XP Expert

S&P eleva a nota do Brasil, prévia do PIB e MP do ICMS no Senado: o que move o mercado hoje

Revisão da nota de crédito do Brasil e ata do Copom são alguns dos temas de maior destaque nesta quarta-feira, 20/12/2023

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,59% | 131.851 Pontos

CÂMBIO -0,80% | 4,86/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa registrou leves ganhos e fechou em 131.850 mil pontos (+0,59%) na terça-feira, renovando a máxima histórica, e chegando até a cruzar 132 mil pontos durante a sessão. O mercado foi novamente impulsionado pelo setor de Óleo e Gás, pois o Brent subiu 2% com distribuidores suspendendo a rota do Mar Vermelho devido aos ataques a navios intensificando. No Brasil, destaque para a ata do Copom, que adotou um tom mais equilibrado entre mensagens duras e suaves, e a aprovação da reforma tributária levando o S&P a elevar a nota do Brasil de BB- para BB.

Movimentos positivos de ontem se repetiram hoje: papéis relacionados ao setor de Óleo e Gás, como Braskem (BRKM5, +7,15%) e Petroreconcavo (RECV3, +2,95%), se beneficiaram da alta do Brent, e Braskem, em particular, teve um movimento forte após o governo federal, via Petrobras, avaliar aumento na participação da companhia. Na outra ponta, Embraer (EMBR3, -2,74%) foi a maior baixa do pregão, em um movimento de realização de lucros após rali forte desde outubro.

Renda Fixa

As taxas futuras de juros fecharam em ligeira queda, reagindo à ata do Copom e à revisão da nota de crédito do Brasil pela S&P. DI jan/25 fechou em 10,06% (0bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 9,625% (-3bps); DI jan/27 em 9,72% (-4,5bps); DI jan/29 em 10,14% (-6bps).

Mercados globais

Nos Estados Unidos, os futuros operam em queda nesta quarta-feira (S&P 500: -0,2%; Nasdaq 100: -0,2%), correção da alta forte observada desde a última semana devido à comunicação mais branda do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA). Ontem, a FedEx reportou resultados abaixo do esperado, com redução da receita e guidance fraco, e cai cerca de 10% nas negociações pré-mercado.

Os mercados europeus operam mistos, com o índice pan-europeu misto (Stoxx 600: 0,0%) após dados de inflação na região. Na China, os índices fecharam mistos (CSI 300: 1,1%; HSI: 0,7%), com índice da China continental em queda após manutenção da taxa de juros de referência de um ano, enquanto o índice de Hong Kong sobe puxado por Alibaba, que anunciou mudanças no comando das subsidiárias de e-commerce, e notícia de corte de preços na investida de carros elétricos Xpeng.

Economia

O banco central chinês manteve as taxas de juros inalterada em mínimos históricos, em linha com o esperado pelo mercado e apesar dos apelos para que houvesse um afrouxamento monetário adicional para estimular a economia. No Reino Unido, a leitura de inflação de novembro mostrou uma queda inesperada tanto na inflação cheia quanto no núcleo, que exclui itens mais voláteis, embora os preços de serviços tenham caído bem menos.

No Brasil, a ata do Copom trouxe poucas novidades em relação ao comunicado da semana passada, indicando um cenário global menos adverso, mas mantendo um tom cauteloso com a inflação, corroborando o cenário de cortes de 50 pontos base nas próximas reuniões. O Congresso Nacional aprovou a lei de diretrizes orçamentárias de 2024, com uma previsão de déficit zero e restrição ao contingenciamento a R$ 23 bilhões. A S&P revisou a nota de crédito do Brasil para cima (BB), ainda dois níveis abaixo do grau de investimento, após a aprovação da reforma tributária e outras reformas adotadas pelo país nos últimos anos.

