XP Expert

Expresso Alimentos & Bebidas #30

Confira os destaques do setor de Alimentos e Bebidas nesta semana.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Confira os destaques do setor de Agro, Alimentos & Bebidas nesta semana

Quais tópicos costumamos abordar? Preços das principais proteínas (boi, suíno e frango vivos, bem como suas respectivas carcaças); exportações brasileiras semanais de commodities selecionadas; preços de milho e soja, além de açúcar e etanol; dados do mercado norte-americano de proteínas; dados de fluxo e performance das ações na semana.

Por que esses dados são importantes? Porque eles podem impactar os preços de ações como ABEV3, BRFS3, JALL3, MEAL3, MRFG3 e SMTO3. No momento, estamos restritos em JBSS3 e BEEF3 por determinação da nossa área de Compliance. Ou seja, não podemos realizar comentários sobre essas duas empresas por enquanto.

  • Gostaria de receber nossos relatórios por email de Agro, Alimentos & Bebidas (em inglês)? Clique aqui.
  • Quaisquer críticas, dúvidas ou sugestões são bem vindas: basta deixar um comentário no final do post.
  • Para conferir nossas teses de investimento, basta clicar nos links abaixo. Nossas top picks são Marfrig e Jalles.

AmBev (ABEV3): recomendação de Compra, preço-alvo de R$ 17 por ação

BRF (BRFS3):
recomendação de Compra, preço-alvo de R$ 30 por ação

IMC (MEAL3):
recomendação de Neutro, preço-alvo de R$ 4 por ação

Marfrig (MRFG3): recomendação de Compra, preço-alvo de 24 por ação

Jalles Machado (JALL3): recomendação de Compra, preço-alvo de R$ 14 por ação

São Martinho (SMTO3): recomendação de Compra, preço-alvo de R$ 38 por ação


#1 Relatórios Recentes: Resultado de AmBev, Prévia de BRF e Marfrig

IMC (MEAL3): segunda onda de Covid prejudica resultados; mantemos Neutro

IMC (Neutro, R$ 4,00 de preço-alvo) reportou seus resultados do primeiro trimestre de 2021 (1T21) nesta manhã, ainda fortemente afetados pela segunda onda da Covid. Suas margens foram pressionadas devido a uma combinação de desalavancagem operacional e inflação nos alimentos. A receita líquida consolidada no trimestre foi de R$ 322 mi, 10% acima de nossas expectativas (-12,2% A/A), mas o EBITDA de R$ 2,3 mi ficou 18% abaixo de nossa projeção, principalmente devido aos custos acima do previsto, o que manteve a margem bruta em 23,2% (-16bps A/A).

As operações internacionais foram o principal destaque positivo, com Estados Unidos e Caribe apresentando resultados sequencialmente mais fortes e também impulsionados pela câmbio desvalorizado. Além disso, o Frango Assado mais uma vez mostrou sua resiliência, com a receita líquida diminuindo apenas 3% A/A. Por outro lado, a divisão KFC, Pizza Hut, Viena e outras apresentou um resultado operacional negativo e um desempenho significativamente pior do que o esperado.

Como já dissemos anteriormente, acreditamos que a IMC está caminhando na direção certa, mas gostaríamos que algumas iniciativas de médio prazo ganhassem força antes de ficarmos construtivos com a ação MEAL3. Olhando para o futuro, a recuperação do volume de vendas em abril/maio foi mais rápida do que em 2020, de acordo com a IMC. Com isso, a receita poderia aumentar no curto prazo, caso não ocorram outros solavancos no caminho como a 2ª onda da Covid.

Clique aqui para acessar o relatório completo sobre o resultado da IMC no 1T21

BRF (BRFS3) – apesar de margens pressionadas, a estratégia de valor agregado mais uma vez compensa

BRF reportou resultados resilientes no primeiro trimestre de 2021 (1T21), em grande parte alinhados com as nossas estimativas: embora os aumentos de preços não tenham sido suficientes para compensar as pressões nos custos devido ao aumento nos preços dos grãos, ainda assim o EBITDA ajustado consolidado veio 6% acima das nossas expectativas e atingiu R$ 1,2 bilhão (-4% A/A).

