A semana na Renda Fixa (10/05 a 14/05)

Acompanhe os principais movimentos da semana no mercado de renda fixa e o que esperar para a semana que se inicia.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

As taxas futuras de juros encerraram a semana em leve alta frente ao apurado na sexta-feira anterior. A elevação pode ser atribuída às pressões advindas do cenário externo, como a divulgação da inflação ao consumidor nos Estados Unidos de abril, que veio bastante acima do esperado, e gerou movimento de aversão a risco nos ativos globais. Enquanto isso, as taxas dos títulos do Tesouro indexados à inflação (NTN-B), que representam as expectativas para o juro real, encerraram a semana em relativa estabilidade.

A maior parte dos títulos do Tesouro Direto apresentou valorização na semana, observada com mais intensidade nos títulos de longo prazo indexados à inflação. O movimento de fechamento dos spreads das debêntures observado na semana anterior foi acentuado nos papeis classificados com ratings “AAA”, “AA” e “A”.

Para a próxima semana, destaque para indicadores de atividade e mercado de trabalho na China, além de inflação na Zona do Euro, e dados referentes ao setor imobiliário nos EUA, além de PMIs de maio nas economias desenvolvidas. No Brasil, as atenções devem voltar-se ao palco político-econômico, com destaque para discussões sobre a reforma tributária e a reforma administrativa, além da medida provisória da Eletrobras (pautada para votação), e da continuação da CPI da pandemia.

Cenário macroeconômico

Elaborado pelo time de Economia da XP

De acordo com relatório publicado, no âmbito da covid-19 no Brasil, o número de novos casos se mantém estável, pouco acima de 61,4 mil, assim como o ritmo de vacinação – com média de 710 mil doses aplicadas ao dia.

A semana começou marcada pela alta do preço de commodities, especialmente minerais, sustentada pela falta de oferta e expectativas de recuperação da economia global. Contudo, o principal destaque ficou para os dados de inflação dos Estados Unidos, que vieram bem acima do esperado pelo mercado, reforçando receios sobre a alta de preços acelerada no país e a postura acomodatícia do FED. A reação nos juros futuros, entretanto, foi contida.

Ainda nos EUA, o indicador de inflação ao consumidor (CPI) registrou alta de 0,8% em abril, levando o acumulado em doze meses a 4,2% – a maior alta desde 2008, puxado principalmente por alta recorde no preço de carros usados, além de commodities e setores mais sensíveis à normalização da atividade. Já o indicador de preços ao produtor (PPI) subiu 0,6%, ante consenso de mercado em 0,3%.

Na China, o principal destaque foi também a divulgação de dados de inflação referentes a abril. O CPI variou 0,9% em relação ao último ano (ante estimativas de 1%) e o PPI acelerou para 6,8% a.a. (estimativa de 6,5%), alcançando o ritmo de alta visto em 2017. Como sentido no restante do mundo, a pressão vem principalmente da alta de preços de commodities, impulsionados pela forte demanda global impactada por estímulos, desequilíbrios em cadeias de produção globais, e maiores gastos em infraestrutura no país.

No Brasil, destacam-se os indicadores de atividade referentes a março, que apontaram para uma resiliência maior do que a inicialmente esperada para a economia do país no primeiro trimestre. O setor de serviços, medido pela PMS, registrou alta de 4,5% na comparação entre março de 2021 e março de 2020, e contração mensal de 4%, explicado pelo aperto das medidas de distanciamento social para contenção da “segunda onda” da pandemia. Consolidando os dados divulgados ao longo das últimas duas semanas, o indicador de atividade medido pelo Banco Central (IBC-Br) registrou alta de 6,3% na comparação anual.

Em ata publicada na terça-feira, o Comitê de Política Monetária do Banco Central voltou a indicar novo aumento de 0,75 ponto percentual na taxa Selic para a próxima reunião do Comitê, em junho. O documento não trouxe grandes novidades se comparado ao comunicado divulgado após a reunião na semana passada, e enxergamos seu teor como neutro. Enquanto isso, a inflação medida pelo IPCA registrou alta de 0,31% em abril, elevando o acumulado em doze meses para 6,76%. Tivemos uma leitura neutra sobre os resultados.

