XP Expert

Mercado repercute aumento de juros enquanto aguarda negociações de paz

Os mercados seguem repercutindo hoje as decisões da super-quarta, em que os Bancos Centrais dos Estados Unidos e Brasil atualizaram suas taxas de juros e projeções de inflação.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +2,0% | 111.112 Pontos

CÂMBIO -1,7% | 5,08/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

Os mercados seguem repercutindo hoje as decisões da super-quarta, em que os Bancos Centrais dos Estados Unidos e Brasil atualizaram suas taxas de juros e projeções de inflação. As atenções também estão nas expectativas de um acordo para o conflito, mas após uma nova rodada de negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia, ainda não está claro se houve algum progresso. Na agenda, hoje é aguardada a divulgação da produção industrial dos EUA e na Europa o foco ficará por conta da reunião do Banco Central da Inglaterra.

Brasil

O Ibovespa acompanhou o otimismo dos mercados globais, impulsionados pela expectativa de um acordo que ponha fim ao conflito, e terminou o dia ontem em alta de 1,98%, aos 111,112 pontos puxado por Vale, enquanto o dólar fechou em queda (-1,7%) cotado a R$5,08. Já as taxas de juros fecharam o dia perto da estabilidade em relação ao dia anterior. A sessão foi marcada pela decisão do Fed (banco central dos EUA) e, principalmente, a revisão das projeções de indicadores econômicos para o país nos próximos meses, indicando, por exemplo, inflação mais alta. Antes disso, porém, as taxas no Brasil passaram o dia em leve baixa também à espera do desfecho positivo entre Rússia e Ucrânia e, por esse motivo, os ajustes após a divulgação externa não tiveram força para reverter a baixa de maneira significativa. DI jan/23 fechou em 13,075%; DI jan/25 encerrou em 12,39%; DI jan/27 foi para 12,17%; e DI jan/29 fechou em 12,28%.

Mundo

Mercados globais amanhecem mistos (EUA -0,5% e Europa +0,2%) enquanto investidores digerem a última decisão do Federal Reserve. Nesta quarta-feira, o Banco Central americano aumentou a taxa básica de juros em 0,25% e sinalizou seis altas adicionais ao longo das próximas reuniões de 2022. Na Europa, o foco ficará por conta da reunião do Banco Central da Inglaterra, que também deverá subir a taxa básica de juros em 0,25%. Na China, o índice de Hang Seng encerra em forte alta (+7,0%), pelo segundo dia consecutivo, ainda reverberando a postura de maior suporte aos ativos financeiros adotada pelo governo. Ações de tecnologia também seguiram como destaque na bolsa de Hong Kong: Alibaba (+12,5%), JD.com (+15,9%) e Meituan (+12,3%). Por fim, o petróleo recupera-se pela manhã (+4,7%), com o petróleo Brend novamente acima de 100 dólares por barril, após relatório da Agência Internacional de Energia afirmar que o choque de oferta catalisado pelas sanções a Rússia deverá afetar a economia global e impulsionar ainda mais os preços de energia.

Decisões de Política Monetária

O comitê de política monetária do banco central americano (FOMC) aumentou a taxa dos Fed Funds em 0,25% ontem, como era esperado pelos mercados. Mas sinalizou projeções de taxas de juros bem mais elevadas para frente: o intervalo na expectativa dos juros para 2024 agora é de 2,4%-3,4%, ante 1,9%-2,9% anteriores. As projeções de inflação também foram revisadas para cima, os membros do Fed agora esperam uma inflação de núcleo na casa de 4,3% em 2022 vs. 2,6% das projeções anteriores. No Brasil, o Banco Central (BC) elevou a taxa Selic referencial em 1,0%, conforme esperado pela XP e pela maioria dos participantes do mercado. Além disso, a autoridade monetária sinalizou para entregar ‘outro ajuste de mesma magnitude na próxima reunião (em maio). O BC, contudo, criou um cenário alternativo com commodities mais baixas que em seu cenário de referência – em que a inflação converge para a meta com juros em 12,75%. E afirmou que considera este cenário mais próvalvel. Como esta é exatamente nossa projeção para a Selic no final do ciclo de alta de juros, entendemos que a comunicação de ontem é consistente com nosso cenário.

