XP Expert

Tensões geopolíticas seguem no destaque; Bolsas se recuperam com expectativa de encontro EUA e Rússia

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Áudio disponível em breve.


IBOVESPA -1,4% | 113.528 Pontos

CÂMBIO +0,7% | 5,17/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

A crise geopolítica entre Rússia e Ucrânia segue como principal destaque nos mercados hoje. Apesar das tensões permanecerem em alta e a Ucrânia permanecer em alerta com a chegada de 7 mil novas tropas russas na fronteira, a notícia que o ministro das Relações Internacionais russo, Sergei Lavrov, teria concordado em se reunir com o secretário de Estado dos EUA na próxima semana traz novo alívio, uma vez que que é interpretado como sinal de disposição do Kremlin a negociar.

Na agenda econômica de hoje, destaque para a publicação das vendas de moradias existentes e dos Indicadores Antecedentes nos EUA referentes a janeiro, além da confiança do consumidor da zona do euro (leitura preliminar) relativa a fevereiro e da reunião entre Ministros das Finanças e Presidentes de Bancos Centrais do G20. Não haverá divulgação de indicadores macroeconômicos relevantes no Brasil hoje.

Brasil

O Ibovespa fechou a sessão de quinta-feira (17) em queda de -1,4% aos 113.528 pontos, interrompendo a sequencia de sete sdias consecutivos de de alta, em linha com o mercado global reagindo com riscos geopolíticos entre a Rússia e a Ucrânia. Enquanto isso, o dólar  também reagiu e subiu +0,7% e fechou cotado a R$ 5,17. No mercado de juros, os juros futuros fecharam em alta nos trechos intermediários e longos, pressionados pela aversão ao risco global. Já as taxas curtas ficaram estáveis num dia de agenda vazia. DI jan/23 fechou em 12,38%; DI jan/24 foi para 12,005%; DI jan/26 encerrou em 11,315%; e DI jan/28 fechou em 11,37%.

Mundo

As Bolsas internacionais amanhecem positivas (EUA +0,6% e Europa +0,1%), devolvendo parcialmente as perdas após o índice Dow Jones cair -1,8% nesta quinta-feira, a sua maior queda diária em 2022 devido à escalada das tensões entre a Rússia e Ucrânia. O presidente dos EUA, Joe Biden, afirmou que a probabilidade de uma invasão russa ainda é muito alta. Na China, o índice de Hang Seng (-1,9%) encerrou em forte queda ao passo que o governo chinês ordenou que as empresas relacionadas à entrega de alimentos deverão reduzir suas tarifas em regiões com maior volume de casos da Covid-19. O anúncio governamental revitalizou preocupações com novas intervenções regulatórias e contribuiu para a deterioração do sentimento dos investidores. Por fim, o ouro (-0,4%) recua levemente após atingir o seu valor mais alto dos últimos 12 meses nesta quinta-feira, impulsionado pela procura por ativos mais seguros no momento atual.

Agenda econômica nos EUA

Dados de atividade econômica nos Estados Unidos frustraram as expectativas ontem, com destaque ao aumento dos pedidos iniciais de seguro-desemprego na última semana e ao recuo do número de construção de moradias em janeiro. No entanto, essas divulgações pouco afetaram os mercados, já que a tensão geopolítica Rússia-Ucrânia e as discussões sobre a condução da política monetária americana dominam as atenções.

O Presidente do Fed de Saint Louis, James Bullard, disse em entrevista que o banco central americano talvez precise elevar a taxa de juros além de 2% para conter a inflação doméstica. O dirigente do Fed, que tem direito a voto em 2022, voltou a argumentar a favor da elevação de juros em 1 ponto percentual até o final do primeiro semestre e do início da redução do balanço patrimonial da instituição no 2º trimestre deste ano. Por sua vez, a Presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, afirmou que o banco central deve se mover mais rapidamente do que no último ciclo de aperto monetário, além de ter apoiado o aumento da taxa de juros em março e antecipado altas adicionais nos meses seguintes.

