Investimentos sem Imposto de renda: ganhe dinheiro sem pagar imposto

Ver o dinheiro render e gerar lucros sem precisar pagar impostos é o sonho de muitos. Mas você sabia que existem investimentos sem IR que vão te ajudar nessa missão?


Compartilhar:


Ver o dinheiro render e gerar lucros sem precisar pagar impostos é o sonho de muitos. Mas você sabia que existem investimentos sem Imposto de Renda que vão te ajudar nessa missão?

Isso porque um dos principais pontos a se avaliar antes de fazer qualquer investimento é a cobrança ou não de impostos. Dependendo de quanto a Receita Federal cobra de Imposto de Renda sobre os valores investidos, a rentabilidade pode cair consideravelmente.

Investimentos sem IR são atrativos para quem não quer ver os rendimentos terem o desconto de imposto

A boa notícia aos investidores é que existem sete investimentos rentáveis e sem a cobrança de imposto. Mas por que buscar por aplicações isentas ou sem imposto? Elas se tornaram vantajosas para quem quer diversificar os investimentos.

Para quem busca rentabilidade, o peso dos impostos deve ser sempre considerado porque ele pode influenciar – e muito – no valor final do investimento. Por isso, vamos apresentar a seguir quais são as vantagens e desvantagens dos investimentos isentos, sem incidência ou com alíquota zero de IR, quais são eles e o que você precisa saber antes de se decidir.

Continue a leitura para saber mais sobre:

  • O que são investimentos sem IR?
  • Vantagens e desvantagens?
  • Quais as opções de investimentos isentos de IR?
  • LCI
  • LCA
  • CRI
  • CRA
  • Debêntures incentivadas
  • Fundos imobiliários
  • Ações
  • O que avaliar antes de decidir
  • Onde investir com isenção de impostos

O que são investimentos sem IR?

Se você é um investidor ou quer começar a investir, provavelmente está em busca de aumentar a rentabilidade das suas aplicações e reduzir os custos.

Mas como escolher as melhores alternativas para alcançar esse objetivo?

No mercado, alguns investimentos não cobram o Imposto de Renda e acabam sendo positivos justamente porque isso significa a possibilidade de aumento dos ganhos. Em muitos casos, esse benefício de impostos acaba funcionando como uma forma de se estimular um fluxo maior de recursos para determinada área. O setor de agronegócio é um exemplo, já que no caso de LCA e CRA, os investimentos são destinados a este setor.

Quando se fala em investimentos sem IR, muitas pessoas vão pensar de cara na poupança, mas esse benefício da isenção acaba não sendo fundamental na escolha. Isso porque em muitos casos, a poupança acaba sendo a aplicação com o pior rendimento. Para saber mais sobre as principais vantagens e desvantagens dos investimentos, leia a seguir.

Quais são as vantagens e desvantagens?

O impacto que os impostos têm nos investimentos podem em muitos casos inviabilizar o rendimento. E isso deve ser observado pelo investidor com cuidado.

No caso de boa parte dos investimentos de renda fixa, os percentuais de Imposto de Renda variam de acordo com o tempo, seguindo a lógica abaixo:

  • Até 180 dias de aplicação = 22,5% de alíquota de IR
  • De 181 a 360 = 20%
  • De 361 a 720 = 17,5%
  • Acima de 721 dias = 15%

Ao avaliar as alíquotas acima, podemos destacar que os investimentos sem Imposto de Renda se tornam mais atrativos para quem quer investir no curto prazo.

Mas, por outro lado, o não pagamento de impostos pode acabar escondendo desvantagens que não ficam muito claras.

É o caso da poupança, que embora não sofra a incidência de IR, acaba não sendo um bom investimento por conta das suas regras. Quer saber mais sobre como funciona a rentabilidade da poupança?

Outro fator a se considerar é o seu perfil de investidor. Isso porque alguns investimentos que possuem isenção de IR acabam sendo ideais para perfis mais conservadores.

É o caso de investimentos como LCI e LCA, que são títulos de renda fixa. Se você tem um perfil de moderado a agressivo, talvez esses investimentos isentos não sejam a melhor alternativa.

Se você está disposto a correr mais riscos, avalie investimentos que podem ter a incidência de IR, mas a rentabilidade seja vantajosa.

Abra sua conta na XP Investimentos

Quais as opções de investimentos sem IR?

Como você já deve ter percebido, os investimentos sem Imposto de Renda estão à disposição de qualquer investidor. Isso porque são alternativas com boa rentabilidade e segurança. Então, se você deixa de investir por conta dos impostos cobrados, acaba caindo em um erro comum.

