A semana na Renda Fixa (12/04 a 16/04)

Acompanhe os principais movimentos da semana no mercado de renda fixa e o que esperar para a semana que se inicia.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A divulgação de indicadores macroeconômicos acima do esperado vindos dos Estados Unidos e a forte expansão do PIB Chinês foram responsáveis pelo sentimento de maior apetite ao risco global na semana, com queda nas taxas das Treasuries norte-americanas e valorização das moedas de países emergentes frente ao dólar.

Esse cenário impactou positivamente o desempenho do mercado doméstico, mesmo com a demora em se encontrar uma saída para o Orçamento de 2021: houve queda nas taxas futuras de juros e leve redução na inclinação da curva. Para os títulos do Tesouro Direto, observou-se valorização nos ativos prefixados, após sequências de quedas nas últimas semanas, e desvalorização na maior parte dos ativos indexados à inflação.

Destaca-se na agenda econômica internacional da próxima semana os índices de gerente de compras de indústria e serviços na Zona do Euro, economias europeias e Reino Unido, além do Japão. Destaque também para indicadores de inflação na Alemanha e Reino Unido, e índices de confiança, atividade e pedidos de seguro desemprego nos EUA.

No Brasil, o principal ponto de atenção será a decisão sobre o Orçamento de 2021, cuja data limite para sanção da Presidência é dia 22 (quinta-feira). Na seara de indicadores, haverá divulgação do indicador de atividade medido pelo Banco Central (IBC-Br), além de dados de arrecadação federal referentes a março.

Cenário macroeconômico

Elaborado pelo time de Economia da XP

Conforme relatório publicado, destaca-se no campo internacional da semana a divulgação de série de indicadores macroeconômicos nos Estados Unidos: (i) em inflação, o índice de inflação ao consumidor (IPC) subiu 0,6% ao mês (ante 0,4% no mês anterior), o que surpreendeu o consenso de mercado para cima, e refletiu forte alta em combustíveis, além de serviços relacionados à normalização da atividade; (ii) na seara de atividade, as vendas no varejo surpreenderam positivamente ao registrar alta de 9,8% frente ao mês anterior, e o Empire Manufacturing Index (levantamento sobre atividade industrial) alcançou o patamar mais elevado desde outubro de 2017, enquanto a Sondagem Industrial do Fed Filadélfia atingiu o patamar mais alto em quase 50 anos, dados que reforçaram o cenário de recuperação econômica robusta nos EUA; e (iii) no mercado de trabalho, os pedidos de auxílio-desemprego recuaram de forma expressiva na semana passada, para 576 mil, o menor nível em mais de um ano. Além disso, as vendas no varejo cresceram 9,8% entre fevereiro e março, resultado muito acima das expectativas do mercado (de alta de 6,1%).

Também seguem as discussões sobre o pacote de infraestrutura norte-americano de USD 2,25 trilhões, prioridade na agenda democrata. Apesar de correligionários de Biden manifestarem interesse em obter apoio republicano, não descartam a possibilidade do projeto avançar via reconciliation, prática que permite aprovação de matérias orçamentárias por maioria simples.

Na Zona do Euro, os dados de atividade referentes a fevereiro vieram em primeiro plano, assim como os indicadores antecedentes de março. Apesar da ainda apresentar volatilidade, os indicadores reforçam a visão de que a segunda onda da Covid-19 teve um efeito moderado na atividade econômica da região. Já na China, o PIB do 1º trimestre de 2021 apresentou expansão de 18,3% na comparação interanual, apenas um pouco abaixo da expectativa de mercado (19,2%). O grande destaque positivo ficou por conta das vendas no varejo, que cresceram mais de 6 p.p. acima das projeções de mercado. Os investimentos em ativos fixos e a produção industrial também tiveram bom desempenho no período. A despeito da base comparativa muito fraca, o resultado sinalizou retomada firme na economia do país asiático.

No cenário doméstico, a discussão sobre o Orçamento de 2021 seguiu o principal tema ao longo dessa semana: a tendência apontada pela ala política do Governo é de um veto parcial por parte do Presidente da peça legislativa aprovada pelo Congresso. Outro tema em debate é a maneira de viabilizar gastos extras no enfrentamento à pandemia, como a votação da proposta que modifica a LDO de 2021, o que liberaria créditos extraordinários para a reedição do BEm e do Pronampe. Ainda na seara fiscal, o Ministério da Economia apresentou a PLDO (Proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2022, onde há expectativa de espaço adicional de aproximadamente R$ 70 bilhões dentro do teto de gastos para o ano seguinte – em contraste ao atual cenário de fortes restrições fiscais.

