A semana na Renda Fixa (14/06 a 18/06)

Acompanhe os principais movimentos da semana no mercado de renda fixa e o que esperar para a semana que se inicia.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Para facilitar a navegação pelo conteúdo, utilize o índice à esquerda da página.

Resumo: As taxas de juros futuras apresentaram alta na semana, observada com maior intensidade nos vencimentos curtos e intermediários, repercutindo as decisões dos bancos centrais do Brasil e Estados Unidos. Ambos indicaram visões mais restritivas (hawkish) em relação ao futuro de suas políticas monetárias. As taxas dos títulos do Tesouro indexados à inflação (NTN-B), que representam as expectativas para o juro real, também registraram alta mais acentuada nos vencimentos mais curtos, acompanhando o movimento da curva DI.

Em linha com a elevação das expectativas de juros futuros e queda na inflação projetada pelo mercado para os próximos anos, os títulos prefixados e indexados ao IPCA do Tesouro Direto apresentaram desvalorização. Enquanto isso, os títulos pós-fixados registraram alta na semana. As curvas das debêntures classificadas com ratings “AAA”, “AA” e “A” apresentaram fechamento de spreads pela quarta semana consecutiva.

Para a próxima semana, ênfase no cenário doméstico para a divulgação da Ata do Copom e do Relatório Trimestral de Inflação pelo Banco Central, além de dados de inflação com o IPCA-15 referente a junho e os resultados do setor externo e arrecadação federal de maio. Na frente internacional, a divulgação do resultado do deflator PCE de maio nos EUA ganha destaque após posicionamento considerado mais hawkish na última reunião do FOMC. Teremos também discurso de dirigentes do FED ao longo da semana, e PMIs de junho na Zona do Euro e nos EUA.

Cenário macroeconômico

Elaborado pelo time de Economia da XP

Leia tudo o que aconteceu na semana em economia.

Juros

As taxas de juros futuras apresentaram alta na semana, observada com maior intensidade nos vencimentos curtos e intermediários, repercutindo as decisões dos bancos centrais do Brasil e Estados Unidos. Ambos indicaram visões mais restritivas (hawkish) em relação ao futuro de suas políticas monetárias.

Ao compararmos a curva de juros futuros em relação à semana anterior, é possível notar um movimento de bear flattening, que ocorre quando há abertura na curva em todos os vencimentos, porém a perda de inclinação é direcionada pela maior abertura nos vértices curtos do que nos longos.

Já as taxas dos títulos do Tesouro indexados à inflação (NTN-B), que representam as expectativas para o juro real, também registraram alta mais acentuada nos vencimentos mais curtos, acompanhando o movimento da curva DI.

Após a decisão mais dura do Copom, o mercado agora espera Selic ao fim do período de 7,43% em 2021, 8,88% em 2022, 9,16% em 2023 e 9,29% em 2024. Para a inflação, a expectativa é de 6,51% em 2021, 4,48% em 2022, 4,77% em 2023 e 4,94% em 2024.

Fonte: Bloomberg, XP.

Leilões do Tesouro Nacional

Para mais informações sobre o funcionamento de leilões de títulos públicos, clique aqui.

Leilão do dia 15/06 – NTN-B

Na leilão de Notas do Tesouro Nacional – Série B (NTN-B) realizado na última terça-feira (15), a oferta totalizou 2,3 milhões de papeis, ante 2,8 milhões no leilão da semana passada. Por outro lado, o risco para o mercado (DV01) foi 73,4% maior, na mesma base de comparação.

O TN vendeu 2,29 milhões de NTN-Bs, com giro financeiro de R$ 9,7 bilhões.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP.

Leilão do dia 17/06 – LTN, NTN-F e LFT

No leilão de venda de Letras do Tesouro Nacional (LTN), Notas do Tesouro Nacional – Série F (NTN-F) e Letras Financeiras do Tesouro (LFT) realizado na última quinta-feira (17), o TN aumentou a oferta de LTNs ante o leilão da quinta-feira passada de 13 para 15 milhões. Por outro lado, reduziu bastante a oferta de NTN-Fs, de 5 milhões para 1,5 milhão. As LFTs ofertadas permaneceram estáveis em 750 mil.