Congresso americano evitou um shutdown (paralisação do governo) mais uma vez

Uma medida provisória foi aprovada que aloca recursos para a operação do governo até 11 de março, até então, parlamentares esperam chegar a um acordo mais amplo sobre o orçamento do ano.

Temporada de resultados no Brasil

Por fim, em empresas, a temporada de resultados do quarto trimestre de 2021 segue em destaque. Ontem, publicamos os resultados das empresas sob nossa cobertura: Taesa (TAEE11), Vamos (VAMO3), Rumo (RAIL3), e Aeris Energy (AERI3)

   

Veja todos os detalhes

Agenda de resultados

Calendário do 4T21

Temporada de resultados do 4º trimestre 2021 – o que esperar?

Economia

Membros do Fed sinalizam aperto monetário mais intenso

  • Conforme publicado ontem (17) pelo Departamento de Trabalho dos EUA, os pedidos iniciais de auxílio-desemprego na economia americana aumentaram para 248 mil na semana encerrada em 12/fev, 23 mil acima do registrado na semana anterior. A mediana das projeções de mercado apontava para 219 mil solicitações. Após elevação expressiva nas primeiras semanas de janeiro – devido à disseminação da variante Ômicron da Covid-19 – o número de requerimentos vinha apresentando tendência cadente. Apesar do aumento inesperado visto na semana passada, mantemos a avaliação de recuperação firme do mercado de trabalho local, refletida no recuo da taxa de desemprego e aumento significativo dos salários reais. A ata da última reunião do comitê de política monetária do Federal Reserve (Fed, banco central americano), divulgada na quarta-feira (16), revelou que vários membros da autoridade monetária “avaliam as condições atuais do mercado de trabalho como muito próximas às do pleno emprego” (tradução própria). Assim, o banco central americano deverá iniciar o ciclo de alta de juros em março;
  • A esse respeito, o Presidente do Fed de Saint Louis, James Bullard, disse em entrevista ontem que o banco central dos EUA talvez precise elevar as taxas de juros além de 2% para conter a pressão inflacionária. O dirigente destacou que os dados mais recentes de inflação continuam a vir acima do esperado, inclusive com aceleração da alta de preços. Nesse contexto, o membro do Fed (com direito a voto em 2022) voltou a argumentar a favor da elevação da taxa de juros em 1 ponto percentual até o final do primeiro semestre (ou seja, considerando as três próximas reuniões de política monetária), além do início da redução do balanço patrimonial da instituição no 2º trimestre deste ano. Bullard ainda reiterou que o país passa por uma melhoria econômica rápida, com expectativa de que o PIB cresça acima do potencial em 2022. Por sua vez, a Presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, afirmou que o banco central deve se mover mais rapidamente do que no ciclo anterior de aperto monetário. A dirigente apoia o aumento da taxa de juros em março e antecipa altas adicionais nos meses seguintes. Além disso, Mester projeta a inflação americana acima de 2% em 2022 e 2023, com riscos assimétricos para cima, e indicou que o Fed poderia acelerar o ritmo de aperto (e também de encolhimento do balanço patrimonial) no 2º semestre do ano caso a inflação não diminua. Também com sinalização mais dura (hawkish), o economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), Philip Lane, alterou seu prognóstico sobre a inflação na zona do euro, ao afirmar que parece improvável o cenário de elevação de preços inferior à meta de 2% nos próximos dois anos. O nível recorde da inflação ao consumidor na região observado em janeiro (5,1% em 12 meses) levou a presidente do BCE, Christine Lagarde, a reconhecer recentemente que os riscos de inflação estão inclinados para cima, com a possibilidade de aumento da taxa de juros de referência em 2022;
  • No lado da atividade econômica, a construção de moradias nos EUA recuou mais do que o esperado em janeiro, uma vez que muitas regiões do país experimentaram temperaturas bastante baixas no início do ano. Porém, as concessões de alvarás para construção subiram, sugerindo recuperação nos próximos meses. Segundo dados divulgados ontem, a construção de residências contraiu 4,1% entre dezembro e janeiro, atingindo 1,63 milhão nos últimos 12 meses (a projeção de mercado indicava 1,70 milhão). Enquanto isso, o total de alvarás avançou 0,7% no período, chegando a 1,90 milhão (consenso: 1,76 milhão). Ainda ontem, o Federal Reserve da Filadélfia publicou seu indicador de atividade manufatureira referente a fevereiro. O índice geral declinou de 23,2 pontos em janeiro para 16,0 pontos no mês corrente (leituras acima de zero indicam condições de melhoria), frustrando a projeção de mercado de 20,0 pontos. O componente de novas encomendas diminuiu de 17,9 para 14,2 no período, ao passo que o índice de embarques despencou de 20,8 para 13,4, a leitura mais baixa desde agosto de 2020. Já o componente de preços pagos avançou 6 pontos em fevereiro, atingindo 72,5 pontos. Em linhas gerais, a atividade industrial dos EUA exibiu sinais de arrefecimento nos últimos dois meses, mas é importante ressaltar o impacto da disseminação da variante Ômicron da Covid-19 e do absenteísmo de trabalhadores;
  • Por fim, na agenda econômica de hoje, destaque para a publicação das vendas de moradias existentes e dos Indicadores Antecedentes nos EUA referentes a janeiro, além da confiança do consumidor da zona do euro (leitura preliminar) relativa a fevereiro e da reunião entre Ministros das Finanças e Presidentes de Bancos Centrais do G20. Conforme já publicado nesta manhã pelo Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês), as vendas no varejo do Reino Unido exibiram recuperação mais forte do que o esperado em janeiro, em linha com o menor impacto da disseminação da variante Ômicron. O volume de vendas no comércio britânico cresceu 1,9% em relação a dezembro, acima da expectativa mediana de 1,2%. Esse resultado significa o maior avanço mensal desde abril de 2021. Enquanto isso, o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Japão aumentou pelo quinto mês consecutivo em janeiro, todavia a um ritmo mais suave do que em dezembro. O núcleo do indicador – exclui os preços de alimentos frescos – subiu 0,2% em janeiro de 2022 em relação ao mesmo mês de 2021 (ante 0,5% em dezembro, na mesma base de comparação). A mediana das projeções do mercado indicava elevação de 0,3%. Não haverá divulgação de indicadores macroeconômicos relevantes no Brasil hoje.

