XP Expert

Mercados desabam após decisão da Arábia Saudita, petróleo opera em 21% de queda

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir


IBOVESPA -4,1% | 97.996 Pontos

CÂMBIO -0,23% | 4,63/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou a sexta feira em forte queda de 4,1% e baixou dos 100.000 pontos pela primeira vez desde agosto de 2019, fechando em 97.996 pontos, seguindo o movimento das bolsas globais. Porém, os investidores que esperavam notícias mais positivas durante o fim de semana foram surpreendidos pelo anuncio da Arábia Saudita de anunciar uma guerra de preços de petróleo, e anuncio da Itália de colocar em quarentena mais de 16 milhões de pessoas no Norte do país.

Dessa forma, os mercados operam em fortes baixas hoje pela manhã, com os índices na Ásia caindo entre 4-7%, Europa em queda de 7% e os futuros do S&P500 nos EUA negociando na mínima permitida para variação diária, que é de -5%. A busca por ativos de menor risco segue forte, com toda a curva de títulos americanos negociando abaixo de 1% e o mercado passando a precificar que o Banco Central americano (FED) baixe juros já pra próximo de 0% nas próximas reuniões. O Ouro continua subindo, com alta de +0,3% hoje, cotado a US$1.677/onça.

Coronavírus: a OMS computa 105.586 casos confirmados e 3.584 óbitos em 101 territórios. Neste fim de semana a Itália superou a Coreia do Sul como segundo país com maior número de casos, alcançando 7.375 confirmados. O governo anunciou novas medidas de prevenção que deixam Milão e Veneza em quarentena. No Brasil, já são 25 casos confirmados.

A Arábia Saudita iniciou durante o final de semana um processo de retaliação ao fracasso do acordo de cortes de produção na OPEP com a Rússia. Segundo notícias, a estatal petrolífera do reino, a Saudi Aramco (maior empresa do mundo listada em bolsa), está oferecendo elevados descontos de preços oficiais de venda de petróleo cru a partir de abril, e o reino está se preparando para elevar sua produção significativamente acima do patamar de 10 milhões de barris ao dia (mbpd). Isso levou a um grande choque no preço do barril de petróleo, que chegou a cair mais de 30% hoje pela manhã, e agora opera em queda de 21%, cotado a US$35,86/barril para o petróleo Brent.

No Brasil, a queda do preço do petróleo tende a reduzir a pressão na inflação doméstica e, portanto, deve reforçar o entendimento do mercado de que o Banco Central cortará a Selic em 0,50 ponto percentual na próxima semana. No entanto, os efeitos de aversão ao risco sobre o Real e o choque de oferta de diversos produtos vão na direção contrária, aumentando a incerteza sobre o plano de voo do BC. Seguimos acreditando que o Banco Central cortará 0,50 ponto percentual, levando a Selic para 3,75%. Na agenda do dia, o BC fará leilão de US$ 3 bilhão no mercado de câmbio à vista às 9h10, visando acalmar os mercados. Outras moedas de mercados emergentes, como o Peso Mexicano, operam hoje com 5% de queda.

Do lado político, os jornais reportam um aumento na temperatura no embate entre o governo e o Congresso no fim de semana que antecede as manifestações de 15 de março. Na sexta-feira, em São Paulo, Rodrigo Maia afirmou que o governo afasta investidores e que a omissão poderia levar ao “estancamento das reformas”. A resposta veio no sábado: Jair Bolsonaro chamou a população aos atos, que disse não serem contra o Congresso, e sustentou que político que tem medo de rua não serve para ser político. A cúpula do Congresso e do Supremo buscam uma reposta, mas tentam evitar um desgaste que alimente os atos do domingo que vem. Ontem à noite, no Twitter, o presidente da Câmara voltou ao tom conciliador, ao chamar a atenção para a necessidade de encaminhamento da agenda econômica. O aumento no nível do embate pode trazer mais turbulência para a discussão dos PLNs que o Planalto enviou ao Congresso para redistribuir os recursos do Orçamento impositivo vetados por Bolsonaro. Sem esse avanço, crescem as chances de a agenda no Legislativo continuar parada.

