Temporada de resultados do 2º trimestre 2021 – o que esperar?

Publicamos nossa prévia com as estimativas e comentários sobre empresas e setores selecionados nessa temporada de resultados do segundo trimestre de 2021 (2T21).


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A temporada de resultados do segundo trimestre de 2021 (2T21) começará oficialmente a partir do dia 21 de julho. O período foi marcado pela redução dos riscos fiscais, melhora dos dados de Covid-19 com queda da taxa de ocupação dos hospitais e do número de óbitos, a vacinação em andamento e dados econômicos melhores do que o esperado. Porém, nos últimos dias de junho, os mercados foram surpreendidos pela divulgação da segunda fase da reforma tributária que trouxe uma série de alterações que preocuparam os mercados. Apesar disso, o índice Ibovespa fechou o trimestre com um retorno de +8,7% depois de um início do ano negativo.

O segundo trimestre foi marcado grandes mudanças no cenário macroeconômico

No cenário econômico global, a primeira metade de 2021 foi marcada por preocupações com inflação e aperto de política monetária, principalmente nos EUA. Em nossa visão, apesar da alta dos preços recente, a dinâmica da inflação americana deverá ser mais contida nos próximos meses devido a: (i) crescimento econômico mais moderado; (ii) expectativa de que não há capital político para o governo aprovar medidas adicionais de estímulo aos consumidores; e (iii) as pressões desinflacionárias de longo prazo permanecerão no cenário pós-pandêmico, como mudanças demográficas, inovações tecnológicas, novos hábitos de consumo. Desta forma, esperamos que a taxa de juros das Treasuries de 10 anos encerrará 2021 a 1,5%, próximos aos níveis de fechamento durante o segundo trimestre. Em relação à postura da política monetária, acreditamos que o ciclo de alta do juro básico dos EUA terá início no 3º trimestre de 2023.

Quando ao cenário econômico, destaque para a dinâmica recente da variante delta do coronavírus, que vem se espalhando em muitos países, e para o impasse entre membros da OPEP+ em relação à definição de níveis de oferta de petróleo, que tem intensificado a elevação de preços da commodity. Esperamos que esses fatores tenham caráter transitório e não impeçam que os principais bancos centrais do mundo mantenham políticas monetárias ultra expansionistas no curto prazo. Na China, indicadores recentes sugerem que a economia local está desacelerando gradativamente, o que interpretamos como sinal positivo, dado o risco de superaquecimento.

No Brasil, a atividade econômica apresentou desempenho sólido no segundo trimestre. Após resultados negativos em março, fortemente afetados pelo agravamento da pandemia e consequente adoção de restrições mais rígidas de mobilidade, observamos uma recuperação firme dos principais indicadores de atividade. A reabertura econômica, em meio a avanços significativos na campanha de vacinação contra a Covid-19, explicou, em grande parte, a recuperação melhor do que o originalmente esperado nos últimos meses.

Com a retomada das atividades, a inflação brasileira também subiu. Vale ressaltar que grande parte da pressão inflacionária deste ano decorre de itens voláteis, como preços de combustíveis e energia elétrica. Assim, acreditamos que parte da pressão atual se dissipará nos próximos trimestres.

Neste cenário, o Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil (Copom) passou a adotar, uma comunicação mais hawkish, sinalizando um ajuste monetário até o patamar considerado neutro, com a possibilidade de acelerar o ritmo de elevação da taxa básica de juros para levar a inflação para a trajetória de metas. Diante da persistência dos choques de custo decorrente da alta das commodities e da crise hídrica, e da firme retomada da economia, projetamos duas elevações de 1 p.p. nas reuniões do Copom em agosto e setembro, seguidas de uma alta final de 0,5 p.p. em outubro, terminando o ano em 6,75%, ao redor do seu valor considerado neutro.

Em relação à taxa de câmbio, o Real apresentou bom desempenho até o final de junho, explicado, em grande medida, por dados positivos sobre a balança comercial brasileira e o fluxo cambial total. No entanto, turbulências políticas e a apresentação de uma proposta controversa de reforma tributária focada na renda, em particular com a percepção de um impacto líquido negativo sobre empresas listadas na Bolsa de Valores, aumentaram a busca por proteção e levaram a uma correção que igualou a moeda brasileira aos seus pares no início de julho. Apesar da maior volatilidade do mercado de câmbio, entendemos que não houve mudança nos fundamentos de médio prazo da variável. Assim, mantemos a projeção de R$/US$ 4,90 para o final de 2021 e o final de 2022.

O lucros devem continuar a crescer

Com a melhora nas perspectivas econômicas e redução de riscos ao longo do segundo trimestre, as projeções de lucro continuam a mostrar crescimento. E é importante lembrar que os lucros gerados pelas empresas são os fatores que impulsionam a Bolsa no médio e longo prazo.

Em relação ao mesmo período de 2020, o mercado espera um forte crescimento de Lucro por Ação (LPA) das empresas do Ibovespa em +255%, parcialmente explicado pela base de comparação mais fácil no ano passado, quando os lucros das companhias foram severamente afetadas pela crise da pandemia. Quanto à receita das empresas, ela deverá vir forte em +30,6%. E para o Lucro Operacional (EBITDA), o consenso espera uma desaceleração significativa do salto visto no 1T21, mas ainda um crescimento forte em 70,3%.

