Reserva de emergência: o que é e como fazer

A reserva de emergência deve ser o seu primeiro investimento e por isso deve ser feita em ativo seguro e com liquidez. Entenda mais aqui


Compartilhar:


Reserva de emergência

Sabe aquele dinheiro guardado que pode salvar as contas no final do mês depois de um aperto? Pois é, este valor é o que se conhece como reserva de emergência ou reserva financeira.

É um valor importante que se guarda para momentos de eventuais necessidades e imprevistos que possam acontecer.

No Brasil, no entanto, a cultura de educação financeira ainda não é tão difundida, por isso milhões de brasileiros continuam sofrendo para pagar contas. Muitos deles, inclusive, sequer conseguem juntar dinheiro para esses momentos de necessidade.

Segundo pesquisa da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) divulgada em outubro de 2019, metade dos consumidores brasileiros precisou recorrer ao crédito em agosto.

Nesta conta, entram empréstimos, financiamentos, crediário ou cartão de crédito. Mas o que isso significa? Que não só as pessoas não estão juntando dinheiro como estão cada vez mais se afundando em dívidas.

Quando não se tem uma reserva de emergência, tanto o presente quanto o futuro das famílias ficam comprometido. Esse é um dos erros que você precisa evitar.

Evite erros

Outro erro comum dos investidores é achar que deixar dinheiro na poupança é a mesma coisa que investir. Por ter um rendimento muito baixo frente a outras alternativas do mercado financeiro, a caderneta não pode ser considerada um investimento, principalmente para construção de reserva de emergência.

Neste texto, você entenderá mais sobre por que ter uma reserva de dinheiro e quais são os investimentos mais rentáveis e com mais agilidade e liberdade de resgate do que a poupança.

Como se preparar para não passar aperto

Todo começo de ano é a mesma coisa.

Depois das festas, chegam as contas. Em janeiro, vence o IPVA (imposto sobre a propriedade de veículos automotores), que, na maioria dos estados corresponde a 4% do valor do veículo. Famílias com filhos em escolas particulares também precisam arcar com taxa de matrícula e a lista de compra de materiais escolares das crianças.

Em fevereiro, começa a ser pago o IPTU (o imposto sobre a propriedade de imóveis), que corresponde a 1% do valor do bem. Isso sem contar os gastos adicionais com a viagem de férias de verão que só é lembrada com a chegada da fatura do cartão de crédito.

Para não se enrolar com tantas contas, é preciso se planejar. A principal dica é reservar parte do 13º salário para pagar essas contas – isso no caso de quem recebe esse benefício. Se tiver dinheiro em conta, aproveite para pagar o IPVA e o IPTU para se beneficiar dos descontos.

Na maioria dos Estados, o percentual de desconto é superior ao rendimento das suas aplicações financeiras. Então vale a pena resgatar o dinheiro para quitar tudo de uma vez.

Só não faça isso se você tiver colocado a casa ou o carro à venda – nesse caso, pague apenas a parcela mensal e deixe as demais para o comprador.

Parcelamentos

Caso você não tenha dinheiro suficiente para pagar todas essas contas, parcele o IPVA e o IPTU e, se necessário, conte com linhas de crédito baratas nas instituições financeiras.Não parcele a fatura do cartão de crédito porque esses são os maiores juros do mercado.

Uma das linhas com juros mais atrativos é o crédito consignado. Mas pague o valor assim que ganhar dinheiro suficiente porque mesmo o consignado tem juros maiores que o rendimento de suas aplicações financeiras.

O que é reserva de emergência?

Para ter um futuro mais tranquilo, ter guardado um valor em dinheiro é fundamental. Afinal, nunca se sabe quando imprevistos podem acontecer, e se antecipar a eles é a chave para evitar problemas com dívidas.

O problema é que no Brasil as pessoas não possuem a cultura de guardar dinheiro. Muita gente, inclusive, gasta até mais do que ganha porque não consegue planejar os gastos.

O maior mito, entretanto, é que está tarde para começar. Pelo contrário. Sempre é tempo de começar a guardar e formar uma reserva financeira. O quanto antes você começar, melhor.