Publicamos um relatório ontem “Momentos turbulentos pela frente: revisando a carteira Top 10 ações XP” onde respondemos as principais perguntas que recebemos nos últimos dias. A principal delas é se a Bolsa brasileira pode cair ainda mais? Sim, acreditamos que a Bolsa brasileira possa corrigir ainda mais no curto prazo, apesar das fortes quedas recentes. Isso porque as bolsas nos países desenvolvidos, devem continuar sofrendo por conta do aumento dos riscos para a economia advindos dos impactos das restrições de oferta e demanda impostas pelo alastramento do Coronavírus e pela guerra de preços de petróleo iniciada esse final de semana pela Arábia Saudita.

No relatório, analisamos todos os episódios de fortes correções no Ibovespa nos últimos 20 anos, ou seja, momentos no qual o índice caiu mais de 15% do pico ao vale. A correção média foi de 27,5% em 19 desses períodos, vs. -18% na correção atual. A duração média dessas correções foi de 115 dias, comparado a 43 dias da correção atual.

Dado que o cenário externo tem se mostrando ainda mais desafiador, revisamos novamente nossa carteira Top 10 Ações XP, com a saída de JBS e VALE e inclusão de AmBev e Engie.Com isso, aumentamos ainda mais a exposição ao setor elétrico e de consumo doméstico e reduzimos a exposição aos setores cíclicos globais, reduzindo também o Beta da carteira – ou seja, a sensibilidade aos movimentos do mercado. Apesar disso, continuamos otimistas com as ações tanto da JBS e da Vale, com recomendação de Compra nos dois papéis. Temos R$39/ação de Preço-Alvo para as ações da JBS e R$64/ação de Preço-Alvo para a Vale. Assim, esse movimento tático visa apenas reduzir o risco da carteira, migrando para papéis mais defensivos durante esse mês de março.

Tópicos do dia

Coronavírus

Veja aqui a nossa visão sobre os impactos nos mercados
Veja aqui a opinião de gestores de Fundos Multimercados
Veja aqui a opinião dos gestores de Fundos de Ações
Veja aqui nossa visão sobre os impactos nos FIIs
Veja aqui a opinião dos nossos assessores

Temporada de resultados do 4º trimestre

Clique aqui para acessar o calendário completo
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultados

Brasil

  1. Governo pretende ampliar regra de saques do FGTS
  2. Mercado reduz sua projeção de PIB para 1,99% em 2020

Internacional

  1. Petróleo: Crise se aprofunda com retaliação da Arábia Saudita ao fracasso das negociações da OPEP+ para cortar produção

Empresas

  1. IRB (IRBR3): Antonio Cassio pode ser nomeado Presidente do conselho
  2. Companhias Aéreas (AZUL4, GOLL4): Isenção de PIS/Cofins sobre QAV pode sair esse ano
  3. Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): problemas logísticos na China e aumento dos custos de produção estariam desafiando a indústria de carnes

Veja todos os detalhes

Brasil

Governo pretende ampliar regra de saques do FGTS

  • De acordo com o noticiário local, o governo estuda a possibilidade de permitir que trabalhadores antecipem o saque do FGTS;
  • A ideia consiste em permitir que os trabalhadores que optarem pelo saque-aniversário (que prevê retiradas anuais do Fundo) possam antecipar os resgates em até três anos somente para operações de crédito. O montante poderá também ser sacado em dinheiro, em critério de antecipação, ou usado como garantia de empréstimo em qualquer banco;
  • O Ministério da Economia estima que cerca de oito milhões de pessoas poderiam aderir ao programa, o que estimularia a concessão de R$ 100 bilhões em financiamentos em até quatro anos. A medida segue em estudo e pode ser anunciada até o final do mês.

Mercado reduz sua projeção de PIB para 1,99% em 2020

  • O mercado elevou marginalmente sua projeção de inflação para 2020 de 3,19% para 3,20%. Para 2021, a projeção permaneceu estável em 3,75%;
  • A projeção de PIB para 2020 passou de 2,17% para 1,99% e para 2021 permaneceu estável em 2,50%; A projeção da taxa de câmbio permaneceu estável em 4,20 para 2020, mas passou de 4,15 para 4,20 para 2021. Enquanto isso, a projeção da taxa Selic permaneceu estável em 4,25% para 2020, mas foi reduzida de 5,75% em 5,50% para 2021. Clique aqui para acessar a análise completa.