O ponto-chave para esse resultado, a nosso ver, é que a BRF conseguiu aumentar os preços de seus produtos em 20% no trimestre em nível consolidado: um forte desempenho considerando a frágil situação econômica do Brasil. Do lado ruim, o aumento do preço dos grãos ainda foi mais forte, +25% A/A, comprimindo a margem bruta, que foi de 25% no 1T20 para 21% no 1T21, e ficou 90 pontos base abaixo da nossa estimativa de 22%.

Apesar do trimestre agridoce, continuamos construtivos com a tese de investimento de médio e longo prazo da BRF. Deixando de lado o desempenho das ações, parece-nos que a empresa está construindo uma plataforma forte para melhores tempos de mercado, embora ainda não esteja claro quando isso acontecerá. Nesse sentido, mantemos nossa recomendação de Compra para as ações BRFS3 com um preço-alvo de R$ 30 por ação.

Clique aqui para acessar o relatório completo sobre o resultado da BRF no 1T21

Marfrig (MRFG3): mais uma vez, forte desempenho nos EUA compensa desafios na América do Sul no 1T21; reiteramos Compra

A Marfrig reportou seus resultados do primeiro trimestre de 2021 (1T21). No geral, os números vieram em linha com nossas expectativas, mas ainda assim muito fortes no geral. O EBITDA ajustado ficou em R$ 1,7 bi, 8% abaixo do que esperávamos mas ainda 40% acima do mesmo trimestre em 2020. Nesse sentido, reiteramos nossa recomendação de Compra, com preço-alvo de R$ 24 por ação.

Na nossa visão, os números da Marfrig no 1T21 foram excelentes, com a América do Norte apresentando margens impressionantes, sendo que a nossa única preocupação continua sendo a América do Sul diante do aumento dos custos no curto prazo. Como já dissemos anteriormente, olhando para frente, acreditamos que os resultados da Marfrig devem sofrer uma acomodação em relação aos resultados estelares alcançados ao longo de 2020, e nossas projeções incluem tal normalização.

Ainda assim, reiteramos nossa recomendação de Compra, com preço-alvo de R$ 24 por ação pois, mesmo colocando na conta um curto prazo robusto e um médio prazo normalizado, ainda assim enxergamos um potencial de alta significativo para MRFG3 versus os preços atuais.

Clique aqui para acessar o relatório completo sobre o resultado da Marfrig no 1T21

AmBev (ABEV3): resultados sólidos em meio a cenário ainda desafiador; volume de cerveja Brasil cresce 16% na comparação anual

A AmBev registrou mais um trimestre sequencialmente forte, com um EBITDA normalizado de R$ 5,38 bilhões (+26% A/A e +22% versus XPe) e uma margem EBITDA de 32% (-157 bps A/A e + 169 bps versus XPe). Mantendo a excelência operacional como sua vantagem competitiva principal, acreditamos que a inovação no portfólio e a estratégia digital estão dando cada vez mais frutos, impulsionando o desempenho da empresa.

Por exemplo: produtos lançados há apenas um ano já teriam garantido uma posição entre os top 5 mais vendidos pela empresa, a exemplo da Brahma Duplo Malte, que contribui positivamente para um crescimento de 16% A/A nos volumes de Cerveja Brasil. Em resumo: mantemos nossa classificação de Compra para ABEV3, com preço-alvo de R$ 17,15 por ação e seguimos otimistas com o papel, apesar de esperarmos volatilidade no curto prazo.

Clique aqui para acessar o relatório completo sobre o resultado da AmBev no 1T21


#2 Veja os Gráficos Chave para Entender o Setor

Performance das Ações

Proteínas nos EUA

Açúcar & Etanol

Açúcar segue rompendo recordes em abril atingindo a casa dos 18 cents por libra-peso e reforçando a ideia de um balanço de oferta e demanda apertado para a safra 2021/22

Milho & Soja

Novamente, cotações em alta, sobretudo nos EUA: milho segue acima dos US$ 7 por bushel e soja acima dos US$ 16; no Brasil, altas menores, mas ainda significativas

Exportações de Proteínas

Na primeira semana de maio, exportação de suínos segue forte (+21% A/A em volumes), frango acelera recuperação (+14% A/A em preços) e bovino com resultados mistos

