XP Expert

Deflação na China, IPCA de janeiro, resultados do 4º tri de 2023: o que move os mercados hoje

Deflação na China e IPCA de janeiro são alguns dos temas de maior destaque nesta quinta-feira, 08/02/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0.36% | 129.950 Pontos

CÂMBIO +0,10% | 4,97/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa encerrou a sessão de quarta-feira em leve queda de 0,4%, aos 129.949 pontos. O pregão foi movimentado por uma série de dados piores que o esperado, como o setor público consolidado de dezembro de 2023 e as vendas varejistas, além de questões mais micro, como o índice financeiro caindo 2,7%, pressionado pelo resultado do Bradesco.

Os principais movimentos negativos foram Bradesco (BBDC4, -15,9%; BBDC3, -13,0%), devido a um resultado abaixo das expectativas, esfriando o otimismo do mercado com os balanços dos bancos; e Azul (AZUL4, -2,9%), com o atraso no anúncio dos incentivos governamentais para as aéreas, inicialmente previsto para o dia 5 de fevereiro. Do outro lado da ponta, Petz (PETZ3, +9,5%) e Locaweb (LWSA3, +5,0%) se beneficiaram de um movimento técnico após sucessivas quedas.

Renda Fixa

As taxas futuras de juros fecharam o pregão em níveis próximos aos ajustes do dia anterior. As taxas locais acompanharam, em certa medida, o movimento observado nos rendimentos (yields) dos títulos do Tesouro americano (Treasuries). DI jan/25 fechou em 9,955% (1,5bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 9,675% (1,5bps); DI jan/27 em 9,84% (2,5bps); DI jan/29 em 10,265% (1bps).

Mercados globais

Nesta quinta-feira, os mercados operam sem direção definida nos Estados Unidos (S&P 500: -0,1%; Nasdaq 100: 0,0%), à medida que a temporada de resultados avança e sem notícias positivas na frente da política monetária. Hoje, serão divulgados resultados de Duke Energy e Kenvue. Publicamos um guia sobre as eleições norte-americanas, confira aqui.

Na Europa, os mercados operam em alta (Stoxx 600: 0,3%), na expectativa da divulgação de uma série de resultados . Na China, os índices fecharam mistos (CSI 300: 0,6%; HSI: -1,3%). A inflação de janeiro na China veio abaixo do esperado, acelerando a deflação no país, o que é negativo para o crescimento econômico da região e gera a expectativa de novos estímulos.

Economia

O índice de preços ao produtor da China recuou 2,5% no acumulado em 12 meses até janeiro, a 16ª leitura negativa seguida. Por sua vez, o índice de preços ao consumidor declinou 0,8% em termos anuais, marcando o quarto mês consecutivo em terreno deflacionário. A atividade econômica local continua em dificuldades, apesar de alguns sinais encorajadores vistos nas últimas semanas em meio a estímulos governamentais adicionais.

Na agenda econômica desta quinta-feira, destaque para a divulgação do IPCA de janeiro. Estimamos alta de 0,31% em relação a dezembro, levando a inflação acumulada em 12 meses para 4,39%. Por sua vez, a mediana das projeções do mercado indica elevação de 0,34% no mês e 4,42% em termos anuais.