Isso porque a reserva de emergência é um dinheiro que precisa ser aplicado em investimentos com um prazo mais curto, já que precisam garantir o resgate imediato em caso de necessidade.

Por esse motivo, deixar o dinheiro investido ao invés de ficar parado no banco é fundamental para ver ele rendendo mais e melhor.

Os bancos geralmente disponibilizam produtos financeiros ruins e com altas taxas de administração, o que reduz a rentabilidade dos investimentos.

Para começar a reserva de emergência é indicado o investimento em renda fixa através de plataformas como a XP. Aqui, inclusive, você não paga nada para abrir conta e nem para investir nesse tipo de aplicação.

Quem deveria ter?

A reposta é: todo mundo.

Como não podemos evitar acasos, devemos tentar diminuir os danos caso aconteçam. Por exemplo ao não precisar recorrer a empréstimos bancários com juros extremamente altos. A reserva tem esse propósito.

No limite, caso nada aconteça (e esperamos que seja esse o caso), será apenas uma parcela da carteira que estará alocada em um investimento conservador e protegido.

Por que montar uma reserva de emergência?

O primeiro passo para quem quer ter segurança no futuro e organizar as contas é a construção de uma reserva financeira.

E essa regra vale para todo e qualquer investidor, desde o mais conservador até o mais agressivo, afinal, todo perfil de investidor precisa formar a sua reserva para emergências.

O que vai mudar é o tamanho de reserva e o tamanho dos demais investimentos. Mas algo não muda: primeiro é preciso garantir o dinheiro que pode ser usado em emergências, e depois somente ir atrás de mais rentabilidade e diversificação.

No caso dos investidores mais agressivos, por exemplo, sempre haverá uma maior exposição ao risco nas carteiras.

A partir do momento que você formar sua reserva de emergência (que também pode ser conhecido como colchão de liquidez), vai perceber que estará preparado para qualquer imprevisto.

E quando falamos em imprevistos, a lista pode incluir o aumento da família, um novo emprego, nova profissão, mudança de cidade ou país, abertura de empresa própria e muito mais.

Como criar uma reserva de emergência?

Antes de começar de fato a guardar dinheiro, é preciso dar um passo atrás para fazer um planejamento prévio.

Neste caso, o primeiro passo é organizar as contas e entender o quanto você ganha de fato (descontado os impostos) e o que você gasta (inclua aí os gastos fixos, como aluguel, energia e etc e os gatos variáveis, como cartão de crédito).

Na medida em que você sabe exatamente como gasta o que ganha, ficará mais fácil de planejar suas finanças e cortar custos desnecessários. E essa conta vale tanto para o seu plano pessoal quanto para os custos da família.

O próximo passo é definir uma meta de valor para poupar todo mês. E essa meta tem que ser realista e de acordo com as contas que você fez e do que de fato vai sobrar de dinheiro.

Na hora de aplicar o dinheiro, escolha aplicações que tenham mais proximidade com o seu perfil e seja da sua preferência. Pode ser desde um título do Tesouro Direto até mesmo um Fundo de Investimento de renda fixa.

Uma dica importante é que na plataforma de investimentos da XP é possível deixar as aplicações mensais já previamente automatizadas, o que vai facilitar a sua organização.

Além disso, é importante que você se mantenha firme no planejamento para fazer os investimentos de forma consistente. É o foco e sua determinação que vão te ajudar no caminho da construção da reserva de emergência.

Qual o valor da reserva de emergência?

Para poder servir ao propósito de ser uma garantia ao orçamento familiar, a conta que você deve fazer para chegar no melhor número de reserva é multiplicar por 6 o valor mensal dos custos da família.

Vamos a um exemplo prático:

Supondo que você precisa de R$ 2 mil ao mês para se manter com conforto. Neste caso, seu fundo precisa ser de 6 meses: R$ 12 mil no total.

Já se o caso da sua família é de um custo médio de R$ 4 mil, vocês precisarão de R$ 24 mil para garantir seis meses com segurança em caso de emergências.

No entanto, o número de meses de cobertura, o que é considerado “essencial” e quanto é destinado a cada despesa são decisões particulares a cada um. Sendo assim, o valor irá variar caso a caso.

