, incentivando a adoção de ações afirmativas e investimentos sociais, com o intuito de melhorar a educação pública e a formação de profissionais negros no país. O pacto foi desenvolvido durante um ano por um grupo de 140 apoiadores. Entre eles, estão investidores institucionais, empresários, CEOs, representantes do movimento negro, terceiro setor, ONGs, acadêmicos, advogados, matemáticos e pesquisadores, que têm a ambição de conseguir, no tempo do crescimento de uma geração, melhorar a educação pública para conseguir obter uma representação mais justa dos profissionais negros no mercado de trabalho. “Sem o envolvimento da sociedade civil, não conseguimos transformar a qualidade da educação e quebrar o ciclo da desigualdade social no país”, diz Jair Ribeiro, um dos idealizadores do pacto e presidente da ONG Parceiros da Educação.”

Fonte: Valor Econômico, 08/07/2021

Empresas têm destaque por promover mulheres, mas o que torna esses negócios especiais?

“No último dia 25 de junho, foi divulgado o quinto ranking GPTW Mulher, organizado pela Great Place to Work, empresa de consultoria que analisa o ambiente de trabalho de empresas. O top três foi formado por Johnson & Johnson, Dell Technologies e Mercado Livre, sendo esta em primeiro lugar. O ranking é feito com companhias de, no mínimo, 100 funcionários. Elas também precisam ser uma Empresa Certificada GPTW e preencher o questionário referente à inclusão de mulheres no mundo corporativo. Essa edição do ranking Mulher contou com 641 empresas inscritas, representando 741.665 funcionários – 70 empresas foram premiadas, sendo 35 de porte grande e 35 de porte médio.”

Fonte: Estadão, 07/07/2021

O passo inicial para empreender com impacto e propósito

“Retomada econômica inclusiva, energia renovável e sustentável, logística reversa, combate à Covid-19, apoio a pessoas em situação de rua, impacto na periferia, diversidade e inclusão, segurança alimentar, orgânicos, captação de recursos. Seria possível escrever um artigo inteiro com esses temas, que são alvo de impacto de empreendedores socioambientais. Fico pensando o quanto as pessoas devem ficar agoniadas com tantos problemas e desafios que temos no país. A complexidade da nossa civilização e a busca por um estilo de vida de sucesso não-comunitário devem também ajudar nesse processo. Quando dou exemplos de empresas, empreendedores, ONGs, projetos e trabalhos voluntários que existem, as pessoas ficam encantadas, com vontade de sair fazendo. E quase sempre vem aquela pergunta: como posso empreender e gerar impacto?”

Fonte: Folha de São Paulo, 07/07/2021

Política

Acordos coletivos asseguram direitos à comunidade LGBTQIAP+

“A bandeira da diversidade tem ganhado espaço dentro das empresas e agora chegou na negociação sindical. Em 839 acordos e convenções coletivas firmados no ano passado foram assegurados direitos à comunidade LGBTQIAP+, de acordo com levantamento nacional feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), fornecido com exclusividade ao Valor. O número ainda é pequeno. Representa 3,2% das 26 mil negociações firmadas no país. Mas surpreendeu advogados e pesquisadores da área, pelo fato de o tema ser recente na mesa de negociações. A tendência, segundo os especialistas, é que ainda cresça nos próximos anos. “O levantamento surpreendeu. As cláusulas são muito boas para assegurar direitos iguais ao público LGBTQIAP+ ”, diz Daniel Taquiguthi Ribeiro, técnico do Dieese responsável pelo estudo. Em 589 negociações firmadas (70,2% do total), de acordo com os dados colhidos, há cláusulas que tratam de garantias para a união homoafetiva. Há previsões gerais em 495 delas, assegurando os mesmos direitos previstos para a união heteroafetiva.”

Fonte: Valor Econômico, 08/07/2021

Guedes diz que se diminuir privilégios, pode aumentar programas sociais

“O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou hoje que, “se diminuirmos subsídios, privilégios”, é possível aumentar programas sociais. A afirmação foi feita após ele ser questionado na Comissão de Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados sobre o baixo valor das parcelas mais recentes do auxílio emergencial. Guedes disse também que está havendo um ciclo positivo no preço de commodities, o que pressiona os preços. O ministro voltou a defender a criação de um fundo que “transfira riqueza” para a população a partir dos recursos arrecadados com a venda de estatais, citando a Eletrobras e os Correios.”

Fonte: Valor Investe, 07/07/2021

Políticas LGBTQIA+ podem ajudar na recuperação econômica, apontam economistas

“Investir em políticas inclusivas para pessoas LGBTQIA+ pode ajudar na recuperação econômica após perdas com a pandemia, acreditam as economistas americanas Yana van der Meulen Rodgers e Lee Badgett. As duas são autoras, com Kees Waaldijk, de um estudo de 2019 que analisa a relação entre a inclusão LGBT e o desenvolvimento econômico. Em entrevista ao Estadão, as pesquisadoras apontam que, para ajudar na retomada, os países devem promover mais inclusão, de forma legal e social. Com o avanço da vacinação ao redor do mundo e a reabertura econômica, elas avaliam que as autoridades devem voltar seus olhos para o nicho LGBTQIA+ e pôr em prática uma “estratégia de modernização”, como forma de atrair acordos comerciais, investimentos internacionais e turistas.”