Veja todos os detalhes

Economia

Deflação na China persiste; no Brasil, IPCA de janeiro no centro das atenções                       

  • O índice de preços ao produtor (PPI, em inglês) da China recuou 2,5% no acumulado em 12 meses até janeiro, conforme divulgado ontem à noite pelo Departamento Nacional de Estatísticas. Este resultado veio praticamente em linha com a expectativa do mercado (-2,6%) e a leitura de dezembro (-2,7%). Por sua vez, o índice de preços ao consumidor (CPI, em inglês) declinou 0,8% em termos anuais, mais do que a estimativa do mercado (-0,5%) e a leitura precedente (-0,3%). Os preços ao produtor cederam pelo 16º mês consecutivo, enquanto os preços do consumidor caíram pelo quarto mês seguido. A atividade econômica chinesa continua em dificuldades, apesar de alguns sinais encorajadores vistos nas últimas semanas em meio a estímulos governamentais adicionais;  
  • No Brasil, o setor público consolidado apresentou déficit primário de R$ 129,6 bilhões em dezembro de 2023, o pior resultado para o mês desde 2020. A leitura veio abaixo do consenso de mercado (-R$ 125,5 bilhões) e da nossa estimativa (-R$ 128,3 bilhões). Como esperado, o resultado de dezembro foi fortemente influenciado pelo pagamento de precatórios (R$ 92,4 bilhões). Assim, o setor público registrou déficit acumulado de R$ 249,1 bilhões em 2023, ou 2,3% do PIB, uma piora de 3,5 p.p. em relação ao saldo observado em 2022. A Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) encerrou 2023 em 74,3% do PIB, aumento de 2,7 p.p. em relação a 2022. Por sua vez, a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) subiu 4,7 p.p. na mesma base de comparação, atingindo 60,8% no final do ano passado. Olhando adiante, prevemos recuperação nos resultados do governo central, em linha com as medidas de elevação de receitas aprovadas recentemente. No entanto, acreditamos que o governo não conseguirá cumprir a meta de déficit primário zero. Por sua vez, os governos regionais continuam a enfrentar dificuldades, a despeito da elevação de alíquotas de ICMS em alguns estados. Em linhas gerais, prevemos que o setor público consolidado registrará déficit de R$ 68,1 bilhões no ano corrente (0,6% do PIB), com a DBGG alcançando 77,4% do PIB;      
  • As vendas no varejo ampliado despencaram 1,1% em dezembro contra novembro, muito abaixo das estimativas (XP: 0,5%; mercado: 0,4%). Este resultado refletiu, em grande medida, uma compensação do forte aumento nas vendas associado à campanha promocional Black Friday. Os dados desagregados trouxeram sinais predominantemente negativos, já que sete entre as dez atividades varejistas recuaram na comparação mensal. As vendas de produtos eletrônicos, móveis, eletrodomésticos, vestuário e calçados contraíram de forma acentuada em dezembro. Isto posto, mantemos o cenário de resiliência do consumo este ano, sustentado pelo forte crescimento da massa de renda real disponível às famílias (4,2% em 2024 após 6,5% em 2023). Além disso, o processo de desinflação continua e as condições de crédito vêm melhorando gradualmente. Prevemos que as vendas no varejo ampliado crescerão 2,7% no ano corrente, após elevação de 2,4% no ano passado;  
  • Na agenda econômica desta quinta-feira, destaque para a divulgação do IPCA de janeiro. Estimamos alta de 0,31% em relação a dezembro, levando a inflação acumulada em 12 meses para 4,39%. Por sua vez, a mediana das projeções do mercado indica elevação de 0,34% no mês e 4,42% em termos anuais. Acreditamos que, por um lado, a abertura do IPCA mostrará pressão nos preços de alimentação e serviços; por outro, a continuidade da tendência de queda nos bens monitorados e (principalmente) industrializados;  

Empresas

TOTVS (TOTS3): Resultados Neutros no 4T23; Aceleração em Business Performance continua

  • A TOTVS reportou resultados mistos no 4T. A receita líquida consolidada (líquida de custos de funding) subiu para R$1,2 bilhão (+18% A/A, +2% T/T), em linha com as nossas estimativas, impulsionada por Gestão e Business Performance. As receitas recorrentes cresceram 19%, com uma sólida adição líquida de ARR consolidado de R$193 milhões (+1% A/A, +11% T/T). O ARR de Gestão atingiu R$4,3bi, com uma adição líquida de R$164mn no trimestre;
  • No entanto, a Receita de Techfin líquida de funding diminuíram -3% A/A, -25% T/T, com a dinâmica dos custos de funding afetada por uma volatilidade que era de alguma forma esperada devido ao ramp-up da JV. A margem EBITDA ajustada caiu -1,3pp A/A, para 21,6%, impactada por menores margens em BP, menor produção de crédito por parte do setor do Agronegócio no 4T, e atualizações salariais em gestão. Por fim, o lucro líquido ajustado foi de R$157 milhões, estável A/A e -21% abaixo de nossas estimativas;
  • Em suma, mantemos nossa recomendação de Compra e Preço-Alvo para o final de 2024 de R$ 39,0/ação. para TOTS3;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Auren (AURE3): Resultados do 4T23; Desempenho operacional sólido e posição de caixa confortável

