XP Expert

IPCA e confiança do consumidor nos EUA no radar; veja resultados de Suzano, C&A e mais

IPCA de abril, resultados no VAREJO (MGLU3 e CEAB3), política monetária são alguns dos temas de maior destaque nesta sexta-feira, 10/05/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Ouça no Spreaker


IBOVESPA -1,00% | 128.888 Pontos

CÂMBIO +1,01% | 5,14/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa fechou em queda ontem, aos 128.188 pontos (-1,0%). O índice foi afetado pela decisão do Copom da véspera, que optou por um corte de 0,25 p.p., conforme esperado, mas com o dissenso na decisão como uma surpresa. Essa falta de unanimidade projetou como poderá ser o comportamento do BC a partir de 2025, aumentando incertezas sobre o futuro econômico (leia a análise da nossa equipe Macro aqui).

Os principais destaques negativos na Bolsa brasileira foram Lojas Renner (LREN3, -6,5%) e Banco do Brasil (BBAS3, -4,4%), após resultados do 1T24 considerados negativos pelo mercado (leia nossa análise de LREN3BBAS3 aqui). Já os destaques positivos da sessão foram Petrobras (PETR3, +1,8%; PETR4, +1,0%), impulsionada por um avanço nos preços do Brent, e Vale (VALE3, +0,8%), fruto de um movimento técnico.

Para a sessão de sexta-feira, teremos o IPCA, e dados de inflação ao consumidor e produtor na China, ambos referentes ao mês de abril. Em termos de resultados domésticos, teremos Cemig, Cosan, M. Dias Branco, Ser Educacional, e YDUQS. Veja todas as análises aqui.

Renda Fixa

A curva de juros encerrou a sessão de quinta-feira em alta. Os ativos locais tiveram prêmios de risco adicionados após a repercussão da decisão dividida no Copom. Com isso, novamente o desempenho por aqui se descolou das Treasuries, que tiveram um pregão de alívio após os dados benignos de auxílio-desemprego nos EUA. As T-Notes de 2 anos fecharam a 4,80% (-4,0bps) e os de 10 anos a 4,45% (-3,0bps). DI jan/25 fechou em 10,25% (alta de 3bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 10,475% (estável); DI jan/27 em 10,85% (alta de 4bps); DI jan/29 em 11,41% (alta de 11,5bps).

Mercados globais

Nesta sexta-feira, os mercados operam em alta nos Estados Unidos (S&P 500: 0,4%; Nasdaq 100: 0,5%). A temporada de resultados se encaminha para o final. Dirigentes do Federal Reserve devem se pronunciar hoje, dando pistas sobre os próximos passos da política monetária.

Na Europa, as bolsas operam em alta (Stoxx 600: 0,9%) com a dados de PIB do primeiro trimestre indicando que o Reino Unido saiu de uma recessão técnica. Na China, as bolsas fecharam o dia em alta (HSI: 2,3%; CSI 300: 0,05%), com Hong Kong liderando após uma proposta de lei que isentaria investidores individuais de impostos sobre dividendos.

Economia

Na agenda doméstica, destaque para a divulgação do IPCA de abril, que deve trazer alívio nas principais métricas. Ontem, o Banco da Inglaterra manteve a taxa de juros, conforme o esperado. Nos EUA, hoje haverá a sondagem do consumidor realizada pela Universidade de Michigan.

Veja todos os detalhes

Economia

IPCA de abril é o destaque da sexta-feira

  • A principal divulgação do dia é o IPCA de abril, para o qual tanto mediana de mercado quanto a XP esperam avanço de 0,35% m/m. Em doze meses, a inflação cederia de 3,93% para 3,66%. Se a nossa projeção se provar correta, é esperado alívio nas principais métricas monitoradas pelo Banco Central.
  • Ontem, o Banco da Inglaterra manteve sua taxa básica de juros em 5,25% em decisão dividida, com um membro votando por redução da taxa de juros em 0,25 p.p.. A comunicação sobre a decisão trouxe revisões baixistas para a inflação prospectiva e, a nosso ver, indicou que o ciclo de cortes de juros deve iniciar-se já no 3º trimestre. Nos EUA, os pedidos semanais de seguro-desemprego surpreenderam para cima, aos 231 mil, o que ajudou a aliviar o mercado de títulos públicos.
  • Hoje, a agenda de indicadores nos Estados Unidos terá apenas a sondagem do consumidor da Universidade de Michigan, referente a maio. O mercado espera leve queda na confiança do consumidor e estabilidade nas expectativas de inflação de 5-10 anos em 3,0%.

