Como Começar a Investir: Entenda 4 pontos Importantes

Cuidar melhor do próprio dinheiro é um objetivo de muita gente. E o momento atual do Brasil, com muitas transformações, precisa ser compreendido por quem está começando a investir.

access_time 23/09/2019 - 07:57
format_align_left 11 minutos de leitura

Como começar a investir com segurança e rentabilidade.

“Uma longa viagem começa com um único passo”.

Lao Tsé, filósofo e escritor chinês

Esta é a questão que entrou na mente de pessoas preocupadas com seus futuros financeiros e com seus investimentos.

No entanto, muitas ainda acham que é necessário ter muito dinheiro. Mas na verdade isso é um mito, pois é possível começar a investir no Tesouro Direto com cerca de R$ 30, por exemplo.

Contudo, o investidor deve ter seu perfil adequado ao tipo de investimento que realizará e, sempre que tiver dúvidas, é importante consultar seu assessor.

E ser consistente ao investir pode, eventualmente, garantir e ampliar a rentabilidade do patrimônio do investidor. Além disso, se aliada à diversificação, ajuda a potencializar a segurança.

Entretanto, dar o primeiro passo é fundamental para colocar tudo isso de pé.

E o momento atual do Brasil é transformacional. Ou seja, saber como começar a investir corretamente agora pode ajudar muito na construção de um futuro promissor.

Isso significa que, quanto antes você começar, maior será a possibilidade de seu patrimônio crescer no futuro.

E, neste artigo, vamos detalhar tudo para ajudar na sua missão de começar a investir.

Entendendo 4 pontos importantes:

#1: O que acontece hoje no Brasil que obriga os cidadãos a investir melhor o dinheiro?

#2: Como começar investindo pouco?

#3: Há dicas para não perder dinheiro e ao mesmo tempo aumentar a rentabilidade?

#4: Qual a diferença da XP para o banco e como tudo funciona?

Como começar a investir

Como Começar a Investir: Ponto 1

O Que Acontece Hoje No Brasil Que Me Obriga A Investir Melhor Meu Dinheiro?

O Brasil está num momento único em sua história, pelo menos no ponto de vista econômico. E isso é um prato cheio para descobrir como começar a investir.

As reformas, da Previdência e a Tributária, estão andando num ritmo positivo, e os desafios vem sendo contornados.

Além disso, há um contexto global de juro baixo. Após um período de altas nos juros americanos em 2018, o Banco Central americano (FED) mudou a retórica e reduziu as taxas de juros do país em 0,25% no mês de julho e, em setembro, voltou a fazer o mesmo.

Este fato tornou o cenário benéfico para mercados emergentes, categoria na qual o Brasil se insere.

E isso muda tudo no cenário dos investimentos.

Juro real baixo: uma realidade sem volta

Por aqui, em julho de 2019 o juro real atingiu sua mínima histórica, chegando a um patamar inferior a menos de 2% ao ano.

Já em setembro, o Banco Central fez um novo corte de 0,5%, reduzindo ainda mais a taxa básica de juros, que agora está em 5,5% a.a..

Fonte: Banco Central do Brasil (https://www.bcb.gov.br/controleinflacao/historicotaxasjuros)
Consulta realizada em Setembro/2019

Este juro real é o que realmente conta na hora de investir, pois ele define o rendimento final de uma aplicação, já descontada a inflação.

Além disso, com esses juros tão baixos, se torna altamente arriscado manter o dinheiro em investimentos ruins.

O grande risco é seu dinheiro render menos no futuro, uma vez que não existe mais aquele cenário em que era fácil obter bons retornos sem incorrer em grandes riscos: o famoso “1% ao mês”.

Aquela Era dos juros em 14,25% ao ano, por exemplo, passou e dificilmente voltará.

Isso não existe mais e, hoje, é necessário tomar algum dos três tipos de riscos para buscar mais retorno: mercado, crédito ou liquidez.

Por isso, destacamos Bolsa como um bom ativo no momento, mais pelo cenário das reformas no Brasil do que pelo ambiente externo. Mas, uma carteira eficiente deve ser diversificada, passando por outras classes de ativos.

E, para chegar à Bolsa, é recomendável que você comece a investir em outras classes antes, até para se acostumar com a diversificação. Por exemplo: na renda fixa o mercado de crédito teve uma melhora significativa.

Fonte:
Gráfico 1: CETIP
Gráfico 2: www.debentures.com.br

Além disso, na visão do nosso time de Alocação, faz sentido para aqueles que podem abrir mão da liquidez, ter em carteira papeis pré-fixados com prazo entre 2 e 3 anos.

Na projeção da equipe, títulos do governo poderão retornar ao investidor algo em torno de CDI + 1,0 a 1,3% ao ano (aproximadamente 120% do CDI), sendo que esses ganhos podem ser maiores em papéis privados.

Como Começar a Investir: Ponto 2

Como Começar Investindo Pouco?

Depois de entender que o momento do Brasil exige uma nova postura das pessoas diante de seu dinheiro, é hora de dar um passo adiante.

E, geralmente, esta é a questão seguinte: Mas como começar a investir?

A resposta é este passo a passo que mostramos na tabela:

Após cumprir estas etapas, geralmente surge aquela outra questão: como eu posso começar a investir com pouco dinheiro?

E a resposta também é simples. Pois, se até hoje você achava que isso era impossível, estava enganado. O grande segredo aqui é escolher o ativo certo.

Este é o início da jornada. Com os juros baixos, algumas opções trazem retornos cada vez mais magros aos seus investidores. Por isso é fundamental estudar as alternativas e consultar um assessor especializado.