Dentre os setores, esperamos que os seguintes sejam destaques:

  1. Commodities, beneficiados pela demanda global aquecida. Apesar da valorização do Real frente ao dólar durante o trimestre, os preços das commodities continuaram em patamares altos, com o índice CRB registrando uma alta de +9,7% no período;
  2. Tecnologia, principalmente no segmento de ecommerce, que deve ver uma desaceleração por conta da flexibilização das medidas de restrição, mas as empresas ainda devem registrar um crescimento sólido dos resultados;
  3. Varejo, em particular o varejo tradicional que foi duramente afetado pela pandemia e deve se beneficiar diretamente da aceleração da vacinação e do afrouxamento das restrições de mobilidade;
  4. Bancos, com os resultados devem ser impulsionados por menores provisões, volumes maiores com a gradual retomada da economia, e redução de custos.  

Abaixo são as estimativas de crescimento de Lucro por Ação (LPA) por setor para esse trimestre, segundo a Bloomberg:

Além disso, nessa segunda temporada de resultados, esperamos que um número cada vez maior de empresas dê espaço para o tema ESG (do termo em inglês Environmental, Social and Governance) nos relatórios e teleconferências de resultados. Vemos com importância que essa agenda continue a ser endereçada, principalmente com os investidores demandando cada vez mais um posicionamento e ações por parte das empresas, bem como uma maior divulgação de dados que evidenciem todos os projetos e programas implementados pelas companhias para cumprir a agenda ESG. Na nossa visão, esse é um dos principais desafios por parte dos analistas e investidores – segundo uma pesquisa que fizemos com 45 clientes institucionais, dentre os principais obstáculos para a integração dos valores ESG em suas estratégias e análises, 42% dos investidores destacaram a falta de dados confiáveis – clique aqui para ler os resultados da pesquisa completa. Isso posto, vemos esse avanço como necessário, e esperamos que as companhias utilizem essa temporada de resultados também como um espaço para endereçar essa demanda.

Como a reforma tributária afeta a nossa visão

No final de junho, os mercados foram surpreendidos pela divulgação da segunda parte da reforma tributária que incluiu mudanças na tributação de pessoa física, jurídica e investimentos. A reforma traz a ampliação da faixa de isenção do imposto de renda para Pessoas Físicas e redução na alíquota para Pessoas Jurídicas. E para custear essas alterações, o governo promove uma série de alterações em outras tributações. Dentre elas, a tributação em dividendos e o fim do Juros sobre Capital próprio (JCP) têm sido o centro da preocupação dos investidores.

Setores mais impactados

Com a taxação de dividendos, as empresas de baixo crescimento e que pagam muitos dividendos serão as mais afetadas, como o setor de Energia Elétrica, Saneamento e Telecom. Por outro lado, os setores de alto crescimento, e baixos lucros e dividendos atuais, tendem a se beneficiar pela redução do IRPJ e pois não distribuem muitos dividendos. O setor de Tecnologia e empresas pequenas e médias que fizeram IPOs recentemente são exemplos de empresas com baixo pagamento de dividendo.

Quanto ao fim do JCP, as empresas que mais se utilizam desse benefício como empresas do setor financeiro, Telecomunicações, Elétricas e de Consumo serão prejudicadas. Várias dessas empresas poderiam ter um impacto expressivo nos lucros, o que seria parcialmente compensado pela redução do IRPJ que continua em discussão.

Uma forma que as empresas poderiam mitigar o impacto do fim do JCP seria aumentar o endividamento, para que o aumento de pagamento de juros sobre a dívida reduza o lucro tributável. Porém, isso aumentaria o risco das empresas.

Alguns pontos importantes antes de tirarmos conclusões precipitadas

A tributação as empresas levaria a um incentivo maior para as empresas reterem os seus lucros e reinvestir no seu crescimento futuro o que é positivo para a companhia e para o acionista no longo prazo.

Além disso, as empresas teriam também um incentivo a  fazer mais recompras de ações, que é outra forma de recompensar os investidores além da distribuições de dividendos e JCP.

Por último, continuamos a enfatizar de que ainda há um período de longa discussão pela frente. Algumas das medidas da proposta inicial já foram alteradas nessas primeiras semanas de discussão, como o IR de empresas que passou de 5% para 12,5% e deverá ter um impacto positivo para os lucros para as empresas e para a Bolsa em geral, e também já se discute uma taxação progressiva em dividendos ao invés dos 20% originalmente proposto. Como já mencionamos em relatórios anteriores, esperamos que a versão final aprovada pelo Congresso deverá ser substancialmente diferente do que ainda temos hoje. Portanto, ainda é cedo para termos alguma visibilidade dos impactos que a reforma trará nos resultados das empresas.

Para essa temporada de resultados, iremos monitorar os anúncios das empresas para entender como elas podem adaptar suas estratégias com as mudanças trazidas pela reforma, como a antecipação da distribuição de dividendos, recompra de ações ou mesmo um aumento da alavancagem nos balanços pra compensar as medidas fiscais.

Pra entender os detalhes da reforma, veja Reforma tributária: Principais pontos ao investidor e Estimando os impactos da reforma tributária nas empresas. Lembrando que alguns dos pontos mencionados nesses relatórios passados têm sido alterados durante as discussões que estão acontecendo.

Abaixo destacamos nossa visão detalhada em relação ao que esperar para cada um dos setores da Bolsa e das empresas sob a cobertura da XP.

O que esperar para cada um dos setores

Açúcar & Etanol

Conforme a colheita de cana-de-açúcar segue no Centro-Sul do Brasil é possível ter uma leitura mais precisa dos efeitos da seca e tamanho da quebra de safra esperada para este ciclo. Estimativas iniciais indicavam entre 10-15% de quebra na produtividade, apenas parcialmente compensada pelo aumento no ATR (concentração do açúcar na cana), mas o que se tem observado entre as principais empresas do Sudeste é algo entre 5-10% e ATR médio semelhante ao observado em 2020/21, portanto um cenário melhor do que o esperado.