Commodities

Papel e Celulose: A potencial aquisição da IP pela Suzano como principal destaque; Futuros para Jun’24 a US$ 723/t

  • o (i) De acordo com a Reuters, a Suzano abordou a International Paper para uma aquisição em dinheiro no valor de US$ 15 bilhões, no entanto, o negócio não foi confirmado pelas empresas;
  • o (ii) As exportações de celulose cresceram 5% M/M em abr’24, segundo a SECEX;
  • o (iii) os futuros chineses da BHKP estão atualmente em US$ 723/t para Jun’24 (estável S/S) e ligeiramente acima dos preços spot da BHKP de US$ 720/t na China e, finalmente,
  • o (iv) a Suzano está sendo negociada a 5,8x EV/EBITDA a termo quando excluído Cerrado, um desconto de 25% quando comparado à sua média histórica de 7,0x e 4% de desconto em relação aos players do mercado de celulose;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Empresas

Eletrobras (ELET3): Resultado do 1T24; Misto: Menor Margem Bruta, Menor Opex e Melhor Balanço Energético

  • O EBITDA ajustado ficou 3,7% abaixo das nossas expectativas, e o resultado também foi afetado por despesas financeiras líquidas acima do esperado;
  • Por outro lado, devemos reconhecer que os números da Opex foram positivos;
  • Em relação ao balanço energético, também houve boas notícias, com a empresa explorando melhores condições de mercado no trimestre e reduzindo significativamente sua exposição;
  • Na frente Empréstimo Compulsório, o passivo diminuiu R$ 1,9 bilhão T/T, embora os ganhos com os contratos tenham sido compensados por novas provisões;
  • Em suma, embora os resultados tenham sido piores do que a nossa previsão, há indicações de que irão melhorar no futuro;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Cogna (COGN3) – 1T24: Resultados mistos, com destaque para a captação da Kroton

  • A Cogna (COGN3) reportou resultados mistos no 1T24, com um lucro líquido ajustado de R$ 51 milhões:
    • A Kroton foi o destaque positivo, com um forte aumento nos volumes de captação no segmento Presencial e no Digital, e um aumento de 10,5% A/A do ticket médio no segmento Digital;
    • Por outro lado, observamos uma compressão de 4,7 p.p. na margem EBITDA ajustada, causada por uma mudança na sazonalidade das despesas de marketing;
    • A receita da Vasta foi impulsionada pelas vendas B2G, com receita de assinatura estáveis A/A – resultado de uma diminuição no ACV;
    • A alavancagem foi 3x EBITDA ajustado 12m, e esperamos uma redução adicional.
  • Apesar dos sinais de alerta, como a compressão da margem da Kroton e a redução do ACV da Vasta, consideramos a captação da Kroton sólida e esperamos que ela aumente a receita e as margens daqui para frente;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

SmartFit (SMFT3): Resultados em linha no 1T24

  • A SmartFit divulgou resultados em linha no primeiro trimestre, com sólido desempenho de receita e rentabilidade, apoiado pela expansão orgânica, fortes adições líquidas de membros e maturação das lojas;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alupar (ALUP11): Resultados do 1T24; Sem surpresas

  • Os resultados do 1T24 da Alupar vieram em linha com nossas estimativas, refletindo os efeitos do reajuste inflacionário em suas receitas e a redução esperada de 50% na RAP de alguns ativos;
  • O destaque do semestre foi o novo lote arrematado no Leilão 01/2024, que compreende 509km de linhas e uma RAP de R$ 154,4 milhões;
  • O projeto tem previsão de conclusão em 2029 e Capex previsto de R$ 1,4 bilhão;
  • Mantemos nossa recomendação Neutra em ALUP11, com preço-alvo de R$ 35/ação;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Camil (CAML3) – Resultados do 4T23 (Fev/24): recuperação encorajadora da rendibilidade