  • Temos uma avaliação neutra dos resultados do 4T23 da Auren;
  • Os resultados operacionais vieram em linha com nossas estimativas, com uma sólida geração hídrica e eólica;
  • O balanço de energia apresentou uma pequena redução nas margens contratadas em relação ao trimestre anterior, principalmente devido à estratégia da Auren de aumentar sua posição comprada;
  • Os números relativos a passivos contingentes permaneceram inalterados no trimestre;
  • Continuamos acreditando que a sólida posição de caixa após a operação de securitização deverá trazer dividendos adicionais e novas oportunidades de M&As;
  • Mantemos nossa recomendação Neutra para Auren, com preço-alvo de R$15/ação;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

BrasilAgro (AGRO3) | Análise dos Resultados do 2T24: fraco, conforme esperado

  • A BrasilAgro apresentou resultados fracos, refletindo as fracas margens dos grãos em 2022/23, devido à combinação de preços mais baixos e custos de frete mais elevados. A margem bruta da soja foi de 0%, enquanto a margem bruta do milho e do algodão atingiu territórios negativos;
  • No lado positivo, os resultados da cana-de-açúcar foram fortes (margem bruta de 34%), apesar dos preços mais baixos. Ainda vemos riscos baixistas devido à posição de hedge da empresa (58% e 26% para soja e milho 23/24, respetivamente), enquanto reforçamos nossa visão baixista com os preços dos grãos;
  • A gestão reforçou que não devemos desconsiderar as vendas de terras a curto prazo, mas preferimos adotar uma abordagem conservadora nesta questão. Esperamos uma reação neutra à negativa no pregão de amanhã;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Bens de Capital: Tangibilizando eletrificação para Marcopolo

  • Esta é nossa mais recente edição do Resumo Semanal de Bens de Capital, onde discutimos indicadores recentemente divulgados, níveis de valuation e outros temas-chave. Nesta semana, destacamos:
    • (i) Nossa discussão sobre o potencial de mercado dos ônibus urbanos elétricos e quão significativas podem ser as vendas desse segmento para a Marcopolo (nosso cenário base, mas otimista, indica ~R$ 1,3 bilhão de faturamento até 2030 [em reais]);
    • (ii) Divulgação mensal da produção industrial do IBGE, com destaque positivo da categoria EEI & GTD (+2% A/A em dez’23 vs. -17% média da indústria); e 
    • (iii) Nosso  relatório de Prévia de Resultados do 4T23, com POMO4 (++), WEGE3 (+/=), outras Autopeças (-).
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Inter & Co (INBR32): 1° ano do “plano 60-30-30″: check | Revisão 4T23

  • A Inter & Co (INBR32) apresentou bons resultados, em linha com as expectativas que já consideravam os indicadores operacionais divulgados durante o follow-on. Por mais um trimestre, o ritmo de melhora dos indicadores de custos operacionais superou os indicadores de receita, com destaque para o ARPAC bruto, que apresentou queda de 3,6% no trimestre;
  • Como resultado, o banco apresentou um lucro líquido de de R$160 milhões (5% acima do nosso), um crescimento significativo de 54% T/T. O ROE continua a sua consistente trajetória ascendente, atingindo 8,5%. Vale destacar ainda: i) o crescimento da base de clientes ativos; ii) expansão significativa do portfólio de crédito, com um aumento de 10% T/T, impulsionado principalmente pelo mercado imobiliário, PMEs e Cartões;
  • De acordo com a empresa, a melhoria da qualidade da gestão de risco dá confiança para acelerar a emissão de cartões de crédito; iii) o NPL acima de 90 melhorou 10bps, atingindo 4,6%, com uma melhoria ainda maior no NPL 15-90 (-30bps). Em suma, reiteramos a nossa visão positiva do case (Compra e Preço-Alvo de R$ 34,0/ação);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Transportes: Prévia de Resultados do 4T23; Santos Brasil e Rumo são os destaques positivos

  • Do lado positivo, destacamos:
    • Santos Brasil com forte desempenho de EBITDA de R$ 333 milhões (+103% A/A), impulsionado por volumes de movimentação (+13% A/A) e tarifas (+48% A/A);
    • Rumo com forte desempenho de volume (+9% A/A) e contínua dinâmica de yield positiva (+12% A/A) impulsionando o EBITDA para R$ 1,3 bilhão (+42% A/A);
  • Do lado negativo, destacamos:
    • Vamos, principalmente pelo fraco desempenho das concessionárias (EBITDA de –R$ 38 milhões), apesar do contínuo crescimento dos aluguéis (EBITDA +2% T/T);
    • Hidrovias do Brasil, já que os baixos níveis de calado afetaram a operação no Corredor Norte e Sul (EBITDA de –R$3 milhões);  
    • O setor de Aluguel de Carros, devido ao fraco desempenho dos Seminovos (com contínua pressão na margem EBITDA);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo

Bradesco (BBDC4): O primeiro passo foi dado, mas ainda tem muito caminho pela frente

  • O novo CEO do Bradesco teve sua primeira interação formal com o mercado desde que assumiu o cargo há 60 dias e apresentou o plano estratégico do banco para os próximos 5 anos. Apesar do senso de urgência e do diagnóstico abrangente apresentado, em nossa visão, a curva de evolução esperada parece lenta e incerta, com o banco só voltando a entregar um ROE acima do seu custo de capital em 2026;
  • Consideramos que esta trajetória de evolução deveria ser abordada de forma mais detalhada. Esta parece ser a principal questão que justifica a forte venda de hoje. O novo CEO reforçou que tem “carta branca” para implementar profundas mudanças estruturais e culturais, incluindo a racionalização da hierarquia do banco para ganhar agilidade;
  • A reorganização do custo de servir e uma análise detalhada dos clusters de baixo rendimento são parte integrante da estratégia para atingir estes objetivos, que incluem a reconquista do market share perdido para os neobanks;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Klabin (KLBN11): Resultados do 4T23 – Desempenho geral positivo e em linha com as expectativas

  • A Klabin reportou resultados em linha, com EBITDA adj. de R$ 1.620 milhões +20% T/T e -15% A/A (+3% XPe), implicando em uma margem EBITDA de 36,0% (+5p.p T/T). Os principais destaques são:
    • (i) menor demanda por kraftliner impactando os volumes de vendas de papel (-22% A/A);
    • (ii) volumes de vendas de celulose ligeiramente menores (-3% T/T), compensados por maiores preços realizados (+6% T/T); e
    • (iii) Custos caixa de celulose estáveis T/T. Para celulose, o EBITDA atingiu R$ 495 milhões (+13% T/T), impulsionado principalmente por volumes de fibra longa/fluff melhores do que o esperado (+3% T/T);
  • Para Papel e Embalagem, o EBITDA atingiu R$ 1.124 milhões (+20% T/T), impulsionado por melhor desempenho de receita (+3% T/T) e menores custos, impactando positivamente as margens (+5p.p. T/T). Reiteramos nossa classificação Neutra para Klabin;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Bens de Capital: Marcopolo se destaca em meio a uma temporada potencialmente negativa

  • Prevemos um 4T23 misto para as empresas de Bens de Capital, com um tom geral negativo para a maioria dos nomes de Autopeças;
    • Do lado positivo, destaque para a Marcopolo, que deve apresentar resultados sólidos (recorrentes), apesar da ausência de volumes do Caminho da Escola – corroborando forte momento de resultados;
    • Quanto à WEG, esperamos um trimestre positivo, mas em desaceleração, com nosso caso-base sendo um crescimento de um dígito para o 4T23 (normalizando vs. últimos anos);
    • Para Kepler Weber, esperamos que a sazonalidade impulsione um trimestre melhor e volumes menores pressionem os resultados de Aeris. Finalmente, olhando para as empresas de Auto Peças, esperamos resultados em geral pressionados, com impactos duradouros do Euro VI (e alguns efeitos não recorrentes);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Bradesco (BBDC4): Resultados fracos, mas quem se importa? Todos os olhos estão postos na reestruturação! | Revisão 4T23

  • O Bradesco apresentou resultados fracos para o último trimestre de 2023. Nossa visão decorre de um NII mais suave, taxas ligeiramente mais baixas, maiores provisões para perdas com empréstimos, imposto de renda efetivo positivo e falhas em diversas linhas do guidance de 2023. Por outro lado, podemos destacar (mais uma vez) o segmento de Seguros, a melhoria de 50bps no NPL e a recuperação do índice de cobertura para 165% (+10pp T/T);
  • Como resultado, o Bradesco apresentou um lucro líquido de R$ 2,8 bilhões, 41% abaixo da nossa estimativa, e implicando em um ROAE de 10%. O banco também forneceu o guidance para 2024, que vemos como justo. No entanto, não vemos os números do quarto trimestre como o principal para os investidores;
  • Em nossa opinião, o preço das ações do BBDC4 será impulsionado principalmente pelas mensagens apresentadas durante o webcast de hoje (07), quando o novo CEO, Marcelo Noronha, deverá apresentar mais informações sobre as mudanças que pretende promover durante seu mandato;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Santos Brasil (STBP3) – Acompanhamento Mensal do Setor Portuário | Janeiro de 2024