Apesar da queda na oferta ser menor do que o esperado, entretanto, a demanda segue aquecida e não deixa espaço para recuo nos preços. O mercado mundial segue em recuperação e isso favorece as exportações de açúcar do Brasil, sobretudo com menor participação da Índia no mercado mundial, enquanto o preço do etanol reflete a alta na gasolina e o petróleo acima de US$ 76/barril. Diante do cenário de oferta e demanda ajustado e preços elevados, o setor segue em um momento historicamente favorável.

Agro

Com a melhora no clima dos Estados Unidos e janela de plantio já finalizada, além de números ligeiramente melhores para estoques de passagem, tanto para milho quanto para soja, o mercado de grãos perdeu parte do ímpeto. A perspectiva de que a China deverá importar um pouco menos do que previsto inicialmente também pesou nas cotações, mas os volumes ainda são superlativos.

No Brasil, conforme nos aproximamos da colheita do milho safrinha as atenções se voltam para o excedente exportável, sobretudo frente à recente volatilidade cambial e consequente impacto nos prêmios. Apesar da acomodação, os preços seguem historicamente altos, o que favorece a leitura de continuidade no processo de adoção de tecnologia no campo, ponto positivo a todas as empresas do setor.

Alimentos

Entre as causas da pressão inflacionária, o setor de frigoríficos no Brasil segue empurrado pelos custos mais altos das matérias-primas, principalmente milho e soja, simultaneamente ao ciclo de gado ainda de contração, o que não deixa espaço para recuo nos preços das principais proteínas (carne de frango, bovina e suína). Entretanto, frente à economia ainda em processo de retomada, esses preços mais altos acabam por deteriorar a demanda, fato que favorece as proteínas mais acessíveis, como a carne de frango e os ovos. A taxa cambial acima de R$ 5,00/USD ainda favorece as exportações, apesar da volatilidade recente tornar o cenário mais incerto. Em cenário distinto, os frigoríficos com operação nos Estados Unidos seguem em um momento histórico, com boas margens para todas as proteínas, favorecidas pela reabertura da economia e retomada do foodservice, além do auxílio governamental que mantém a demanda aquecida. Diversificação entre proteínas tem sido um ponto positivo de diferenciação estratégica, mas ainda mais relevante é a diversificação geográfica no momento.

Bancos

Esperamos mais um trimestre positivo para os bancos com boa recuperação em linha com o primeiro trimestre. Esperamos que os lucros sejam impulsionados por: i) menores provisões, uma vez que a recuperação da atividade econômica permite os bancos a reduzirem suas provisões complementares; ii) receita de serviços impulsionada por maiores volumes devido a retomada da economia; iii) redução de custos, dado que o setor financeiro continua focado em ganho de eficiência.

Bebidas

Enxergamos mais um trimestre morno para o setor de bebidas, com crescimento relevante de volumes versus o segundo trimestre de 2020 devido à baixa base de comparação, mas praticamente estável versus o mesmo período em 2019. Segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal do IBGE, por exemplo, em maio de 2021, a produção de bebidas alcoólicas no Brasil cresceu 13% A/A, mas apenas 4% versus o mesmo mês em 2019. Nesse sentido, enxergamos receitas crescendo no Brasil para o setor, impulsionadas sobretudo por tal aumento de volume com a gradual reabertura de bares e restaurantes. Por outro lado, os custos ainda seguem muito altos, principalmente em função da alta das commodities e da desvalorização do real frente ao dólar. Diante desse cenário, entendemos que o setor deve seguir sofrendo com compressão de margens por enquanto, sendo que players maiores como a AmBev vem combatendo tal situação por meio de iniciativas tecnológicas como o Zé Delivery e o BEES, que permitem uma gestão mais eficientes da concessão de descontos aos compradores

Educação

Os trimestres pares (2T/4T) costumam ser monótonos para as empresas de educação, já que os ciclos de captação estão concentrados nos ímpares. Portanto, as atenções devem se voltar para quaisquer atualizações que as companhias possam dar sobre o ciclo de captação ainda em andamento do 3T – nossa expectativa é que este mostre os sinais iniciais de recuperação à medida que a pandemia diminui. Em relação aos números do trimestre, esperamos que as margens continuem pressionadas devido ao aumento da provisão para devedores duvidosos e maiores despesas de marketing – a mesma dinâmica observada no 1T21.

Elétricas e Saneamento

Do lado das distribuidoras de energia, os resultados do 2T21 devem refletir uma manutenção do ritmo de recuperação da atividade econômica observado no primeiro trimestre. Quanto às geradoras, esperamos que os resultados sejam impactados negativamente pela alocação sazonal de garantia física e estratégias de compras de energia no trimestre e pelo GSF (medida do risco hidrológico, refletindo a menor incidência de chuvas no trimestre). Por fim, não deverá haver grandes surpresas no segmento de transmissão de energia. Quanto às companhias de saneamento, os resultados devem ser impactados negativamente por custos com energia elétrica mais elevados e uma maior participação da demanda residencial no mix, o que implica em tarifas médias mais baixa. Por outro lado, os volumes devem vir mais fortes em uma comparação anual, dado a flexibilização das medidas de isolamento social.

Incorporadoras e Construção Civil

Esperamos que as incorporadoras de baixa renda apresentem números operacionais sólidos à medida que continuam ganhando participação de mercado no programa habitacional Casa Verde e Amarela. Por outro lado, esperamos uma ligeira compressão nas margens brutas devido aos maiores custos com materiais de construção. Para as companhias focadas na média e alta renda, acreditamos que as recentes restrições comerciais devem ter um leve impacto nos números operacionais do segundo trimestre. No entanto, as empresas devem reportar margens relativamente estáveis, visto que vemos elas como capazes de repassar marginalmente os custos mais altos dos materiais de construção nos preços.

