XP Expert

Temporada de Resultados Renda Fixa – 3º trimestre de 2023

Confira aqui os relatórios sobre o 3º trimestre de 2023 dos emissores sob cobertura do time de análise de Renda Fixa da XP.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Assaí Atacadista (Sendas)

A dívida bruta encerrou em R$ 13,9 bilhões, sendo 19% no curto prazo, com caixa de R$ 4,4 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 9,4 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 1,96x dívida líquida/EBITDA ajustada no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 3,0x.

BRF

A dívida bruta encerrou em R$ 22,3 bilhões, sendo 21% no curto prazo, com caixa de R$ 11,4 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 10,9 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 2,8x dívida líquida/EBITDA ajustada (a BRF não possuía cláusulas restritivas (covenants) em seus contratos de dívida).

Camil

A dívida bruta encerrou em R$ 5,1 bilhões, sendo 34,8% no curto prazo, com caixa de R$ 2,1 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 3,0 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 3,4x dívida líquida/EBITDA (vs. covenants de 3,5x).

Carrefour Brasil

A dívida bruta encerrou em R$ 16,2 bilhões, sendo 76% no curto prazo, com caixa de R$ 4,5 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 11,7 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 2,3x dívida líquida/EBITDA ajustada no 3T23 e a companhia não tem covenant. Quanto à dívida de curto prazo (81% do total), entendemos que o Carrefour tenha flexibilidade na gestão de passivos financeiros, com amplo acesso ao mercado de capitais, além de linhas junto ao seu controlador francês (53% do total), o que reduz significativamente o risco de refinanciamento. O Grupo não está sujeito a cláusulas restritivas financeiras (covenants) em seus contratos de dívida.

Grupo Mateus

A dívida bruta encerrou em R$ 1,778 bilhão, sendo 13% no curto prazo, com caixa de R$ 1,1 bilhão, levando a uma dívida líquida de R$ 661 milhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 0,4x dívida líquida/EBITDA ajustado no 3T23, comparado a um covenant de 2,5x.

GPA

A dívida bruta encerrou em R$ 6 bilhões, sendo 23,3% no curto prazo, com caixa de R$ 3 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 3 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 2,5x dívida líquida/EBITDA ajustado no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 3,25x.

JBS

A dívida bruta atingiu R$108,1 bilhões, sendo 9% no curto prazo, enquanto a posição de caixa foi de R$ 27,7 bilhões. A relação dívida líquida/EBITDA ficou em 4,87x, acima dos seus atuais covenants (4,75x).

M. Dias Branco

A dívida bruta encerrou em R$ 2,1 bilhões, sendo 30% no curto prazo, com caixa de R$ 1,8 bilhão, levando a uma dívida líquida de R$ 318 milhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 0,3x dívida líquida/EBITDA ajustada no 2T23, o que se compara ao seu covenant de 3,0x

Marfrig

A dívida bruta encerrou em R$ 57 bilhões, sendo 30% no curto prazo, com caixa de R$ 23,5 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 33,5 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 3,9x dívida líquida/EBITDA ajustada no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 4,75x

Minerva

A dívida bruta encerrou em R$ 19,4 bilhões, sendo 17% no curto prazo, com caixa de R$ 10,4 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 8,9 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 2,8x dívida líquida/EBITDA ajustada no 2T23, o que se compara ao seu covenant de 3,5x.

Adecoagro

A dívida bruta encerrou em R$ 2,6 bilhões, sendo 13% no curto prazo, com caixa de R$ 37 milhões, levando a uma dívida líquida de R$ 2,6 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 1,3x dívida líquida/EBITDA ajustada no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 4,0x.

Coruripe

A dívida bruta encerrou em R$ 3,8 bilhões, sendo 32% no curto prazo, com caixa de R$ 386 milhões, levando a uma dívida líquida de R$ 3,4 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 2,4x dívida líquida/EBITDA ajustada no 2T23/24, o que se compara ao seu covenant de 3,0x. O elevado nível de investimentos é suportado pela geração de caixa da Companhia, aliada à sua liquidez corrente adequada de 1,4x no 1T24. Entretanto, consideramos provável a necessidade de refinanciamentos no curto prazo, uma vez que, em nossas estimativas, sua geração de caixa operacional média dos últimos períodos analisados após investimentos é de aprox. R$ 250-300 milhões, valor não suficiente para reduzir a dívida atual. A sua principal dívida é um Bond de USD 300 milhões (aprox. 40% da dívida total) emitido em 2022, com vencimento em 2027.

