Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 19/05

Comece o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG!


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


Brasil

Empresas

Grandes multinacionais de alimentos exigem fim do desmatamento

“Um grupo de 11 grandes companhias globais ligadas ao setor de alimentos, incluindo Nestlé, Danone, Carrefour e Tesco, comprometeu-se ontem a acabar com o desmatamento em suas cadeias de fornecimento e apoiou uma ação da União Europeia para impor rastreabilidade nas commodities importadas que entram no mercado comum. Em comunicado, o grupo, que inclui empresas de toda a cadeia de valor – de fornecedores a fabricantes e varejistas -, diz que “o desmatamento continua em taxas alarmantes” e que o problema, além de ter impactos sobre o clima, também leva à perda de biodiversidade e acentua o crescente risco de pandemias.”

Fonte: Valor Econômico, 19/05/2021

Opinião

Reino Unido, Itália e Brasil compartilham a mesma urgência de preservar o meio ambiente

“Reino Unido, Itália e Brasil compartilham algumas paixões. A primeira, e mais óbvia, é pelo futebol – juntos, os três países somam dez Copas do Mundo e uma rica história de influências compartilhadas. Porém, há uma segunda paixão que, embora menos conhecida, mostra os nossos valores: a admiração pela natureza e a urgência em conservá-la. Alguns dos maiores retratos sobre as belezas naturais brasileiras, por exemplo, foram feitos por um artista britânico, Henry Chamberlain, e por um italiano, Nicola Antonio Facchinetti. Suas obras podem ser vistas no Masp, em São Paulo. Essa paixão, contudo, não se resume à contemplação. Em 2021, ano crucial no combate às mudanças do clima, a liderança climática é outro ponto em comum entre nossos países.”

Fonte: Estadão, 18/05/2021

Internacional

Empresas

Mundo deve renunciar ‘agora’ ao petróleo para atingir metas climáticas, sugere AIE

“Objetivos relacionados à neutralidade de carbono e contenção do aquecimento global só serão alcançados se os países renunciarem “imediatamente” a novos projetos com petróleo e gás natural, estima a Agência Internacional de Energia (AIE) em relatório divulgado nesta terça-feira, 18. O documento, elaborado para fundamentar discussões na 26ª Conferência do Clima da ONU (COP26), prevista para novembro, recomenda também que os carros com motor a combustão parem de ser fabricados até no máximo 2035. A agência avalia que as metas climáticas ainda são realizáveis, embora as possibilidades sejam limitadas. O principal objetivo é impedir que o planeta aqueça mais que 1,5ºC em relação ao período pré-industrial. De acordo com a projeção, isso implica uma mudança completa no panorama de energia, com redução significativa da demanda por combustíveis fósseis e crescimento anual de 4% da eficiência energética a partir da próxima década.”

Fonte: Estadão, 18/05/2021

Investidores apoiam estratégia da Shell para emissões zero, apesar de reação de ambientalistas

“A Royal Dutch Shell conseguiu o apoio dos acionistas para seu plano de transição energética, mas a companhia de petróleo também enfrenta um apoio crescente às demandas de um grupo ativista para que estabeleça metas mais ambiciosas de combate às mudanças climáticas. Quase 89% dos acionistas presentes no encontro anual com os investidores nesta terça-feira votaram a favor da estratégia da Shell de criar uma empresa com emissões zero até 2050.”

Fonte: Valor Econômico, 18/05/2021

Air France usa combustível de aviação sustentável (SAF) para voar para o Canadá enquanto o debate sobre o combustível verde se intensifica

“A Air France-KLM (AIRF.PA) voou um Airbus (AIR.PA) A350 movido a biocombustível de Paris a Montreal na terça-feira, demonstrando a prontidão da companhia aérea em adotar combustível de baixas emissões, apesar das profundas divisões da indústria sobre o ritmo de sua adoção. O vôo 342 da Air France decolou do aeroporto Charles de Gaulle com uma mistura de 16% de combustível de aviação sustentável (SAF) em seus tanques de combustível, produzido na França pela Total (TOTF.PA) a partir de óleo de cozinha usado. O voo sinalizou uma “ambição compartilhada de descarbonizar o transporte aéreo e desenvolver uma cadeia de suprimentos SAF na França”, afirmaram as empresas em comunicado conjunto com a operadora aeroportuária ADP (ADP.PA).”