Na agenda do dia, teremos a divulgação de vendas de casas existentes e do indicador de confiança do consumidor do Conference Board nos EUA e o indicador de confiança do consumidor na Zona do Euro. No Brasil, destaque para a divulgação do IBC-Br, uma medida de atividade econômica do Banco Central que deve mostrar retração da economia em outubro, além da expectativa pela votação da medida provisória que altera as subvenções de ICMS no Senado.

Veja todos os detalhes

Economia

Ata do Copom reforça os cortes de juros de 50 pontos-base nas próximas reuniões; S&P eleva a nota do Brasil

  • O Banco Popular da China manteve sua taxa básica de juros inalterada em mínimos históricos na quarta-feira, com as condições monetárias devendo permanecer frouxas por mais tempo, já que a China luta contra a desaceleração do crescimento econômico. O PBOC manteve sua LPR de um ano em 3,45%, enquanto a LPR de cinco anos, que é usada para determinar as taxas de hipoteca, ficou inalterada em 4,20% na decisão final do PBOC sobre a taxa para 2023. Ambas as taxas estavam em mínimos históricos, após três cortes no ano passado. A medida foi amplamente telegrafada pelo PBOC, já que ele havia deixado as taxas de empréstimo de médio prazo inalteradas na semana passada. No entanto, o banco central também injetou 1,45 trilhão de yuans (US$ 204 bilhões) de liquidez no sistema bancário na semana passada. Embora o PBOC tenha mantido o benchmark de empréstimos em mínimos históricos por mais de um ano, cresceram os pedidos por mais afrouxamento monetário no país, especialmente porque a recuperação econômica pós-COVID não se concretizou;
  • A inflação britânica caiu em novembro para sua taxa mais baixa em mais de dois anos. A taxa anual de aumento dos preços ao consumidor caiu de 4,6% em outubro para 3,9%, impulsionada em parte pela gasolina mais barata, registrando a menor leitura desde setembro de 2021, informou o Escritório de Estatísticas Nacionais na quarta-feira. A leitura da inflação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) ficou abaixo de todas as previsões em uma pesquisa da Reuters com economistas, que apontou para um valor de 4,4%. O núcleo da inflação, que exclui os preços de energia e alimentos, apresentou uma queda inesperadamente acentuada, caindo de 5,7% para 5,1%. A taxa de inflação de serviços – à qual as autoridades do BoE dão atenção especial como indicador da inflação gerada internamente – caiu de 6,6% para 6,3%. Os investidores passaram a precificar totalmente um corte nas taxas do BoE até maio de 2024 e agora veem uma chance de quase 50% de um corte até março após esse número;
  • O Comitê de Política Monetária (Copom) do Brasil publicou nesta terça-feira a ata de sua reunião da semana passada. Sobre a atividade, a ata disse que “os números do PIB do terceiro trimestre confirmaram a moderação antecipada no crescimento, mas com resiliência no consumo das famílias. Sobre a inflação, a ata destacou que “os componentes da inflação mais sensíveis ao ciclo econômico e a política monetária se aproximaram mais da meta de inflação nas últimas divulgações”. As principais mudanças que a ata apresentou em relação à reunião anterior se concentraram no cenário global, descrevendo-o como menos adverso. Isso era esperado, uma vez que os mercados melhoraram significativamente nas últimas semanas. Mantemos nosso cenário de que o ritmo de 50 pontos-base continuará, e o Copom fará uma pausa com a taxa Selic ainda em território restritivo (em torno de 10,00%) devido ao viés expansionista da política fiscal;
  • O Congresso brasileiro aprovou seu projeto de lei de diretrizes orçamentárias para 2024, estabelecendo a meta de eliminar o déficit primário até 2024, mas incluindo uma cláusula que permite uma redução limitada nas despesas, mesmo que isso implique não atingir a meta fiscal. O Ministério da Fazenda havia argumentado que o aumento mínimo de 0,6% nas despesas deveria ser sempre cumprido, independentemente de seu impacto sobre o cumprimento da meta fiscal. Em termos práticos, espera-se que essa interpretação limite os cortes orçamentários do governo em 2024 em cerca de R$ 23 bilhões, enquanto os economistas de mercado estimaram que, sem a disposição, seria necessário um corte de R$ 53 bilhões;
  • A S&P Global Ratings elevou a pontuação de crédito do Brasil após a recente aprovação de uma reforma tributária do país, somada a uma série de reformas econômicas que foram implementadas nos últimos anos. A S&P elevou o rating soberano do Brasil em um nível, para BB, dois níveis abaixo do grau de investimento, colocando-o no mesmo nível da Guatemala e da República Dominicana. A perspectiva é estável. “Embora seja implementada gradualmente, a reforma é uma revisão significativa do sistema tributário e provavelmente se traduzirá em ganhos de produtividade no longo prazo”, disse a empresa de classificação em um comunicado na terça-feira;
  • No calendário econômico de hoje, esperamos a divulgação das vendas de casas existentes e a confiança do consumidor do Conference Board nos EUA. Na zona do euro, a confiança do consumidor deve mostrar uma recuperação na margem. No Brasil, o destaque é a atividade econômica medida pelo IBC-Br (XP: -0,2% MoM, consenso: -0,1% MoM), que deve reforçar o cenário de desaceleração. Por fim, no lado fiscal, espera-se que o Senado aprove a medida provisória que altera os subsídios do ICMS, uma medida fundamental para o ajuste fiscal no próximo ano.

