XP Expert

Atenções voltadas para o IPCA de maio e decisão de juros na Europa

Banco Central Europeu anuncia decisão de taxa de juros; no Brasil, IPCA de maio e propostas para redução dos preços de combustíveis no centro das atenções.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -1,6% | 108.347 Pontos

CÂMBIO +0,3% | 4,89/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

Banco Central Europeu anuncia decisão de taxa de juros; no Brasil, IPCA de maio e propostas para redução dos preços de combustíveis no centro das atenções.

Brasil

Repercutindo a queda dos mercados globais, a bolsa brasileira fechou em terreno negativo nesta quarta-feira (08), encerrando o pregão aos 108.347 pontos com uma queda de 1,55%, esse é o quarto dia de queda consecutiva do índice. Enquanto o dólar se valorizou, com uma alta de 0,33% aos R$ 4,89. As taxas futuras de juros tiveram dia de direções mistas, após forte alta no dia anterior com a proposta do governo de desonerar combustíveis, que levaria a aumento importante nos gastos do governo, elevando o risco fiscal. O movimento do câmbio e fatores técnicos relacionados ao mercado de NTN-B também influenciaram. DI jan/23 fechou em 13,495%; DI jan/24 encerrou em 13,23%; DI jan/25 foi para 12,695%; DI jan/27 fechou em 12,605%; e DI jan/29 encerrou em 12,68%.

Mundo

Mercados globais amanhecem mistos (EUA +0,3% e Europa -0,5%) enquanto investidores aguardam a decisão de política monetária do Banco Central Europeu. Nos EUA, o foco seguirá por conta dos dados da inflação ao consumidor, a serem divulgados nesta sexta-feira. Na Europa, o mercado espera que o BCE encerre a compra de títulos de dívida e confirme a sua intenção de realizar um aumento na taxa de juros em julho e outra em setembro, como sinalizado pela Christine Lagarde no mês passado. Na China, o índice de Hang Seng (-0,7%) encerra em baixa, após Xangai anunciar que irá retomar restrições para combater a Covid-19 em algumas partes da cidade. O sentimento negativo do anúncio foi levemente compensado por uma surpresa positiva no número de exportações, que cresceu 16,9% no comparativo anual de maio vs. 8% esperados pelo consenso.

Zona do Euro

Na agenda econômica de hoje, o Banco Central Europeu (BCE) anunciará sua decisão de política monetária. Os agentes de mercado esperam que a autoridade apresente o prazo para o fim do Programa de Compra de Ativos (APP), e que sinalize aumento da taxa de juros de referência na próxima reunião (21/07). O mercado precifica que a taxa, atualmente em -0,50pp, atingirá 0,75pp até dezembro, restando quatro reuniões do banco central em 2022. O BCE também divulgará projeções econômicas atualizadas, e há expectativa de redução nas estimativas de crescimento do PIB e revisões altistas no cenário de inflação. Conforme publicado recentemente, a inflação ao consumidor da zona do euro chegou a 8,1% em maio (em termos anualizados), o patamar mais elevado em mais de 40 anos.   

China

Na China, as exportações exibiram forte recuperação em maio, após as autoridades locais relaxarem as restrições ligadas à pandemia em regiões importantes do país. Conforme divulgado no início desta manhã (09), as exportações saltaram 16,9% em relação ao mesmo mês de 2021, a maior taxa de crescimento desde janeiro de 2022 e mais que o dobro apontado pelo consenso de mercado (aumento de 8,0%). Por sua vez, as importações avançaram 4,1% em maio, a primeira leitura positiva em três meses e também acima da expectativa dos analistas (alta de 2,0%). Com isso, a China registrou superávit comercial de US$ 78,8 bilhões no mês passado, resultado muito superior ao saldo de US$ 51,1 bilhões observado em abril e da projeção de mercado (US$ 58,0 bilhões). Apesar das surpresas positivas com as estatísticas de maio, as perspectivas para a balança comercial chinesa ainda seguem repletas de riscos, tendo em vista o impacto da guerra no leste europeu, o aumento acentuado dos custos de matérias-primas e a política monetária mais apertada nos Estados Unidos e na Europa (alimentando, assim, preocupações acerca de uma recessão global).   