FS Bio

A dívida bruta encerrou em R$ 10,5 bilhões, sendo 41% no curto prazo, com caixa de R$ 5,5 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 5,0 bilhões. No trimestre analisado, a FS apurou uma alavancagem de 3,1x, superior ao seu covenant (3,0x). Apesar deste valor superior à cláusula restritiva não resultar em default ou aceleração do vencimento dos empréstimos, a FS passa a ter restrições para determinadas novas captações de dívida e distribuição de dividendos. A Companhia possui uma parcela importante da dívida no curto prazo, R$ 4,3 bilhões, e pode precisar refinanciar tal montante nos próximos meses. Em nossa visão, a posição atual de liquidez da FS (caixa de R$ 5,5 bilhões), aliada a sua geração de caixa histórica média de R$ 262,6 milhões por trimestre, devem ser suficientes para passar por este momento de maior alavancagem. Além disso, acreditamos que a menor necessidade de Capex com a finalização da planta industrial Primavera do Leste, em conjunto com a melhor precificação do seu estoque de milho, devem permitir redução da alavancagem.

Jalles Machado

A dívida bruta encerrou em R$ 2,3 bilhões, sendo 5% no curto prazo, com caixa de R$ 934 milhões, levando a uma dívida líquida de R$ 1,3 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 0,9x dívida líquida/EBITDA ajustada no 2T23, o que se compara ao seu covenant de 3,25x.

Raízen

A dívida bruta encerrou em R$ 36,9 bilhões, sendo 25% no curto prazo, com caixa de R$ 6,9 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 30,0 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 1,9x dívida líquida/EBITDA ajustada no 3T23.

São Martinho

A dívida bruta encerrou em R$ 6,0 bilhões, sendo 10% no curto prazo, com caixa de R$ 1,6 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 4,3 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 1,5x dívida líquida/EBITDA ajustada no 2T23, o que se compara ao seu covenant em 3,0x.

Zilor

A dívida bruta encerrou o 2T da safra 23/24 em R$ 3,2 bilhões, sendo 26% no curto prazo, com caixa de R$ 1,4 bilhão, levando a uma dívida líquida de R$ 1,8 bilhão. Com isso, a alavancagem encerrou em 2,4x dívida líquida/EBITDA ajustada no período. Entendemos que o setor sucroalcooleiro está em um momento favorável de preços, tanto para o açúcar, com a restrição de oferta pela Índia, maior produtor mundial, como para o etanol, após o retorno da tributação dos combustíveis no Brasil. Isto, aliado aos bons volumes de cana-de açúcar para a safra atual no Brasil, deve permitir a manutenção de sua boa condição de liquidez e geração de caixa. A Zilor vem cumprindo seus covenants de alavancagem e liquidez com relativa folga.

Aegea

No 3T23, a dívida bruta da Aegea chegou a R$ 13,3 bilhões, aumento de R$ 3,3 bilhões em relação ao 3T22 devido à aquisição da Corsan e novas captações realizadas no período. As disponibilidades (caixa e equivalentes) somaram R$ 1,8 bilhão ao final do trimestre, levando a uma dívida líquida de R$ 11,3 bilhões. O aumento esteve também relacionado aos aportes realizados na Águas do Rio e aumento nos juros de empréstimos e financiamentos pagos, com impacto sobre o caixa.

AES Cajuína

A dívida bruta encerrou em R$ 12 bilhões (+48% A/A), sendo 18% no curto prazo, com caixa de R$ 2,5 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 9,5 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 6,2x dívida líquida/EBITDA ajustada no 3T23. O maior endividamento da holding eflete a recente estratégia de expansão da sua capacidade instalada em energia eólica, com aquisições e construções de novos parques.

BRK Ambiental

A dívida bruta encerrou em R$ 11,9 bilhões (+22,3% A/A), sendo 16% no curto prazo, com caixa de quase R$ 1,5 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 10,5 bilhões. Devido aos volumosos investimentos realizados nos últimos anos em novas concessões e em expansão de operações existentes, o endividamento da BRK Ambiental cresceu de maneira significativa, afetando sua alavancagem. O índice de Dívida Líquida/EBITDA atingiu 7,6x no 3T23, o que incorpora concessões menos maduras (que, portanto, ainda tem baixa contribuição na geração de caixa), como por exemplo a Região Metropolitana de Maceió (RMM). Acreditamos que, à medida em que seus projetos mais recentes se tornem maduros, passarão a gerar fluxo de caixa de maneira a contribuir para a desalavancagem da Companhia.