Na frente de indicadores, as vendas no varejo referentes a fevereiro vieram mais fortes do que o esperado, com o conceito ampliado registrando alta de 4,1% (m/m). Na mesma linha, as receitas reais do setor de serviços cresceram 3,7% entre janeiro e fevereiro, também muito acima das previsões – retomando o patamar pré-pandemia. Apesar dos resultados positivos reforçarem as projeções de ligeiro aumento do PIB no primeiro trimestre, a demanda final segue enfraquecendo, refletindo a queda da renda disponível, o mercado de trabalho ainda fraco, a piora da pandemia e a alta da inflação.

Leia tudo o que aconteceu na semana em economia.

Curva DI e NTN-B

O cenário de maior apetite ao risco nos mercados internacionais, com queda nas taxas das Treasuries norte-americanas e valorização das moedas de países emergentes frente ao dólar, foi responsável pela queda nas taxas futuras de juros e leve redução na inclinação da curva.

Contudo, os agentes de mercado seguem monitorando novidades na área fiscal, principalmente em relação à aprovação do Orçamento de 2021, cujo impasse continua a manter a curva inclinada e apresentando volatilidade.

O movimento das taxas dos títulos do Tesouro indexados à inflação (NTN-B) apresentou relativa estabilidade em comparação com a semana anterior, com alta na ponta curta e no miolo da curva.

Fonte: Bloomberg. Elaboração: XP Investimentos.

Leilões do Tesouro Nacional

Leilão do dia 13/04 – NTN-B

A oferta de Notas do Tesouro Nacional – Série B (NTN-B) no leilão da última terça feira, que totalizou 4,3 milhões, foi significativamente superior aos 2,75 milhões ofertados na semana anterior.

O Tesouro Nacional vendeu a totalidade do lote de 2,5 milhões com vencimento para 2024, a taxas máxima e média de 3,320%; 1,1 milhão de papéis para 2028, a taxas máxima e média de 4,080%, inferior à oferta de total; e todo o lote de 300 mil títulos para 2040, a taxas máxima e média de 4,3099%.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Leilão do dia 16/04 – LTN, NTN-F e LFT

No leilão da última quinta-feira, o Tesouro Nacional aumentou a oferta de lotes de Letras do Tesouro Nacional (LTNs), de 14 milhões na semana anterior para 21 milhões, e Notas do Tesouro Nacional – Série F (NTN-Fs), de 100 mil para 200 mil. Enquanto isso, o montante ofertado de Letras Financeiras do Tesouro (LTF) apresentou redução de 1 milhão para 750 mil papeis.

Ressalta-se que as LTNs e NTN-Fs são ofertadas em lotes individuais, enquanto as LFTs são ofertadas em leilão híbrido, com vencimentos em lotes agrupados (ou seja, soma-se o volume colocado nos dois vértices ofertados de LFT e este valor é comparado com a oferta de um dos vértices demonstrados na tabela abaixo).

O Tesouro Nacional vendeu a totalidade da oferta de LTNs, que foi dividida em lote de 8 milhões com vencimento em 2022, outros 8 milhões com vencimento em 2023 e 5 milhões para 2024. O volume financeiro somou R$ 18,5 bilhões.

Quanto às NTN-Fs, a oferta também foi colocada integralmente, com 50 mil papéis para 2029 e 150 mil para 2031, assim como para o lote de LTFs ofertado.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Tesouro Direto

Dentre os títulos do Tesouro Direto, houve valorização nos ativos prefixados durante a semana, após sequências de quedas nas últimas semanas, e desvalorização na maior parte dos ativos indexados à inflação. Na terça-feira, houve leilão de NTN-B (Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais) com vencimento em 2040, cuja colocação foi integral e apresentou forte corte nas taxas, o que pode explicar o comportamento diferente deste papel.