PEC Combustíveis

No Brasil, destaque para a publicação do IPCA (medida oficial de inflação) de maio. O time econômico da XP espera aumento de 0,58% em relação a abril e 11,86% nos últimos 12 meses, enquanto o consenso de mercado aponta para altas de 0,60% e 11,88%. Na leitura prévia do mês (IPCA-15), os preços de serviços mostraram aceleração relevante, surpreendendo os analistas, e os preços de bens industrializados seguiram bastante pressionados. A XP projeta elevação de 9,2% para o IPCA de 2022, mas com viés baixista devido ao conjunto de propostas legislativas que visam a redução dos preços de combustíveis e energia elétrica (entre outros bens e serviços).  

A propósito, o conteúdo e mecanismos da chamada “PEC dos Combustíveis” foram conhecidos ontem. A proposta fixa um teto de R$ 29,6 bilhões para a União compensar as unidades da federação que reduzirem o ICMS incidente sobre diesel, GLP, gás natural e etanol, com um cronograma de cinco parcelas de R$ 5,92 bilhões.

Mercado em Gráfico

Nos EUA, o índice de preços ao consumidor do país (CPI, na sigla em inglês) acumula alta de 8,3% em abril, uma leve desaceleração em relação a março. Ainda assim, a inflação norte-americana está nos maiores patamares dos últimos 40 anos. Preocupado com o cenário de inflação elevada no país, o Federal Reserve, banco central americano, anunciou recentemente que acionará um mecanismo chamado quantitative tightening. O quantitative tightening (QT) é um dos mecanismos que um banco central pode acionar para intervir na economia do país. Nesse caso, trata-se de uma ferramenta de retração monetária, ou seja, consiste na retirada de reservas financeiras em circulação no mercado. O QT é uma medida para diminuir o volume de reservas em circulação. Para isso, quando os títulos do Tesouro atingem a data de vencimento, eles são pagos pelo governo, não havendo substituição por novos títulos, reduzindo o chamado balanço patrimonial. Com menos dinheiro em circulação, e a consequente alta dos prêmios dos títulos do governo, o efeito esperado é que a população passe a poupar mais que consumir, desestimulando a economia e diminuindo a inflação. Para entender melhor como funciona o QT e seus impactos para o mercado, acesse nosso relatório.

Veja todos os detalhes

Economia

Banco Central Europeu anuncia decisão de taxa de juros; no Brasil, IPCA de maio e propostas para redução dos preços de combustíveis no centro das atenções