Cemig

A dívida bruta encerrou em R$ 12,1 bilhões (+6,5% A/A), sendo 10% no curto prazo, com caixa de R$ 4,2 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 7,9 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 1,0x dívida líquida/EBITDA ajustada no 3T23. Apesar de caixa divulgado pela Companhia no 3T23 ser suficiente para honrar com as obrigações de curto prazo da Cemig, destacam-se os eurobonds que vencem em dezembro de 2024,  que totalizam USD 1 bilhão.

Eletrobras

A dívida bruta atingiu R$ 70,5 bilhões, enquanto a posição de caixa foi de R$ 31,2 bilhões. A dívida bruta aumentou R$ 13,8 bilhões em relação ao 2T23, impactada principalmente pelas operações de captação de recursos e pela consolidação da Teles Pires. A relação dívida líquida/EBITDA ficou em 2,0x, bem abaixo dos seus atuais covenants. A Eletrobras reportou Capex de R$ 1,8 bilhão, principalmente relacionado a reforços e melhorias em linhas de transmissão.

Energisa

A dívida bruta atingiu R$ 30,8 bilhões enquanto sua posição de caixa foi de R$ 5,8 bilhões. A alavancagem (Dívida Líquida/EBITDA) no trimestre foi de 3,3x, acima do resultado do 3T22 (2,9x) e abaixo do covenant de 4,0x-4,25x. Na nossa visão, acreditamos que o amplo acesso da Companhia ao mercado de capitais, aliado à boa performance dos resultados, deve permitir os refinanciamentos necessários dentro do curso normal de suas atividades.

Equatorial

A dívida bruta atingiu R$ 45,6 bilhões enquanto sua posição de caixa foi de R$ 9,9 bilhões. A relação dívida líquida/EBITDA ficou em 3,6x, bem abaixo dos seus atuais covenants (4,5x). A Equatorial reportou um Capex de R$3,0 bilhões, principalmente relacionado ao segmento de distribuição e projetos greenfield da Echoenergia.

Eneva

A dívida bruta totalizou R$ 23 bilhões, com 26% do endividamento concentrado no curto prazo e uma posição de caixa de R$ 7,6 bilhões. O endividamento teve aumento expressivo no 3T23 A/A, principalmente em função da conclusão do processo de aquisição Celse no 4T22, com a consolidação das dívidas da adquirida. Assim, o índice de dívida líquida/EBITDA atingiu 4,2x (covenant de 6,5x).

Iguá

A dívida bruta atingiu quase R$ 7 bilhões, com 2% do endividamento concentrado no curto prazo e uma posição de caixa de R$ 851 milhões. A alavancagem reduziu de 9,2x para 8,0x no comparativo trimestral (Companhia não possui covenants). O patamar ainda é elevado, entretanto já evidencia a colaboração da Iguá Rio no processo de desalavancagem gradual do consolidado. A Companhia possui bom acesso ao mercado de
capitais, com 90% da dívida representada por debêntures, indexadas ao CDI e ao IPCA.

Isa Cteep

A dívida bruta atingiu R$ 9 bilhões, com 14% do endividamento concentrado no curto prazo e uma posição de caixa de R$ 1,3 bilhão. A alavancagem reduziu de 3,1x para 2,5x no comparativo anual (vs. covenants de 3,5x). Em nossa visão, a Companhia possui métricas de créditos robustas para suportar tais volumes de investimentos. Em relação ao endividamento de curto prazo (2024), acreditamos que a CTEEP detém amplo acesso ao mercado de capitais, aliado à sua sólida geração de caixa operacional, para fazer frente a tais passivos

Neoenergia

A Companhia apresenta um perfil alongado de suas dívidas, com 21% no curto prazo e seu caixa seria suficiente para cobrir as amortizações programadas até o início de 2025. A alavancagem, (Dívida Líquida/EBITDA), permaneceu em patamares relativamente elevados, mas abaixo do covenant (limite contratual). No período, a Neoenergia atingiu 3,2x frente à cláusula de restrição de 4,0x

Origem

No 3T23, a Companhia apresentou um endividamento líquido de R$ 691 milhões, com 23% das suas dívidas concentradas no curto prazo. A sua posição de caixa ao final do 3T23 era suficiente para fazer frente às obrigações financeiras de curto prazo de suas debêntures (única fonte de funding atualmente), o que deve demandar refinanciamentos, em nossa visão. A alavancagem (Dívida Líquida/EBITDA) fechou o trimestre em 1,5x, em conformidade com seu covenant de 2,5x.