Rússia e Ucrânica

Após uma nova rodada de negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia, ainda não está claro se houve algum progresso. Apesar de relatos no início do dia de quarta-feira (16) sobre avanços significativos nas negociações entre a os governos Zelensky e Putin, tanto Kiev quanto Moscow buscaram reduzir expectativas, indicando que ainda haviam claras dificuldades. As conversas devem retomar nesta quinta-feira (17). Em paralelo, a Ucrânia continua recebendo apoio de países da OTAN, ainda que descartem envolvimento direto no conflito. A Casa Branca anunciou nesta quarta-feira (16) que os Estados Unidos que enviariam mais de USD 800 milhões em sistemas antiaéreos para deter aeronaves e mísseis russos. Em discurso, Joe Biden descreveu Vladimir Putin como criminoso de guerra pelos supostos ataques a civis.

Mercado em Gráfico

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira (16), por unanimidade, elevar a taxa Selic de 10,75% ao ano para 11,75% ao ano – alta de um ponto percentual.  É o nono aumento consecutivo na taxa. Com isso, a Selic alcançou o maior nível desde abril de 2017, quando estava em 12,25% ao ano. Ou seja, o maior nível em quase cinco anos. Esse ciclo de aumento das taxas de juros é uma consequência de uma política mais hawkish – mais agressiva – adotada por bancos centrais globais, que começaram a apertar suas políticas monetárias, em uma tentativa de conter a inflação. Essa alta da inflação vem desde o ano passado e agora, com a guerra entre Rússia e Ucrânia, acentuou-se ainda mais. Os principais fatores que contribuíram para esse aumento são: 1) Políticas monetárias e fiscais expansionistas: bancos centrais e governos mundiais implementaram uma enorme quantidade de estímulos nos últimos dois anos para combater a crise econômica causada pela pandemia; 2) Gargalos nas cadeias de suprimentos: após o início da vacinação contra a Covid-19, a demanda por bens disparou e a oferta, com as atividades econômicas interrompidas pela pandemia, não se recuperou na mesma proporção; 3) Crise energética: tensões geopolíticas entre produtores de commodities, problemas climáticos que comprometeram as fontes de energia renovável, levaram ao aumento dos custos de energia; e 4) alta no preço dos commodities: a rápida retomada da atividade econômica pós pandemia trouxe uma alta na demanda por commodities, que não foi suprimida pela oferta, que ainda estava recuperando seus níveis de produção – e que agora sofre mais problemas ainda com sanções à Rússia e problemas na produção de commodities pela Ucrânia, devido à guerra.

Veja todos os detalhes

Agenda de resultados

BR Malls Participacoes SA (BRML3): Após o fechamento
Cury (CURY3): Após o fechamento
Cyrela Brazil Realty SA Empreendimentos e Participações (CYRE3): Após o fechamento
EZTEC Empreendimentos e Participações SA (EZTC3): Após o fechamento
Lojas Renner SA (LREN3): Após o fechamento
Vivara Participações SA (VIVA3): Após o fechamento
Westwing Comercio Varejista SA (WEST3): Após o fechamento

Calendário do 4T21

Temporada de resultados do 4º trimestre 2021 – o que esperar?

Economia

Banco Central americano sobe os juros e faz sinalização dura para frente. O risco de recessão nos EUA cresce neste cenário