O preço dos títulos sobe quando a expectativa de juro futuro cai (e vice-versa) devido à relação inversa entre os dois. Esse mecanismo que mostra o efeito dos juros sobre preços é a marcação a mercado. Entenda mais aqui.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Crédito Privado

Fluxo

Na última semana, o fluxo médio diário de negociações em debêntures foi de R$ 853 milhões (vs. R$ 887 milhões na semana anterior), R$ 102 milhões em CRAs (vs. R$ 174 milhões) e R$ 44 milhões em CRIs (vs. R$ 150 milhões).

Os papeis mais negociados por classe de ativos foram debêntures participativas da Vale (CVRDA6), CRI Prevent Senior e CRA BTG Pactual Commodities.

Vale lembrar que, como não são disponibilizados a tempo da publicação do relatório, os dados da sexta-feira não são considerados e podem alterar o apresentado.

Fonte: Anbima e Cetip. Elaboração: XP Investimentos.

Spreads de crédito

Enquanto a curva de juros futuros fechou na semana, as debêntures apresentaram abertura nos spreads de crédito, tanto nos papeis classificadas com ratings “AAA”, quanto em “AA” e “A”, em semana de liquidez mais fraca do que a anterior.

Assim como nos dados de fluxo, os números da sexta-feira para os spreads de crédito também não são considerados e podem alterar o apresentado.

As curvas são extraídas a partir de debêntures precificadas diariamente pela ANBIMA (DI Percentual, DI+spread e IPCA+spread) e refletem estruturas de spread zero-cupom sobre a curva soberana para diferentes níveis de risco.

Fonte: Anbima. Elaboração: XP Investimentos.

Ações de rating

Fonte: Fitch Ratings e Moody’s. Elaboração: XP Investimentos.

Para os relatórios publicados durante a semana, dirija-se ao final do relatório.

O que esperar – Semana de 19/04 a 23/04

Agenda econômica

Em relatório publicado pelo time Macro da XP, destaca-se na agenda econômica internacional da próxima semana os índices de gerente de compras de indústria e serviços na Zona do Euro, economias europeias e Reino Unido, além do Japão. Destaque também para indicadores de inflação na Alemanha e Reino Unido, e índices de confiança, atividade e pedidos de seguro desemprego nos EUA.

No Brasil, o principal ponto de atenção será a decisão sobre o Orçamento de 2021, cuja data limite para sanção da Presidência é dia 22 (quinta-feira). Na seara de indicadores, haverá divulgação do indicador de atividade medido pelo Banco Central (IBC-Br), além de dados de arrecadação federal referentes a março.

Acesse aqui o Boletim Focus do dia 19/04 (disponível a partir de segunda-feira)

Leilões do Tesouro Nacional

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Vencimentos de debêntures da próxima semana

Fonte: Anbima. Elaboração: XP Investimentos.

Relatórios publicados na semana de 12/04 a 16/04

Renda Fixa

Artigos

Resumo sobre as debêntures da Supervia

Debêntures participativas da Vale: Entenda o que são e por que estão falando delas

Atualizações

Atualização 4T20: Banco BMG

Outros

S&P inclui os ratings do Banco Pan em CreditWatch positivo

Fitch eleva ratings do Banco Pan para BB-/A+(bra)

C6 anuncia números referentes ao segundo semestre de 2020

Safra 20/21 no Centro-Sul apresenta terceira maior moagem de cana-de-açúcar da história

Outras editorias

Boletim Focus – 12/04/2021

Alívio temporário no comércio varejista

Petrobras (PETR4): Acordo com a União sobre cessão onerosa nos campos de Sépia e Atapu é assinado

Política na Semana | Desdobramentos da CPI da Covid e impactos para o governo movimentam Brasília

Samarco entra com pedido de recuperação judicial

Brasil Macro Mensal: Riscos, ruídos e a aproximação do cenário adverso

Cenário Global e Brasil, como eles impactam os investimentos? Confira os destaques do painel

Joaquim Silva e Luna e mais sete membros são eleitos para Conselho de Administração da Petrobras

Cyrela anuncia prévia operacional do 1T21

Petróleo: Redução nos estoques dos EUA acima do esperado pelo mercado

Setor de serviços retorna ao nível pré-pandemia

Economia em Destaque: seu resumo semanal de economia no Brasil e no mundo

Gostou? Tem alguma sugestão? Não deixe de avaliar e deixar seus comentários!

Veja mais

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.