  • Em nosso acompanhamento mensal dos Operadores Portuários de janeiro de 24, destacamos:
    • Volumes totais da Santos Brasil cresceram 21% A/A em janeiro de 2024;
    • No final de janeiro de 24, a mídia local noticiou um acidente no cais da BTP, o que poderia implicar uma capacidade temporariamente menor e, portanto, potenciais volumes adicionais para STBP (upside as nossas estimativas);
  • Destacamos também:
    • Fortes volumes de armazenagem em Jan/24 (+15% A/A);
    • TEV reportou volumes fracos, com 11 mil veículos movimentados (-39% A/A), implicando 69% de utilização da capacidade LTM;
    • Porto de Santos reportou menor utilização da capacidade (80% no LTM vs 87% em ’22 e 84% em ’21)
  • Reiteramos nossa recomendação de Compra;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo

Alpargatas (ALPA4): Fracos resultados do 4T

  • A Alpargatas reportou outro trimestre de resultados fracos, com melhoria da dinâmica de volumes no Brasil mas resultados ainda desafiadores na operação internacional, por conta dos efeito do write-off de estoques;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Entenda o plano estratégico do Bradesco para retomar a rentabilidade (Valor);
    • Banco Inter tem lucro de R$ 160 milhões no 4º trimestre e está à frente da ‘meta 60-30-30’ (Valor);
    • Nova regra do CMN leva a corrida por debêntures isentas (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Tech XP: Notícias diárias do setor de Telecom e Tecnologia
    • TIM Brasil tem interesse em clientes de fibra da Oi, mas negócio seria ‘mais complexo’, diz Griselli (Valor);
    • Lucro da Totvs cai 20,3% no 4º tri, na comparação anual, para R$ 117,6 milhões (Valor);
    • TIM Brasil quer reduzir dependência do acesso a serviços on-line sem cobrar pelo tráfego de dados móveis (Valor);
    • Proposta do governo da Itália pela Sparkle é insatisfatória, diz TIM (telesintese);
    • Clique Aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Alpargatas tem prejuízo de R$ 1,6 bi no 4º tri, com baixa contábil no valor das marcas Rothy’s e Ioasys (Valor)
    • Remessa Conforme: AliExpress defende aumento da cota de isenção (Olhar Digital);
    • Supermercados sustentam expansão do varejo em 2023 (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Bebidas
      • Carnaval motiva ações cervejeiras e deve ter alta de até 15% no faturamento dos bares (Guia da Cerveja);
      • Bud Light Conjures a Super Bowl Cure for Outrage (Bloomberg)
    • Alimentos
      • Cargill anuncia compra de fábricas para processamento de carne bovina nos EUA (Globo Rural);
      • Receita da Lar Cooperativa cresceu 3,5% em 2023 e chegou a R$ 21,7 bi (Globo Rural).
    • Agro
      • US Farmers Set to See Biggest Income Slump Since 2006 This Year (Bloomberg);
      • “Super Quinta”: Novos números do USDA, Conab e Bolsa de Buenos Aires chegam com foco na soja do BR e Argentina (Notícias Agrícolas).
    • Biocombustíveis
      • Com produção de etanol de milho em alta, Brasil dobra exportações de DDG (Globo Rural).
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Oncoclínicas (ONCO3): Acordo estratégico Unimed Salto / Itu (RI da Companhia);
    • Hospital Alemão Oswaldo Cruz vai fechar unidade Vergueiro; Paulista será ampliada (Valor Econômico);
    • TST vai discutir validade de mudança de custeio de plano de saúde (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • São Paulo tem queda nos lançamentos imobiliários, mas novas unidades do Minha Casa Minha Vida registram crescimento em 2023 (Globo);
    • SindusCon-SP analisa o que a construção deve esperar para 2024 (Sinduscon);
    • RET de 1% deve ser regulamentado nos próximos dias pela RFB (CBIC);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Governo de SP defende redução de tarifa caso Sabesp privatizada frustre metas de investimento (Estadão);
    • Em clima tenso, Aneel confirma multa de R$ 95 mi à Enel SP (Canal Energia);
    • Governo quer solução para sistema elétrico com menos subsídios em 2024, diz Rui Costa (CNN Brasil);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Estratégia