  • O comitê de política monetária do banco central americano (FOMC) aumentou a taxa dos Fed Funds em 0,25 pp ontem, como era esperado pelos mercados. O comitê se absteve dar uma indicação mais clara de quando começará a reduzir seu balanço de títulos públicos, mas disse que será “em uma próxima reunião”. Esta frase provavelmente significa maio. A votação não foi unânime, um dos membros votou por uma elevação de 0,50pp. A grande surpresa, no entanto, veio das projeções dos membros do FOMC (conhecidas como “SEP”). Comparado ao SEP de dezembro de 2021, os números de ontem apresentaram um aumento importante para os juros esperados nos próximos anos. O intervalo na expectativa dos juros para 2024 agora é de 2,4%-3,4%, ante 1,9%-2,9% anteriores. A perspectiva de uma trajetória de juros acima do esperado aumenta o risco de recessão nos EUA à frente;
  • Após uma nova rodada de negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia, ainda não está claro se houve algum progresso. Um porta-voz russo disse que uma Ucrânia neutra com seu próprio exército é um possível compromisso. Já a Ucrânia pede mais garantias de segurança. O presidente ucraniano Zelensky pressionou o Congresso dos EUA por mais assistência militar e novas sanções à Rússia. O presidente dos EUA, Biden, classificou o líder russo Putin de “criminoso de guerra” e disse que estava enviando uma nova rodada de US$ 800 milhões em armas antiaéreas e outros equipamentos militares para a Ucrânia. Os preços das commodities estão em alta hoje, com o petróleo Brend novamente acima de 100 dólares por barril;
  • Na frente de dados econômicos, a inflação ao consumidor da Zona Euro de fevereiro saiu um pouco acima das expectativas, em 5,9% (5,8% esperado). O destaque hoje é a produção industrial dos EUA;
  • No Brasil, o banco central elevou a taxa Selic referencial em 1pp, conforme esperado pela XP e pela maioria dos participantes do mercado. Além disso, a autoridade monetária sinalizou para entregar ‘outro ajuste de mesma magnitude’ na próxima reunião (em maio), reconhecendo um cenário pior para a inflação. A inovação no comunicado pós-reunião foi o que o Copom criou um ‘cenário alternativo’ que tem uma premissa diferente para os preços internacionais do petróleo – considera a curva do mercado futuro até o final de 2022, encerrando o ano a US$ 100/barril. Nesse cenário (considerado pelo comitê de maior probabilidade), as projeções de inflação do Copom ficam em 6,3% para 2022 e 3,1% para 2023, respectivamente 80bps e 30bps abaixo do cenário de referência . Assim, as projeções de inflação, que assumem a taxa Selic subindo para 12,75%, estão mostrando uma convergência para próximo ou abaixo da meta em 2023, dependendo do cenário. Como trabalhamos em nossas projeções de inflação com o preço do petróleo Brent encerrando 2022 em US$ 105/barril e já com a Selic em 12,75%, consideramos que a comunicação de ontem está consistente com nosso cenário. Aguardaremos a ata do Copom – prevista para a próxima terça-feira – para promover eventuais ajustes finos em nossa projeção, se necessário for;
  • A receita real do setor de serviços recuou 0,1% MoM em janeiro, encerrando uma série de dois aumentos significativos (2,9% em novembro e 1,7% em dezembro). Esse resultado ficou um pouco abaixo da nossa estimativa e do consenso de mercado (ambos em 0,3% MoM). Com o resultado, a atividade do setor de serviços alcançou 7% acima do nível pré-pandemia em janeiro.  No entanto, existem diferenças significativas entre os segmentos nesta base de comparação. O grupo de Serviços Prestados às Famílias apresenta receita real cerca de 13% abaixo dos níveis registrados antes do surto de COVID-19, enquanto a categoria de Serviços de Transporte e Armazenamento está cerca de 13% acima dessa marca (fev-20).

Política

A guerra na Ucrânia permanece em destaque

  • Apesar de relatos no início do dia de quarta-feira (16) sobre avanços significativos nas negociações entre a os governos Zelensky e Putin, tanto Kiev quanto Moscow buscaram reduzir expectativas, indicando que ainda haviam claras dificuldades. As conversas devem retomar nesta quinta-feira (17);
  • Em paralelo, a Ucrânia continua recebendo apoio de países da OTAN, ainda que descartem envolvimento direto no conflito. A Casa Branca anunciou nesta quarta-feira (16) que os Estados Unidos que enviariam mais de USD 800 milhões em sistemas antiaéreos para deter aeronaves e mísseis russos. Em discurso, Joe Biden descreveu Vladimir Putin como criminoso de guerra pelos supostos ataques a civis.