Quanto mais tempo você deixa de investir por causa desse mito, mais você está perdendo a chance de ver o dinheiro render. Ou seja: pode ter prejuízo. Para acabar com esse erro comum dos investidores, vamos apresentar agora quais são as sete melhores oportunidades de investimentos sem IR.

Na lista, incluímos LCI, LCA, CRI, CRA rendimentos pagos por fundos imobiliários e vendas de ações até R$ 20 mil por mês.

As debêntures incentivadas possuem alíquota zero de IR. Na prática, têm o mesmo efeito de um ativo isento, ou seja, o cliente também não paga IR.

LCI

A LCI (Letra de Crédito Imobiliário) é uma forma de captação de dinheiro usada por instituições financeiras com foco em empreendimentos imobiliários.

Trata-se de papéis lastreados por financiamentos de imóveis garantidos por hipotecas ou imóveis sob alienação fiduciária. Assim como as demais letras de crédito, a LCI possui garantia do FGC (Fundo Garantidor de Créditos).

Isso significa que, em caso de liquidação da instituição financeira, o investidor ainda recebe o valor aplicado com segurança, com limite de até R$ 250 mil por CPF ou CNPJ por instituição, chegando ao teto de R$ 1 milhão em 4 anos.

Invista em LCI se os seus objetivos são de médio e longo prazo. Isso porque há um período de carência de em média 90 dias. Ou seja, não é possível retirar o valor antes do período.

Por isso, garanta um bom planejamento financeiro para ter certeza de que não precisará do dinheiro antes do prazo.

LCA

A Letra de Crédito do Agronegócio também é um título de renda fixa emitido por instituições financeiras. Ela é muito semelhante à Letra de Crédito Imobiliário (LCI), mas a diferença está na destinação dos valores captados.

Na LCA, o foco são as operações do agronegócio. O valor é destinado principalmente para os empréstimos a produtores rurais que precisam comprar maquinário e insumos.

Quem compra títulos de LCA está fazendo um empréstimo ao banco e, no fim, recebe uma remuneração por isso.

Na outra ponta, o banco empresta dinheiro aos produtores rurais com objetivo de financiar atividades do agronegócio, como produção, comercialização, industrialização de produtos ou insumos agropecuários (máquinas e implementos).

CRI

A sigla CRI significa Certificado de Recebíveis Imobiliários. Assim como no caso da LCI, o mercado beneficiado em questão é o de imóveis. Mas aqui, o investidor que compra esse tipo de título de renda fixa ajuda a financiar o mercado imobiliário ao antecipar os créditos que serão recebidos pelo setor.

Primeiro, a construtora lança os empreendimentos imobiliários (condomínios, casas, apartamentos e etc) que serão construídos. Depois, para financiar as obras e entregar os imóveis no prazo, a construtora contrata uma securitizadora, que vai “empacotar” as parcelas dos compradores, antecipando o pagamento à construtora ou incorporadora.

Com isso, as dívidas dos compradores acabam virando títulos de crédito, que são oferecidos aos investidores. Assim como os demais títulos de renda fixa, os Certificados de Recebíveis Imobiliários oferecem uma rentabilidade.

Essa taxa adicional pode ser recebida no vencimento da aplicação (geralmente em prazos mais longos) ou de forma periódica (se o título permitir).

CRA

Quem investe nos Certificados de Recebíveis do Agronegócio está comprando títulos de dívidas, que são créditos concedidos para financiamento de projetos do setor. Estamos falando também de títulos de renda fixa que representam uma promessa de pagamento futuro em dinheiro, ideais para quem quer fazer um investimento de longo prazo.

No caso do CRA, há o pagamento de projetos financeiros ligados ao agronegócio. Ou seja, a empresa que concede crédito faz a antecipação de dinheiro, que é recebido à vista. Assim como no caso do CRI, a empresa precisa de uma securitizadora, que vai “empacotar” esses créditos como títulos de renda fixa.

Ao emitir esses títulos, a securitizadora transmite aos investidores o direito de receber mutuários. O CRA, então, é uma boa alternativa para quem quer diversificar os investimentos com a isenção de imposto de renda.

Debêntures incentivadas

Ao aplicar em debêntures, o investidor empresta dinheiro a uma companhia aberta. Em troca, recebe o valor corrigido no resgate e os rendimentos atrelados.

Para as empresas, as debêntures são uma alternativa mais favorável para captar recursos quando comparadas, por exemplo, aos empréstimos bancários de curto prazo. Isso porque apresentam menor custo de captação.