Internacional

Petróleo: Crise se aprofunda com retaliação da Arábia Saudita ao fracasso das negociações da OPEP+ para cortar produção

  • A Arábia Saudita iniciou durante o final de semana um processo de retaliação ao fracasso do acordo de cortes de produção na OPEP com a Rússia. Segundo notícias, a estatal petrolífera do reino, a Saudi Aramco (maior empresa do mundo listada em bolsa), está oferecendo elevados descontos de preços oficiais de venda de petróleo cru a partir de abril, e o reino está se preparando para elevar sua produção significativamente acima do patamar de 10 milhões de barris ao dia (mbpd);
  • A notícia é uma sinalização negativa aos preços de petróleo, dado que o mercado da commodity pode rapidamente chegar a uma situação de excesso de oferta e elevação rápida de estoques devido ao efeito combinado de (1) queda abrupta da demanda devido aos impactos negativos do coronavírus à economia global e (2) um potencial aumento de produção desenfreado pelos países da OPEP e seus aliados com o fim da aliança para controle de oferta. A notícia levou a um grande choque no preço do barril, que chegou a cair mais de 30% hoje pela manhã, e agora opera em queda de 21%, cotado a US$35,86/barril para o petróleo Brent;
  • Para concluir, nossa visão é a de que é necessário cautela com ativos relacionados ao setor de petróleo e gás no curto prazo, em particular àqueles mais expostos às atividades de exploração & produção (normalmente agrupados na sigla E&P) e refino, enquanto o setor de distribuição de combustíveis deve sofrer impactos marginais relacionados à desvalorização de estoques. Clique aqui para acessar nosso relatório completo.

Empresas

IRB (IRBR3): Antonio Cassio pode ser nomeado Presidente do conselho

  • Segundo jornais locais, Antonio Cassio pode ser nomeado presidente do conselho do IRB. Cassio substituirá Ivan Monteiro, que deixou o IRB em 28 de fevereiro;
  • Cassio é um executivo experiente no segmento, já ocupou cargo de diretor financeiro de uma companhia de seguros desde 1985 e atualmente é o CEO da companhia de seguros italiana, Generali, nas regiões das Américas e sul da Europa;
  • A nomeação, se confirmada, não surpreenderá, pois o perfil do executivo corresponde ao comunicado para o mercado por Pedro Guimarães na última teleconferência. No entanto, como alguém com experiência no segmento, Cassio poderia esclarecer algumas das incertezas remanescentes em torno do IRB, embora seja cedo para saber se o novo presidente estaria disposto a discorrer sobre estes assuntos.

Companhias Aéreas (AZUL4, GOLL4): Isenção de PIS/Cofins sobre QAV pode sair esse ano

  • De acordo com o jornal Estado de S. Paulo, o Ministério da Infraestrutura trabalha para que o governo edite ainda neste ano decreto para zerar a partir de 2021 o PIS/Cofins do querosene de aviação (QAV). O tributo é alvo da proposta de reforma que tramita no Congresso e está em estudo pelo governo;
  • A estimativa é que a arrecadação do tributo incidente no combustível seja de R$ 250 milhões ao ano. Ao zerar o tributo, R$ 0,07 seriam reduzidos no preço do litro do QAV, que custa em torno de R$ 3,00. Pela proposta no Executivo, ainda não apresentada, o PIS/Cofins seria substituído pelo IVA Federal;
  • Combustível representa cerca de 35% dos custos das companhias e, portanto, essa medida seria positiva tanto para as aéreas que operam no país como para manter a atratividade do setor. Porém, ressaltamos que o timing dessa medida ainda é incerto, e potencialmente beneficiaria as empresas a partir de 2021 apenas.

Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): problemas logísticos na China e aumento dos custos de produção estariam desafiando a indústria de carnes

  • Problemas logísticos na China e aumento dos custos de produção estariam desafiando a indústria de carnes neste começo de 2020, após um ano de 2019 estelar para o segmento. Com o agravamento do coronavírus na China e a consequente desaceleração da economia chinesa, os portos se tornaram um problema, e contêineres parados no país passaram a ser desviados para outros destinos;
  • Aos poucos, a avaliação de fontes da indústria é que a atividade nos portos está se normalizando, mas que vai demorar algum tempo até que todos os efeitos colaterais na logística sejam resolvidos. Além disso, a avaliação é que a menor circulação de pessoas na China reduzirá o consumo fora do lar, impactando negativamente a demanda por proteínas;
  • Do lado dos custos de produção, em fevereiro, o indicador Esalq/B3 para o boi gordo subiu 5,74% em São Paulo, superando a casa de R$ 200 por arroba outra vez. A avaliação na indústria é que esses preços não remuneram a carne vendida no mercado interno, afetando sobretudo os frigoríficos menores que não exportam e, portanto, não conseguem se beneficiar do dólar valorizado.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.