Como exemplo hipotético, usaremos as despesas essenciais de Pedro e Ana e a reserva sugerida de seis meses:

Isso significa que Pedro deveria começar sua jornada no mundo dos investimentos aplicando sempre que possível até chegar no mínimo a R$ 9.540,00 em uma aplicação adequada para esse propósito. No caso de Ana, o valor da reserva seria de R$ 33.000,00.

Poupe aos poucos

É importante ressaltar que não é preciso fazer a aplicação do valor total de uma única vez – muito pelo contrário. Você pode poupar aos poucos de acordo com o valor que estabeleceu durante o seu planejamento.

Ao fazer essas aplicações, você estará investindo com rentabilidade, mas também podendo resgatar o dinheiro em caso de necessidade.

Vale destacar também que este fundo precisa ser usado somente em casos extremos (nada de gastar com besteiras), como:

  • Custos médicos não cobertos pelo plano de saúde;
  • Consertos no carro ou casa se houver algum tipo de acidente;
  • Manutenção de aparelhos eletrônicos que não possuem seguro.

A emergência e a necessidade do dinheiro é estabelecida por você, então é importante ter autocontrole e paciência para não gastar de forma desnecessária. Afinal de contas, não adianta nada poupar sua reserva de emergência e gastar com bens ou serviços supérfluos.

Qual o melhor investimento para reserva de emergência?

Como estamos falando de valores que precisam ter liquidez, ou seja, precisam ser facilmente resgatados em caso de emergências, é preciso optar por investimentos que sigam esse perfil. As principais características de uma aplicação adequada para a reserva de emergência, são:

  • Segurança
  • Liquidez
  • Baixa volatilidade

Aqui no Brasil, as principais aplicações de renda fixa para a construção da reserva na XP são:

  • Tesouro Direto Selic
  • Fundos de Investimento com prazo de resgate curtos (D+0 ou D+1)
  • CDB com liquidez diária e rendimento de mais de 100% do CDI

Em todos os casos citados, os investimentos rendem ao menos a taxa básica de juros, a Selic, que equivale aos 100% do CDI. Na prática, o seu rendimento vai render junto com os movimentos da economia.

Tesouro Selic como melhor opção:

E a poupança?

Muita gente escolhe para investir, às vezes mesmo sem pensar em reserva de emergência, a poupança. No entanto, não sabem que ao fazer essa escolha estão perdendo boas oportunidades.

A remuneração da poupança segue a seguinte regra:

Conheça o rendimento da poupança

Além disso, a poupança só rende uma vez ao mês, na data de aniversário. Caso o investidor precise do dinheiro antes dessa data, ele perde a remuneração de todo o período entre os dois aniversários. O Tesouro Selic tem remuneração diária.

Portanto, ao escolher essa aplicação ao invés do Tesouro Selic, que rende 100% da taxa Selic, o investidor deixa de ganhar maior rentabilidade para constituição da reserva de emergência.

Vale ressaltar que, para isso, o investidor deve procurar uma corretora que não cobre taxa de corretagem, como a XP Investimentos, e deixar o dinheiro investido por mais de 30 dias (quando o IOF deixa de incidir sobre o Tesouro).

Qual a melhor forma de guardar dinheiro?

Como já falamos, é preciso ter foco e paciência para organizar e planejar as finanças.

Além das dicas já dadas, fique atento a mais algumas atitudes que você pode tomar para guardar dinheiro de forma simples e eficiente:

– Conheça suas receitas (quanto você ganha) e despesas (o quanto gasta), lembrando-se de separar as contas fixas das variáveis.

– Estabeleça um valor que deseja poupar por mês e lembre-se de separar o valor logo no começo do mês para evitar que gaste o dinheiro.

– Lembre-se de pensar no curto, médio e longo prazo para evitar surpresas.

– Se achar mais fácil, também pode estabelecer uma meta de gastos semanais. O que sobrar desse valor pode ser poupado junto com o que separou no começo do mês.

– Fique de olho também nos gastos parcelados em financiamentos, empréstimos e cartões de crédito. Hoje em dia existem diversos aplicativos que gerenciam os gastos mensais e podem te ajudar a estar sempre atento aos valores que precisam ser pagos.