O time de Economia da XP publicou o Brasil Macro Mensal de maio na semana, com revisão dos principais indicadores econômicos para o ano. A equipe agora projeta crescimento mais forte da economia no país, revisando a projeção de crescimento do PIB nesse ano para 4,1%, e para 2,0% no ano que vem, e inflação mais alta, com projeção de IPCA elevada para 5,4% esse ano, o que levaria a um aperto mais rápido da política monetária, o que deve resultar em elevação da Selic para 5,5% em setembro.

Na frente político-econômica, o Supremo Tribunal Federal (STF) encerrou julgamento sobre o ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, o retirando, e definiu validade da decisão a partir de 15/03/17. A decisão da não retroatividade para decisões a partir de 2017 foi positiva para a União, reduzindo o impacto fiscal. Por outro lado, os ministros decidiram também pelo que consta na nota fiscal – o que implica que o impacto fiscal inicialmente projetado poderá ser maior. Por fim, o Senado aprovou o projeto de lei que susta os reajustes de medicamentos em 2021 e suspende os já realizados, enquanto a CPI da Pandemia segue no Congresso, por ora, com impactos reduzidos no cenário econômico e de mercados.

Leia tudo o que aconteceu na semana em economia.

Curva DI e NTN-B

As taxas futuras de juros encerraram a semana em leve alta frente ao apurado na sexta-feira anterior, com ganho de inclinação. A elevação pode ser atribuída às pressões advindas do cenário externo, como a divulgação da inflação ao consumidor nos Estados Unidos de abril, que veio bastante acima do esperado, e gerou movimento de aversão a risco nos ativos globais.

Enquanto isso, as taxas dos títulos do Tesouro indexados à inflação (NTN-B), que representam as expectativas para o juro real, encerraram a semana em relativa estabilidade, com exceção do vencimento mais curto, que apresentou queda.

Fonte: Bloomberg. Elaboração: XP Investimentos.

Leilões do Tesouro Nacional

Para mais informações sobre o funcionamento de leilões de títulos públicos, clique aqui.

Leilão do dia 11/05 – NTN-B

No último leilão de Notas do Tesouro Nacional – Série B (NTN-B), realizado na terça-feira (11), foram ofertados 1,5 milhão de títulos com vencimento para 2024, 300 mil para 2028 e 100 mil para 2040. O total ofertado somou 1,9 milhão, ante 2,4 milhões na semana passada.

O Tesouro colocou integralmente a oferta no mercado, que somou R$ 7,5 bilhões.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Leilão do dia 13/05 – LTN, NTN-F e LFT

No leilão da última quinta-feira (13), o Tesouro ofertou 16 milhões de Letras do Tesouro Nacional (LTN), ante 20 milhões na semana passada. Por outro lado, aumentou os lotes de Notas do Tesouro Nacional série F (NTN-F), de 350 mil para 1,05 milhão, e de Letras Financeiras do Tesouro (LFT), de 150 mil para 300 mil.

Ressalta-se que as LTNs e NTN-Fs são ofertadas em lotes individuais, enquanto as LFTs são ofertadas em leilão híbrido, com vencimentos em lotes agrupados (ou seja, soma-se o volume colocado nos dois vértices ofertados de LFT). Entenda mais sobre o funcionamento dos leiloes de títulos públicos.

O TN vendeu todo o lote de 5 milhões com vencimento para 2022, a totalidade da oferta de 7,5 milhões para 2023 e, do lote de 3 milhões para 2024, 2,902 milhões de LTNs, totalizando 15,402 milhões de papéis. O volume financeiro somou R$ 13,6 bilhões.

Quanto às NTN-Fs, foram vendidas as totalidades dos lotes de 300 mil papéis com vencimento em 2029 e 300 mil ofertados para 2031. O giro financeiro foi de R$ 1,1 bilhão.

As LFTs também foram vendidas em sua totalidade, das quais 20,5 mil foram reservadas para o vencimento mais curto (2022) e as demais 279,5 mil foram colocadas no vencimento de 2027. O giro financeiro somou R$ 2,9 bilhões.

A redução no volume total de ativos prefixados, apesar da maior oferta de LFTs, diminuiu o risco implicado no leilão, o que ajudou a não pressionar os juros durante a sessão.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Tesouro Direto

A maior parte dos títulos do Tesouro Direto apresentou valorização na semana, observada com mais intensidade nos títulos de longo prazo indexados à inflação. Os títulos atrelados à taxa Selic apresentaram leve alta.