Empresas

Data Expert | Tracker Açúcar & Etanol

  • Açúcar caiu 22% desde nosso último relatório devido a uma combinação fatores, notadamente: (i) melhor safra na Europa; (ii) atualização da safra no Brasil pela CONAB; (iii) moagem da UNICA acima do esperado; (iv) a turbulência regulatória do etanol na Índia, levando estimativas globais a um leve superávit em 23/24; e (v) liquidação de posições compradas;
  • Em nossa opinião, a volatilidade deve continuar, com notícia divulgadas ontem de que a queda na produção indiana permanecerá, levando o país a ser importador líquido na safra 24/25, reforçando nosso call de alta por mais tempo;
  • Independentemente dos ruídos, mantemos visão positiva com empresas do setor em nossa cobertura, com base em fundamentos positivos (melhores produtividades que levam à diluição de custos e sólido momentum de lucros) e valuation atraente, especialmente considerando a atual posição de hedge. Reiteramos a SMTO como nossa Top Pick no setor agro;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Data Expert | Carrinho XP: O que está embaixo da árvore de Natal?

  • Nesta edição do Carrinho XP, apresentamos os principais insights das recentes pesquisas sobre as expectativas dos varejistas em relação às vendas de Natal;
  • Em relação à demanda, apesar da difícil situação macroeconômica, a CNC estima que as vendas de Natal registrem um crescimento real de +6% em relação ao ano anterior, em cima de uma base de comparação fácil, com o pagamento do 13º e compras de última hora mencionados como fatores que podem surpreender;
  • Quanto ao comportamento dos consumidores, os estudos destacam um comportamento mais consciente, com uma redução das compras por impulso, um aumento do trade-down e uma diminuição do gasto médio;
  • Em relação à categorias, vestuário apareceu como a mais desejada, reforçando a nossa opinião de que os varejistas de alta renda devem continuar se destacando, apesar de que os varejistas de alimentos também podem se beneficiar, enquanto a demanda por bens duráveis permanece baixa;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Pague Menos (PGMN3): Guidance aberturas para 2024 revisado para baixo

  • Ontem, a Pague Menos anunciou revisão da projeção inicialmente divulgada de 120 aberturas de lojas em 2024 para 30 aberturas brutas lojas;
  • Em fato relevante, a companhia comenta que a revisão se deu no contexto de priorizar a redução da alavancagem financeira da Companhia e na integração da Extrafarma, destacando a importância da otimização da estrutura de capital frente às altas taxas de juros;
  • Vemos o anúncio como misto, uma vez que o guidance está bem abaixo das nossas estimativas (80 aberturas em 2024), porém vemos com bons olhos a iniciativa de priorizar a desalavancagem da companhia. Mantemos nossa recomendação de Compra, com preço-alvo de R$5/ação.