Proteínas no Brasil

Pressão nos Custos segue preocupando: arroba fecha a semana em R$ 311 (+56% versus 2020), frango vivo em alta de 63% A/A e suíno vivo em alta de 36% versus abril


#3 Confira as Principais Notícias da Semana

Sexta, 14 de Maio

Destaque para: (i) repercussões da divulgação dos resultados da BRF e da JBS; (ii) Tyson vende área de petiscos para pets; (iii) governo mantém mistura do biodiesel em 10%; (iv) La Niña chega ao fim; (v) grãos em queda em Chicago em dia de realização de lucros

JBS: cenário positivo nos EUA Valor Econômico

Fundamentais para os resultados positivos registrados pela JBS no primeiro trimestre do ano, as operações na América do Norte continuam com boas perspectivas para os próximos trimestres, impulsionadas pela ampla oferta de gado nos Estados Unidos e pela recuperação da demanda no país, sobretudo no food service. O cenário foi traçado em teleconferência com analistas da qual participou o CFO da empresa, Guilherme Cavalcanti.

BRF: foco na gestão de custosValor Econômico

Embora os custos estejam elevados, as perspectivas para a indústria de aves e suínos são positivas. A BRF, conseguiu, com sua gestão de custos, garantir insumos com preços abaixo da média de mercado no primeiro trimestre, mas reajustes são necessários. O cenário foi traçado em teleconferência com analistas da qual participou o vice-presidente de finanças e relações com investidores da empresa, Carlos Moura.

Marfrig recebe recomendação para habilitar planta de Alegrete a exportar aos EUAValor Econômico

A Marfrig recebeu recomendação das autoridades para iniciar o processo de habilitação de sua planta de Alegrete, no Rio Grande do Sul, para exportar carne bovina aos EUA, informou a empresa. A unidade é a quinta da companhia a receber a recomendação, a segunda este ano. Em janeiro, a planta da Marfrig em Bagé, também no Rio Grande do Sul, foi habilitada.

Tyson Foods vende área de petiscos para pets para a General Mills por US$ 1,2 biValor Econômico

A americana Tyson Foods, maior processadora de carnes dos EUA, anunciou um acordo para vender seu negócio de petiscos para animais de estimação para a gigante de alimentação General Mills, por US$ 1,2 bilhão. A transação ocorre 11 anos depois que a Tyson entrou no negócio de guloseimas para pets. O negócio deverá ser concluído até o fim do ano fiscal da Tyson, em setembro.

Governo alega “interesse do consumidor” ao manter mistura do biodiesel em 10%Valor Econômico

O Ministério de Minas e Energia afirmou ao Valor que a decisão de manter em 10% a mistura de biodiesel no diesel, criticada pelo setor produtivo e bem-recebida pela indústria automotiva, distribuidores e revendedores de combustíveis, foi tomada levando “em consideração a proteção dos interesses do consumidor”. Ontem, o MME informou que manterá o teor para o leilão 80, que será realizado em junho e prevê as entregas para julho e agosto.

Após sete meses, La Niña chega ao fimValor Econômico

O La Niña chegou ao fim em abril, segundo comunicado da Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês) distribuído nesta quinta-feira. Caracterizado pelo resfriamento das águas do Pacífico equatorial, o fenômeno climático havia começado em setembro do ano passado.

Realização de lucros derruba cotações de grãos em ChicagoValor Econômico

As cotações dos grãos negociados na bolsa de Chicago despencaram nesta quinta-feira. A sessão foi marcada por forte realização de lucros, ocorrida um dia após a divulgação do primeiro relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) para a safra 2021/22. Por um lado, com as altas dos papéis, que neste ano chegam a dois dígitos, agentes de mercado já esperavam a correção. Mas, por outro, ainda não é possível afirmar se a queda acentuada representa o fim do atual ciclo de valorização dessas commodities, já que seus fundamentos de oferta e demanda ainda dão sustentação às cotações.

Valor da produção agropecuária do país alcançará R$ 1,1 tri, confirma ministérioValor Econômico

A confirmação de mais uma colheita recorde de grãos no país nesta safra 2020/21, puxada pela soja, e o cenário positivo para as exportações de carnes mantiveram a estimativa do Ministério da Agricultura para o valor bruto da produção (VBP) agropecuária do país neste ano em R$ 1,1 trilhão, montante recorde 12,1% superior que o cálculo para 2020 (R$ 960,2 milhões).