Valuation do Ibovespa continua atrativo | Gráfico da Semana

  • Com o Ibovespa contraindo neste início do ano após um forte 2023, aproveitamos para rever os valuations do mercado brasileiro de ações, comparando com a referência mundial, a Bolsa norte-americana;
  • No gráfico desta semana, mostramos as mudanças nos últimos 25 anos do múltiplo preço sobre lucro (P/L) projetado em 12 meses para o Ibovespa e o S&P 500;
  • No geral, vemos que, apesar de um desempenho forte nestes últimos 12 meses, o múltiplo P/L projetado para o Ibovespa não expandiu tanto, e continua abaixo de sua média histórica dos últimos 25 anos;
  • Clique aqui para acessar o Gráfico da Semana.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • ​​​​​​​ Fed Governor Kugler backs caution on rates; Kashkari expects only two or three cuts (CNBC);
  • Nova regra do CMN leva a corrida por debêntures isentas (Valor Econômico);
  • Com “seca” em LCI e LCA, onde investidor pode encontrar retorno similar na renda fixa? (Infomoney);
  • GPA define que oferta de ações será lançada após balanço, dizem fontes (Valor Econômico);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

Segue o Plano: Perspectivas por Classe de Ativo | Fevereiro 2024

  • Continuamos a ter uma visão otimista para exposições em títulos IPCA+ e/ou fundos que ofereçam exposição a esse indexador, como os de debêntures incentivadas;
  • Os gestores de fundos Multimercados devem ter melhor capacidade de extrair retornos dos mercados, principalmente de juros, em um momento no qual existe uma maior sincronia no estágio das políticas monetárias dos diferentes países
  • As estimativas de Lucro por Ação do Ibovespa tem sido revisadas para cima nos últimos meses, enquanto os valuations das empresas permanecem atrativos. Acreditamos que ainda há espaço para aumentarmos a exposição à bolsa nas carteiras;
  • Nas teses de investimentos alternativos ilíquidos, temos uma visão construtiva para crédito estruturado, que geralmente apresenta riscos maiores e/ou mais complexos, porém possuem camadas de proteções, com garantias adicionais ou senioridade na estrutura, que tornam o equilíbrio de risco x retorno mais atrativo.
  • Confira aqui o relatório completo
  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Como ficam FIIs e Fiagros após mudanças em CRIs e CRAs? Para especialistas, bem, obrigado (InfoMoney);
    • Gazit vende participação em fundo de shopping por R$ 301 milhões (Estadão);
    • HSML11 anuncia captação de R$ 437,5 milhões em sua 3ª emissão; veja detalhes (FIIs)
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

  • O mercado encerrou o pregão de quarta-feira em território misto, com o IBOV registrando queda de 0,35%, puxado pela performance negativa das ações do Bradesco (BBDC4), enquanto o ISE subiu 0,13%;
  • Do lado das empresas, (i) a Petrobras assinou um Termo de Cooperação com o Instituto Senai de Energias Renováveis para a construção de uma planta piloto de eletrólise para estudo da cadeia de hidrogênio de baixo carbono, em um investimento estimado em R$90 milhões – com duração prevista de três anos, o objetivo do projeto será avaliar a produção e utilização do hidrogênio produzido a partir da eletrólise da água, com o uso de energia solar; e (ii) o fundo de pensão holandês PFZW, da área de saúde, anunciou hoje que vendeu quase todas as suas participações em empresas de combustíveis fósseis, incluindo as grandes petrolíferas Shell, BP e TotalEnergies por falta de uma estratégia climática de longo prazo – a PFZW, com 237,8 bilhões de euros em ativos, disse que vendeu ações de 310 empresas por um total de 2,8 bilhões de euros;
  • Na política brasileira, após as idas e vindas dos projetos de lei, da Câmara e do Senado, que tentam estabelecer um marco legal do hidrogênio verde e de baixo carbono no país, discussões sobre os subsídios voltam à pauta com o início das atividades parlamentares esta semana – de um lado, o texto da Câmara, mais técnico, que define os conceitos de hidrogênio de baixo carbono e hidrogênio renovável, e concentra a competência sob a ANP, enquanto do outro, o texto do Senado, que conta com subsídios;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG. 

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.