XP Expert

Decisão do BCE, PIB dos EUA, dados de inflação e resultados de Netflix e Tesla na agenda da semana

Decisão de juros no Japão e indicadores americanos são alguns dos temas de maior destaque nesta segunda-feira, 22/01/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,25% | 127.636 Pontos

CÂMBIO -0,12% | 4,93/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa fechou no negativo pela terceira semana consecutiva, com queda de 2,6% em reais e 3,8% em dólares, aos 127.636 pontos.

Lá fora, destaque para os índices americanos, que tiveram uma semana positiva. O S&P 500 atingiu sua máxima histórica na sexta-feira, impulsionado pelo setor de tecnologia e após dados mostrando uma melhora na confiança do consumidor, com expectativa de inflação em queda. Além disso, a temporada de resultados do 4T23 nos EUA ganhou força, com 52 empresas do S&P 500 já tendo reportado. Até agora, 86% das empresas superaram expectativas de lucros do consenso, com surpresa positiva de 8,2%, segundo dados do Bloomberg. Clique aqui para conferir o resumo da Bolsa.

Renda Fixa

Ao final da semana, a curva de juros encerrou perto da estabilidade nos vértices curtos, enquanto o restante da curva fechou com uma elevação relevante. O diferencial entre os contratos com vencimento em janeiro 2025 e 2033 saiu de 41,3 pontos-base na sexta-feira passada para 56,0 pontos nesta semana. A curva, portanto, apresentou aumento da inclinação devido, principalmente, ao movimento de alta dos rendimentos (yields) dos Títulos Públicos norte-americanos (Treasuries). O cenário internacional, por sua vez, refletiu o tom conservador (hawkish) do diretor do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Christopher Waller, em torno do início do processo de afrouxamento monetário nos Estados Unidos. DI jan/25 fechou em 10,1% (2,5bps no comparativo semanal); DI jan/27 em 9,88% (10,7bps); DI jan/29 em 10,3% (14bps); DI jan/33 em 10,66% (17,2bps); DI jan/37 em 10,76% (18,1bps).

Mercados globais

Nesta segunda-feira, os mercados abrem em alta nos Estados Unidos (S&P 500: 0,3%; Nasdaq 100: 0,5%), dando continuidade ao rali da semana anterior, com alta liderada pelo setor de tecnologia. Mercados permanecem atentos à temporada de resultados: nesta semana, empresas que correspondem a cerca de 24% da capitalização de mercado do índice S&P 500 reportam seus resultados, incluindo nomes como Netflix, Tesla e Visa.

Na Europa, os mercados operam em alta (Stoxx 600: 0,5%), com a maioria dos setores no campo positivo, à medida que mercados aguardam a divulgação de dados de confiança do consumidor. Na China, os índices fecharam em queda (CSI 300: -1,6%; HSI: -2,3%), após o banco central (PBoC) manter inalterada a taxa de juros de 5 anos, frustrando a expectativa de um corte. O mercado aprofunda a queda da semana anterior, devido às expectativas e fatores técnicos (conforme comentamos no Top 5 Temas Globais). Ações do setor de construção civil lideram as perdas.

Economia

O Banco Central Europeu (BCE) decide sobre as taxas de juro na quinta-feira. É amplamente esperado que a autoridade monetária mantenha inalteradas as suas principais taxas de juros. O foco principal do mercado está em sinais da comunicação oficial do banco de que um ciclo de flexibilização poderia começar no primeiro semestre. Números importantes de atividade e inflação também serão divulgados esta semana, como os PMIs na Europa, PIB dos EUA, Deflator do consumo também nos EUA e IPCA-15 no Brasil.

No Brasil, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse na última sexta-feira que o governo vai revogar a medida provisória 1.202, que reduziu o benefício da folha de pagamento aprovada no Congresso no final do ano passado. Segundo a imprensa local, o Ministério da Fazenda buscará medidas para compensar o impacto fiscal do benefício enquanto a MP ainda estiver valendo, para não precisar incluir o impacto fiscal no orçamento.