Is beef the new coal? Bloomberg

Eleven Madison Park, a top Manhattan restaurant, is going meatless. The Epicurious cooking site stopped posting new beef recipes. The Culinary Institute of America is promoting “plant-forward” menus. Dozens of colleges, including Harvard and Stanford, are shifting toward “climate-friendly” meals. If this continues — and the Boston Consulting Group and Kearney believe the trend is global and growing — beef could be the new coal, shunned by elite tastemakers over rising temperatures and squeezed by increasingly cheap alternatives.

Increasing demand for nostalgic flavours in drinks IWSR

In times of crises, people are known to seek comfort in the familiar. Over the course of the coronavirus pandemic, beverage alcohol consumers have turned to products with nostalgic flavours as they seek both comfort and indulgence. This trend has manifested in a number of drinks categories, leading to an increase in products inspired by dessert and confectionary.

Renewables evolution or revolution? Pace of tech investments will decide Reuters

Global investment in energy transition technologies needs to more than double over the next few decades to significantly reduce the cost of renewables, which are set to provide around 60% of the world’s energy needs by 2050, industry officials say.

Quarta, 12 de Maio

Destaque para: (i) repercussões do resultado da Marfrig no 1T21; (ii) Arábia Saudita sinaliza mais restrições à importação de carne de frango do Brasil; (iii) exportações brasileiras de carne suína e de frango registram alta novamente

O churrasco americano nunca deu tanto dinheiro — a Marfrig agradecePipeline

Se o sucesso da vacinação nos Estados Unidos dá aos americanos o luxo de programar uma barbecue season de respeito — 4 de julho é logo ali —, a brasileira Marfrig já pode acender a brasa. Dona do quarto maior frigorífico americano, a firma de Marcos Molina acaba de reportar seu melhor primeiro trimestre, com lucro líquido de R$ 279 milhões.

A Arábia Saudita dá mais um sinal que quer restringir a importação de carne de frango do BrasilO Globo

A decisão tomada na semana passada pela Arábia Saudita de suspender a importação de carne de frango da Seara (JBS) e de mais dois frigoríficos brasileiros é apenas uma das medidas de protecionismo do governo local para tentar estimular a produção naquele país. O governo Bolsonaro foi também informado de outra notícia ruim: dias atrás, a Arábia Saudita enviou à OMC uma carta em que avisa que quer diminuir de doze para três meses o prazo de validade do frango congelado que o país importa. 

Sauditas suspenderam frigoríficos brasileiros por contaminação microbiológica, diz governoValor Econômico

A Arábia Saudita alegou uma possível contaminação microbiológica para suspender 11 frigoríficos brasileiros de carne de frango, segundo informou o governo federal nesta terça-feira. “Por meio da Nota Verbal, a SFDA (Saudi Food and Drug Authority, na sigla em inglês) informou que os estabelecimentos foram suspensos, com vigência a partir de 23/05/21, porque produtos exportados pelas empresas envolvidas teriam ultrapassado limites e padrões microbiológicos estabelecidos no Regulamento Técnico nº GSO 1016/2015”, disse o Ministério das Relações Exteriores, em nota.

Sauditas pedem mais restrições a frigoríficosValor Econômico

A Arábia Saudita quer reduzir de um ano para três meses o prazo de validade da carne de frango in natura que pode ser vendida ao país. A informação foi divulgada ontem inicialmente pela BRF e confirmada posteriormente pelo governo brasileiro. Os sauditas comunicaram a medida à Organização Mundial do Comércio (OMC) no dia 6 de maio. Ela será agora analisada pelos países-membros potencialmente afetados, caso do Brasil, até 5 de julho. Até lá, o prazo de validade não será alterado.

ADM mantém avanço no Brasil, com foco em nutriçãoValor Econômico

O crescimento da produção de grãos no Brasil nesta safra 2020/21 e os elevados preços de commodities como soja e milho nos mercados internacional e doméstico tendem a continuar gerando bons resultados para a americana ADM neste ano no país, onde os negócios do segmento de nutrição também continuam em expansão. Mas riscos climáticos e financeiros, incluindo cambiais, estão no radar da companhia, que na América do Sul também tem avançado na Argentina e no Paraguai.