  • A CAML apresentou resultados sólidos, impulsionados pelo aumento dos preços do arroz, o que permitiu uma recuperação encorajadora da rentabilidade. A receita ficou abaixo das nossas estimativas, principalmente devido a preços mais baixos do que o esperado, uma vez que o aumento dos preços do arroz era um alvo que se movia rapidamente. No entanto, a maior lucratividade mais do que compensou a receita menor que o esperado e o EBITDA ajustado foi uma surpresa positiva em R$250 milhões (+6% vs. XPe e +59% A/A), já que a CAML reportou despesas G&A promissoras e abaixo de XPe (o que poderia ser um risco altista para a lucratividade de 2024);
  • Tal como antecipado na nossa prévia de resultados, a libertação de capital de giro, impulsionada por estoques mais baixos, reforçou a geração de caixa e reduziu a alavancagem para 2,9x ND/EBITDA (vs. XPe de 3,2x). Acreditamos que o 4T23 foi um ponto de inflexão na alavancagem e deverá contribuir para um melhor desempenho das ações no futuro;
  • Juntamente com a redução das despesas G&A, uma potencial recuperação das margens do Açúcar também poderia estabelecer uma nova taxa de rentabilidade em 2024, em nossa opinião.
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Locaweb (LWSA3): Resultados em linha no 1T24

  • A Locaweb reportou resultados em linha no primeiro trimestre, com recuperação contínua de margem;
  • A receita líquida cresceu 6% A/A, impulsionada por um crescimento de 9% A/A no segmento de Commerce, enquanto as vendas de Be Online/SaaS aumentaram 1% A/A;
  • A margem EBITDA ajustada aumentou 230bps, impulsionada principalmente por um sólido aumento na margem Be online/SaaS. Porém, a margem de Commerce ficou abaixo das nossas expectativas;
  • O lucro líquido aumentou 14,3% A/A. Mantemos nossa recomendação Neutra e YE24 TP de R$7,0/ação para LWSA3;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Bemobi (BMOB3): Resultados em linha no 1T24; Esperando por dias melhores

  • A Bemobi apresentou resultados em linha no primeiro trimestre;
  • Os resultados da empresa indicam uma recuperação no crescimento da receita, embora ainda impactada pela venda da Oi Móvel, resultando em uma redução de 10% na base de assinaturas, levando a um crescimento da receita de +3,4% A/A, para R$142 milhões;
  • O EBITDA ajustado foi de R$47 milhões, com aumento de 6,9% A/A, atingindo uma margem EBITDA de 32,8% (+110bps A/A);
  • Finalmente, o lucro líquido ajustado foi de R$22 milhões no 1T24 (+15,2% A/A e +7,4% acima do nosso), devido a receitas financeiras acima do esperado;
  • Além disso, a geração de caixa operacional foi de R$34 milhões (+16% A/A), resultado de um aumento de 7% no EBITDA ajustado e uma redução no capex, gerando uma taxa de conversão de caixa de 73,0%;
  • Em suma, mantemos nossa recomendação compra com preço-alvo de R$ 20,0/sh;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

BR Partners (BRBI11): Trimestre de recordes; Revisão do 1T24

  • O BR Partners registrou mais um trimestre positivo, com forte crescimento da receita (+36% A/A e +7% em relação às expectativas da XP);
  • O lucro líquido atingiu R$ 50 milhões, com um ROAE de 24% no 1T24. Apesar da fraca base comparativa em relação ao 1T23;
  • Os fortes resultados refletem uma recuperação em todas as linhas de negócios, principalmente nas receitas de IB e mercado de capitai;
  • Apesar do cenário ainda desafiador nos mercados de capitais, a empresa continua com uma impressionante trajetória de crescimento sequencial;
  • A empresa demonstrou sua resiliência em um ambiente desafiador e está bem posicionada para aproveitar as oportunidades de uma recuperação robusta neste ciclo de flexibilização monetária;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

B3 (B3SA3): Diversificado e resiliente | Revisão 1T24

  • Reconhecemos que, nos últimos anos, temos nos tornado cada vez mais pessimistas com relação à tese de investimento na B3;
  • A alocação questionável de capital em M&As recentes, o declínio dos volumes ao longo do tempo e a presença de ameaças competitivas contribuíram para nossa visão cautelosa da empresa;
  • Entretanto, é inegável que os esforços da empresa nos últimos anos foram recompensados;
  • Além disso, a empresa implementou iniciativas eficientes de controle de custos. Dito isso, embora os resultados do trimestre não sejam excepcionais, eles podem indicar que a empresa pode estar começando a trilhar um caminho mais positivo;
  • Ainda vemos as ameaças competitivas como um desafio, mas o trabalho realizado nos últimos anos, especialmente em custos e despesas, já ajudou.
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Méliuz (CASH3): Resultados sólidos: finalmente, o ponto de inflexão; Revisão do Resultado do 1T24