Mineração e Siderurgia

Os preços mais altos do minério de ferro (média de US$200 por tonelada, +20% T/T) são o principal destaque do trimestre. Acreditamos que o minério de ferro permanecerá em níveis elevados nos próximos períodos, apesar de espaço para correção, com a forte demanda da China e oferta ainda restrita. No segmento siderúrgico, a recuperação do setor automotivo continua sendo o principal ponto a ser monitorado, permitindo um melhor mix de vendas. Os melhores preços realizados são o principal destaque neste segmento, compensando a alta dos custos e permitindo alguma expansão de margem. O mercado deve prestar atenção às teleconferências para avaliar se existe espaço para mais aumentos de preços no segundo semestre, pois a paridade de importação parece bem esticada, entre 15% e 20%. Para referência, o objetivo das siderúrgicas no Brasil é um nível de paridade entre 5% e 10%.

Papel e Celulose

Um dólar ainda forte e preços de celulose mais altos (fibra curta na China a US$ 774 por tonelada, +25% T/T) devem gerar mais um trimestre forte do lado da receita, em nossa opinião. Pensando no terceiro trimestre, o mercado estará atento ao noticiário recente de alguns players reduzindo preços na China. Entretanto, não acreditamos em queda muito forte da commodity, pois o cenário é bem diferente do ocorrido em 2019, quando os estoques de celulose nos produtores eram muito altos. No segmento de papel, o aumento dos preços de papel / embalagens ao consumidor final deve compensar novamente a alta dos custos. No lado dos volumes, papel para embalagens e papelão ondulado (IBPO -2,3% T/T, +17% A/A) devem seguir compensando os fracos volumes dos segmentos de imprimir e escrever.

Saúde

As empresas de saúde devem apresentar resultados diferentes entre si, refletindo o impacto da segunda onda da Covid-19, a depender de seus posicionamentos na cadeia de valor. Os prestadores de serviços devem ter outro trimestre forte devido à combinação da recuperação dos procedimentos do “dia-a-dia” (cirurgias eletivas em hospitais ou exames “habituais” em laboratórios) e os impactos da pandemia (taxas de ocupação mais altas em hospitais e exames para a Covid- 19 em laboratórios). O 2T21 terá uma base de comparação anual fácil para os prestadores de serviços, já que em 2020, durante a primeira onda da Covid-19, as taxas de ocupação em hospitais foram muito baixas e os laboratórios tiveram uma redução drástica no número de exames. Esperamos que as empresas farmacêuticas também tenham um trimestre forte, uma vez que a maior demanda deve impulsionar o faturamento. Por outro lado, as operadoras de planos de saúde devem apresentar mais um trimestre ruim – as margens seguem pressionadas por maiores custos médicos devido à recuperação dos procedimentos do dia-a-dia e impactos ainda elevados da Covid-19, embora este último em tendência de queda.

Shoppings e Propriedades Comerciais

No geral, esperamos que as companhias de shopping centers apresentem resultados de recuperação após o afrouxamento das restrições às atividades comerciais e funcionamento dos shoppings no início do trimestre. Para o segmento de galpões logísticos e centros de distribuição, continuamos a ver uma demanda aquecida por ativos de alta qualidade e bem localizados em razão do crescimento do e-commerce e empresas de logísticas, que devem continuar impulsionando os resultados da LOG. Por fim, a JHSF deve apresentar resultados sólidos dado as fortes vendas do Complexo Boa Vista (que devem compensar os impactos nos segmentos de shoppings, restaurantes e hotelaria).

Small Caps

Dentro do universo de cobertura em Small Caps, temos uma expectativa positiva para as empresas do setor de bens de capital (Priner e Mills), varejo de calçados (Grendene e Vulcabras) e distribuição/varejo (Allied). Do lado de estacionamentos (Estapar), esperamos um resultado neutro ainda reflexo de um ambiente difícil para o setor dadas as restrições de isolamento ao longo de todo o trimestre nos estados em que a Estapar opera.

Tecnologia

No geral, esperamos que as empresas de tecnologia reportem sólidos resultados no segundo trimestre de 2021 (2T21), principalmente no segmento de e-commerce, por exemplo, Locaweb principalmente no segmento de Commerce, com aceleração em adições líquidas de clientes e crescimento orgânico. Vemos essa tendência como positiva, mesmo com as restrições mais suaves da COVID-19 e a reabertura de lojas, o crescimento do GMV (vendas online) no e-commerce e a digitalização ainda estão em destaque.

Varejo

Nós esperamos que o 2T21 seja um ponto de inflexão para o varejo, em especial para os varejistas tradicionais. Apesar do início do trimestre ainda ter sido marcado por restrições e uma confiança do consumidor fragilizada, o Dia das Mães foi um ponto de inflexão em relação à tendência com a aceleração da vacinação e do afrouxamento das restrições. Dessa forma, nós esperamos ver resultados melhores nesse segmento, com uma base fácil de comparação no 2T20 mas possivelmente atingindo ou até mesmo superando os níveis de 2019.

No ecommerce, as companhias devem apresentar uma desaceleração de crescimento no canal online devido à forte base de comparação (com o 2T20 sendo o pico das restrições de Covid) mas ainda crescendo A/A, enquanto o varejo físico deve apresentar uma melhora sequencial com a reabertura.