Veja todos os detalhes

Economia

Semana econômica movimentada traz decisão do BCE, PIB dos EUA e importantes dados de inflação

  • O Banco Central Europeu (BCE) decide sobre as taxas de juro na quinta-feira. É amplamente esperado que a autoridade monetária mantenha inalteradas as suas principais taxas de juros. O foco principal do mercado está em sinais da comunicação oficial do banco de que um ciclo de flexibilização poderia começar no primeiro semestre. Por um lado, as recentes sinalizações de membros do BCE têm sido mais duras, alertando para o risco de uma ação prematura. Por outro lado, os números da atividade econômica têm sido fracos, confirmando que a região pode já estar em recessão;
  • Números importantes de atividade e inflação serão divulgados esta semana. As sondagens empresariais PMI na Europa, previstas para quarta-feira, podem confirmar a desaceleração econômica da região, o que aumentaria a pressão sobre o BCE para começar a cortar juros. Nos EUA, a primeira leitura do PIB do quarto trimestre de 2023 será publicada na quinta-feira. A previsão de consenso aponta para um crescimento trimestral de 2,0%, desempenho robusto tendo em conta a política monetária restritiva no país. Na sexta-feira a atenção do mercado se volta para a inflação. O Deflator de Despesas de Consumo Pessoal (PCE) de Dezembro dos EUA, o medidor de inflação preferido da Fed (banco central), deve mostrar que as pressões inflacionárias permaneceram controladas no final do ano passado. No Brasil, o IPCA-15 de janeiro provavelmente refletirá a recente alta dos alimentos, reduzindo as chances de uma aceleração no ritmo de corte de juros pelo Copom;
  • No Brasil, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse na última sexta-feira que o governo vai revogar medida provisória 1.202, que reduziu o benefício da folha de pagamento aprovada no Congresso no final do ano passado. Segundo a imprensa local, o Ministério da Fazenda buscará medidas para compensar o impacto fiscal do benefício enquanto a MP ainda estiver valendo, para não precisar incluir o impacto fiscal no orçamento. – O presidente Lula sanciona hoje o orçamento de 2024, aprovado no Congresso no ano passado. O Presidente também lança as novas diretrizes da política industrial, incluindo subsídios, requisição de conteúdo nacional e políticas de compras governamentais. Esses eventos não devem trazer novidades, e portanto não devem impactar os preços dos ativos financeiros Brasileiros.

Empresas

Infraestrutura (RAIL3; HBSA3; CCRO3; ECOR3; STBP3): Rumo é nossa principal escolha, apesar dos riscos de quebra de safra

  • Estamos atualizando nossa cobertura INFRA. Destacamos:
    • RAIL3 e HBSA3 ficaram para trás na recente melhoria macro, principalmente nos riscos do El Niño para as culturas de grãos e navegação hidroviária (no geral, vemos valuations de infra-estrutura atraentes);
    • Rumo é nossa principal escolha, apesar dos riscos de safra, já que (a) vemos uma assimetria positiva de EBITDA em 2024 e (b) esperamos que o cenário S&D permaneça apertado após 2024;
    • A CCR se destaca entre as rodovias com pedágio por uma avaliação mais atrativa e menores riscos de balanço, embora vejamos ventos favoráveis em todo o setor (por exemplo: tráfego forte, risco de inflação de capex reduzido);
    • Santos Brasil continua sendo uma tese consistente com dinâmica positiva de oferta e demanda, e sinais positivos de melhoria de volume no 4T23.
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Educação: O regulador segue atento

  • Na semana passada, o MEC publicou uma nota sobre uma possível questão em relação à oferta de ensino a distância de 11 instituições:
    • A nota mostra que essas instituições – que compreendem 65% do total de alunos do ensino a distância – têm uma relação aluno/docente acima da média e, por isso, serão solicitadas a apresentar uma defesa;
    • Embora acreditando que nenhuma medida imediata será tomada pelo regulador, a nota mostra a sua intenção de limitar a oferta de alguma forma;
    • Uma vez que consideramos a escala como um dos principais fatores de qualidade e rentabilidade na maioria das modalidades de ensino digital, consideramos que um potencial limitador do crescimento da base de alunos pode ter um efeito negativo em todo o setor.
  • O governo tem demonstrado a sua intenção de regular o ensino digital de forma mais rigorosa já há algum tempo, e, portanto, consideramos esta nota como mais um sinal ligeiramente negativo, ainda que com pouco impacto nas ações do setor de educação;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Hapvida (HAPV3): Muito barulho para pouca causa

  • Na última quinta-feira, o Estadão destacou que a Hapvida pode ser investigada por se recusar a cumprir liminares judiciais:
    • O mercado reagiu negativamente e as ações da empresa caíram 7% (equivalente a R$ 2,4 bilhões de valor de mercado) no mesmo dia; e
    • De acordo com as demonstrações financeiras da Hapvida, os processos cíveis com risco provável ou possível somam R$ 2,3 bilhões, dos quais R$ 1 bilhão está diretamente relacionado aos beneficiários.
  • Em suma, consideramos a queda como incompatível com a perda potencial e, portanto, reiteramos a nossa recomendação de Compra para a ação em meio a essa desvalorização;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Jalles (JALL3) | Prévia dos resultados do 3T24: trimestre sólido, apesar dos resultados fracos do etanol