O preço dos títulos sobe quando a expectativa de juro futuro cai (e vice-versa) devido à relação inversa entre os dois. Esse mecanismo que mostra o efeito dos juros sobre preços é a marcação a mercado. Entenda mais aqui.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Crédito Privado

Fluxo

Na última semana, o fluxo médio diário de negociações em debêntures foi de R$ 1,7 bilhão (vs. R$ 975 milhões na semana anterior), R$ 132 milhões em CRAs (vs. R$ 93 milhões) e R$ 98 em CRIs (vs. R$ 149 milhões).

Os papeis mais negociados por classe de ativos foram debêntures Nova Transportadora do Sudeste, CRI Prevent Senior e CRA JBS.

Vale lembrar que, como não são disponibilizados a tempo da publicação do relatório, os dados da sexta-feira não são considerados e podem alterar o apresentado.

Fonte: Anbima e Cetip. Elaboração: XP Investimentos.

Spreads de crédito

O movimento de fechamento das curvas das debêntures observado na semana anterior foi acentuado nos papeis classificados com ratings “AAA”, “AA” e “A”.

Assim como nos dados de fluxo, os números da sexta-feira para os spreads de crédito também não são considerados e podem alterar o apresentado.

As curvas são extraídas a partir de debêntures precificadas diariamente pela ANBIMA (DI Percentual, DI+spread e IPCA+spread) e refletem estruturas de spread zero-cupom sobre a curva soberana para diferentes níveis de risco.

Fonte: Anbima. Elaboração: XP Investimentos.

Ações de rating

Fonte: Fitch Ratings e Moody’s. Elaboração: XP Investimentos.

Para os relatórios publicados durante a semana, dirija-se ao final do relatório.

O que esperar – Semana de 17/05 a 21/05

Agenda econômica

Em relatório publicado pelo time Macro da XP, destaque para indicadores de atividade e mercado de trabalho na China, além de inflação na Zona do Euro, e dados referentes ao setor imobiliário nos EUA, além de PMIs de maio nas economias desenvolvidas.

No Brasil, as atenções devem voltar-se ao palco político-econômico, com destaque para discussões sobre a reforma tributária e a reforma administrativa, além da medida provisória da Eletrobrás (pautada para votação), e da continuação da CPI da pandemia. A semana será mais esvaziada em termos de indicadores macroeconômicos, com potencial divulgação da arrecadação de abril. 

Acesse aqui o Boletim Focus do dia 14/05 (disponível a partir de segunda-feira)

Leilões do Tesouro Nacional

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Vencimentos de debêntures da próxima semana

Fonte: Anbima. Elaboração: XP Investimentos.

Relatórios publicados na semana de 10/05 a 14/05

Renda Fixa

Artigos

Tudo sobre Renda Fixa no mês (e o que esperar)

Evolução do mercado de crédito no Brasil – saldo, inadimplência e provisões

Novos emissores

MetrôRio

Atualizações

Atualização 4T20: Adecoagro Vale do Ivinhema

Atualização 4T20: Vicunha

Outros

Moody’s eleva ratings da Light para A1.br

Acionistas elegem o novo conselho de administração da Vale

Atualização da segunda etapa do Projeto Puma II

BRF registra crescimento de receita em cenário de compressão de margens no 1T21

Outras editorias

Boletim FOCUS – Data de Referência: 07/05/21

Confira nossas projeções para as principais variáveis macroeconômicas

Papel & Celulose: Mercado de papelão cresce 13,5% e bate novo recorde em abril

Equatorial Energia (EQTL3): Análise dos resultados do 1T21

BRASIL MACRO MENSAL – Crescimento mais forte, inflação mais pressionada

IPCA de abril sobe 0,31% e deve acelerar no curto prazo

Setor de serviços registra crescimento no 1º trimestre, apesar da piora da pandemia

Apresentação Macro XP

Economia em Destaque: seu resumo semanal de economia no Brasil e no mundo

Gostou? Tem alguma sugestão? Não deixe de avaliar e deixar seus comentários!

Veja mais

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.