Em farmácias, nós esperamos ver fortes resultados uma vez que o trimestre irá refletir o aumento de preço de medicamentos (de 8% na média) enquanto as companhia possuem uma base fácil em relação à rentabilidade dado que o aumento de preço do ano passado foi postergado para o 3T. Ainda, o afrouxamento das restrições e aumento da vacinação contribui para o aumento do fluxo nas lojas, especialmente em shoppings.

Finalmente, nós esperamos ver resultados mistos para o varejo alimentar. Como no caso de ecommerce, as companhias do setor tem uma base muito forte de comparação no 2T20 por conta do forte movimento de abastecimento pelos consumidores no início da pandemia enquanto os supermercados foram um dos poucos varejistas que permaneceram abertos durante o começo da quarentena. Nesse sentido, o varejo não-alimentar foi muito beneficiado, o que não foi o caso do 2T21. Dessa forma, nós esperamos ver resultados mais fracos para supermercados mas que o Atacarejo siga sólido uma vez que (i) os consumidores continuam comprando no canal; (ii) o canal não possui varejo não-alimentar, e (iii) o canal B2B (bares, restaurantes, transformadores e utilizadores) deve acelerar à medida que a reabertura e vacinação acelera.

Abaixo consolidamos as nossas estimativas do 2T21 das empresas da cobertura, organizadas por setor. Para facilitar a leitura, recomendamos o uso da ferramenta “Navegue pelo conteúdo” localizada à esquerda.

Bens de Capital

Aeris (AERI3) – Compra

Esperamos que a receita líquida da Aeris continue a crescer no 2T21, com vendas de ~R$660 milhões +41% A/A, embora em níveis mais baixos vs. 1T21 (-3%), principalmente devido a uma combinação de (i) desaceleração da produção no 2T21 (-2% T/T), e (ii) apreciação média do Real de 3% ao longo do trimestre. Além disso, projetamos uma expansão da margem EBITDA de 90 pontos-base em relação ao 1T21, mas ainda abaixo dos níveis de margem de ~12% reportados um ano atrás. Finalmente, esperamos que o lucro líquido aumente em 9% e 15% em uma base A/A e T/T, respectivamente, para ~R$27 milhões.


Elétricas

AES Brasil (AESB3) – Compra

Atualizamos nossas estimativas incorporando os resultados do 1T21 e atualizamos nossas premissas de GSF. Nosso novo preço-alvo é de R$17/ação (R$18/ação anteriormente). Para o 2T21, esperamos que os resultados das geradoras sejam impactados negativamente pelo GSF pior no trimestre, que pode ser parcialmente compensado pela estratégia de sazonalização da garantia física das usinas frente ao do MRE (mecanismo de realização de energia. Além disso, a condição hidrológica mais adversa elevou os preços de energia do mercado spot no 2T21, tornando mais custoso para as empresas cumprir seus contratos.

CESP (CESP6) – Compra

Atualizamos nossas estimativas incorporando os resultados do 1T21 e atualizamos nossas premissas de GSF. Nosso novo preço-alvo é de R$34/ação (R$36/ação anteriormente). Para o 2T21, esperamos que os resultados das geradoras sejam impactados negativamente pelo GSF pior no trimestre, que pode ser parcialmente compensado pela estratégia de sazonalização da garantia física das usinas frente ao do MRE (mecanismo de realização de energia, e pelas compras antecipadas de energia que a companhia realizou. Além disso, a condição hidrológica mais adversa elevou os preços de energia do mercado spot no 2T21, tornando mais custoso para as empresas cumprir seus contratos.


Saúde

Hypera (HYPE3) – Compra

Esperamos um trimestre robusto para a Hypera com um forte crescimento da receita (orgânica e inorganicamente – com a incorporação da Takeda): + 48% A/A. Em termos de EBITDA, esperamos uma ligeira pressão nas margens (-1,2p.p. A/A) devido à fusão da Takeda levando a um crescimento do EBITDA de 43% A/A. O lucro líquido deve ser impactado por despesas financeiras mais altas como resultado da maior alavancagem relacionada à aquisição da Takeda: Lucro Líquido +13% A/A, margem líquida -7,4p.p.. É importante notar que estamos excluindo o impacto positivo de R$106M de uma indenização de acionistas dos números de 2020.


Transportes

Hidrovias do Brasil (HBSA3) – Compra

Esperamos resultados neutros do 2T21 para a Hidrovias, com (i) a resiliência dos contratos de longo prazo e uma perspectiva de preços positiva compensando (iii) um cenário mais desafiador para os volumes (esperamos que os grãos transportados no Corredor Norte caiam 20% A/A em 2T21). Prevemos um EBITDA ajustado de ~R$200 milhões, +11% e +45% A/A e T/T, respectivamente, com margens expandindo em ~6p.p. vs. 2T20, principalmente devido (i) à manutenção de sólidos níveis de rentabilidade no Corredor Norte, e (ii) melhorias operacionais no Corredor Sul, em grande parte impactado por níveis incomuns de calado mais baixo nos últimos trimestres.

JSL (JSLG3) – Compra

Esperamos que a JSL apresente resultados neutros, com a desaceleração de alguns segmentos-chave impedindo a empresa de novas melhorias de rentabilidade. No faturamento, esperamos que (i) as recentes aquisições da Rodomeu e da TPC (consolidadas ao longo do 2T21) impulsionem o crescimento da receita durante o trimestre (+53% e +3% A/A e T/T, respectivamente), (ii) parcialmente compensado por uma desaceleração de alguns setores-chave no segmento asset-light devido à pandemia (setor automotivo, por exemplo). Além disso, esperamos alguma pressão pontual de custos, evitando maior diluição dos custos fixos (margem EBITDA de 14% estável A/A e -60bps vs. 1T21).