Enjoei (ENJU3): Adicionando mais uma avenida de crescimento

  • O Enjoei anunciou a aquisição de uma participação de 25% na Cresci e Perdi (C&), a maior rede de franquias de produtos usados do Brasil, com 434 lojas e um GMV anualizado de R$700mi, por R$30mi mais um potencial earn-out em 2027;
  • A companhia também tera a opção de compra da participação restante ou venda da participação atual em 2028. As sinergias esperadas com a transação são: i) a expertise da C&P na expansão de Lojas físicas; ii) alavancar a base de clientes das marcas do Enjoei através de novas categorias (infantil e bebês) e canais; e iii) logística e operacional, permitindo redução de custos;
  • Em resumo, enxergamos o anúncio como positive, uma vez que acelera o plano de expansão para lojas físicas do Enjoei, enquanto traz sinergias operacionais e de categorias. Entretanto, devemos ver impactos financeiros limitados no curto prazo, dada a participação minoritária do Enjoei. Mantemos nossa recomendação Neutra;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Agora é a vez do Inter mudar a marca (Neofeed);
    • Sem acordo, decisão do parcelado sem juros deve ficar para 2024 (Valor);
    • Itaú e Bradesco ganham com migração de fortunas da AL para Miami (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Tech XP: Notícias diárias do setor de Telecom e Tecnologia
    • Brisanet ganha 12,4 mil clientes em novembro de 2023 (telesintese);
    • Brasil sobe cinco posições e tem 5º mais rápido 5G do mundo (telesintese);
    • Vero/Americanet amplia contrato de rede neutra com a V.tal (TELETIME);
    • HSI conclui compra de prédio da Oi e prepara projeto de R$ 400 milhões no Leblon (NeoFeed);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Senado adia votação da MP da subvenção; líder do governo acena com desconto maior para empresas (Estadão)
    • Aprovação da MP 1185 reduz pressão sobre Haddad para mudança de meta fiscal em março (O GLOBO);
    • Pague Menos reduz projeções de novas lojas em 2024, de 120 para 30 (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Bebidas
      • 2023 was a challenging year for beer (Boston Globe).
    • Alimentos
      • China lifts ban on Australian meat exporters before beef-heavy festival season (Food Ingredients First);
      • Brasileiro terá oferta maior de frango e ovos em 2024, mas menos de carne suína (Globo Rural).
    • Agro
      • Na Vittia, o efeito rebote do boom dos biológico (TheAgriBiz);
      • BrasilAgro colhe boa safra de cana apesar de desafios do El Niño (Nova Cana).
    • Biocombustíveis
      • Dupla vitória dos produtores de biodiesel em reunião do CNPE (InfoMoney);
      • Governo cria grupo para estudar aumento do teor de etanol na gasolina (Nova Cana).
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Hospital Anchieta, da Kora Saúde, faz três operações para reduzir endividamento (Valor Econômico);
    • Dasa vai emitir R$ 1,3 bi em debêntures para antecipar pagamento de dívida (Valor Econômico);
    • UHG quer definir comprador da Amil ainda neste ano (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Combustível XP: As principais notícias que movem o setor de Óleo & Gás
    • Lula vetou liberar recursos do BNDES para venda da Braskem, mas afirmou que a Petrobras poderia aumentar sua participação na companhia (Poder 360);
    • Cosan busca R$ 3,28 bilhões com oferta de debêntures (Valor Econômico);
    • CNPE eleva mistura do biodiesel para 14% em março de 2024 (Valor Econômico);
    • CNPE aumenta exigência de conteúdo local em leilões de óleo e gás, de 18% para 25% em exploração e de 25 para 30% em produção (epbr);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • O que esperar do mercado imobiliário em 2024? Especialistas respondem (Estadão);
    • Contratos do novo Minha Casa Minha Vida devem ser assinados em janeiro (Correio Braziliense);
    • Câmara atende setor imobiliário e amplia altura de edifícios na nova Lei de Zoneamento de SP (Folha);
    • Zoneamento de SP prevê liberar área maior para megatemplos e shoppings; veja o que muda (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • STF: Nunes Marques decide criar mesa de conciliação entre Eletrobras e governo (CNN Brasil);
    • Ministério da Justiça abre processo contra Enel SP e Enel Rio por falhas no fornecimento de energia (Valor Econômico);
    • PLD mínimo para 2024 é fixado em R$ 61,07/MWh, redução de 11,55% (MegaWhat);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Renda fixa