  • A Méliuz registrou um trimestre forte. Apesar da sazonalidade negativa do comércio eletrônico durante o primeiro trimestre, a empresa conseguiu apresentar apenas uma redução de 1% na receita A/A;
  • Esse desempenho positivo foi impulsionado pelos serviços financeiros, que tiveram um salto de 103% A/A. Isso, juntamente com o bom controle de custos, permitiu que a empresa (finalmente) imprimisse um EBITDA consolidado positivo (R$ 5,8 milhões);
  • Além disso, a sólida posição de caixa continuou beneficiando seus resultados financeiros e levou a um salto de mais de R$ 20 milhões no lucro líquido consolidado, encerrando o 1T24 em R$ 19,1 milhões;
  • O forte desempenho durante o trimestre pode ser um gatilho para as ações da CASH3.
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Inter & Co (INBR32): Crescimento de Lucratividade; Resultado do 1T24

  • O Inter & Co (INBR32) apresentou bons resultados, em linha com as expectativas, mas com um lucro mais forte;
  • Por mais um trimestre, o ritmo de melhoria nas métricas de custos operacionais superou os indicadores de receita, especialmente o ARPAC bruto, que registrou uma queda de 1,7% T/T;
  • O custo para servir continua sua tendência de queda (-16%), bem acima das expectativas em sua orientação de longo prazo, de acordo com o banco;
  • Como resultado, o banco reportou um lucro líquido de R$195 milhões (16% acima de nós), mostrando um crescimento significativo de 22% T/T. O ROE continua sua consistente trajetória ascendente, com 9,7%;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Suzano (SUZB3): Resultados do 1T24 – Uma pequena falha no 1T24, mas com implicações positivas para o 2T24E

  • A Suzano reportou resultados um pouco mais fracos do que o esperado, com EBITDA Aj. de R$ 4,6 bilhões +1% T/T e -3% vs. XPe (-6% vs. consenso).
  • Com a receita líquida de R$ 9,5 bilhões abaixo da nossa estimativa em 4%, notamos que o desempenho dos volumes de celulose foi o ponto fraco nos resultados de hoje (-13% T/T, -2% A/A e -5% vs. XPe), impulsionado principalmente por formação de estoque, segundo a empresa.
  • No entanto, os custos caixa de celulose (excluindo paradas) apresentaram melhoria contínua no 1T24, com os custos de madeira refletindo os esforços relacionados à eficiência da empresa e impulsionados positivamente pela queda nos preços dos insumos, estabelecendo um tom positivo para o 2T24E em diante, uma vez que a Suzano captura a recente recuperação da celulose (BHKP na China agora em ~US$720/t vs. preços realizados da Suzano de US$619/t neste trimestre).
  • Reiteramos nossa visão positiva e recomendação de Compra para a Suzano;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alpargatas (ALPA4): Resultados melhores no 1T24

  • A Alpargatas reportou resultados melhores no 1T, com um aumento do EBITDA impulsionado pelo controle nas despesas de vendas, gerais e administrativas e margem bruta melhor nas operações internacionais;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

C&A (CEAB3): Resultados sólidos no 1T24

  • A C&A divulgou outro sólido resultado no primeiro trimestre, com um forte desempenho de receita e um EBITDA melhor que o esperado, fruto da implementação de iniciativas internas e da alavancagem operacional;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Magazine Luiza (MGLU3): Resultados sólidos no 1T24

  • A Magazine Luiza divulgou um conjunto sólido de resultados do 1T, com um desempenho de receita líquida ainda moderado, mas melhorando a rentabilidade em ajustes comerciais e maior penetração de serviços;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Petz (PETZ3): Resultados fracos, mas em linha no 1T24

  • A Petz divulgou resultados fracos no primeiro trimestre, com crescimento e rentabilidade pressionados;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Viveo (VVEO3) – 1T24: Resultados negativos, com o capital de giro consumindo o caixa