Sabesp

A dívida bruta atingiu R$ 19,0 bilhões, enquanto a posição de caixa foi de R$ 2,9 bilhões. A relação dívida líquida/EBITDA ficou em 1,9x, bem abaixo dos seus atuais covenants (3,5x). 

Santo Antônio Energia (Saesa)

No dia 13 de novembro, a Eletrobras anunciou, via fato relevante, a reestruturação das dívidas da Saesa. Após a reestruturação (pós-fechamento do 3T23), o endividamento bruto reduziu cerca de 68% e seu índice de alavancagem (Dívida Líquida/EBITDA) atingiu ~2,8x, ante 9,2x no 3T23. Foi realizado aumento de capital de R$ 2 bilhões para prepagamento de dívidas bancárias. A Eletrobras assumiu R$ 11,5 bilhões das dívidas da controlada, passando a ser sua credora. Em nossa visão, a reestruturação deve aliviar a estrutura de capital e alavancagem.

Taesa

A dívida bruta atingiu R$12.4 bilhões, sendo 12% no curto prazo, enquanto a posição de caixa foi de R$ 2.0bi. A relação dívida líquida/EBITDA ficou em 3,7x, em linha com o 2T23.

ALLOS (Aliansce Sonae + brMalls)

A dívida bruta da ALLOS atingiu R$ 6,3 bilhões no 3T23, queda de cerca de R$ 800 milhões em relação ao 3T22. A alavancagem, medida por dívida líquida/EBITDA, fechou o trimestre em 2,2x (com folga em relação ao covenant de 3,5x), mesmo após a combinação de negócios. A posição de caixa de R$ 1,8 bilhão seria suficiente para fazer frente às amortizações de dívida até o final de 2025.

Cyrela

Apesar dos lançamentos terem aumentado significativamente, a CYRE foi capaz de registrar uma geração de caixa de R$7 milhões contra uma geração de caixa de R$22 milhões no 2T23. A dívida bruta, por sua vez, atingiu R$ 4,8bn, sendo 20,2% no curto prazo, enquanto a posição de caixa foi de R$ 4,2bn. A relação dívida líquida/PL ficou em -12,8%, abaixo dos seus atuais covenants (70%).

Direcional

A dívida bruta atingiu R$ 1,3bn, sendo 24,8% no curto prazo, enquanto a posição de caixa foi de R$ 1,3bn. A relação dívida líquida/PL ficou em -4,2%, abaixo dos seus atuais covenants (50%).

Even

A dívida bruta atingiu R$ 1,13 bilhão, sendo 12% no curto prazo, enquanto a posição de caixa foi de R$ 954 milhões. A relação (dívida líquida + contas a pagar por aquisição de ativos)/(patrimônio líquido) ficou em 0,65, abaixo dos seus atuais covenants (1,2).

Mitre

Ao fim do trimestre, a Mitre registrou endividamento bruto total (incluindo os financiamentos pelo Sistema Financeiro Habitacional – SFH e contas a pagar por aquisições) de R$ 706 milhões. Deste saldo, R$ 343 milhões referem-se a SFH, que são pagas à medida em que são recebidos os fluxos
dos financiamentos dos clientes, tendo assim risco menor de crédito. As disponibilidades encerraram o trimestre em R$ 98 milhões e 41% das dívidas da Companhia se concentram no curto prazo. O indicador a Dívida Líquida SFH Ajustada / Patrimônio Líquido atingiu 0,33 (abaixo do covenants de 0,9).

MRV

A dívida bruta atingiu R$ 5,2 bilhões, sendo 17,1% no curto prazo, enquanto a posição de caixa foi de R$ 2,5 bilhões. A relação dívida líquida/PL ficou em 43,4%, abaixo dos seus atuais covenants (65%).

Irani

A relação dívida líquida/EBITDA aumentou para 2,10x no terceiro trimestre (de 1,95x no segundo trimestre), dados os maiores desembolsos da plataforma Gaia. No entanto, vemos que a rentabilidade se mantém mais elevada por mais tempo do que prevíamos, traduzindo-se em maior geração de fluxo de caixa para a Irani. 