Exportações brasileiras de carne suína voltaram a registrar forte alta em abrilValor Econômico

As exportações de carne suína do país (in natura e processada) somaram 98,3 mil toneladas e renderam US$ 232,3 milhões em abril, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Em relação ao mesmo mês do ano passado, o volume cresceu 35,1% e a receita foi 40,6% superior.

Exportações brasileiras de carne de frango cresceram mais de 15% em abrilValor Econômico

As exportações de carne de frango do país (in natura e processada) somaram 395,7 mil toneladas e renderam US$ 610 milhões em abril, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Em relação ao mesmo mês do ano passado, o volume cresceu 15,3% e a receita foi 18,2% superior – o valor foi o maior em 16 meses.

Markets weigh prospect of new commodities supercycleFinancial Times

It’s been a decade since the last commodity market boom, triggered by China’s emergence as a global economic powerhouse, finally ran out of steam. But a wide-ranging rally that has propelled the price of key raw materials including copper, lumber and iron ore to all-time highs and also boosted agricultural commodities is fuelling expectations that a new commodities “supercycle” has arrived. But what is a commodity price supercycle and what makes it different from short term boom and bust business cycles?

Americans Pay Up for Pricey Steaks Even as Cattle AboundBloomberg

It turns out a pandemic can do wonders for the economics of beef, and meat companies like Tyson Foods Inc. are reaping the benefits. Currently, there’s plenty of cattle in the U.S. Last year Covid-19 caused meat plants to shut down, and farmers had nowhere to send animals. Ranchers simply left their herds to graze on pasture and multiply. Now add high beef prices to that. Pandemic restrictions are easing, restaurants are reopening, and the meat is in high demand. So far Americans have been willing to pay up for more expensive steaks and burgers.

Terça, 11 de Maio

Destaque para: (i) AmBev transfere CD de Paulínia ao Grupo Imediato; (ii) ADM deve construir nova planta de esmagamento de soja nos EUA; (iii) Tyson divulga resultados do 1T21; (iv) após altas seguidas, milho recua em Chicago na véspera da divulgação do WASDE

Passagem de frente fria será rápida, mostra Inmet Notícias Agrícolas

De acordo com Francisco de Assis Diniz, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) o avanço de uma frente fria vai aumentar as condições de chuvas em todo o estado do Paraná nesta semana. Segundo as previsões mais recentes, o sistema que vai entrar pelo Rio Grande do Sul vai favorecer as precipitações, sendo os maiores volumes esperados no centro, sul e leste do estado. 

Ambev transfere centro de distribuição de Paulínia ao Grupo ImediatoValor Econômico

O Grupo Imediato, especializado no segmento de logística customizada, irá incorporar 100% das operações logísticas do Centro de Distribuição Direta (CDD) da Ambev em Paulínia, interior do Estado de São Paulo. A empresa já operava como terceirizada na estrutura desde 2019 e assumirá totalmente a planta até junho.

ADM to build new soy crushing facility to meet rising food, fuel demandReuters

U.S. agricultural commodities trader ADM said on Monday it planned to build a soy-crushing facility and refinery in North Dakota to meet increasing demand for food and renewable fuel. Companies are counting on rising demand for food as restaurants and the travel sector emerge from the COVID-19 pandemic, and for feedstocks to produce biofuels, including renewable diesel.

U.S. pump prices head for highest since 2014 as hacked fuel pipeline shutReuters

U.S. gasoline prices at the pump jumped 6 cents in the latest week, according to the American Automobile Association (AAA), and could soon be headed for the highest level since 2014 due to a cyber attack that shut down the country’s biggest fuel pipeline system. Average U.S. pump prices increased 6 cents per gallon in the latest week to $2.967 per gallon for regular unleaded gasoline, the AAA said. An increase of 3 more cents would make the national average the most expensive since November 2014.

