XP Expert

Teto de ICMS sobre combustíveis segue em foco; zona do euro cresce no 1º tri

Discussões sobre o ICMS e crescimento na Zona do Euro são alguns dos temas de maior destaque nesta quarta-feira, 08/06/2022

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Áudio disponível em breve.


IBOVESPA -0,1% | 110.069 Pontos

CÂMBIO +1,6% | 4,87/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

Zona do euro cresceu mais no primeiro trimestre, enquanto OCDE vê uma desaceleração na atividade global. No Brasil, discussões sobre teto de ICMS continuam em foco.

Brasil

Na sessão desta terça-feira (07), o índice Ibovespa fechou próximo da estabilidade, um pouco descolado do que foi visto em Wall Street, onde as bolsas tiveram leve alta. Por aqui, se por um lado empresas de commodities avançaram, papéis de techs e varejistas tiveram um dia renovado de perdas. O Ibovespa caiu 0,11%, aos 110.069 pontos, após oscilar entre 109.393 e 110.185 pontos.

As taxas futuras de juros tiveram dia de forte alta, principalmente nos vencimentos mais longos, que chegaram ao pico do ano. O principal motor do movimento foi a proposta do governo de desonerar combustíveis, que levaria a aumento importante nos gastos federais, elevando o risco fiscal. A proposta tem como objetivo ajudar no controle da inflação no curto prazo, mas o mercado reagiu mal, elevando as taxas também dos títulos curtos, uma vez que a leitura é de que o alívio na inflação deverá ser reduzido já em 2023. DI jan/23 fechou em 13,48%; DI jan/24 encerrou em 13,18%; DI jan/25 foi para 12,655%; DI jan/27 fechou em 12,57%; e DI jan/29 encerrou em 12,68%.

Discussões sobre ICMS

No Brasil, continuam as discussões sobre o PLP 18/2022, que estabelece um teto para as alíquotas de ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte público. Governadores disseram ontem que as medidas propostas pelo governo, incluindo a redução para zero das alíquotas de diesel e GLP, podem trazer prejuízo de R$ 115 bilhões anuais, segundo estimativas apresentadas pelos estados, e a compensação oferecida pelo governo federal não seria suficiente.

O Congresso aprovou um projeto de lei que permite utilizar o valor dos impostos arrecadados pelas distribuidoras para reduzir a conta de energia elétrica. De acordo com o texto, a Aneel terá que implementar a alocação dos créditos de PIS/Cofins que as empresas cobraram a mais de seus usuários na forma de reduções tarifárias. A proposta agora vai para a sanção do presidente Jair Bolsonaro. Segundo dados da Aneel, dos R$ 60,3 bilhões em créditos a serem devolvidos pela União às distribuidoras, R$ 47,6 bilhões ainda não foram restituídos aos consumidores. Nossa equipe econômica estima que usar todo o valor disponível poderia reduzir a inflação em 100 bps.

Mundo

Bolsas internacionais amanhecem levemente negativas (EUA -0,5% e Europa -0,6) à medida que o sentimento dos investidores permanece fragilizado em relação aos temores em torno da inflação e perspectivas de uma possível política monetária mais restritiva do Federal Reserve, podendo causar uma desaceleração econômica. Nesta terça-feira, o Banco Mundial reduziu sua projeção para o crescimento global de 4,1%, estimativa feita em janeiro, para 2,9%. A organização alertou sobre o risco de estagflação à medida que o aumento dos preços das commodities e os problemas nas cadeias de abastecimento continuam limitando o potencial de crescimento dos países e a inflação global segue com pressão altista. Na China, o índice de Hang Seng (+2,2%) encerra em alta, puxado pelas empresas de tecnologia, Alibaba (+10%) e Bilibili (+20%), após a aprovação governamental para o lançamento de 60 novos jogos, sugerindo que o congelamento de licenças e a pressão regulatória sobre a indústria parece estar arrefecendo.

Crescimento Global

A economia da zona do euro cresceu muito mais rápido no primeiro trimestre do ano do que nos três meses anteriores, apesar do impacto da guerra na Ucrânia, disse o escritório de estatísticas da União Europeia nesta quarta-feira, revisando suas estimativas anteriores para cima. O crescimento do emprego na zona do euro também foi revisado para mostrar uma nova aceleração no período janeiro-março em comparação com o trimestre anterior. Em sua leitura final, o Eurostat disse que o Produto Interno Bruto (PIB) dos 19 países que compartilham o euro subiu 0,6% em relação ao trimestre anterior, e teve uma expansão de 5,4% em relação ao ano anterior. Os números foram significativamente revisados para cima em relação a uma estimativa anterior divulgada em meados de maio, quando o crescimento trimestral da zona do euro foi estimado pelo Eurostat em 0,3% e a expansão anual era esperada em 5,1%.