  • A Jalles (JALL3) deve reportar um trimestre sólido com uma receita estável, apesar do ambiente ainda fraco do etanol, devido resultado dos fortes resultados do açúcar. Embora ainda abaixo ano a ano, projetamos que a Jalles comece a diminuir seus estoques de etanol refletindo uma melhor demanda, o que deve beneficiar o capital de giro;
  • Além disso, projetamos margens em recuperação, refletindo custos mais baixos e melhores produtividades, levando a uma maior diluição de custos, o que deve se traduzir em um aumento de 500 pontos-base ano a ano na margem EBITDA ajustada, embora as margens do etanol estejam quase no ponto de equilíbrio, em nossa opinião;
  • Os preços do açúcar se recuperaram cerca de 14% em relação ao recente fundo do poço em dezembro, enquanto projetamos um forte momentum de lucros no futuro com base em comparações fáceis e melhores produtividades e preços do açúcar. Portanto, reiteramos a recomendação de COMPRA;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

AmBev (ABEV3) | Prévia dos resultados do 4T23: trimestre sólido com Brasil ainda brindando

  • Estamos projetando que a AmBev reportará outro trimestre sólido, refletindo os ventos favoráveis de custos em todas as linhas, juntamente com uma sólida dinâmica de linha superior (volumes e receita líquida/hl) na unidade de negócios Cerveja Brasil, NAB e CAC;
  • O Canadá ainda está enfrentando um momento difícil no setor, enquanto LAS continua atolada na lama, embora longe de ser o suficiente para atrapalhar a recuperação em outras operações. No total, estamos projetando uma receita líquida de R$ 23,3 bilhões (+3% A/A – volumes -0,6% A/A e receita líquida/hl +2,8% A/A) e EBITDA ajustado de R$ 8,1 bilhões (+15% A/A), 7% acima do Consenso BBG;
  • Projetamos lucro líquido de R$ 4,7 bilhões, 6% acima do Consenso, mas 3% abaixo do ano anterior em comparações difíceis devido a efeitos fiscais positivos relacionados a pagamentos de JCP no 4T22. Em nossa opinião, as ações devem refletir positivamente os sólidos resultados;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • FT: Empresas correm para mercado de bônus e emissão bate recorde de US$ 150 bilhões (Valor);
    • Secretaria do consumidor revoga medida que poderia proibir compras parceladas (Estadão);
    • Itaú compra sede na Faria Lima por quase R$ 1,5 bilhão (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Tech XP: Notícias diárias do setor de Telecom e Tecnologia
    • América Latina terá 92 milhões de assinantes de fibra em 2027 (TELETIME);
    • Na Allied, da Advent, uma surpresa (positiva) que veio do exterior (NeoFeed);
    • Geração própria de energia solar alcança marca de 26GW, aponta Absolar (Valor);
    • Hermano Tercius assume a Secretaria de Telecomunicações (telesintese);
    • Clique Aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • CNI e CNC vão ao STF contra isenção de imposto sobre remessas postais de até US$ 50 (jota);
    • Pacheco: desoneração da folha de pagamentos será mantida e MP do governo vai ser revogada (Estadão);
    • Desoneração: governo quer votar texto alternativo durante vigência de MP condenada no Congresso (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Bebidas
      • Grupo Petrópolis foi o único grande fabricante de cerveja do Brasil a crescer em 2023 – O Globo;
    • Alimentos
      • Australia Orders Return of Livestock Ship After Red Sea Turmoil – Bloomberg;
      • Rabobank: “perspectivas para o mercado global do frango em 2024 são moderadamente positivas” – AviSite;
    • Agro
      • Funds step up short bets in CBOT corn, soy, meal off weighty USDA data – Reuters;
      • Probabilidade de La Niña voltar em 2024 cresce; saiba quando e os impactos no clima – Globo Rural;
    • Biocombustíveis
      • Petrobras pode comprar o hidrogênio verde para manter demanda no Brasil, defende Lula – epbr;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Hapvida nega ‘descumprimento sistemático’ de decisões favoráveis aos beneficiários (Valor Econômico);
    • Nova política industrial tem meta arrojada e longe do patamar atual, diz setor farmacêutico (O Globo);
    • Plano de saúde não pode recusar contratação de inscrito em cadastro de inadimplentes (Jota);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Combustível XP: As principais notícias que movem o setor de Óleo & Gás
    • Eneva e Vibra: nova proposta de fusão vem aí (O Globo);
    • Crescimento da Vibra passa pelo agronegócio (Broadcast);
    • Justiça manda Braskem indenizar mais 3 mil moradores em Maceió (Valor Econômico);
    • Ex-Minas e Energia, Efrain Cruz renuncia ao conselho da Petrobras (Valor Econômico)
    • Cade está aberto a rever acordo com Petrobras (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • Revisão de zoneamento de São Paulo é sancionado com vetos; Abrainc se posiciona (Valor);
    • Capitais apostam em incentivos fiscais e programas sociais para revitalizar seus grandes centros (O Globo);
    • Aluguel subiu até 37% em 2023, 8 vezes mais que a inflação; entenda por que e veja onde mais subiu (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Venda da Compagás caminha para fase final e deve sair após o carnaval (Estadão);  
    • Em pleno período de chuvas, setor elétrico vê rios com vazão abaixo da média histórica (Valor Econômico);
    • Geração própria de energia solar alcança marca de 26GW, aponta Absolar (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Moody’s is negative on Asia’s sovereign creditworthiness in 2024 as China growth slows (CNBC);
  • Companies rush to bond market in record $150bn debt splurge (Financial Times);
  • Na luta com a Bolsa, renda fixa sobrevive para mais um “round” em 2024, avaliam especialistas (Infomoney);
  • Energisa fará oferta pública primária de R$ 2 bilhões em Units (Valor);
  • Fitch Afirma Ratings ‘BB’/’AAA(bra)’ da Petrobras; Perspectiva Estável (Fitch);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • FII XPML11 anuncia maior dividendo da história do fundo (InfoMoney);
    • Diferença entre aplicações e resgates em fiagros fica positiva em R$ 3,8 bilhões em 2023 (Valor Investe);
    • Prefeito sanciona Lei do Zoneamento de SP, mas veta 58 pontos e derruba trechos polêmicos (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