Política

Na seara internacional, a crise na fronteira entre Rússia e Ucrânia segue em destaque

  • Apesar das tensões permanecerem em alta e a Ucrânia permanecer em alerta com a chegada de 7 mil novas tropas russas na fronteira, a notícia que o ministro das Relações Internacionais russo, Sergei Lavrov, teria concordado em se reunir com o secretário de Estado dos EUA na próxima semana traz novo alívio, uma vez que que é interpretado como sinal de disposição do Kremlin a negociar.

No lado da política doméstica americana, o Congresso evitou um shutdown (paralisação do governo) mais uma vez

  • Uma medida provisória foi aprovada que aloca recursos para a operação do governo até 11 de março, até então, parlamentares esperam chegar a um acordo mais amplo sobre o orçamento do ano.

Empresas

Rumo (RAIL3) 4T21: Abaixo do Esperado Para 4T21 e 2022

  • A Rumo reportou resultados pouco inspiradores para o 4T21;
  • Destacamos:
    • (i) resultados trimestrais ainda mais fracos que o esperado (EBITDA de R$419 milhões, -45% A/A e -15% vs. XPe).
      • Apesar do desempenho de volume relativamente positivo em um cenário de demanda adverso (garantindo melhorias substanciais de market share), o faturamento não foi suficiente para compensar o aumento nos custos de combustível (+39% A/A); e
    • (ii) guidance de EBITDA para 2022 está abaixo do consenso (ponto médio de R$4,3 bilhões versus consenso de R$4,8 bilhões e XPe de R$4,6 bilhões).
      • Indicando ventos contrários de rentabilidade para o ano (acreditamos que a Rumo tenha vendido parte da capacidade de 2022, quando os preços do frete ainda não refletiam o aumento nos preços do diesel).
  • Finalmente, acreditamos que a Rumo está focada em garantir sua posição de liderança no longo prazo e reiteramos nossa visão positiva sobre o nome;
  • Clique aqui para ler o relatório completo.