Empresas

Unifique (FIQE3): Um movimento relevante – dobrando de tamanho no Rio Grande do Sul; Maior aquisição anunciada após IPO (+80 mil clientes)

  • A Unifique anunciou hoje a aquisição da Sygo Internet, ISP que atende clientes pessoas físicas e clientes corporativos em 65 cidades no estado do Rio Grande do Sul;
  • A empresa adquirida possui aproximadamente 80.000 acessos (88% via fibra). Com a aquisição, a base de clientes da empresa no estado do Rio Grande do Sul ultrapassará 150 mil acessos. O Enterprise Value foi de R$ 226,2 milhões. O valor pago por cliente foi de aproximadamente R$ 2.827 (~R$ 3.213 somente fibra);
  • A aquisição representa 53% da atual base de clientes da Companhia no Estado do Rio Grande do Sul e faz parte de sua estratégia de crescimento e consolidação na região;
  • Reiteramos nossa recomendação de compra e preço-alvo de R$13,0/ação para o final de 2022;
  • Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Arezzo&Co. (ARZZ3): Moda masculina pode ficar maior do que era; Reserva bem posicionada para capturar essa tendência

  • Nesse relatório, olhamos com maior atenção para Reserva, dado que vemos a marca como uma das principais alavancas de crescimento da ARZZ;
  • Com a casualização causada pela pandemia, acreditamos que uma parte substancial da população masculina está cada vez mais modal, gastando mais com roupas e calçados em busca de qualidade, conforto, estilo e um custo/benefício balanceado. Assim, buscamos nos aprofundar sobre o potencial de crescimento da Reserva, principalmente olhando para a categoria de calçados e seu posicionamento vs. tendências de mercado;
  • Por fim, atualizamos nossas estimativas para incorporar os resultados do 4T21 e o aumento de capital. Reiteramos nossa recomendação de Compra e ajustamos nosso preço-alvo para R$105,0/ação;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Localiza (RENT3): Confira Nosso Feedback Sobre Reuniões com o CFO da Companhia e Investidores

  • Realizamos um non-deal roadshow visitando investidores locais com a alta gestão da Localiza (Rodrigo Tavares, CFO e Nora Lanari, DRI), e saímos com nossa visão positiva para o setor reiterada.
  • Destacamos:
    • (i) forte demanda esperada para o setor uma vez que o processo de normalização aconteça, apesar dos preços de aluguel estarem mais elevados;
    • (ii) a escalada de conflitos entre Rússia e Ucrânia não mudou a expectativa de gestão da Localiza sobre o cenário de fornecimento de carros (2022 já deve ter uma melhora em relação a 2021); e
    • (iii) esperamos que a fusão seja concluída em um relativo curto prazo (enquanto o timing exato permanece incerto, a Localiza compartilhou os próximos passos até o fechamento final – detalhes abaixo);
  • Clique aqui para acessar conteúdo completo.

MRV (MRVE3) – Resultados 4T21: Resultados melhores do que o esperado para AHS compensados ​​pela compressão da margem bruta

  • A MRV apresentou resultados mistos no 4T21, prejudicados pela margem bruta das operações da marca MRV abaixo do esperado, atingindo 22,4% (-2,1 p.p. T/T e -4.9 p.p A/A), apesar da MRV&Co registrar vendas líquidas contratadas recorde no 4T21 de R$ 2,4 bilhões (+19,3% T/T e +18% A/A), impulsionado pela venda dos projetos da AHS (subsidiária norte-americana);
  • Além disso, a MRV reportou uma queima caixa de R$ 236 milhões no segmento brasileiro (MRV, Urba e Luggo) afetada negativamente pela contínua antecipação de aquisição de materiais de construção para conter novos aumentos de preços e possíveis desabastecimentos na cadeia de suprimentos. Com isso, a dívida líquida/patrimônio líquido atingiu 40,4% (vs. 40% no 3T21);
  • A receita líquida ficou abaixo das nossas estimativas, atingindo R$ 1,9 bilhão (-9% vs. XPe; +12% A/A), com uma margem bruta abaixo do esperado de 23,4% (-1,5 p.p. vs. XPe; -5,0 p.p. A/A). Como resultado, o lucro líquido ficou abaixo de nossas estimativas atingindo R$ 300 milhões (-24% vs. XPe; +53% A/A), explicado pela compressão de margens nas operações brasileiras;
  • Do lado positivo, a AHS registrou a venda de mais três empreendimentos (US Pine Groves, Princeton Groves e Lake Worth) levando a uma sólida geração de caixa de R$ 85 milhões;
  • Clique aqui para conferir o relatório completo.