Veja aqui uma explicação didática sobre os motivos para buscar alternativas à Poupança

A alternativa mais popular hoje são os títulos do Tesouro Direto.

Neste caso, é possível realizar a compra de um título com uma aplicação de cerca de R$ 30. Por isso, é uma ótima opção para quem possui uma menor quantia inicial para investir.

Além disso, a rentabilidade do Tesouro Selic é próxima de 100% do CDI, isto é, 5,9% ao ano de acordo com dado mais recente (setembro 2019). De acordo com o tipo de título, o retorno pode ser ainda maior.

Já o CDI, por sua vez, é considerado o benchmark da renda fixa. É ele que representa a taxa justa que todo investidor deve buscar em seus investimentos.

Para começar a investir, os títulos públicos apresentam outra vantagem: o risco é baixo, pois eles são emitidos pelo governo.

Isso tudo se você quer começar a investir com cerca de R$ 30. Entretanto, se você tem um pouco mais disponível, algo como R$ 1.000, por exemplo, há mais opções.

E aqui entram os títulos de renda fixa privados, por exemplo.

Mas como escolher o investimento?

Antes de mais nada, é preciso lembrar um princípio básico dos investimentos: para obter maior retorno, é necessário estar disposto a correr mais risco. Por que isso é importante?

Porque os bancos podem ser classificados entre bancos grandes (G), de tamanho médio (M) e de pequeno porte (P). E nós podemos considerar que a relação risco-retorno seja a seguinte:

Ilustração

Para esclarecer a dúvida, vamos dar um exemplo comparando três ativos, considerando as seguintes premissas com base em setembro de 2019:

  • SELIC de 5,5% ao ano; e
  • DI futuro de 6,0% ao ano (3 anos).

Fontes: Banco Central do Brasil e Anbima

A comparação da rentabilidade, líquida de imposto de renda, será feita entre os seguintes ativos, com aplicação inicial hipotética de R$10 mil:

  • Poupança;
  • CDB de um banco grande (“Banco G”), com prazo de vencimento em 3 anos e rentabilidade de 85% do CDI ao ano; e
  • CDB de um banco de menor porte (“Banco X”), com prazo de vencimento em 3 anos e rentabilidade de 117% do CDI ao ano.

Fonte: XP
Data da consulta: setembro/2019

Como Começar a Investir: Ponto 3

Há dicas para não perder dinheiro e ao mesmo tempo aumentar a rentabilidade?

A resposta é sim.

E ela vem a partir de uma das premissas mais antigas do mundo dos investimentos: a diversificação.

Para começar a investir de maneira diversificada também é muito simples: basta investir em mais de um ativo. Por exemplo, parte no Tesouro Direto e o restante em ETFs (Bolsa de Valores de forma indireta).

Ou, então, aplicar cerca de 80% em algum título do Tesouro e o restante em LCI, só para dar outro exemplo.

E este fundamento da diversificação é o mais recomendado pelos grandes investidores da história, incluindo o lendário Warren Buffett.

Isso porque a diversificação permite equilibrar os rendimentos da sua carteira e os riscos dos ativos. Assim, caso um deles não obtenha o melhor desempenho, o outro tende a compensá-lo.

Ainda há infinitas composições que podem fazer o seu dinheiro render, e tudo depende do seu perfil de investidor e dos seus objetivos.

Como Começar a Investir: Ponto 4

Qual a diferença da XP para o banco e como tudo funciona?

Ao buscar investimentos no banco, normalmente são oferecidos apenas produtos do próprio banco, mas eles nem sempre possuem boa rentabilidade e baixo custo.

Ao contrário disso, a XP Investimentos disponibiliza para seus clientes produtos de diversas instituições financeiras. E, muitos deles, com custos baixíssimos e com rentabilidades maiores do que as que você encontraria investindo apenas em seu banco.

Além disso, no banco você tem um gerente para cuidar da sua conta corrente e de suas operações de rotina.

No entanto, na hora de planejar o futuro e decidir onde investir, ainda mais no momento transformacional que o Brasil vive, é fundamental contar com a ajuda de um profissional especializado.

Neste sentido, a primeira grande pergunta a se fazer é a seguinte:

Queremos algo para hoje ou para o futuro de curto, médio ou longo prazo?

Por isso, neste vídeo, eu explico os detalhes entre investir por um banco e pela XP.

Como funcionam as taxas para investir?

Pioneira no mercado, a XP foi a primeira assessoria do Brasil a oferecer a melhor taxa de todas: a TAXA ZERO.

Aqui, não se cobra nada para: abertura e manutenção de conta, custódia de renda fixa, custódia de Tesouro Direto, corretagem de Fundos Imobiliários e nem tarifas de TED para retiradas.

E um outro destaque importante da XP são os assessores de investimento.

Por ser um especialista do mercado financeiro, o assessor sabe como aproveitar as oportunidades do setor e, com isso, indica os melhores produtos no melhor momento.

Além disso, mais de um milhão de pessoas investem com a XP atualmente, aproveitando a disponibilidade dos melhores investimentos para todo e qualquer perfil de investidor.

Como investir com a XP?

Após abrir sua conta, você terá acesso aos produtos disponibilizados.

Entretanto, antes de começar a investir de fato, é aconselhável que se preencha o Suitability. Ele é um formulário com perguntas básicas que vão direcionar o investidor para o perfil mais adequado.

Caso tenha dúvidas sobre por onde começar, uma dica importante é acessar o simulador da XP.

Mas, se as dúvidas persistirem, conte com seu assessor para ajudar com as orientações necessárias de acordo com os perfis dos investidores.

Eles são profissionais altamente capacitados para analisar o mercado financeiro e oferecer as melhores oportunidades de investimento.