Vamos (VAMO3) 4T21: Perspectivas de Crescimento Seguem Sólidas

  • A Vamos apresentou números fortes para o 4T21, com lucro líquido atingindo R$117 milhões (+94% A/A), em linha com nossas estimativas;
  • Destacamos:
    • (i) a continuidade do forte momento operacional da divisão de locação, com receita de ~R$255 milhões +52% A/A e +11% T/T (frota total no final de período de 26,4 mil ativos +30% T/T [+16% orgânico]), acompanhada de forte rentabilidade (margem EBITDA de 81,0% +11,5pp A/A e +1,0pp T/T);
    • (ii) o faturamento das concessionárias cresceu 150% A/A, parcialmente inorgânico (-9% T/T) com margem EBITDA estável de 9,6% A/A (-2p.p. T/T).
  • Reiteramos nossa visão positiva sobre a Vamos (top-pick no setor de Transportes), baseada em sua liderança em um mercado ainda pouco explorado de locação de caminhões no Brasil (garantindo a ela poder de precificação, o que vemos como importante no atual ambiente inflacionário);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Taesa (TAEE11): Resultados positivos no 4T21; Enquanto os ajustes inflacionários prejudicam uns, beneficiam outros

  • Nessa última quinta-feira (17) a Taesa divulgou seus resultados após o fechamento do mercado. Temos uma avaliação positiva dos resultados da Taesa no 4T21, apesar do EBITDA Ajustado ter vindo em linha com nossas estimativas e com o consenso de mercado, o desempenho de 2021 foi impressionante na comparação anual, principalmente devido aos reajustes inflacionários da RAP e a entrada em operação da Janaúba. Embora tenhamos uma visão positiva da estabilidade do segmento de transmissão, com base em uma estrutura de receita fixa, vemos as ações como devidamente precificadas. Mantemos nossa recomendação Neutra na TAESA, com preço alvo de R$ 39/unit;
  • Destaques Financeiros: Em 17 de fevereiro, após o fechamento do mercado, a Taesa reportou um EBITDA Ajustado (incluindo equivalência patrimonial, consistente com nossa metodologia para fins de comparação) de R$ 472,9 milhões, em linha (+4,0%) com nossa estimativa de R$ 454,9 milhões e com o consenso de mercado de R$ 453,6 milhões. O Lucro Líquido foi de R$ 105,5 milhões, abaixo da nossa estimativa de R$ 210,1 milhões, refletindo principalmente uma equivalência patrimonial abaixo do esperado e despesas financeiras acima do esperado;
  • Uma máquina de dinheiro. Em 2021, o EBITDA Regulatório atingiu R$ 1.515,8 milhões, 22,8% superior em relação a 2020, com margem EBITDA de 82,5%. O desempenho expressivo no ano pode ser explicado pelo reajuste inflacionário do ciclo RAP 2021-2022 (37,04% no IGP-M e 8,06% no IPCA) e pela entrada em operação de Janaúba em setembro. Os resultados positivos foram parcialmente compensados ​​por: (i) despesas com PMSO 14% acima das nossas estimativas (104mi vs 91mi XPe); e a redução pré-determinada da RAP de algumas concessões;
  • Fortes dividendos e políticas ESG aplicadas. A empresa anunciou uma distribuição de dividendos de R$ 238,4 milhões, a ser submetida à Assembleia Geral. Como resultado, a empresa atingiu uma distribuição total de R$ 1,789 bilhão ou um div yield de 15,0% para o ano fiscal de 2021. Na frente ESG, em 2021 a Taesa integrou as carteiras do Índice Carbono Eficiente (ICO2) da B3 e do índice IGPTW para o ano de 2022;
  • Temos uma avaliação positiva dos resultados da Taesa no 4T21, apesar de os números de EBITDA Ajustado estarem em linha com nossas estimativas e consenso de mercado, o desempenho de 2021 foi impressionante em relação ao ano anterior. Mantemos nossa recomendação Neutra na TAESA, com preço alvo de R$ 39/unit;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Aeris Energy (AERI3) 4T21: Margem EBITDA Melhor que o Esperado; Guidance para 2022 Reiterado