Alliar (AALR3): Resultados 4T21 – Resultado negativo, mas não se espera nenhuma reação do mercado

  • Alliar reportou resultado negativo no 4T21, com prejuízo líquido de R$31M;
    • A receitas diminuiu 8,2% A/A graças à alta base de comparação e sazonalidade negativa do 4T;
    • A margem EBITDA ajustada comprimiu 13,9 p.p. A/A devido à perda de alavancagem operacional;
    • As despesas financeiras líquidas totalizaram R$ 25M.
  • Não esperamos uma reação significativa do mercado, pois há uma tentativa de aquisição em andamento que atualmente é o principal fator movimentando o preço da ação;
  • Acesse o relatório completo aqui.

Bemobi (BMOB3): Dobrando de tamanho no 4T21: Resultado forte e mudando de patamar

  • A Bemobi reportou resultados sólidos no 4Q21, ligeiramente acima das nossas estimativas, que já incorporava um cenário otimista. A receita líquida e o EBITDA ajustado cresceram 102% e 61%, respectivamente, no comparativo A/A. Esse foi o primeiro trimestre consolidando integralmente a Tiaxa e dois meses de M4U;
  • Portanto, o crescimento inorgânico mudou o patamar da companhia ampliando de forma consistente o portfólio de soluções em Microfinanças e Soluções de pagamento digital. Com as estruturas comerciais de ambas adquiridas já integradas, a Bemobi não distinguiu o crescimento inorgânico. No entanto, pelo patamar de crescimento entendemos que o business teve uma evolução importante mesmo numa visão stand-alone;
  • Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

d1000 (DMVF3): Resultados do 4T21 em linha

  • A d1000 reportou resultados levemente acima das expectativas, com sólido crescimento de receita (+19% A/A) e um lucro líquido beneficiado por créditos fiscais, enquanto a margem foi pressionada pela forte expansão de lojas;
  • Mantemos nossa recomendação Neutra e preço-alvo de R$6,0;
  • Clique aqui para o relatório completo.

Small Caps – Prévia de Resultados do quarto trimestre de 2021, Parte 3

  • Nesta terceira e última edição da nossa prévia de resultados do quarto trimestre de 2021 (4T21), estamos adicionando nossas estimativas para Allied e Priner;
  • Para a Allied, esperamos um trimestre misto. Do lado positivo, do ponto de vista operacional, seus resultados seguem robustos: esperamos uma receita líquida consolidada na casa dos R$ 1,8 bilhão (+22% T/T ou +5,5% A/A). Do lado negativo, conforme já divulgado pela empresa via fato relevante, o lucro líquido da empresa deverá ser impactado por dois efeitos não recorrentes tributários que, juntos, reduzem o lucro líquido em cerca de 66%. Clique aqui para acessar o relatório completo;
  • Para a Priner, esperamos um resultado positivo no 4T21, com receita líquida estimada de R$ 121 milhões. Além disso, conforme divulgado pela empresa em sua prévia operacional, no 4T21 a Priner contava com 3,2 mil funcionários e 750 vagas em aberto, um sinal de que a demanda para os próximos meses estaria aquecida, sobretudo no segmento de petróleo offshore pelo o que enxergamos;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Original recebe aporte de R$ 500 mi e deve prescindir de recursos da J&F (Estadão);
    • Digio, banco digital do Bradesco, estreia no mercado de seguros (Valor);
    • Copom eleva Selic para 11,75% ao ano e indica outra alta (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • BC eleva taxa Selic para 11,75% e sinaliza nova alta (Valor);
    • Um terço das famílias têm dívida em atraso e inflação é principal causa, diz FGV (Folha);
    • Vendas no varejo crescem 6,7% em fevereiro, diz Cielo (Folha);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Aumento da demanda por insumos biológicos eleva resultado da Vittia (Valor);
    • Nutrien aumentará a produção de potássio em meio a preocupações com a oferta do Leste Europeu (Reuters);
    • Com guerra na Ucrânia, alta dos custos de produção desafia indústria cervejeira (Guia da Cerveja);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Governo teme ‘perder janela’ na Eletrobras e pressiona o TCU. (Valor Econômico);
    • Petróleo recua com progresso diplomático entre Rússia e Ucrânia e dados de estoques dos EUA. (Valor Econômico);
    • Estoques semanais de petróleo dos EUA sobem em 4,3 milhões e contrariam previsões. (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Selic sobe para 11,75%: Ainda vale investir em ações? 