  • As exportações da China exibiram forte recuperação em maio, após as autoridades locais relaxarem as restrições ligadas à pandemia em regiões importantes do país. Conforme divulgado no início desta manhã (09), as exportações saltaram 16,9% em relação ao mesmo mês de 2021, a maior taxa de crescimento desde janeiro de 2022 e mais que o dobro apontado pelo consenso de mercado (aumento de 8,0%). Por sua vez, as importações avançaram 4,1% em maio, a primeira leitura positiva em três meses e também acima da expectativa dos analistas (alta de 2,0%). Com isso, a China registrou superávit comercial de US$ 78,8 bilhões no mês passado, resultado muito superior ao saldo de US$ 51,1 bilhões observado em abril e da projeção de mercado (US$ 58,0 bilhões). Apesar das surpresas positivas com as estatísticas de maio, as perspectivas para a balança comercial chinesa ainda seguem repletas de riscos, tendo em vista o impacto da guerra no leste europeu, o aumento acentuado dos custos de matérias-primas e a política monetária mais apertada nos Estados Unidos e na Europa (alimentando, assim, preocupações acerca de uma recessão global);
  • Na agenda econômica de hoje, o Banco Central Europeu (BCE) anunciará sua decisão de política monetária. Os agentes de mercado esperam que a autoridade apresente o prazo para o fim do Programa de Compra de Ativos (APP), e que sinalize aumento da taxa de juros de referência na próxima reunião (21/07). O mercado precifica que a taxa, atualmente em -0,50pp, atingirá 0,75pp até dezembro, restando quatro reuniões do banco central em 2022. O BCE também divulgará projeções econômicas atualizadas, e há expectativa de redução nas estimativas de crescimento do PIB e revisões altistas no cenário de inflação. Conforme publicado recentemente, a inflação ao consumidor da zona do euro chegou a 8,1% em maio (em termos anualizados), o patamar mais elevado em mais de 40 anos;
  • No Brasil, destaque para a publicação do IPCA (medida oficial de inflação) de maio. O time econômico da XP espera aumento de 0,58% em relação a abril e 11,86% nos últimos 12 meses, enquanto o consenso de mercado aponta para altas de 0,60% e 11,88%. Na leitura prévia do mês (IPCA-15), os preços de serviços mostraram aceleração relevante, surpreendendo os analistas, e os preços de bens industrializados seguiram bastante pressionados. A XP projeta elevação de 9,2% para o IPCA de 2022, mas com viés baixista devido ao conjunto de propostas legislativas que visam a redução dos preços de combustíveis e energia elétrica (entre outros bens e serviços);
  • A propósito, o conteúdo e mecanismos da chamada “PEC dos Combustíveis” foram conhecidos ontem. A proposta fixa um teto de R$ 29,6 bilhões para a União compensar as unidades da federação que reduzirem o ICMS incidente sobre diesel, GLP, gás natural e etanol, com um cronograma de cinco parcelas de R$ 5,92 bilhões. A entrada dos entes subnacionais no regime de compensação pelas perdas de arrecadação será facultativo. Para adesão, os governos estaduais teriam que: (i) zerar o ICMS sobre diesel, gás natural e GLP, além de fixar alíquota de 12% para o etanol hidratado; (ii) renunciar a eventual direito litigioso relacionado a qualquer tipo de indenização por perda arrecadatória; e (iii) aprovar lei específica para as alíquotas temporárias em suas Assembleias Legislativas locais. Segundo o texto da PEC, os repasses ocorreriam através do Fundo de Participação dos Estados (FPE), e não estariam sujeitos à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e ao Teto de Gastos, tampouco seriam considerados na apuração da meta de resultado primário prevista na lei orçamentária de 2022. Além disso, os repasses seriam atendidos via crédito extraordinário, dispensando o cumprimento da “regra de ouro”. O período de validade do regime seria de 1º de julho a 31 de dezembro de 2022;
  • Adicionalmente, o relator do PLP 18/22 no Senado, Fernando Bezerra Coelho, disse ontem que seu parecer manterá a estrutura principal do texto aprovado pela Câmara dos Deputados. O PLP 18/22 impõe um teto ao ICMS incidente sobre combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte público coletivo, devido à mudança na classificação desses bens e serviços para essenciais. No que diz respeito aos ajustes, o relator afirmou que o texto deve incorporar a zeragem das alíquotas de PIS/Cofins/CIDE (tributos federais) sobre gasolina e etanol. Em outra alteração, a compensação da União às unidades da federação seria feita pela comparação das receitas com ICMS considerando somente os bens e serviços afetados pela proposta de lei complementar em questão, e não mais pelo montante total de arrecadação do tributo. Isto é, o governo federal teria que ressarcir os estados que tiverem queda de arrecadação superior a 5% em 2022 ante 2021 na observância apenas dos itens atingidos pelo PLP;
  • Segundo estimativas do time econômico da XP, a aprovação de todo pacote de propostas para reduzir os preços de combustíveis, energia elétrica e outros bens/serviços tem impacto fiscal potencial – perda de arrecadação aos cofres públicos – próximo a R$ 90 bilhões em 2022 (quase R$ 180 bilhões em termos anualizados). No caso da inflação, medida pelo IPCA de 2022, o efeito baixista potencial corresponde a cerca de 3 pontos percentuais considerando o repasse integral aos consumidores finais, o que não é o cenário mais provável.        

Tudo sobre Renda Fixa no mês (e o que esperar)

  • No mês de maio, a curva de juros futuros apresentou elevação em todos os vencimentos, reflexo das contínuas pressões inflacionárias globais e locais, acrescidas de receios com a política fiscal, em meio a propostas do governo para redução de impostos para controle da inflação. Essa dinâmica de juros impactou mais uma vez negativamente os títulos prefixados e IPCA+ do Tesouro;
  • O volume de emissões de debêntures incentivadas e comuns desacelerou em maio. Nas ações de ratings, tendência positiva nas alterações de perspectivas e volume mais representativo de elevações nas notas em relação a rebaixamentos;
  • Para os próximos meses, o cenário global permanece desafiador, com inflação alta e expectativas de continuação na elevação de juros por bancos centrais em todo o mundo. Aqui no Brasil, os reflexos do cenário global e local levam o mercado a esperar novo aumento na Selic no Copom de junho;
  • Para ler o conteúdo completo, clique aqui.