S&P Global eleva rating soberano do Brasil para ‘BB’; Perspectiva Estável

  • No dia 19 de dezembro, a agência de classificação de risco S&P Global elevou o rating soberano de longo prazo do Brasil para ‘BB’, ante ‘BB-‘;
  • A perspectiva, por sua vez, foi alterada de Positiva para Estável;
  • O upgrade (elevação) aconteceu após a alteração da perspectiva do Brasil, em junho, e a recente aprovação da reforma tributária;
  • Veja aqui o que pode mudar para as empresas que tem seus ratings limitados pelo soberano e o impacto sobre a renda fixa.

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Powell’s Pivot Sows Confusion Over When and How Fast Fed Will Cut (The Wall Street Journal);
  • Cenário externo está ficando mais favorável ao Brasil, mas não é 1ª vez que isso acontece, diz S&P(Valor);
  • Credores aprovam plano de recuperação da Americanas (Valor);
  • Brazil Long-Term Ratings Upgraded To ‘BB’ From ‘BB-‘ Following Tax Reform Approval; Outlook Stable (S&P Global).
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Em fase de “reconstrução”, FIIs podem captar até R$ 20 bilhões em 2024 (NeoFeed);
    • BTLG11 paga R$ 60 milhões no último CRI indexado ao CDI; Veja detalhes (FIIs);
    • Itambé vai desocupar galpão alugado de FII em SP; veja impacto para o fundo (InfoMoney);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

ESG

Grupo Boticário confirma emissão de R$2bi em sustainability-linked bonds | Café com ESG, 20/12

  • O mercado encerrou o pregão de terça-feira em território positivo, com o IBOV e o ISE registrando alta de 0,58% e 0,73%, respectivamente;
  • Do lado das empresas, o Grupo Boticário fechou a emissão de R$2 bilhões em debêntures atreladas a duas metas ESG (conhecidas como sustainability-linked bonds, em inglês) – os objetivos incluem tornar 100% do portfólio de produtos das marcas próprias da empresa de origem vegana até dezembro de 2026 (vs. 93,6% em 2022) e utilizar 80% da água de reuso gerada na fábrica de São José dos Pinhais até 2029;
  • Na política, (i) o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) decidiu ontem pela suspensão das importações de biodiesel até que um grupo de trabalho defina se essa é ou não a melhor estratégia nacional – com a agenda em alta no governo, essa medida é importante sobretudo frente ao aumento da mistura obrigatória de biodiesel ao diesel, que será antecipada para 14% em março de 2024 e para 15% em 2025 (vs. 12% hoje); e (ii) a Câmara dos Deputados aprovou a aplicação do imposto seletivo sobre a produção de óleo e gás, criando uma nova alíquota de até 1% na reforma tributária, com promulgação prevista para hoje – a reforma também marca a entrada do hidrogênio de baixo carbono no texto constitucional, equiparado no artigo que já beneficia biocombustíveis;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.