Fonte: Estadão, 07/07/2021

Internacional

Empresas

Bancos globais lançarão plataforma de compensação de carbono no mercado voluntário

“Quatro bancos globais vão lançar no mês que vem uma plataforma piloto para comprar e vender créditos de carbono voluntários, disseram eles na quarta-feira, o mais recente sinal de crescente interesse da comunidade financeira no crescente mercado de compensação de carbono. Uma força-tarefa do setor privado para ampliar o mercado voluntário de carbono disse no início deste ano que o mercado precisará crescer 15 vezes para cumprir as metas estabelecidas no acordo climático de Paris e pode valer US$ 5 a US$ 50 bilhões até 2030. NatWest Group da Grã-Bretanha, Canadá O Canadian Imperial Bank of Commerce, o National Australia Bank da Austrália e o Itaú Unibanco do Brasil disseram que sua iniciativa Project Carbon ajudaria a criar um mercado mais líquido para compensações de carbono e ajudaria os clientes a gerenciar os riscos associados aos custos climáticos. “A mudança climática é um dos desafios mais importantes do nosso tempo. Estamos ajudando nossos clientes comerciais e pessoais a entender e reduzir suas pegadas de carbono por meio de parcerias como o Project Carbon”, disse Alison Rose, CEO do NatWest Group.”

Fonte: Reuters, 07/07/2021

Diretores de instituições financeiras da Grã-Bretanha podem ter seus salários vinculados à diversidade da força de trabalho

“Os diretores de instituições financeiras podem ter os salários vinculados ao seu progresso em tornar sua força de trabalho mais diversificada e inclusiva, disseram os reguladores financeiros da Grã-Bretanha em um documento para discussão na quarta-feira. O Banco da Inglaterra e a Autoridade de Conduta Financeira afirmam que o aumento da diversidade e da inclusão melhora a forma como as empresas são administradas e as decisões são tomadas, criando uma indústria mais inovadora que oferece melhores produtos aos consumidores. O vice-governador do Banco da Inglaterra, Sam Woods, disse que isso precisa ser feito para acelerar o progresso na diversidade e inclusão nas empresas financeiras que ele regulamentou. “A falta de diversidade de pensamento pode levar à falta de desafio às visões e formas de trabalho aceitas, o que pode comprometer a segurança e a solidez das empresas”, disse Woods.”

Fonte: Reuters, 07/07/2021

Produtos

BlackRock levanta US$ 250 milhões para fundo climático focado em mercados emergentes

“A BlackRock Inc, a maior gestora de ativos do mundo, disse na quinta-feira que arrecadou mais de US$ 250 milhões para seu fundo de financiamento do clima para investir em países selecionados na Ásia, América Latina e África. O Climate Finance Partnership (CFP) da BlackRock se concentrará em investir em áreas como geração de energia renovável, soluções de armazenamento de energia, serviços de transporte eletrificado e tem como objetivo arrecadar pelo menos US$ 500 milhões, disse a empresa. O consórcio de dez investidores da parceria inclui os governos da França, Alemanha, Japão e outras instituições filantrópicas e investidores institucionais, acrescentou a BlackRock. O gestor de ativos disse que “capital significativo” é necessário para a infraestrutura climática nessas regiões para ajudar a reduzir as emissões de carbono.”

Fonte: Reuters, 08/07/2021

Regulação

SEC deve considerar novos critérios de fundos ‘sustentáveis’, as regras de divulgação de dados

“O presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), Gary Gensler, disse na quarta-feira que o regulador consideraria regras para exigir que os gestores de fundos “sustentáveis” divulguem os critérios e dados subjacentes usados para apoiar o rótulo. Reguladores e ativistas estão se tornando cada vez mais preocupados que os fundos dos EUA que procuram lucrar com a popularidade dos investimentos ambientais, sociais e de governança corporativa (ESG) possam estar enganando os acionistas sobre as participações subjacentes de seus produtos, uma prática conhecida como “lavagem verde”. Gensler disse a um painel da SEC que as regras de fundos potenciais complementariam os novos requisitos de divulgação de riscos de mudanças climáticas de empresas públicas que a agência planeja propor em outubro. Eles também teriam como objetivo eliminar a venda indevida de produtos e estabelecer uma linguagem padronizada em torno do investimento sustentável, disse Gensler ao Comitê Consultivo de Gestão de Ativos da SEC.”

Fonte: Reuters, 07/07/2021

Banco Central do Japão (BOJ) oferecerá empréstimos de longo prazo e taxa zero em um modelo climático

“O banco central do Japão provavelmente oferecerá fundos de longo prazo com juros zero para credores comerciais que fornecem empréstimos ou investimentos para atividades destinadas a combater a mudança climática, disseram fontes familiarizadas com seu pensamento. O plano fará parte de um esboço que será lançado na próxima semana, que apresenta os detalhes do novo modelo de empréstimo do Banco do Japão, que visa incentivar o financiamento verde. A medida colocaria o BOJ em linha com um número crescente de bancos centrais intensificando os esforços para lidar com as consequências econômicas da mudança climática. Segundo a proposta, o BOJ ofereceria empréstimos mais longos do que o normal, que se estendem por vários anos a juros zero, disseram cinco fontes em condição de anonimato devido à delicadeza do assunto. As discussões ainda são preliminares e estão sujeitas a alterações, pois ainda não há consenso dentro do BOJ sobre os termos do financiamento, disseram as fontes.”

Fonte: Reuters, 07/07/2021


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.