Fonte: Reuters, 18/05/2021

Apenas 20 empresas produzem 55% dos resíduos plásticos do mundo, indica relatório

“O Índice dos Fabricantes de Resíduos Plásticos identifica pela primeira vez as companhias que fabricam a partir de combustíveis fósseis os cinco polímeros primários que geram a grande maioria dos resíduos plásticos de uso único globalmente e que, ao final de sua vida, poluem os oceanos, são queimados ou jogados em aterros sanitários. Pela análise, a ExxonMobil, dos Estados Unidos, é a principal poluidora global quando se trata desse tipo de material, contribuindo com 5,9 milhões de toneladas. Em seguida aparecem outra organização americana, a Dow, a maior empresa química do mundo, com 5,5 milhões de toneladas. O terceiro lugar ficou com a chinesa Sinopec, do segmento de petróleo e gás, com 5,3 milhões de toneladas. Juntas, elas respondem por 16% do lixo plástico de uso único.”

Fonte: Época Negócios, 18/05/2021

Para enfrentar as mudanças climáticas, a China deve reformar sua vasta rede elétrica

“Um dos desafios mais urgentes para a China cumprir sua promessa de limitar as emissões de carbono nesta década e rumo às energias renováveis é reformar sua rede elétrica, a maior do mundo, dizem autoridades e analistas. O anúncio surpresa de Pequim no ano passado de que atingirá o pico de emissões até 2030 e se tornará neutro em carbono até 2060 pode pressagiar a maior redução no aquecimento global projetado de qualquer compromisso climático até agora, dizem os pesquisadores. Mas construir novas usinas solares e parques eólicos é a parte fácil, dizem os analistas. Atualizar o sistema que transmite essa energia verde para consumidores distantes pode ser cinco vezes mais caro e depende de rápido progresso tecnológico.”

Fonte: Reuters, 19/05/2021

Política

O preço do carbono no Reino Unido é negociado a £50 com a abertura do mercado pela primeira vez

“O preço do carbono no Reino Unido atingiu £50 quando o esquema de comércio de créditos de emissões pós-Brexit da Grã-Bretanha estreou na quarta-feira, sugerindo que os grandes poluidores enfrentarão custos mais elevados do que as empresas na UE sem intervenção governamental. O tão esperado início do comércio de licenças de carbono do Reino Unido, que são projetadas pelo governo para colocar um custo por unidade nas emissões de CO2 e para substituir a participação de empresas do Reino Unido no sistema de comércio de carbono da UE, viu os preços do carbono tão altos quanto £50,23 a tonelada antes de cair ligeiramente para £50 a tonelada.”

Fonte: Financial Times, 19/05/2021

G7 negocia acordo para fim de subsídios a combustíveis fósseis

“Os países do G7 estão trabalhando em um acordo para eliminar os subsídios aos combustíveis fósseis. As conversas avançaram depois de o Reino Unido, que preside interinamente o grupo, ter ganhado o apoio da Itália para a proposta. “Posso confirmar o compromisso da Itália em compartilhar os objetivos da presidência britânica do G7 sobre questões ambientais”, disse o ministro da Transição Ecológica da Itália, Roberto Cingolani, em entrevista à agência Bloomberg. “Não há absolutamente nenhuma relutância por parte do governo italiano.””

Fonte: Valor Econômico, 18/05/2021

Assessora climático de Biden afirma que as usinas nucleares existentes são essenciais para as metas de emissões

“A conselheira nacional do clima da Casa Branca, Gina McCarthy, disse na terça-feira que as usinas nucleares existentes serão necessárias no esforço do governo Biden para atingir as metas de redução das emissões de gases de efeito estufa. “Em muitas áreas, a continuação da energia nuclear existente, desde que seja ambientalmente correta e permitida, será absolutamente essencial” porque dará tempo para desenvolver a energia renovável em uma parte maior da matriz energética, disse McCarthy em evento virtual do University Center on Global Energy Policy. A Casa Branca sinalizou em particular para legisladores e partes interessadas recentemente que apoia os subsídios do contribuinte para impedir o fechamento de instalações nucleares antigas, pois as paralisações tornam mais difícil cumprir as metas climáticas dos EUA.”

Fonte: Reuters, 18/05/2021


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.