  • Aeris apresentou resultados positivos no 4T21, com EBITDA de R$77 milhões +48% A/A (ano contra ano) e +26% T/T (trimestre contra trimestre) (14% acima de nossas estimativas);
  • Do lado positivo, observamos:
    • (i) melhora sequencial da margem EBITDA de 340bps T/T (13,1% vs. 9,7%), positivamente afetada receitas associadas a início de contrato reconhecidas durante o trimestre (estimamos margem EBITDA em 11,4% excluindo estas receitas, ainda +170bps T/T); e
    • (ii) a manutenção do guidance para 2022.
  • Do lado negativo, notamos queda de receita de 21% A/A e 6% T/T, principalmente devido à continuidade dos níveis de produção mais fracos (-29% A/A e -5% T/T), que esperamos recuperar à medida que as linhas recentemente implementadas continuem a maturar;
  • Reiteramos nossa recomendação Neutra para a Aeris e preço-alvo de R$10/ação;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Data Expert: Iniciando o monitor semanal de Preço de Paridade de Importação da Petrobras

  • O preço de paridade de importação (PPI) é um mecanismo de fixação de preços para uma commodity em que o preço é definido com base no custo de importação do produto para um local. Este preço inclui custos de internalização (preços internacionais, custos de transporte e câmbio), mais uma margem para compensar os riscos da operação;
  • O PPI é necessário porque os combustíveis são bens comercializáveis e o país tem escassez de derivados de petróleo (especialmente de diesel). Embora a Petrobras detenha uma participação (quase) monopolista de derivados de petróleo no Brasil, os preços devem ser estabelecidos por padrões internacionais;
  • Devido à importância dessa variável para a saúde financeira da Petrobras, para a estratégia das distribuidoras e, mais amplamente, até mesmo para a economia brasileira, desenvolvemos um monitor para acompanhar semanalmente a aderência da precificação da Petrobras ao PPI do diesel e da gasolina;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Coruripe: Moody’s eleva ratings em escala nacional de B.br para BB.br; Perspectiva Positiva

  • A agência de risco Moody’s elevou os ratings corporativos da Usina Coruripe Açúcar e Álcool (Coruripe) em escala nacional de B.br para BB.br (três degraus de elevação);
  • Ao mesmo tempo, a Perspectiva foi alterada de ‘Estável’ para ‘Positiva’;
  • De acordo com a agência, o movimento reflete a melhora do perfil de amortização de dívidas e redução da pressão de liquidez após a emissão de um bond no montante de US$ 300 milhões e vencimento em 2027, realizada no mês de fevereiro de 2022;
  • A Moody’s estima que a alavancagem bruta da empresa deverá encerrar a safra em cerca de 3,5x, reduzindo daí em diante, com a melhora gradual dos resultados operacionais e cenário de preços favoráveis;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Unifique (FIQE3): Feedback do NDR com CEO e investidores; Caminhando conforme o previsto