Localiza (RENT3) – Compra

Esperamos que a Localiza registre bons resultados no 2T21, especialmente considerando o impacto da “segunda onda” da pandemia no trimestre, tendo um impacto significativamente mais moderado nos resultados em comparação com a “primeira onda” no 2T20 (projetamos que o lucro líquido cresça quase 3 vezes A/A, atingindo R$420 milhões). Os resultados devem acompanhar a tendência dos últimos trimestres de: (i) volumes prejudicados na Rent-a-Car (RAC) e Seminovos no contexto da atual crise de escassez no fornecimento automotivo; compensado por (ii) tendências de preço positivas no RAC; e (iii) forte margem EBITDA do Seminovos, uma vez que os preços dos carros novos continuam a aumentar os preços dos carros usados (e menores níveis de depreciação efetiva).

Rumo (RAIL3) – Compra

Esperamos que os resultados da Rumo de 2T21 reforcem os melhores resultados de 2021 em relação à dinâmica mais conturbada de 2020 (quando os volumes e os preços foram prejudicados pelos preços mais baixos do diesel e pela pavimentação da BR-163). Esperamos um sólido desempenho do EBITDA ajustado de ~R$ 1,2 bilhão (+20% A/A), em linha com o intervalo do guidance da empresa de R$ 4,0-4,4 bilhões, em nossa visão. Esse desempenho resulta de: (i) volumes ferroviários +10% A/A; (ii) preço médio de transporte +12% A/A; e (iii) ganhos contínuos de eficiência no custo unitário.

Santos Brasil (STBP3) – Neutro

Esperamos que a Santos Brasil registre bons resultados operacionais no 2T21, beneficiando-se (i) da contínua recuperação dos volumes em suas operações (contêineres movimentados +26% A/A); e (ii) cenário de preços positivo após suas recentes renegociações de preços com a Maersk, o maior cliente da empresa (receita unitária média +57% A/A). Como consequência, esperamos que a receita líquida aumente 65% A/A (+ 18% T/T), com EBITDA de R$145 milhões no 2T21 mais do que triplicando vs. 2T20 (+ 45% T/T), refletindo uma expansão de margem de 7p.p. vs. 1T21, suportado pela alavancagem operacional e pela melhoria da dinâmica de preços mencionada acima.

Vamos (VAMO3) – Neutro

Esperamos que os resultados da Vamos no 2T21 reforcem o forte momento de ganhos em curso da empresa, com base em: (i) forte crescimento da frota em suas operações de aluguel (principalmente no aluguel de caminhões), confirmando nossa visão otimista do grande potencial de mercado para aluguel de caminhões no Brasil (média de frota operacional de caminhões + 27% A/A); (ii) forte crescimento das receitas de concessionárias, uma vez que a Vamos continua crescendo organicamente e incorpora duas aquisições recentes (Monarca e Fendt). Como consequência, esperamos que o EBITDA e o lucro líquido cresçam 64% A/A e 138% A/A, respectivamente.


Varejo

Arezzo (ARZZ3) – Compra

Esperamos um trimestre forte para a Arezzo & Co, já que o afrouxamento das restrições da Covid-19 a partir de abril deve ajudar a acelerar o consumo. Estimamos uma receita líquida de R$ 550 milhões (+ 256% A/A e + 40% vs. 2T19) dada a recuperação econômica combinada a um sólido desempenho orgânico da Reserva. Com relação à rentabilidade, esperamos que a margem bruta permaneça em patamares sólidos, em 52,5%, em função da melhor gestão dos estoques e do impacto positivo da Reserva no mix da companhia. Por fim, estimamos um EBITDA de R$ 77 milhões e o lucro líquido consolidado em R$ 41 milhões.

C&A (CEAB3) – Compra

Esperamos ver uma recuperação dos resultados da companhia, com vendas líquidas de R$ 1,1 bilhão (bem acima do 2T20, embora 9% abaixo do 2T19), já que as restrições da Covid-19 ainda estavam em vigor no início do trimestre enquanto a confiança do consumidor permanecia fragilizada. Em relação à rentabilidade, estimamos uma margem bruta pressionada em comparação ao ano anterior (-1,3p.p.) visto que a concorrência da categoria de fashiontronics permaneceu acirrada, enquanto o EBITDA deve vir ligeiramente positivo, em R$ 11 milhões, embora ainda pressionado por despesas totais (SG&A) dado o ambiente ainda desafiador. Por fim, estimamos um prejuízo líquido consolidado de R$ 33 milhões, comprado com -R$ 182 milhões no 2T20 e -R$ 130 milhões no 1T21.

Lojas Renner (LREN3) – Neutro

Esperamos ver os resultados da Renner se recuperando no trimestre, com o afrouxamento das restrições da Covid-19. Estimamos uma receita líquida de R$ 2,3 bilhões (+189% A/A e +2% vs 2T19), enquanto a margem bruta deve permanecer pressionada em 57,7% (queda de -4,7p.p. A/A e -0,7p.p. T/T) e o EBITDA Ajustado (ex-IFRS) da operação de varejo em R$ 282 milhões (-38% A/A). Quanto à Realize (serviços financeiros), esperamos vendas líquidas ainda pressionadas (-39% A/A) devido às restrições da Covid-19 durante abril/maio, embora com uma contribuição positiva para o EBITDA de R$ 48 milhões. Dessa forma, o EBITDA Ajustado consolidado (ex-IFRS) deve ficar em R$ 330 milhões, melhor vs. o 1T21, mas ainda pressionado em relação aos níveis de 2019, dada a margem bruta ainda pressionada e maiores despesas (SG&A). Por fim, a receita líquida deve ficar em R$ 156 milhões.