A economia do Japão encolheu um pouco menos do que o inicialmente relatado no primeiro trimestre, pois o consumo privado permaneceu resiliente diante do ressurgimento de infecções por COVID-19 e as empresas reconstruíram seus estoques, compensando uma queda nos gastos das empresas. Dados revisados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados na quarta-feira mostraram que a economia do Japão encolheu 0,5% anualizado em janeiro-março. Essa foi uma queda menor do que a leitura preliminar de uma queda de 1,0% divulgada no mês passado. Na comparação trimestral, o PIB caiu 0,1%, superando as expectativas medianas do mercado de queda de 0,3%.

A guerra na Ucrânia tornou as perspectivas de crescimento muito mais sombrias, embora a economia global deva evitar um surto de estagflação ao estilo dos anos 1970, disse a OCDE nesta quarta-feira, reduzindo suas previsões de crescimento e elevando suas estimativas de inflação. A economia mundial deve crescer 3% este ano, muito menos do que os 4,5% esperados em dezembro. O crescimento desacelerará ainda mais no próximo ano, diminuindo para 2,8%, abaixo da previsão anterior de 3,2%. Enquanto isso, qualquer alívio rápido dos aumentos de preços é improvável, com a inflação prevista para atingir um pico de 8,5% este ano nos países da OCDE antes de cair para 6,0% em 2023. Anteriormente, a OCDE esperava que a inflação chegasse a 5% antes de recuar gradualmente para 3% em 2023. A OCDE disse que vê um forte argumento para a remoção do estímulo da política monetária em países de alta inflação como os Estados Unidos e a Europa Oriental.

Veja todos os detalhes

Economia

Zona do euro cresceu mais no primeiro trimestre, enquanto OCDE vê uma desaceleração na atividade global. No Brasil, discussões sobre teto de ICMS continuam em foco

  • A economia da zona do euro cresceu muito mais rápido no primeiro trimestre do ano do que nos três meses anteriores, apesar do impacto da guerra na Ucrânia, disse o escritório de estatísticas da União Europeia nesta quarta-feira, revisando suas estimativas anteriores para cima. O crescimento do emprego na zona do euro também foi revisado para mostrar uma nova aceleração no período janeiro-março em comparação com o trimestre anterior. Em sua leitura final, o Eurostat disse que o Produto Interno Bruto (PIB) dos 19 países que compartilham o euro subiu 0,6% em relação ao trimestre anterior, e teve uma expansão de 5,4% em relação ao ano anterior. Os números foram significativamente revisados ​​para cima em relação a uma estimativa anterior divulgada em meados de maio, quando o crescimento trimestral da zona do euro foi estimado pelo Eurostat em 0,3% e a expansão anual era esperada em 5,1%;
  • A economia do Japão encolheu um pouco menos do que o inicialmente relatado no primeiro trimestre, pois o consumo privado permaneceu resiliente diante do ressurgimento de infecções por COVID-19 e as empresas reconstruíram seus estoques, compensando uma queda nos gastos das empresas. Dados revisados ​​do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados na quarta-feira mostraram que a economia do Japão encolheu 0,5% anualizado em janeiro-março. Essa foi uma queda menor do que a leitura preliminar de uma queda de 1,0% divulgada no mês passado. Na comparação trimestral, o PIB caiu 0,1%, superando as expectativas medianas do mercado de queda de 0,3%;
  • A guerra na Ucrânia tornou as perspectivas de crescimento muito mais sombrias, embora a economia global deva evitar um surto de estagflação ao estilo dos anos 1970, disse a OCDE nesta quarta-feira, reduzindo suas previsões de crescimento e elevando suas estimativas de inflação. A economia mundial deve crescer 3% este ano, muito menos do que os 4,5% esperados em dezembro. O crescimento desacelerará ainda mais no próximo ano, diminuindo para 2,8%, abaixo da previsão anterior de 3,2%. Enquanto isso, qualquer alívio rápido dos aumentos de preços é improvável, com a inflação prevista para atingir um pico de 8,5% este ano nos países da OCDE antes de cair para 6,0% em 2023. Anteriormente, a OCDE esperava que a inflação chegasse a 5% antes de recuar gradualmente para 3% em 2023. A OCDE disse que vê um forte argumento para a remoção do estímulo da política monetária em países de alta inflação como os Estados Unidos e a Europa Oriental;
  • No Brasil, continuam as discussões sobre o PLP 18/2022, que estabelece um teto para as alíquotas de ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte público. Governadores disseram ontem que as medidas propostas pelo governo, incluindo a redução para zero das alíquotas de diesel e GLP, podem trazer prejuízo de R$ 115 bilhões anuais, segundo estimativas apresentadas pelos estados, e a compensação oferecida pelo governo federal não seria suficiente;
  • O Congresso aprovou um projeto de lei que permite utilizar o valor dos impostos arrecadados pelas distribuidoras para reduzir a conta de energia elétrica. De acordo com o texto, a Aneel terá que implementar a alocação dos créditos de PIS/Cofins que as empresas cobraram a mais de seus usuários na forma de reduções tarifárias. A proposta agora vai para a sanção do presidente Jair Bolsonaro. Segundo dados da Aneel, dos R$ 60,3 bilhões em créditos a serem devolvidos pela União às distribuidoras, R$ 47,6 bilhões ainda não foram restituídos aos consumidores. Nossa equipe econômica estima que usar todo o valor disponível poderia reduzir a inflação em 100 bps;
  • Publicamos nosso relatório Brasil Macro Mensal (acesse aqui). O destaque é a redução das projeções de desemprego, à luz do bom desempenho do mercado de trabalho nos últimos meses. Estimamos ainda o impacto das medidas de redução de impostos discutidas no Congresso sobre a inflação e fiscal. Deve haver um alívio no IPCA de curto prazo, mas as preocupações com a sustentabilidade das contas públicas adiante.