O Tesouro colocou todos os títulos ofertados no mercado. Em linha com a demanda aquecida para os vencimentos mais longos de LFTs nos últimos leilões, a oferta foi totalmente colocada no vencimento de março/27. Ressaltamos que o ativo deixará de ser emitido a partir de julho.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP.

As LTNs e NTN-Fs são ofertadas em lotes individuais, enquanto as LFTs são ofertadas em leilão híbrido, com vencimentos em lotes agrupados (ou seja, soma-se o volume colocado nos dois vértices ofertados de LFT). Entenda mais sobre o funcionamento dos leiloes de títulos públicos.

Tesouro Direto

Em linha com a elevação das expectativas de juros futuros e queda na inflação projetada pelo mercado para os próximos anos, os títulos prefixados e indexados ao IPCA apresentaram desvalorização. Enquanto isso, os títulos pós-fixados registraram alta na semana.

O preço dos títulos sobe quando a expectativa de juro futuro cai (e vice-versa) devido à relação inversa entre os dois. Esse mecanismo que mostra o efeito dos juros sobre preços é a marcação a mercado. Entenda mais aqui.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP.

Crédito Privado

Fluxo

Na última semana, o fluxo médio diário de negociações em debêntures foi de R$ 1,1 bilhão (vs. R$ 1,4 bilhão na semana anterior), R$ 108 milhões em CRAs (vs. R$ 104 milhões) e R$ 169 milhões em CRIs (vs. R$ 239 milhões). Os papeis mais negociados por classe de ativos foram debêntures participativas da Vale, CRI Rede D’Or e CRA JBS.

Vale lembrar que, como não são disponibilizados a tempo da publicação do relatório, os dados da sexta-feira não são considerados e podem alterar o apresentado.

Fonte: Anbima e Cetip. Elaboração: XP.

Spreads de crédito

As curvas das debêntures classificadas com ratings “AAA”, “AA” e “A” apresentaram fechamento de spreads pela quarta semana consecutiva.

Assim como nos dados de fluxo, os números da sexta-feira para os spreads de crédito também não são considerados e podem alterar o apresentado.

As curvas são extraídas a partir de debêntures precificadas diariamente pela ANBIMA (DI Percentual, DI+spread e IPCA+spread) e refletem estruturas de spread zero-cupom sobre a curva soberana para diferentes níveis de risco.

Fonte: Anbima. Elaboração: XP.

Ações de rating

Fonte: Fitch Ratings e Moody’s. Elaboração: XP.

Para os relatórios publicados durante a semana, dirija-se ao final do relatório.

O que esperar – Semana de 21/06 a 25/06

Agenda econômica

No cenário doméstico, ênfase para a divulgação da Ata do Copom e do Relatório Trimestral de Inflação pelo Banco Central, além de dados de inflação, com o IPCA-15 referente a junho, e resultados do setor externo e arrecadação federal de maio.

Na frente internacional, a divulgação do resultado do deflator PCE de maio nos EUA (medida preferida de inflação do FED) ganha destaque após posicionamento considerado mais hawkish na última reunião do FOMC. Teremos também discurso de dirigentes do FED ao longo da semana, e PMIs de junho na Zona do Euro e nos EUA.

Acesse aqui o Boletim Focus do dia 18/06 (disponível a partir de segunda-feira)

Leilões do Tesouro Nacional

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP.

Vencimentos de debêntures da próxima semana

Fonte: Anbima. Elaboração: XP.

Relatórios publicados na semana de 14/06 a 18/06

Renda Fixa

Outras editorias

Gostou? Tem alguma sugestão? Não deixe de avaliar e deixar seus comentários!

Veja mais

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.