Natural One amplia vendas externas de suco com sua marcaValor Econômico

Criada há quase dez anos com foco inicial na crescente demanda por sucos prontos para beber no Brasil, a Natural One, com sede em Jarinu, na Grande São Paulo, já tem nas vendas a outros países um importante vetor de negócios. E, diferentemente do que costuma acontecer nesse segmento, a empresa vem conseguindo ampliar fronteiras com sua própria marca, garantindo maiores margens de lucro.

Busca Terra cresce em dados de áreas ruraisValor Econômico

A startup Busca Terra, que oferece informações sobre propriedades rurais a partir de dados públicos, lançará hoje um aplicativo próprio, em um movimento de ampliação de suas operações. Criada em 2019, a empresa também trabalha para levantar com fundos de investimentos, ainda neste ano, entre R$ 1 milhão e R$ 4,5 milhões.

Critérios sustentáveis de crédito preocupam produtorValor Econômico

Produtores estão preocupados com os critérios de sustentabilidade que o Banco Central quer estabelecer para a concessão de financiamentos bancários por meio da criação de um Bureau Verde de Crédito Rural, previsto para entrar em operação em julho. Para o setor, as novas regras poderão discriminar agricultores e pecuaristas, elevar o risco e encarecer os empréstimos.

Desmate na Amazônia pode gerar perdas de US$ 1 bi ao agro por ano, diz estudoValor Econômico

Em artigo publicado na revista científica “Nature Communications” nesta segunda-feira (10), cientistas brasileiros afirmam que a falta de chuva e a perda da biodiversidade provocadas pelo desmatamento na região sul da Amazônia já causam queda de produtividade e de receita ao agronegócio brasileiro. A estimativa é de, mantidos os níveis atuais de desmatamento, o prejuízo chegue a até US$ 1 bilhão (o equivalente, hoje, a R$ 5,7 bilhões) por ano até 2050.

Commodities: Após sete altas seguidas, milho recua em ChicagoValor Econômico

Os preços do milho interromperam uma sequência de sete altas consecutivas e fecharam em baixa na bolsa de Chicago nesta segunda-feira. Os contratos futuros para julho, de maior liquidez atualmente, caíram 2,8% (20,5 centavos de dólar), a US$ 7,1175 o bushel.

SoluBio, do ramo de defensivos biológicos, faz captação de R$ 13,5 milhõesValor Econômico

A SoluBio, empresa criada em 2016 com foco na ampliação da eficiência da cadeia de defensivos biológicos a partir do estímulo à produção nas próprias fazendas dos agricultores, informou que fez uma nova captação de recursos, de R$ 13,5 milhões, para expandir seu modelo de negócios.

Syngenta faz sua primeira exportação direta de soja brasileira para a ChinaValor Econômico

A Syngenta, uma das maiores empresas de sementes e defensivos agrícolas do mundo, informou que deverá chegar amanhã, no porto de Xinsha, o primeiro embarque de soja brasileira que fez diretamente para a China, sem a intermediação de uma trading. A carga de 70 mil toneladas do grão, avaliada em US$ 38 milhões, foi negociada em linha com a estratégia “Agriculture Value Chain”, anunciada em fevereiro, e por meio da plataforma Nutrade.

Etanol só é vantajoso em Mato Grosso e Minas Gerais, diz ANP Valor Econômico

Apenas dois Estados, Mato Grosso e Minas Gerais, têm hoje preços do etanol mais competitivos que os da gasolina, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgado nesta segunda-feira. O custo médio do litro do etanol subiu 2,1% no país, passando dos R$ 3,908 da semana anterior para R$ 3,990 no último sábado. O preço do biocombustível subiu em 20 Estados e no Distrito Federal e caiu em seis.

Lucro da Tyson Foods cresceu 26,6% no 2º trimestre do atual exercícioValor Econômico

A americana Tyson Foods informou que registrou lucro líquido de US$ 476 milhões no segundo trimestre de seu atual exercício, encerrado em 3 de abril, ante US$ 376 milhões um ano antes. Por ação, o lucro subiu de US$ 1,03 para US$ 1,30. As vendas da empresa aumentaram de US$ 10,89 bilhões, no segundo trimestre do ano-fiscal 2020, para US$ 11,3 bilhões.

