Como organizar suas finanças pessoais?

Organize suas finanças pessoais para atingir seus objetivos financeiros


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Como organizar suas finanças pessoais?

Muitos brasileiros enfrentam grandes desafios para organizar suas finanças pessoais. Mas organizar seus gastos e ter um planejamento financeiro, além de ajudar no controle do próprio dinheiro, pode gerar uma mudança importante na sua vida, ajudando a conquistar metas e sonhos que sempre teve. Confira aqui alguns passos que vão ajudar a mudar sua vida financeira e de sua família.

Quanto você ganha e quanto pode guardar?

O primeiro passo para organizar sua vida financeira é entender quanto você recebe ou quais são as entradas do seu caixa, e quanto você gasta para manter seu estilo de vida. Tendo esse controle financeiro de entradas e saídas é possível entender qual é o quanto sobrou no fim do mês.

Nesse momento, pensando no seu futuro e na sua segurança financeira, é fundamental usar parte desse saldo para criar uma reserva de emergência, por exemplo. Esse primeiro passo é um dos mais importantes pois garante um pouco de segurança no caso de acontecimentos inesperados, como ficar desempregado ou surgir um gasto inesperado.

Mas uma reserva não precisa ser apenas para emergências. Você também pode ter planos de pequeno, médio ou longo prazo que gostaria de realizar. Ou seja: essa reserva pode ser também a maneira de você realizar alguns sonhos que podem parecer inatingíveis num primeiro momento. As férias da sua família podem ser um plano de curto prazo. A troca do seu carro pode ser um objetivo de médio prazo. A compra do seu imóvel ou planejar como será sua aposentadoria é um plano de longo prazo.

Para ter esse controle você vai precisar estudar a sua conta bancária, seu cartão de crédito e registrar seus gastos durante um período ou analisando seu histórico. Ter consciência de quanto dinheiro circula na sua vida te ajudará a entender de que forma você vive hoje e como gostaria de viver no futuro.

Como organizar o seu fluxo de caixa?

Agora que você sabe quanto você ganha, quanto gasta e quanto sobra do seu orçamento é importante organizar o seu fluxo de caixa, ou as entradas e saídas financeiras, para conseguir ter controle total de suas finanças pessoais.

É possível organizar suas finanças numa folha de papel, em uma planilha de gastos, em aplicativos de controle financeiro, cada vez mais populares no mercado. Mas o conceito fundamental, seja qual ferramenta você utilizar, é o mesmo. Você precisa entender e identificar quais são seus ganhos recorrentes, seus gastos fixos, gastos adicionais e o seu excedente financeiro:

  1. Quais são seus ganhos recorrentes? Qual é o valor do seu salário mensal e quais são as outras entradas financeiras no seu caixa pessoal. Para alguns ter esse controle mensal é um desafio ainda maior porque não possui um trabalho formal, que garante um fluxo de caixa constante. Se esse for seu caso analise os últimos meses das suas entradas financeiras e faça uma média entendendo que sazonalidades (meses como dezembro e fevereiro, com grandes feriados nacionais) interferem bastante nessa média de controle.
  2. Quais são seus gastos ou custos fixos? Aqui você deve listar todas as saídas financeiras que você observa com frequência, quando analisou seu histórico financeiro. Custos com moradia como aluguel, condomínio, IPTU; contas estruturais básicas como água, luz, gás, telefone, internet; custos com transporte como estacionamento, gasolina e financiamento do carro (caso tenha um veículo) ou o valor gasto com transporte público mensalmente; custos com alimentação como mercado ou feiras livres; custo com desenvolvimento contínuo como faculdade, cursos livres, idiomas; Geralmente essa parcela de gastos fixos é a maior, ou deveria ser a maior, dentro de suas finanças pessoais.
  3. Custos adicionais são os gastos não essenciais, mas também importantes como sair para almoçar ou jantar de vez em quando em um restaurante, fazer compras de itens para si mesmo, dar presentes, viajar… Geralmente é nessa parcela das finanças pessoais que geralmente fazemos cortes quando precisamos controlar gastos.
  4. O dinheiro restante, saldo remanescente após a consideração dos custos fixos e
    custos adicionais, é o saldo que você pode destinar para a preservação e construção do seu patrimônio, ou para realizar seus sonhos ou também para pensar no seu futuro. E todos esses objetivos podem ser realizados quando você começa a montar um portfólio de ativos, ou uma carteira de investimentos.

Descubra como pessoas comuns estão dominando o mundo dos investimentos
Inscreva-se na maratona Investir Transforma!

Como começar a investir

Organizar suas finanças pessoais é o primeiro passo para criar um projeto financeiro de curto, médio e longo prazo sempre tendo como horizonte quais são seus objetivos, seus sonhos e o que deseja conquistar.

Planejar seu saldo remanescente em vários tipos de investimentos, com mais ou menos riscos, buscando mais liquidez e segurança ou maior rentabilidade exige entender um pouco das diferenças entre os produtos financeiros disponíveis no mercado.

Além disso é fundamental entender qual é o seu perfil de investidor (perfil conservador, moderado ou agressivo) e compreender quanto de risco ou possíveis perdas você suporta dentro da sua carteira de investimentos.

Um bom planejamento financeiro é aquele que possibilita o aumento do seu patrimônio no Longo Prazo. Mas para isso é necessário ter disciplina, e saber quais são seus objetivos financeiros para daqui 1 ano, 5 anos, 20 ou 30 anos.

Um dos grandes segredos para ter sucesso nesse plano de saúde financeira é pensar em diversificação. Mesmo que você tenha um perfil conservador e não tolere grandes riscos é bastante importante ter uma carteira diversificada de investimentos.

Talvez boa parte de sua alocação esteja na renda fixa (como CDB, Tesouro Direto, LCI, LCA, Letras de câmbio, CRI ou CRA), mas também pode ser importante investir um percentual pequeno em renda variável (como ações, fundos imobiliários, ETFs, câmbio). E ainda existem opções geridas por gestoras como os fundos de investimentos.

Mas antes de tomar qualquer decisão navegue pelo nosso site e descubra ainda mais todas as possibilidades que existem nesse mundo de investimentos.



Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.