Klabin

A dívida líquida aumentou para R$ 20,9 bilhões (ante R$ 19,5 bilhões no 2T23), com alavancagem de 3,2x dívida líquida/EBITDA (ante 2,6x no 2T23 – a empresa não possui covenants). A dívida bruta atingiu R$ 28,7 bilhões, sendo 30% do vencimento nos próximos 5 anos, enquanto a posição de caixa foi de R$ 7,8 bilhões.

3R

No 3T23, a 3R possuía dívida bruta de R$ 8,6 bilhões com caixa de R$ 3,6 bilhões e 7% das obrigações concentradas no curto prazo. Assim, a dívida líquida no trimestre foi R$ 5,0 bilhões. Em nossa visão, o elevado endividamento da Companhia está fortemente atrelado ao seu atual momento de crescimento operacional, bem como às suas necessidades de investimentos. Contudo, entendemos que a consolidação das últimas aquisições e do plano de revitalização da 3R tem o potencial de elevar o fluxo de caixa operacional da Companhia e reduzir a alavancagem atual de 2,6x (vs. covenant 3,5x). Por fim, destaca-se também o robusto caixa que cobre 2,3 anos de amortização

Enauta

Em set/23, a Enauta possuía dívida bruta de R$ 2,2 bilhões com caixa de R$ 2 bilhões, deixando de ser caixa líquido como observado no 2T23 e apresentando dívida liquida de R$ 191 milhões. A dívida é alongada e só terá seu 1º vencimento em 2026, que deverá ser coberto por geração de caixa. A Enauta deve observar o covenant de dívida líquida/EBITDAX ≤ 2,5x (0,3x observado no 3T23, mas deve crescer à medida em que realize capex). A cláusula se refere apenas à limitação para tomada de novas dívidas (ou seja, seu descumprimento não implica vencimento antecipado).

Petrobras

No total, a dívida bruta no final do trimestre era de US$ 61 bilhões (ou 1,2x EBITDA), com caixa em US$ 17,3 bilhões, resultando em dívida líquida de US$ 43,7 bilhões (um aumento em relação aos US$ 42,1 bilhões do 2T23, equivalente a 0,8x o EBITDA). Ressalta-se que mais dois FPSOs arrendados estão programados para entrar em operação antes de 2024 (FPSO Sepetiba e Duque de Caixas, ambos no Campo de Mero), embora a Petrobras tenha um WI menor para estas plataformas (38,6%).

PRIO (Petro Rio)

A dívida bruta encerrou em US$ 1,6 bilhão, sendo 24% no curto prazo, com caixa de US$ 0,4 bilhão, e prováveis earn-outs a pagar pela aquisição de Albacora Leste (US$ 0,2 bilhão) levando a uma dívida líquida de US$ 1,4 bilhão. Com isso, a alavancagem encerrou em 0,9x dívida líquida/EBITDA ajustado (sem arrendamentos e com uma estimativa do EBITDA ajustado de Albacora Leste antes do closing) no 3T23, o que se compara ao seu covenant em 2,5x.

Ultrapar

No 3T23, a alavancagem (Dívida Líquida / EBITDA Ajustado Recorrente) reduziu de 1,7x para 1,5x no comparativo anual. Cerca de 44% da dívida da Ultrapar estava em dólares, na maior parte com hedge. A Companhia manteve o perfil alongado de suas obrigações financeiras, com 19% classificados no curto prazo e prazo médio de 3,9 anos, a um custo médio de CDI + 0,8% ao ano, não estando sujeita a covenants financeiros.

Ânima Educação

No 3T23, a dívida bruta da Ânima chegou a quase R$ 3,8 bilhões, com 19% dos passivos no curto prazo (vs. 26% no 3T22). As disponibilidades (caixa e equivalentes) somaram R$ 1,1 bilhão ao final do trimestre, levando a uma dívida líquida de R$ 2,6 bilhões. Após a aquisição da Laureate em 2021, seu endividamento e alavancagem cresceram de maneira relevante, mas a Companhia tem sido capaz de melhorar gradualmente sua operação e, consequentemente, a geração de caixa, contribuindo para a desalavancagem (embora em ritmo mais lento do que o esperado pela Fitch Ratings, o que levou à estabilização de seu rating em abril de 2023). O índice de Dívida Líquida / EBITDA fechou o 3T23 em 3,4x e a Companhia passará a ter covenants (limite ≤ 3,5x) medidos ao final do 4T23. Acreditamos que haja desafios em relação a refinanciamento, mas a tendência tem sido positiva.