– Gastos desnecessários precisam ser cortados na raiz. Isso porque muitas vezes agimos por impulso na hora de fazer compras.

Mais dicas

– Caso prefira não usar um aplicativo, lembre-se de registrar receitas e despesas de forma correta para não perder nada.

– Procure guardar dinheiro para conseguir mais descontos à vista, evitando compras a prazo que podem te levar a contrair dívidas.

– Avalie constantemente a sua reserva e a forma como gerencia o seu dinheiro. Se algo não estiver funcionando bem, mude.

– Caso não esteja sobrando muito para investir, avalie também a possibilidade de conseguir renda extra na família. Isso pode dar mais tranquilidade e segurança para todos.

– A última dica é parar de dar desculpas. Guardar dinheiro é simples e depende somente de você e do seu planejamento.

Quanto devo guardar por mês do meu salário?

Em média, ter um fundo de emergência que soma seis meses dos seus custos fixos mensais é o ideal para te dar segurança e tranquilidade em caso de emergência.

Mas dependendo da situação da sua família e dos seus planos para o futuro, pode ser preciso aumentar o valor da reserva para até 12 vezes o custo fixo.

Quanto ao valor que você precisa guardar por mês, a resposta é: depende dos seus objetivos e dos seus custos.

Tenha sempre em mente quais são as suas perspectivas no trabalho, por exemplo. Se a recolocação profissional no seu caso for mais difícil, sua reserva precisa ser maior.

Além disso, profissionais que possuem estabilidade, como servidores públicos, possuem maior previsibilidade de manter a renda. Neste caso, a reserva deve ser maior.

Se no seu caso uma parte da remuneração é variável, é preciso ter uma reserva maior. É ela que irá garantir a cobertura em caso de variações drásticas nos rendimentos.

Quem trabalha como PJ, sem contar com os direitos trabalhistas de quem trabalha como CLT também precisa poupar mais para ter mais segurança.

Se no seu caso o problema são os gastos variáveis, pense sempre em poupar mais e ter uma reserva maior. Isso também vai te proteger em momentos de instabilidade.

O que é planejamento financeiro?

Este é um dos principais conceitos que apresentamos neste texto.

O planejamento financeiro é a criação de uma estratégia que vai te ajudar a tomar decisões e a usar ferramentas de gestão do dinheiro.

Isso porque alcançar os seus objetivos fica muito mais fácil quando você usa de forma inteligente tanto as ferramentas disponíveis, quanto o cuidado propriamente dito com o seu dinheiro. Sem esquecer claro que é preciso levar em consideração o seu perfil, suas metas e objetivos próprios (nunca mirando algo que não tenha a ver com você).

Planejar as finanças precisa ser uma atividade contínua, e não algo pontual.

Procure equilibrar o dinheiro que entra e o que sai, ajustando sempre as contas e buscando os melhores investimentos. Se for o caso, avalie a negociação de dívidas que porventura possam aparecer.

Quando começar a investir?

É importante ter em mente que não é necessário acumular tudo relativo à reserva de emergência antes de aplicá-lo. Ao fazer isso, você está deixando de ganhar a rentabilidade diária do investimento.

O ideal é fazer aplicações periódicas conforme sua capacidade financeira até atingir o valor almejado. E claro, quanto maior a aplicação mensal, mais rápido será o processo de formação da reserva de emergência.

Conclusão

Ter uma reserva de emergência é como pagar um seguro. Você tem esse dinheiro para se preparar em caso de necessidade. Mas isso não significa que você quer de fato usar esse recurso.

Por isso, é muito importante planejar e colocar em prática a sua reserva financeira para garantir sua segurança.

À medida que você vai juntando dinheiro e aprendendo mais sobre investimentos, vai conseguir diversificar melhor as suas aplicações para aumentar a sua rentabilidade e manter a liquidez da sua reserva de emergência.

E lembre-se: conte sempre com a XP para fazer os melhores investimentos. Abra sua conta sem pagar nada e veja como é simples e fácil começar a investir.



Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.