  • A Viveo reportou resultados negativos no 1T24, com um prejuízo líquido ajustado de R$ 8 milhões:
    • As receitas aumentaram 5,7% A/A (4,8% organicamente), impulsionadas principalmente pela vertical de L&V. A margem EBITDA ajustada diminuiu 2,8 p.p. A/A, devido a um pior mix de vendas, ajustes de estoque e maiores despesas com frete;
    • O lucro líquido ajustado foi afetado por despesas financeiras líquidas, uma vez que a empresa apresentou uma alavancagem de 4,4x, que aumentou sequencialmente devido ao consumo de caixa causado pela deterioração do capital de giro.
  • Mantemos a nossa visão cautelosa em relação à empresa devido ao seu balanço financeiramente estressado e às dinâmicas operacionais desafiadoras;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Fleury (FLRY3) – 1T24: Resultados neutros, em linha com nossas estimativas

  • O Fleury (FLRY3) apresentou resultados neutros no 1T24, com lucro líquido de R$ 168 milhões:
    • A receita continuou a crescer em um ritmo lento, de 6,6% A/A, em meio a uma desaceleração na receita de PSC;
    • Diluições de custos combinadas com uma mudança no mix de receitas resultaram em um aumento de 1,1 p.p. A/A da margem EBITDA, enquanto as despesas permaneceram estáveis em relação à receita no mesmo período;
    • A alavancagem ficou em um índice confortável de 2,1x EBITDA 12m, mas a conversão de caixa operacional caiu para 43% do EBITDA devido a uma deterioração no ciclo de recebíveis.
  • Mantemos o crescimento da receita como a principal razão para nossa visão neutra sobre as ações;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Ecorodovias (ECOR3): 1T24 – Desempenho forte nas rodovias; resultado melhor do que o esperado

  • Ecorodovias reportou resultados positivos, EBITDA aj. de R$ 1.089 milhões (+40% A/A; +10% A/A comparável) e lucro líquido de R$ 231 milhões (>2x A/A; +13% vs. XP e +6% vs. consensus);
  • Observamos como pontos positivos:
    • forte receita comparável de rodovias (+12% A/A) devido ao sólido crescimento do tráfego (+6% A/A) e altos reajustes tarifários (+7% A/A);
    • novas concessões somando um crescimento de 39% na receita líquida total A/A.
  • Do lado negativo, a alavancagem permanece elevada, em 3,4x dívida líquida/EBITDA (vs. 3,5x no 4T23) devido ao grande perfil de investimentos da ECOR;
  • Reiteramos nossa classificação de Compra;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Ambipar (AMBP3): Resultados do 1T24 – Melhor margem EBITDA em ambos os negócios

  • Os resultados operacionais da Ambipar no 1T24 superaram nossas expectativas;
  • Environment teve uma expansão impressionante da margem EBITDA A/A, atribuída principalmente à sinergia operacional e substituição de contratos;
  • Além disso, a margem EBITDA cresceu 2,4 p.p. A/A principalmente devido à maior representação do Brasil, que tem margens mais altas do que outras localidades;
  • No entanto, a empresa reportou um prejuízo líquido ajustado dado o peso financeiro de sua dívida no período;
  • Diante do pagamento antecipado de parte de sua dívida, a Ambipar incorreu em despesas financeiras pontuais de R$ 135,9 milhões;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Construtoras | Noite de resultados do 1T24; Direcional e Cyrela como destaques

  • Neste relatório, apresentamos nossa análise dos resultados do 1T24 da CYRE3, DIRR3, MDNE3, PLPL3 e TRIS3;
  • A DIRR3 se destacou com um notável crescimento de 72% no lucro líquido A/A (24% acima do esperado), impulsionado por uma margem bruta mais forte do que o esperado;
  • A CYRE3 também teve uma expansão robusta do lucro líquido (+63% A/A e 4% acima de nós), impulsionada por (a) uma sólida receita líquida (+23% A/A) e (b) forte equivalência patrimonial, apesar de uma queda na margem bruta T/T;
  • A MDNE3 teve uma grande expansão do lucro líquido (+38% A/A), impulsionada por (a) receitas de incorporação e (b) fortes margens provenientes de condomínios;
  • A PLPL3 apresentou resultados mistos, principalmente devido à compressão da receita T/T e aos níveis pressionados de margem líquida de 8,3% (-2,2 p.p. A/A);
  • TRIS3 teve um sólido desempenho de receita, mas a lucratividade permaneceu sob pressão;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Simpar (SIMH3): 1T24 – Recuperação do Lucro Líquido; Vamos e Movida são os Destaques