Empresas

Embraer (EMBR3): Analisando riscos de competição e o potencial de adição de valor da Eve

  • Estamos atualizando nossas estimativas para a Embraer e revisando nosso preço-alvo para 2022 para R$27,50/ação de R$27,30/ação, refletindo:
    • (i) a incorporação da adição de valor da Eve de +R$9,50/ação (descrita em detalhes ao longo do relatório); e
    • (ii) estimativas gerais mais fracas para os próximos anos (preço-alvo para o negócio tradicional da Embraer de R$ 27,30/ação para R$ 18,00/ação).
  • Embora parte relevante de nosso potencial de valorização de 110% esteja relacionado à incorporação da Eve,  ainda vemos espaço para as ações subirem mesmo sem considerar qualquer atribuição de valor para a plataforma eVTOL da Embraer, com nosso preço-alvo excluindo a Eve de R$ 18,00/ação apresentando potencial de valorização de 37%, principalmente devido à expectativa de melhora das entregas da aviação comercial nos próximos anos;
  • Reiteramos nossa visão positiva sobre a Embraer, apoiada por (i) recuperação da aviação comercial e (ii) potencial de valor da Eve para suportar um prêmio de valuation vs. histórico;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Credit Suisse avisa que outra perda trimestral é provável (Valor);
    • XP lança marca Banco de Atacado para reforçar atendimento de empresas e clientes de alta renda (Estadão);
    • PagSeguro registra lucro de R$ 350 mi no trimestre (Valor);
    •  Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Cai intenção de compras no Dia dos Namorados, segundo Ibevar (Valor);
    • Vendas em supermercados sobem 4,2% em abril sobre março, diz associação (Valor);
    • Controladora da Zara tem lucro líquido de 760 milhões de euros, alta de 80,5% (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Conab eleva estimativa para a colheita recorde de grãos em 2021/22 para 271,3 milhões de t (Valor);
    • Aquisições para 2022/23 ganharam ritmo no país (Valor);
    • Como o frango se tornou a única carne com a qual todos concordam (Bloomberg);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Conta de luz pode cair 12% com limite para ICMS, diz Aneel. (Valor Econômico);
    • Estoques de petróleo nos EUA aumentam em 2 milhões de barris e contrariam expectativa. (Valor Econômico);
    • Petróleo fecha em alta com avanço da demanda por gasolina nos EUA. (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Spotify espera faturamento de US$ 100 bilhões anual nos próximos 10 anos

  • Spotify espera atingir US$ 100 bilhões em faturamento anual nos próximos 10 anos;
  • BYD pode se tornar a nova fornecedora de baterias de Tesla;
  • Tencent lançará versão global de seu principal jogo para celular;
  • Estoques baixos catalisam alta no preço do petróleo;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

ESG

UE rejeita texto-chave sobre a reforma do mercado europeu de carbono | Café com ESG, 09/06

  • O mercado fechou o pregão de terça-feira em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -1,5% e -1,2%, respectivamente;
  • No Brasil, a Vale anunciou ontem a Vale Ventures, uma iniciativa da mineradora no venture capital, com previsão de US$ 100 milhões para investir e criada com o objetivo injetar recursos em startups que buscam soluções sustentáveis para a mineração ou que apostam na transição energética;
  • Na União Europeia (UE), o Parlamento Europeu (i) rejeitou ontem um texto-chave sobre a reforma do mercado europeu de carbono, uma decisão que pode atrasar a implementação da taxa de carbono que o bloco quer impor sobre importações procedentes de países que não estejam submetidos aos mesmos padrões ambientais da UE; e (ii) teve seus parlamentares votando a favor de uma proibição efetiva da UE à venda de carros novos a gasolina e diesel a partir de 2035, rejeitando tentativas de enfraquecer a proposta de acelerar a mudança da Europa para veículos elétricos. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.