Cogna

A empresa atribuiu uma redução de 6,5% A/A nas despesas financeiras líquidas a (i) taxas de juros mais baixas e (ii) a sua estratégia de gestão de passivos, iniciada em 2022. No entanto, ainda consideramos a alavancagem líquida (incluindo arrendamentos e financiamento de fornecedores) alta, em 4,0x EBITDA ajustado LTM (-0,3x A/A; -0,1x T/T).

Dasa

A dívida bruta encerrou em R$11,3 bilhões, sendo ~15% no curto prazo, com caixa de R$2,4 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$8,9 bilhões. Com isso a alavancagem encerrou em 3,8x dívida líquida/EBITDA ajustada (exclui efeitos de itens não recorrentes e sem efeito caixa) no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 4,0x.

Hapvida

Alavancagem sendo endereçada. O Lucro Líquido Ajustado (XP) foi de R$ 76M, ainda pressionado por uma alavancagem líquida (ajustada por arrendamentos e provisões técnicas) de 4,4x EBITDA ajustado (XP) 12m. Ainda assim, notamos que a empresa está reduzindo gradualmente o índice (-0,9x A/A; -0,5x T/T).

Rede D’Or

Resultado ainda pressionado pela alavancagem. Excluindo a reversão de provisão (líquida de impostos), o lucro líquido foi de R$ 542M (8,8% abaixo XPe), ainda pressionado por uma alavancagem líquida (incluindo arrendamentos e provisões técnicas) de 3,3x EBITDA ajustado (-0,3x A/A; estável T/T).

CSN Mineração

A dívida bruta encerrou em R$ 45,9 bilhão, sendo 4% no curto prazo, com caixa de R$ 15,4 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$ 29,9 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 2,63x dívida líquida/EBITDA ajustado no 3T23, comparado a um covenant de 3,0x.

Vale

A dívida bruta encerrou em USD 14 bilhões, sendo apenas 7% no curto prazo, com caixa de USD 4 bilhões, levando a uma dívida líquida de USD 10 bilhões e Dívida Líquida Expandida de USD 16,2 bilhões (inclui Provisões Brumadinho e Samarco). Com isso, a alavancagem medida por Dívida Bruta/EBITDA Ajustado, encerrou o 3T23 em 0,8x, com conforto em relação ao seu covenant de 4,5x.

Arteris

A dívida bruta encerrou em R$12,3 bilhões, sendo ~12% no curto prazo, com caixa de R$1,8 bilhão, levando a uma dívida líquida de R$10,4 bilhões. Com isso a alavancagem encerrou em 3,9x dívida líquida/EBITDA ajustado (inclui provisão para manutenção de rodovia) no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 4,5x.

Ecovias

A dívida bruta encerrou em R$2,3 bilhões, sendo ~61% no curto prazo, com caixa de R$168 milhões, levando a uma dívida líquida de R$2,1 bilhões. Com isso a alavancagem encerrou em 2,0x dívida líquida/EBITDA no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 3,5x.

JSL

A dívida bruta encerrou em R$5,7 bilhões, sendo ~14% no curto prazo, com caixa de R$1,2 bilhão, levando a uma dívida líquida de R$4,5 bilhões. Com isso a alavancagem encerrou em 2,4x dívida líquida/EBITDA ajustada (sem arrendamentos) no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 3,5x.

Localiza

A dívida bruta atingiu R$ 36,7 bilhões, sendo ~17% no curto prazo, enquanto a posição de caixa foi de R$ 8,5 bilhões. A relação dívida líquida/EBITDA ficou em 2,7x, abaixo dos seus atuais covenants de 4x.

MetrôRio

A companhia encerrou o primeiro trimestre com dívida bruta de R$ 1,7 bilhão e caixa de R$ 687 milhões, chegando a uma dívida líquida de R$ 964 milhões. Cerca de 86% da dívida encontra-se classificada no longo prazo, reduzindo riscos de liquidez. A alavancagem (Dívida Líquida/EBITDA) terminou o 1T23 em 2,7x. A posição de caixa é suficiente para cobrir os vencimentos de dívida dos próximos quatro anos.