De olho na governança da Vale (VALE3), próximos dias são decisivos para sucessão de seu comando | Café com ESG, 22/01

  • Pela terceira semana consecutiva, o Ibovespa fechou a semana no negativo, registrando queda de 2,6%, enquanto o ISE caiu 2,9%. Já o pregão de sexta-feira encerrou em território positivo, com o IBOV e o ISE registrando alta de 0,25% e 0,82%, respectivamente;
  • Do lado das empresas, (i) a Suzano celebra hoje 100 anos, em meio ao maior ciclo de investimentos de sua história e com a proposta de construir um legado com foco em sustentabilidade – olhando à frente, parte da ambição da companhia é seguir ampliando o portfólio de bioprodutos, além de reforçar seu papel como agente de transformação da sociedade, sobretudo no enfrentamento das mudanças climáticas; e (ii) de olho na governança da Vale, os próximos dias serão decisivos para o processo de sucessão do comando da companhia – o conselho de administração da empresa, que é quem nomeia o executivo-chefe (CEO), deve receber nesta semana relatório com recomendações e, tendo esse documento como base, vai definir se reconduz o atual presidente, Eduardo Bartolomeo, ou se abre um processo para escolher outro executivo;
  • Na política, o presidente Lula afirmou durante a inauguração das obras do segundo trem da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, que o hidrogênio verde produzido no Brasil vai priorizar o mercado nacional – segundo ele, o país não pretende ser exportador do combustível de baixo carbono, reforçando o papel da Petrobras como grande consumidora de energia limpa;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG. 

Fórum Econômico Mundial em Davos chega ao fim; Veja os principais destaques

  • A 54ª reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) em Davos, Suíça, chegou ao fim na última sexta-feira, dia 19 de janeiro;
  • Como principal fórum entre lideranças dos setores público e privado, o objetivo do encontro é trazer para o centro das atenções questões globais com alto potencial de impacto nos mercados e na economia;
  • Do ponto de vista do investidor, as principais mensagens são: (i) empresas globais de mineração (incluindo a VALE3) se comprometem a reverter a perda de biodiversidade; e (ii) a participação do Brasil traz biocombustíveis, hidrogênio verde e finanças verdes para a pauta;
  • De forma geral, embora um plano de ação concreto tenha ficado de fora, dado o foco do fórum no “quadro geral”, vemos a agenda climática no cerne das discussões como um passo inicial crucial;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

ORVR3 mira ecoparques e biometano; Captação recorde de dívida verde na Europa; BP de olho em H2V | Brunch com ESG 

  • Pensando em melhor auxiliar os investidores, o Brunch com ESG é um relatório publicado pelo time ESG do Research da XP que busca destacar os principais tópicos da agenda na semana;
  • Na última semana, destacamos: (i) Orizon (ORVR3) segue transformando aterros em ecoparques, de olho em biogás e biometano; e (ii) Northvolt registra captação recorde de US$5 bilhões em dívida verde para fábrica de baterias; (iii) BP quer ir além dos combustíveis fósseis; Brasil pode se beneficiar pela busca do hidrogênio verde;
  • Clique aqui para ler o conteúdo completo.  

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.