Segunda, 10 de Maio

Na BRF, produção local dá escala a proteínas vegetaisValor Econômico

Uma das prioridades da BRF para alcançar o ambicioso plano de triplicar de faturamento até 2030, as proteínas vegetais que imitam o sabor da carne começam a ganhar escala na companhia. Depois de uma estreia tímida no ano passado, importando nuggets e hambúrguer vegetal da Holanda, a companhia desenvolveu tecnologia local para explorar a força da Sadia no mundo plant-based.

‘CRA verde’ financiará Fazenda da TocaValor Econômico

A Fazenda da Toca, do empresário Pedro Paulo Diniz, levantou R$ 25 milhões com a emissão de um Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) com selo verde, o primeiro concedido ao setor de avicultura de postura no país. Maior produtora de ovos orgânicos da América Latina e modelo na produção regenerativa, que utiliza apenas áreas degradadas e já desmatadas há muito tempo, a empresa projeta mais que dobrar de tamanho nos próximos três anos: até 2024, ela prevê ampliar o volume de produção em 133%.

Presidente do Burger King está confiante na recuperaçãoValor Econômico

Embora prefira manter uma visão cautelosa, Iuri Miranda, presidente do grupo de fast-food BK Brasil, das redes Burger King e Popeyes, está confiante que a retomada dos negócios deve se aquecer até o fim do ano. Nos primeiros três meses de 2020, a companhia registrou um prejuízo líquido atribuível aos sócios de R$ 162,4 milhões, montante quase três vezes maior do que as perdas de R$ 55,6 milhões do mesmo período de 2020. A receita caiu 13,3%, para R$ 562,6 milhões. O desempenho foi afetado pelas novas restrições determinadas pelos governos municipais e estaduais por conta do avanço da Covid-19.

M. Dias Branco eleva preços e o varejo reage Valor Econômico

A fabricante de alimentos M. Dias Branco começou 2021 com o objetivo de recuperar rentabilidade. O volume cresceu no ano passado, mas era preciso olhar com mais cuidado para as margens. Além de intensificar o corte de custos e despesas com o programa Multiplique, a companhia entrou em janeiro com um reajuste médio de 10% para suas massas secas e biscoitos. Mas não esperava encontrar um varejo tão resistente ao aumento.

Commodities em alta dão impulso extra à balançaValor Econômico

A alta surpreendente das commodities abriu espaço para projeções de superávit recorde de balança comercial brasileira e termos de troca superiores aos de 2011, no auge do que foi chamado de superciclo desses ativos. O cenário de bonança promovido pelo impulso externo pode ampliar de perto de 40% em 2020 para cerca de 45% neste ano a participação das cadeias de commodities no Produto Interno Bruto (PIB), considerando desde extração e produção até exportação e serviços finais.

Soja realiza lucros neste início de semana em Chicago e foca possíveis novas chuvas nos EUANotícias Agrícolas

Os preços da soja registram leves baixas no pregão desta segunda-feira (10) na Bolsa de Chicago, depois de altas de 3% na semana anterior. Perto de 7h35 (horário de Brasília), as cotações perdiam entre 3,75 e 11 pontos nos principais vencimentos, levando o julho a US$ 15,83 e o novembro a US$ 14,22 por bushel.  De acordo com analistas e consultores, o mercado realiza lucros neste início de semana depois de um final de semana menos frio do que o esperado. A tendência é de que o tempo siga mais frio do que o comum para este período do ano pelo menos até quarta-feira (12). 

Carbon pricing – markets, taxes or regulation?Reuters

The cost of EU emissions allowances has doubled over the last two years, which is likely to renew debate over the relative merits of market-based and tax-based approaches to pricing carbon dioxide emissions.

Produtores brasileiros poderão usar grão para comprar caminhoneteValor Econômico

Produtores rurais brasileiros vão poder comprar suas novas caminhonetes e pagar com os grãos produzidos nas fazendas. A Stellantis, mais nova “supermontadora” de veículos, nascida da fusão do grupo FCA Fiat Chrysler com PSA Peugeot Citroën, lançou um programa-piloto de venda de automóveis das marcas Fiat, Jeep e Ram que permite pagamento fixo e liquidado em soja.