Vivara (VIVA3) – Compra

Esperamos ver outro trimestre de resultados fortes para a Vivara, com receita líquida crescendo +147% A/A e + 12% vs. 2T19, apesar de um trimestre ainda com algumas restrições. A lucratividade deve ser outro destaque positivo, já que a margem bruta deve ficar estável em 67,5%, apesar do aumento nos custos das matérias-primas, enquanto o EBITDA Ajustado (ex-IFRS) deve ficar em R$ 69 milhões. Por fim, esperamos um lucro líquido de R$ 56 milhões.

d1000 (DMVF3) – Compra

A d1000 deve reportar sólidos resultados, com um crescimento de +25% A/A da receita bruta, já que grande parte das lojas permaneceram abertas no trimestre. Quanto à rentabilidade, esperamos uma expansão de 1,4 p.p A/A da margem bruta, beneficiada pelo reajuste de medicamentos, enquanto a margem EBITDA deve melhorar tanto T/T quanto A/A devido à alavancagem operacional. Por fim, estimamos um prejuízo líquido de R$5mi, impactado por efeitos fiscais, enquanto a geração de caixa deverá atingir um equilíbrio.

Pague Menos (PGMN3) – Compra

A Pague Menos deve novamente reportar sólidos resultados. Esperamos um crescimento de vendas mesma lojas (SSS) de +19% A/A (+18% para lojas maduras), com a receita bruta avançando +17% A/A, beneficiada pela fraca base de comparação e pelo reajuste dos preços dos medicamentos válido a partir de abril. Quanto à rentabilidade, estimamos uma margem bruta de 30,8% (+1,5 p.p A/A), enquanto a reestruturação interna e alavancagem operacional devem elevar a margem EBITDA para 5,9% (+1,2 p.p A/A). Por fim, esperamos um lucro líquido de R$41 milhões.

RD (RADL3) – Neutro

A Pague Menos deve novamente reportar sólidos resultados. Esperamos um crescimento de vendas mesma lojas (SSS) de +19% A/A (+18% para lojas maduras), com a receita bruta avançando +17% A/A, beneficiada pela fraca base de comparação e pelo reajuste dos preços dos medicamentos válido a partir de abril. Quanto à rentabilidade, estimamos uma margem bruta de 30,8% (+1,5 p.p A/A), enquanto a reestruturação interna e alavancagem operacional devem elevar a margem EBITDA para 5,9% (+1,2 p.p A/A). Por fim, esperamos um lucro líquido de R$41 milhões.

Americanas S.A (AMER3) – Compra

Esperamos que a Americanas S.A. reporte um crescimento do GMV total de +30,5% A/A, com o GMV online se expandindo em +35% A/A, reflexo das novas políticas comerciais implementadas pela empresa em seu marketplace (redução de comissões e frete grátis para todo o país). Estimamos um crescimento semelhante entre o 1P (estoque próprio) e 3P (marketplace), de +34% e +36% A/A, respectivamente. Quanto às lojas físicas, esperamos um crescimento de +18% A/A, com vendas mesmas lojas (SSS) de +16% A/A, devido à fraca base de comparação e maior fluxo de pessoas nas lojas. No consolidado, esperamos que a alavancagem operacional eleve a margem EBITDA para 12,9% (vs. 8,8% no 1T). Por fim, projetamos um prejuízo líquido de R$42 milhões.

Enjoei (ENJU3) – Compra

O Enjoei já reportou dados operacionais preliminares do 2T21, incluindo o GMV de R$205 milhões (+82% A/A, vs. +104% no 1T21), uma performance sólida considerando o crescimento de +86% no 2T20 e a gradual reabertura das lojas de roupas físicas. Estimamos uma receita líquida de R$25 mi (+91% A/A), com o forte GMV mais que compensando a queda da comissão para 14% (-2,90 p.p A/A) devido às novas políticas comerciais. Quanto à rentabilidade, esperamos que a margem bruta continue a cair, alcançando 28% (vs. 39,5% no 2Q20), reflexo da expansão da política de frete grátis. Estimamos um EBITDA negativo em R$26mi e um prejuízo líquido de R$26mi, impactado pelo programa de remuneração em ações (não caixa).

Mosaico (MOSI3) – Compra

Esperamos um outro trimestre desafiador para a Mosaico, devido à forte base de comparação (migração dos consumidores ao canal online no 2T20) e à estratégia agressiva de cupons e cashback oferecidas pelas plataformas de marketplace no trimestre. Como resultado, estimamos uma queda de 20% A/A na receita líquida e uma margem EBITDA de 5,4% (vs. 38% no 2T20), devido ao maior custo de aquisição de clientes. Destacamos que, apesar do trimestre fraco, a companhia já começou a expandir sua oferta de cashback e recentemente lançou uma plataforma de cupons, que devem contribuir para um melhor momentum de resultados a partir do 3T21.

Via Varejo (VVAR3) – Neutro

Esperamos que a Via reporte um crescimento do GMV total de +50% A/A, impulsionado pelas lojas físicas (+117% A/A), que foram beneficiadas pela fraca base de comparação do 2T20, quando grande parte das lojas permaneceram fechadas. Apesar da forte base para o e-commerce, estimamos um crescimento do GMV de +21% A/A (vs. +123% no 1T21), fortalecido pela aceleração do marketplace (+65% A/A), enquanto o 1P (estoque próprio) deve desacelerar para +12% A/A. A companhia continua expandindo seu marketplace através da adição de novos sellers e de incentivos comerciais. Em termos de rentabilidade, esperamos uma margem bruta estável enquanto a margem EBITDA ajustada deverá se expandir em 1,4 p.p devido a alavancagem operacional. Por fim, estimamos um lucro líquido de R$73 milhões, positivamente impactado por efeitos fiscais não recorrentes.