  • O Banco Central, em mais uma reunião de seu Comitê de Política Monetária (Copom), elevou a taxa Selic em 1 p.p. para 11,75% ao ano, subindo pela nona vez consecutiva os juros básicos brasileiros. Com a Selic voltando aos dígitos duplos e perspectivas de mais altas nas próximas reuniões, muitos questionam se ainda vale a pena investir em ações. A resposta curta é sim!
  • No cenário macroeconômico atual de preços de commodities em alta e juros subindo, há alguns setores que podem continuar a serem resilientes, são eles: setor financeiro e setor de commodities;
  • Um dos maiores interesses de investidores para entrar em ações, além do ganho com a subida de seus preços, é a possibilidade de ganhar uma rentabilidade adicional na forma de dividendos. Verificamos essa atratividade através do retorno total de um papel, que é um indicativo mais adequado de desempenho pois representa a variação do preço do papel e as distribuições de proventos;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Aumento de preços da Tesla

  • Tesla eleva preços pela segunda vez em intervalo de poucos de dias;
  • Tencent poderá sofrer multa recorde dos reguladores chineses;
  • Starbucks revela planos ESG.
  • Tempo de espera pela entrega de semicondutores aumenta novamente;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

Alocação&Fundos

Inflação e guerra: como fundos imobiliários protegem sua carteira nesse cenário

  • Com a recente tensão entre Rússia e Ucrânia vimos diversos mercados sofrendo reações intensas. As últimas semanas foram marcadas pela expressiva alta dos preços de petróleo e grande volatilidade das bolsas mundiais; 
  • Diante disso, no âmbito econômico o cenário de estagflação tem sido amplamente discutido. Entendemos que os ativos reais são a melhor forma de se proteger e inclusive buscar ganhos acima da inflação; e fundos imobiliários te permitem isso; 
  • Em períodos inflacionários anteriores, imóveis demonstraram desempenho superior a outras classes de ativos. Diversos fundos imobiliários de tijolos (portfólios compostos por imóveis) estão sendo negociados em patamares que consideramos baixos, portanto atrativos; 
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Financiando a transformação estrutural do Brasil: Indo a Fundo no Outliers com a EB Capital

  • Semanalmente, aos sábados, um novo episódio do Outliers é divulgado nos agregadores de podcasts. Neste relatório, você poderá se aprofundar mais ainda em informações e detalhes sobre a gestora e/ou sobre o(s) fundo(s) discutido(s) em cada episódio do podcast Outliers. Nosso objetivo é ir mais fundo para ajudá-lo na análise desses produtos, aproveitando a grande qualidade dos assuntos abordados em cada episódio;
  • No caso desta versão discorremos com mais detalhes as estratégias da EB Capital para capturar as oportunidades que transição a verde pode trazer. Conheça mais sobre a tese de alocação do fundo EB Futuro Sustentável FIP, que é gerido por Luciana Ribeiro, entrevistada do 52° episódio do Outliers;
  • Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Inflação e guerra: como fundos imobiliários protegem sua carteira nesse cenário (Conteúdo Xpi);
    • A Selic vai subir? Quatro fundos imobiliários com retornos que superam a taxa de juros e chegam a 15,5% ao ano  (InfoMoney);
    • Após polêmica sobre dividendos do Maxi Renda, balanços de fundos imobiliários devem incluir alerta sobre fatores de risco, orienta Ibracon (InfoMoney);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

ESG

Diretores da Shell são processados por não preparar a empresa para atingir emissões líquidas zero | Café com ESG, 17/03

  • Na quarta-feira, o mercado fechou em território positivo, com o Ibov e o ISE em alta de +1,9% e +2,3%, respectivamente;
  • No Internacional, do lado das empresas, (i) os diretores da Shell estão sendo processados na justiça do Reino Unido por não prepararem a companhia para chegar ao “net zero”; e (ii) a Startbucks disse ontem que está trabalhando para se afastar dos copos de papel e plástico descartáveis e, em vez disso, fornecer copos reutilizáveis aos clientes dentro de três anos;
  • No mercado financeiro, o banco suíço UBS registrou aumento de 78% em investimentos sustentáveis no ano passado, passando de US$141bn em 2020 para US$251bn em 2021, com a meta de chegar em US$400bn até 2025;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.