Já para o investidor, esta categoria de ativo costuma oferecer bom rendimento, além de maior previsibilidade, pois o calendário de pagamentos é informado no momento da emissão da debênture

As debêntures incentivadas são aquelas emitidas por empresas que precisam captar recursos para projetos de infraestrutura, como aeroportos, rodovias e portos.

Por esse motivo, o governo concede esse benefício fiscal, que é repassado aos investidores por meio da isenção de cobrança de impostos. E o rendimento dos ativos pode ser por 3 formas distintas: pós-fixado (CDI ou IPCA), prefixado ou híbrido (com as duas alternativas de rendimento).

Fundos imobiliários

Os fundos imobiliários, também conhecidos como FIIs, são uma forma de investir em imóveis e papeis imobiliários de forma indireta. Para o investidor, é o jeito mais prático e rentável de investir no mercado imobiliário sem ter de comprar um imóvel.

Ao investir, você adquire pequenos pedaços do fundo, que são as cotas. Assim, o gestor do FII pode adquirir títulos imobiliários e imóveis como shoppings, galpões logísticos, lajes corporativas, hospitais e outros negócios do ramo.

O cotista é, então, como um pequeno sócio desses empreendimentos, recebendo parte do lucro dos aluguéis e sendo beneficiado pela valorização da rede de imóveis do fundo.

A principal vantagem de se investir em FIIs é a liquidez, já que é muito mais fácil vender a cota de um fundo do que se desfazer de um imóvel físico.

Ao investir em imóveis por meio de um fundo, terá a isenção do Imposto de Renda dos rendimentos mensais, os tais aluguéis que citamos.

Mas, para ter a isenção, o investir precisa respeitar algumas regras, dentre elas: o fundo precisa ser negociado em bolsa e ter mais de 50 cotistas, e o interessado não pode ter mais de 10% do patrimônio do fundo.

Apenas na venda das cotas, a valorização estará sujeita ao pagamento de IR na alíquota de 20%.

Ações

Se você tem um perfil de investidor moderado ou agressivo, provavelmente já investiu ou pretende investir em ações. Ao se comprar uma ação na bolsa de valores, basicamente você se torna acionista da companhia aberta, que precisa vender os papéis para levantar recursos.

As ações são uma boa alternativa para quem busca maiores rendimentos, principalmente porque há alguns casos em que a isenção de Imposto de Renda ocorre.

Existe, inclusive, dois tipos de ações: as ordinárias, que oferecem direito a voto, e as preferenciais, que garantem a prioridade para receber os dividendos da empresa. E a boa notícia é que no caso desses lucros que são distribuídos na forma de dividendos, há a isenção do Imposto de Renda.

Outro fator positivo para quem quer fugir dos impostos é que quem vende até R$ 20 mil por mês em ações está isento de IR. Caso você venda mais do que o limite de R$ 20 mil, tudo o que ganhar (valor líquido) estará sujeito à alíquota de 15% de IR, por isso fique atento.

Vale ressaltar também que o benefício da não cobrança de imposto não vale para os fundos de ação.

Abra sua conta na XP Investimentos

O que avaliar antes de decidir

Aqui no Brasil estamos acostumados com uma enxurrada de impostos e taxas desagradáveis que acabam corroendo o dinheiro. E por isso acabamos a todo custo fugindo de qualquer imposto que possa ser cobrado. Esse é um dos motivos pelos quais as pessoas procuram por investimentos que tenham isenção de Imposto de Renda.

Além disso, investir sem IR é uma alternativa para ter uma rentabilidade real maior aproveitando para diversificar a carteira.

Dito isso, é preciso fazer um alerta para quem já está animado com a possibilidade de não pagar o imposto nos investimentos.

Ao aplicar seu dinheiro, a isenção de impostos não deve ser o único fator a ser analisado. Existem muitas outras alternativas que não possuem incentivo tributário que mesmo assim podem ter um retorno ainda melhor do que aqueles que são isentos.

Analise os investimentos isentos de IR caso a caso para ter uma carteira verdadeiramente diversificada e de acordo com seus objetivos e perfil.

Onde investir com isenção de impostos?

Agora que você já sabe tudo sobre investimentos com isenção de impostos, é hora de analisar as opções e começar a investir.

Aqui na XP, você terá acesso a uma plataforma completa, com alternativas de cada um dos tipos de investimento que citamos.

Por isso, acesse a sua conta na XP, escolha o melhor ativo e invista com inteligência. Ainda não tem conta aqui? Veja aqui como fazer para abrir sua conta na XP e escolha seus investimentos sem IR.



Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.