Assaí (ASAI3) – Compra

Esperamos mais um trimestre de fortes resultados para o Assaí, com vendas crescendo 22% A/A, devido à sólida expansão de SSS (vendas mesmas lojas) em +10% A/A combinada à expansão/maturação de lojas, apesar da base de comparação difícil. Ao contrário de outras empresas do setor, esperamos ver expansão na margem bruta para 16,5% (+3,0p.p. A/A) com expansão da margem EBITDA Ajustado de 0,9 p.p. A/A para 7,3%, devido à alavancagem operacional. Por fim, estimamos um lucro líquido de R$ 281 milhões (+50% A/A), contra R$ 240 milhões no 1T21.

Carrefour Brasil (CRFB3) – Neutro

Esperamos ver resultados mistos para o Carrefour neste trimestre, com vendas crescendo 14% A/A e + 10% T/T, apesar da base de comparação difícil do 2T20 (estocagem de consumidores e forte desempenho da categoria não alimentar). O principal destaque do resultado deve ser o Atacarejo (Atacadão), já que as Vendas mesmas lojas deve crescer 14% A/A, levando a um crescimento de receita de 24% A/A dada a expansão de lojas e conclusão das conversões de lojas do Makro. No entanto, a margem bruta deve permanecer pressionada (-0,9p.p. A/A), visto que a empresa continua com a estratégia de ser mais competitiva, enquanto a margem EBITDA deve permanecer em linha com o 1T21, embora abaixo em 1,4p.p. A/A. Olhando para a operação de varejo, esperamos ver um SSS negativo de -13% A/A dada a base de comparação difícil, especialmente impactado pela categoria de não-alimentos, enquanto a margem bruta também deve vir pressionada em -1,6p.p. A/A devido ao novo programa de fidelidade da empresa, levando a uma margem EBITDA estável T/T e -2,4p.p. A/A. No Banco CSF, esperamos uma recuperação das vendas (+20% A/A) com uma contribuição positiva de R$ 222 milhões para o EBITDA consolidado. Por fim, esperamos um lucro líquido consolidado de R$ 489 milhões (-29% A/A).O Enjoei já reportou dados operacionais preliminares do 2T21, incluindo o GMV de R$205 milhões (+82% A/A, vs. +104% no 1T21), uma performance sólida considerando o crescimento de +86% no 2T20 e a gradual reabertura das lojas de roupas físicas. Estimamos uma receita líquida de R$25 mi (+91% A/A), com o forte GMV mais que compensando a queda da comissão para 14% (-2,90 p.p A/A) devido às novas políticas comerciais. Quanto à rentabilidade, esperamos que a margem bruta continue a cair, alcançando 28% (vs. 39,5% no 2Q20), reflexo da expansão da política de frete grátis. Estimamos um EBITDA negativo em R$26mi e um prejuízo líquido de R$26mi, impactado pelo programa de remuneração em ações (não caixa).

Grupo Mateus (GMAT3) – Compra

Esperamos ver resultados sólidos mais uma vez no trimestre, com vendas crescendo 22% A/A e +12% T/T, apesar da forte base de comparação do 2T20. Com relação à lucratividade, esperamos ver a margem bruta pressionada mais uma vez neste trimestre (-1p.p. A/A) impactada principalmente pela procura por produtos mais baratos e de marcas menos conhecidas pelos consumidores. Esperamos ver o EBITDA em R$ 169 milhões com margem de 4,8% (-3,1p.p. A/A), muito explicado por impactos pontuais da migração de seu centro de distribuição para o Pará, que obrigou a empresa a encerrar toda a operação em Belém e incorrer em despesas trabalhistas. Por fim, estimamos um lucro líquido de R$ 136 milhões, uma queda de 30% A/A.O Enjoei já reportou dados operacionais preliminares do 2T21, incluindo o GMV de R$205 milhões (+82% A/A, vs. +104% no 1T21), uma performance sólida considerando o crescimento de +86% no 2T20 e a gradual reabertura das lojas de roupas físicas. Estimamos uma receita líquida de R$25 mi (+91% A/A), com o forte GMV mais que compensando a queda da comissão para 14% (-2,90 p.p A/A) devido às novas políticas comerciais. Quanto à rentabilidade, esperamos que a margem bruta continue a cair, alcançando 28% (vs. 39,5% no 2Q20), reflexo da expansão da política de frete grátis. Estimamos um EBITDA negativo em R$26mi e um prejuízo líquido de R$26mi, impactado pelo programa de remuneração em ações (não caixa).

Pão de Açúcar (PCAR3) – Neutro

Esperamos ver um trimestre mais pressionado, com queda no faturamento de 4,5% A/A e -3,9% T/T dada a base de comparação forte do último ano e restrições contínuas da Covid-19 em termos de horário disponível nas lojas nesse trimestre. Para o GPA Brasil, estimamos SSS (vendas mesmas lojas) negativo de -7,4% A/A (vs. -0,7% no 1T21), com vendas líquidas de R$ 6,6 bi (-10% A/A) e EBITDA Ajustado de R$ 529 milhões (-6% A/A) com margem EBITDA de 8,0% (+0,3p.p. A/A). Quanto à operação do Éxito, estimamos vendas em R$ 5,4 bilhões (crescendo levemente A/A devido ao impacto positivo do câmbio) e EBITDA Ajustado de R$ 407 milhões (- 2,6% A/A). Por fim, estimamos o lucro líquido consolidado em R$ 42 milhões.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.