Movida

A dívida bruta encerrou em R$13,5 bilhões, sendo ~7% no curto prazo, com caixa de R$2,0 bilhões, levando a uma dívida líquida de R$11,5 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 3,0x dívida líquida/EBITDA ajustada (sem arrendamentos) no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 3,5x.

Rumo

A dívida bruta atingiu R$19,5 bilhões, sendo ~10% no curto prazo, enquanto a posição de caixa foi de R$10 bilhões. A relação dívida líquida/EBITDA ficou em 1,8x, abaixo dos seus atuais covenants de 3,0x.

Simpar

A dívida bruta atingiu R$39,7 bilhões, sendo ~10% no curto prazo, enquanto a posição de caixa foi de R$8,1 bilhões. A relação dívida líquida/EBITDA ficou em 3,7x, abaixo dos seus atuais covenants de 4x.

Vamos

A dívida bruta encerrou em R$10,4 bilhões, sendo ~10% no curto prazo, com caixa de R$1,7 bilhão, levando a uma dívida líquida de R$8,7 bilhões. Com isso, a alavancagem encerrou em 3,3x dívida líquida/EBITDA ajustada (sem arredamentos) no 3T23, o que se compara ao seu covenant de 3,75x.

AgroGalaxy

Ao final do 3T23, a dívida bruta foi de R$2,6 bilhões. Com o caixa de R$ 876 milhões, a dívida liquida fechou o trimestre em R$ 1,7 bilhão e a lavancagem em 4,2x, sendo que a companhia possui covenant de alavancagem de no máximo 3,0x a ser medido ao final de 2023. No período findo em setembro, 77% da dívida da Companhia se concentrava no curto prazo. Contudo, esperamos ver um maior alongamento das suas dívidas após renegociações com alguns bancos – acesse aqui para mais detalhes.

Ambipar

A dívida bruta atingiu R$ 7.077 milhões (R$ 836 milhões no curto prazo), com posição de caixa de R$ 2.582 milhões. A relação dívida líquida/EBITDA pro forma foi de 2,99x, ou 2,52x considerando os recursos da oferta ocorrida no trimestre, abaixo dos seus covenants atuais (3,0x). A Ambipar reportou Capex de R$ 199 milhões. O Capex aumentou para 16,8% da receita líquida contra 13,3% no 2T23.

Braskem

No 3T23, houve pagamentos de ~R$ 1 bilhão referente a Alagoas. Isso levou a um aumento da dívida líquida reportada, de US$ 4,8 bilhões para R$ 5 bilhões, e Dív Líq/EBITDA reportada em 12,2x (vindo de 7,9x no 2T23). Mesmo assim, a empresa permanece com uma posição de caixa robusta (US$ 3,4 bilhões) e com uma dívida bruta de longo prazo de alto prazo de vencimento (12,3 anos) e de baixo custo (6,2% em dólar). A companhia não possui covenants.

Ciclus Ambiental

A dívida líquida da Ciclus somava R$ 854 milhões ao final do 3T23, com alavancagem Dívida Líquida / EBITDA de 7,2x. O caixa da Simpar (que presta garantia para a Companhia em suas dívidas), no nível da holding, era de R$ 1,9 bilhão no mesmo período, além de R$ 500 milhões em títulos emitidos por controladas, sendo mais do que suficiente para cobrir a dívida da Ciclus em caso de necessidade. A Companhia possui covenant de índice de cobertura do serviço da dívida (ICSD), que deve ser acima de 1,3. No 3T23, afirmou estar em concordância com índice.

Lavoro

A dívida líquida da Lavoro somava R$ 789 milhões ao final da safra 22/23, com alavancagem Dívida Líquida / EBITDA de 3,96x e 100% do endividamento no curto prazo. Até o encerramento da safra 22/23, a Companhia não estava sujeita a covenant de endividamento. Por outro lado, a Companhia possui uma política interna de manter um indicador máximo de dívida líquida/EBITDA de até 2,2x (que se compara a 1,3x no fechamento da safra). Em nossa visão, a Lavoro apresenta rentabilidade e estrutura de capital satisfatórias, além de uma posição consolidadora em seu setor de atuação. Entretanto, o alongamento de seus passivosfinanceiros, aliado ao forte ritmo de aquisições,são fatores de risco a serem acompanhados.

Veja mais

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.