  • A Simpar reportou resultados positivos, com recuperação do lucro líquido para R$ 122 milhões (vs. -R$ 214 milhões no 4T23);
  • Os destaques foram:
    • Desempenho positivo da Vamos, sustentado por (a) continuidade do desempenho positivo de Rental, e (b) melhoria dos resultados das Concessionáriaa, embora ainda abaixo do ideal;
    • Forte desempenho de locação da Movida, tanto em RaC quanto em Gestão de Frotas;
  • Os destaques negativos foram: ,argem EBITDA pressionada da Automob devido aos esforços de consolidação das empresas recém-adquiridas;
  • Reiteramos nossa recomendação de Compra para Simpar;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Tracker Mensal de Ferrovia e Resultado do 1T24 de Rumo e HBSA

  • A Rumo reportou (i) resultados positivos do 1T24 (a caminho do guidance para o ano fiscal de 2024), com EBITDA de R$ 1,7 bilhão (+43% A/A; +6% vs. consensus) principalmente sobre o crescimento tarifário acima do esperado (+20% A/A); e (ii) volumes neutros em abril de 24 (-4% A/A), em (a) comps fortes e (b) manutenção de ~2 dias em uma ponte ferroviária na Malha Paulista .
  • A HBSA, por outro lado, apresentou resultados fracos no 1T24, com EBITDA de R$ 175 milhões (-17% A/A; em linha com XPe), já que os baixos níveis de calados no Sul causaram EBITDA negativo (-R$ 7 milhões) e compensaram a dinâmica positiva no Norte (EBITDA +24% A/A);
  • Reiteramos as recomendações de Compra para Rumo (top pick do setor) e HBSA (apesar do momento operacional negativo no Sul).
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Localiza (RENT3): 1Q24 – Operações de Aluguel positivas com reprecificação; Seminovos continuam pressionados

  • A Localiza reportou um desempenho operacional positivo, apesar dos ventos contrários dos Seminovos.
  • O lucro líquido de R$ 734 milhões ficou em linha com nossa estimativa (R$ 731 milhões) e um pouco acima do consenso (R$ 698 milhões). Os principais destaques são:
    • Forte desempenho da receita de locação (tanto RAC quanto Gestão de Frotas) respaldado principalmente pelo aumento dos preços médios diários;
    • Um crescimento consistente do EBITDA (+11% A/A e +1% T/T) impulsionado pelas divisões de aluguel.
  • Por outro lado, os resultados de Seminovos continuaram pressionados, com margem EBITDA de 1,9% (-1,5p.p. T/T).
  • Reiteramos nossa classificação de Compra.

Clique aqui para acessar o relatório completo

Priner (PRNR3): Resultado 1Q24 – Performance fraca por atraso de contrato

  • A Priner reportou resultados fracos no 1T24, com lucro líquido consolidado de R$ 3 milhões (-66% A/A; -39% T/T);
  • As principais conclusões são:
    • Receita mais fraca de R$ 216 milhões (-10% A/A; -23% T/T), parcialmente explicados por um importante adiamento de contrato que deverá entrar apenas no final do 2T24;
    • Desempenho operacional abaixo das nossas expectativas com EBITDA de R$ 25 milhões (-7% XPe);
  • Por outro lado:
    • Margem bruta consolidada resiliente de 20% (estável em termos anuais e trimestrais), indicando controle de Opex;
    • Redução da alavancagem financeira com dívida líquida/EBITDA de 1,6x, como resultado do follow-on;
  • Reiteramos nossa recomendação de compra para Priner;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Lucro dos grandes bancos avança, mas cenário no ano fica mais incerto (Valor);
    • BB espera impacto limitado do RS sobre seus resultados (Valor);
    • Lucro líquido recorrente da B3 atinge R$ 1,13 bi no 1ºtrimestre (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Tech XP: Notícias diárias do setor de Telecom e Tecnologia
    • Desktop lança serviço de telefonia móvel, usando rede da TIM (Teletime);
    • TIM vai recorrer na Justiça sobre a decisão de CARF (Mobile Time);
    • Telecom almeja cashback de ao menos 50% na reforma tributária (Teletime);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Pão de Açúcar limita compra de arroz, feijão e leite no Brasil após enchentes no RS (Folha de São Paulo);
    • Haddad e Pacheco anunciam acordo para reonerar folha de pagamento a partir de 2025 (JOTA);
    • Deputado propõe isenção para remessa até US$ 50 e imposto menor até US$ 100 (Folha de São Paulo);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Oferta de planos de saúde não é suficiente para substituir os cancelamentos unilaterais, diz Qualicorp (Valor Econômico);
    • Prevent Senior: entenda a nova crise do plano de saúde (O Globo);
    • Hospitais privados de SP registram alta por casos de dengue e gripais (Folha);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • STF tem cinco votos para validar Lei das Estatais; indicações feitas podem ser mantidas (MegaWhat);
    • Eletrobras mantém interesse nos leilões de transmissão (Valor Econômico);
    • Leis trazem custo adicional ao setor elétrico (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Estratégia