Lucro da BrasilAgro cresce 5,5 vezes no 3º trimestre do ano-safra 20/21Valor Econômico

A BrasilAgro – Companhia Brasileira de Propriedade Agrícolas teve lucro líquido de R$ 137,5 milhões no terceiro trimestre do ano safra 2020-2021, encerrado em 31 de março deste ano, segundo demonstrações financeiras enviadas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na noite desta sexta-feira. O resultado é 5,5 superior ao ganho de R$ 24,6 milhões em igual período do ano-safra passado.

Soja sobe e se aproxima de US$ 16 em ChicagoValor Econômico

Nesta sexta-feira, a soja fechou em alta na bolsa de Chicago pelo quarto pregão seguido. Os futuros para julho, mais negociados no momento, avançaram 1,29% (20,25 centavos de dólar), a US$ 15,8975 o bushel. Segundo cálculos do Valor Data, os preços estão no maior patamar desde 28 de setembro de 2012.

Agricultura registra primeira unidade móvel de produção de bebidas Valor Econômico

O Ministério da Agricultura registrou o primeiro estabelecimento móvel produtor de bebidas do Brasil. O registro foi feito nesta quinta-feira para a balsa processadora de açaí pertencente à empresa Bertolini da Amazônia. A balsa conta com uma linha de produção automatizada, com capacidade de processamento de 20 toneladas de frutos e 12 toneladas de polpa congelada de açaí por dia. A agroindústria móvel tem ainda três câmaras frigoríficas com capacidade para 300 toneladas de armazenamento.

Abrafrigo: Exportações de carne bovina cresceram 12% em abrilValor Econômico

A redução nas compras chinesas de carne bovina entre março e abril não impediu que as exportações brasileiras do produto in natura e processado tivessem um bom desempenho no mês passado. Em relação a abril de 2020, volume e receita cresceram 12% e 23%, respectivamente, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo).

Elanco encerrou primeiro trimestre com prejuízo de US$ 61 milhões Valor Econômico

A americana Elanco Saúde Animal, uma das maiores indústrias veterinárias do mundo, fechou o primeiro trimestre com prejuízo líquido de US$ 61 milhões. A perda foi 24,5% maior que a do mesmo período do ano passado, de US$ 49 milhões. A receita da empresa, por sua vez, cresceu 88,4%, para US$ 1,24 bilhão no primeiro trimestre deste ano. Do total da receita, US$ 683 milhões são do portfólio da Elanco e US$ 559 milhões do da Bayer — a Elanco adquiriu a área de saúde animal da multinacional alemã em agosto de 2020.

Yara lança plataforma de créditos de carbono para agricultoresValor Econômico

A multinacional norueguesa de fertilizantes Yara lançou nesta sexta-feira em escala global um negócio de apoio técnico a produtores rurais para a redução de emissões de gases de efeito estufa na agricultura e geração de créditos de carbono. A Agoro Carbon Alliance já está em operação em modelo-piloto nos Estados Unidos, onde agricultores devem produzir os primeiros créditos de carbono agrícola para a plataforma. Segundo a Yara, todos os créditos gerados serão certificados por agentes externos.

O plano do rei do biodieselIstoÉ Dinheiro

Erasmo Carlos Battistella é um empresário gaúcho de 43 anos que há 16 fundou a BSBIOS, maior companhia do segmento no Brasil e que no ano passado faturou R$ 5,3 bilhões, o equivalente a US$ 1 bilhão. Para este ano, a previsão é de chegar a R$ 7,5 bilhões. Como um legítimo soberano, planeja ganhar território rápido. E o plano está traçado: ser o terceiro maior produtor do mundo de biocombustíveis em 2030, quando pretende alcançar receita de US$ 5 bilhões. Isso significa um faturamento superior a R$ 25 bilhões quando a empresa completar 25 anos, com crescimento acima de 20% ao ano.


#4 Perdeu uma edição do Expresso? Confira o histórico

11 de Janeiro
Expresso #18

15 de Fevereiro
Expresso #22

15 de Março
Expresso # 26

18 de Janeiro
Expresso #19

22 de Fevereiro
Expresso #23

22 de Março
Expresso #27

1 de Fevereiro
Expresso #20

1 de Março
Expresso #24

29 de Março
Expresso #28

8 de Fevereiro
Expresso #21

8 de Março
Expresso #25

3 de Maio
Expresso #29

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.