  • Nesta semana, participamos de um NDR – non-deal roadshow – virtual (rodadas de reuniões com investidores) com o fundador e CEO da Unifique, Fabiano Busnardo, e investidores estrangeiros. As reuniões nos ajudaram a ganhar mais confiança em nossas projeções, pois olhando a performance das ações da Unifique parece existir um descolamento em relação aos fundamentos da companhia;
  • Desde o IPO, as ações já acumulam perdas de ~35%, refletindo, na nossa visão, um movimento de maior aversão a risco principalmente em ações de crescimento e, também, em small caps, que é o caso da Unifique. A despeito de um cenário macroeconômico mais desafiador, a companhia tem conseguido executar bem seu plano proposto no IPO. Reiteramos nossa recomendação de Compra e preço-alvo de R$13,0/ação para o final de 2022;
  • Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Itaú ganha mercado no crédito imobiliário (Valor);
    • Seguro de pessoas cresce 12,72% em 2021, com receita de R$ 51 bilhões (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Confiança do comércio recua em fevereiro após dois meses de alta (Newtrade);
    • Cielo: varejo cresce 2,5% em janeiro, aponta ICVA (Ecommerce Brasil);
    • Indústria diz que varejo finalmente acordou para combate a contrabando (Folha);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Gaúcha 3tentos encerrou 2021 com novos resultados recorde (Valor);
    • JBS retira proposta para fechar o capital da Pilgrim’s Pride (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Brasil ganharia US$ 22 bi com mais investimentos em energia eólica, aponta estudo. (CNN);
    • Petróleo fecha em queda com relatos sobre progresso em acordo nuclear com Irã (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Petróleo em alta: como o preço dos combustíveis pode afetar seus investimentos?

  • Desde o início de 2021, o preço do petróleo já subiu 85%. Por um lado, isso tem beneficiado as empresas petrolíferas, em particular a Petrobras;
  • Os preços do barril de petróleo no mercado internacional têm se recuperado nos últimos meses, influenciados principalmente devido ao desequilíbrio entre oferta e demanda. E recentemente, os preços têm sido pressionados ainda mais pelas tensões geopolíticas entre a Ucrânia e a Rússia, sendo esta última o terceiro maior produtor da commodity globalmente;
  • A Petrobras, que fornece o combustível para as distribuidoras, calcula o preço do produto com base na cotação do petróleo e taxa de câmbio, já que a commodity é cotada em dólar. Com o aumento do preço do barril de petróleo o valor que o consumidor final passou a ver na bomba de combustível está em seu maior patamar da história;
  • A contínua alta nos preços das commodities, dentre elas o petróleo, tem beneficiado os mercados de países exportadores de commodities e, consequentemente, a Bolsa brasileira, já que ela está fortemente exposta a esses setores;
  • Falando diretamente sobre o setor de Petróleo e Gás, que está mais atrativo graças a alta das commodities e a rotação entre setores de crescimento e valor, retomamos recentemente a cobertura de Petrobras. Temos uma visão positiva do papel e recomendação de Compra, com preço alvo de R$ 45,30 para PETR3/PETR4;
  • As razões para nossa visão positiva são: 1) Valuation Descontado; 2) Dividendos; 3) Aumento da produção do pré-sal;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Walmart supera expectativas

  • Resultados do Walmart surpreendem positivamente;
  • TSMC anuncia expansão de futura fábrica no Japão;
  • Nova política de privacidade do Google;
  • Investimentos direcionados para empresas de blockchain dispara em 2021;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

ESG

Petrobras acredita na redução gradual do consumo global de petróleo e gás, mas não deixa de olhar para novos mercados | Café com ESG, 18/02

  • Na quinta-feira, o mercado fechou em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -1,4% e -0,8%, respectivamente;
  • No Brasil, (i) a gerente-executiva de mudança climática da Petrobras, Viviana Coelho, disse que a companhia acredita que a redução do consumo de petróleo e gás nos próximos anos no mundo será gradual, mas, mesmo assim, a estatal petrolífera não deixa de olhar para novos mercados que estão crescendo; e (ii) uma recuperação verde pós-pandemia pode trazer aos países emergentes muito mais do que a volta da atividade econômica, mas atrair empresas e promover o desenvolvimento sustentável principalmente no Brasil, de acordo com o relatório do Conselho Global de Energia Eólica (GWEC);
  • No internacional, os bancos da China enfrentam riscos crescentes de inadimplência como resultado de custos mais altos relacionados ao clima em setores intensivos em carbono, como energia térmica, aço e cimento, de acordo com Liu Guiping, vice-presidente do banco central;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.