Por que você deve reinvestir seus dividendos | Gráfico da semana

  • Na última edição do Gráfico da Semana: Nada bate o CDI?, mostramos como, nos últimos 5 anos, o retorno do índice de dividendos supera o rendimento do CDI de forma significativa. Dessa vez, mostramos que esta relação pode ser ainda mais extrema ao analisar o desempenho de ações individuais com e sem reinvestimento de dividendos;
  • A PETR4, ação preferencial da Petrobras, acumulou um retorno de 51% nos últimos 5 anos quando olhamos para a valorização de seu preço. Mas quando incluímos o reinvestimento de dividendos, esse crescimento aumenta para 353% no mesmo período;
  • Isso é equivalente a um desempenho quase 6x maior do que o retorno sem dividendos reinvestidos, ilustrando o efeito dos juros compostos;

Factor Pulse: Analisando os efeitos da alta de juros

Neste relatório, atualizamos nossos modelos de fatores e apresentamos uma lista atualizada de cestas de fatores, resultados do nosso modelo proprietário, oferecendo insights sobre seus desempenhos recentes;

  • Os principais destaques incluem:
  • À medida que os investidores adotaram uma postura mais avessa ao risco e as taxas de juros subiram em reação ao discurso de “mais altas por mais tempo”, Baixo Risco teve o melhor desempenho no mês, seguido de perto por Qualidade;   
  • Baixo Risco se beneficiou de desempenhos robustos em ambas as pontas da nossa estratégia long & short, entregando assim retornos notáveis em abril. Entre os quintis superiores, os nomes de Alta Qualidade foram os mais resilientes no mês passado, seguidos pelos de Baixo Risco — em linha com o sentimento predominante de aversão a risco; e
  • Analisando períodos de aumento dos juros no Brasil, os retornos do fator de Baixo Risco são consistentemente positivamente correlacionados com a alta das taxas, sugerindo que este é o fator mais bem posicionado para capturar esses movimentos na curva. Por outro lado, Valor parece ser o fator menos favorável para se posicionar num contexto de alta.
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Emerging market junk bonds are top performers in sovereign debt markets (FT).
  • Inflação no Brasil, falas do Fed, confiança do consumidor nos EUA e mais destaques (Infomoney).
  • Light fecha acordo para repactuar dívida com ‘bondholders’ (Valor).
  • Ratings do Banco Sicredi colocados em CreditWatch negativo por incertezas no impacto das inundações sobre o sistema cooperativo (S&P Global).
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • VBI Prime Properties deve se tornar maior fundo imobiliário de escritórios do País (Estadão);
    • CSHG convoca assembleia para transferência de FIIs para Pátria Investimentos; Índice cai após Copom (Money Times);
    • FIIs recuam e IFIX cai 0,26% no primeiro pregão após Copom (FIIs);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

BNDES deve apresentar em julho estudo sobre retomada de Angra | Café com ESG, 10/05

  • O mercado encerrou o pregão de quinta-feira em território negativo, com o IBOV e o ISE registrando perdas de 1,0% e 1,6%, respectivamente;
  • Do lado das empresas, (i) a Braskem reduziu sua capacidade de produção para 50%, após ser forçado a paralisar a suas operações no polo petroquímico de Triunfo (RS), em decorrência dos impactos das chuvas no estado; e (ii) segundo o presidente da Eletronuclear, estatal que administra e opera as usinas nucleares no país, o BNDES deve apresentar em julho um estudo sobre a retomada da usina nuclear Angra 3 no Rio de Janeiro;
  • Já na política, as associações representantes das indústrias eólica e solar divulgaram uma carta em defesa ao PL do Hidrogênio, que busca incentivos e subsídios para os produtores de energia elétrica a partir de hidrogênio verde;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.