Empresas

Amazon se mexendo no Brasil? Saiba as novidades da operação no país

  • De acordo com notícias, a Amazon Brasil anunciou a expansão de três programas logísticos além do lançamento de um programa que busca atrair mais vendedores para sua plataforma de marketplace;
  • Na nossa visão, a notícia é negativa para as empresas de ecommerce brasileiras, uma vez que indica um aumento da competição de um player altamente capitalizado e consolidado no setor globalmente;
  • Dessa forma, mantemos nossa visão cautelosa para o setor. Clique aqui para o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Bloco de XP agora à noite: Itaú vende (Brazil Journal);
    • Fundos de investimentos têm resgate de R$ 64 bilhões em maio, nota Anbima (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Bolsonaro diz que terá resposta para produtos da cesta básica ‘em breve’. (Estado);
    • Integração de Carrefour e Big pode durar um ano e meio. (Varejo);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • PL do ICMS pode reduzir competitividade do etanol nas bombas (Valor);
    • Acumulação de Fertilizantes nos Portos do Brasil sinalizam mais queda de preço (Bloomberg);
    • Preços dos CBios batem recorde e fecham maio com média acima de R$ 119 na B3 (Notícias Agrícolas);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Prazo de reserva para oferta de ações da Eletrobras termina nesta quarta-feira (8) (Valor Econômico);
    • PetroRio (PRIO3) formaliza aquisição de sonda por R$ 19 milhões; veja os destaques do Radar (Forbes);
    • Petróleo sobe a novas máximas de 3 meses, com receios sobre oferta e demanda (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | TSMC espera aumento de 30% nas vendas e margem bruta superior a 50%

  • TSMC espera aumento de 30% nas vendas e reafirma margem bruta superior a 50%;
  • Ford adiciona empregos nos EUA à medida que aumenta a produção de veículos elétricos;
  • Proprietária do TikTok pode vender participação na revendedora de tênis chinesa Poizon;
  • Sinais de que pico de inflação já ficou para trás começam a aparecer;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • O Impacto do E-commerce nos Fundos Imobiliários (Suno);
    • Investir em FIIs por meio de fundo previdência? Veja como isso é possível (Suno);
    • Veja os fundos imobiliários mais recomendados para junho entre 16 corretoras (MoneyTimes);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

ESG

União Europeia lança primeira cota para mulheres em conselhos corporativos | Café com ESG, 08/06

  • O mercado fechou o pregão de terça-feira em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -0,1% e -1,1%, respectivamente;
  • No Brasil, o presidente do Instituto de Auditoria Independente do Brasil (Ibracon) disse que uma padronização no conjunto de normas relacionados a aferição e divulgação de dados ambientais, sociais e de governança deve acontecer daqui dois a três anos – o Ibracon tem trabalhado para entender o que e como divulgar informações ESG de acordo com critérios de relevância e materialidade dos números não financeiros;
  • No internacional, (i) a União Europeia divulgou ontem a primeira cota do bloco para mulheres em conselhos corporativos, em uma tentativa de aumentar a representatividade e melhorar a igualdade de gênero no bloco – a lei obriga as empresas listadas em todos os 27 países membros da UE a ter mulheres ocupando pelo menos 40% dos assentos não executivos do conselho, ou 33% dos cargos executivos e não executivos combinados até meados de 2026; e (ii) a Lululemon Athletica Inc e o H&M Group vão participar do financiamento de um fundo de US$ 250 milhões com o objetivo de acelerar os esforços para reduzir as emissões de carbono na cadeia de suprimentos da indústria da moda. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.