XP Expert

Ibovespa tem a primeira alta do ano; hoje, relatório de empregos nos EUA será o centro das atenções

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,6% | 101.561 Pontos

CÂMBIO -0,4% | 5,68/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou a sessão da quinta-feira (6) com a primeira alta do ano, em +0,55% aos 101.561 pontos. O índice chegou a alcançar o patamar dos 102 mil pontos, mas acabou caindo na esteira dos mercados globais que continuaram a repercutir a ata da última reunião do Federal Reserve, que veio em um tom mais hawkish do que esperado. Enquanto isso, o dólar recuou -0,44% cotado a R$ 5,68. E no mercado de juros, as taxas futuras terminaram a sessão de ontem em queda na porta curta e estáveis na ponta longa, em razão de fatores técnicos após o aumento dos prêmios dos últimos dias, do primeiro leilão de títulos prefixados do Tesouro do ano, além da divulgação de dados econômicos aquém do esperado. DI jan/23 fechou em 11,97%; DI jan/24 foi para 11,605%; DI jan/26 encerrou em 11,215%; e DI jan/28 fechou em 11,22%.

Hoje, os mercados globais amanhecem mistos (EUA +0,1% e Europa -0,2%) enquanto investidores aguardam novos dado sobre o mercado de trabalho americano. O consenso do Dow Jones aponta para a criação de 422 mil empregos e uma queda na taxa de desemprego para 4,1% em dezembro. Na Europa, dados preliminares sinalizam uma inflação de 5% na zona do euro em dezembro, sendo este o seu valor mais alto já registrado. No campo da atividade, as vendas no varejo europeu registraram resultados bastante sólidos em novembro, mas acreditamos que a recuperação do setor perderá fôlego nos próximos meses como reflexo do forte aumento de casos de Covid-19 e a adoção de restrições de mobilidade. Na China, o índice de Hang Seng (+1,8%) continua na contramão dos mercados globais ao passo que os valuations das empresas de tecnologia atraem os investidores, Alibaba (+6,5%), JD.com (+4,8%) e Tencent (+1,4%). Por fim, o petróleo (+1,0%) amanhece em alta, refletindo preocupações com o desbalanço entre a oferta e demanda futura pela commodity, intensificadas pelas quedas de produção no Cazaquistão e Líbia.

No Brasil, a indústria brasileira apresentou ligeira queda de produção entre outubro e novembro, frustrando as expectativas do mercado. Esse resultado representou a sexta contração consecutiva na comparação mensal. Esperamos redução gradual dos gargalos nas cadeias de suprimentos globais ao longo de 2022, permitindo alguma recomposição de estoques nas atividades manufatureiras, com destaque ao setor automotivo. Por outro lado, o encolhimento da demanda doméstica – devido sobretudo à elevação dos juros – aliado a uma expansão mais moderada da demanda externa deve impedir que a indústria brasileira cresça de forma robusta este ano.

Na agenda de hoje, os mercados estarão bastante atentos à divulgação do Relatório de Emprego nos EUA (Nonfarm Payroll). O mercado de trabalho americano segue apertado, respaldando a sinalização mais dura do Federal Reserve sobre a condução da política monetária local. A agenda doméstica, a Anfavea publicará os resultados do setor automobilístico referentes a dezembro.          

Tópicos do dia

Economia

  1. Relatório de emprego nos EUA no centro das atenções; no Brasil, produção industrial recua pelo sexto mês consecutivo

Empresas

  1. Entenda a Queda da Bolsa nos Setores de Transportes e Bens de Capital.
    As quedas de Simpar, Vamos e Weg chamaram nossa atenção
  2. Gol reportou dados de tráfego de Dezembro; Neutro
  3. BK Brasil (BKBR3): Aprovação de programa de recompra de ações
  4. Principais notícias dos setores

Mercados

  1. Estrangeiros aportam mais de R$100 bilhões na Bolsa brasileira em 2021 – Fluxo em foco
  2. IPOs: Recorde de ofertas em 2021, mas desempenho foi fraco até agora
  3. Radar global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Alibaba investe no metaverso

ESG

  1. ESG continua ganhando relevância | Café com ESG, 07/01

Veja todos os detalhes

Economia

Relatório de emprego nos EUA no centro das atenções; no Brasil, produção industrial recua pelo sexto mês consecutivo

  • Conforme publicado ontem (06), a produção industrial brasileira recuou 0,2% entre outubro e novembro, após ajuste sazonal, frustrando as expectativas do mercado. Esse resultado significou o sexto declínio consecutivo na margem. Em relação às categorias econômicas, o volume produzido de Bens de Consumo Duráveis registrou o primeiro avanço após dez meses seguidos de resultados negativos na margem, quando houve contração acumulada de quase 30%. As restrições nas cadeias de suprimentos – sobretudo a escassez de semicondutores e chips – vêm prejudicando severamente os setores automotivo e de fabricação de produtos eletrônicos. Por sua vez, a categoria de Bens de Capital sofreu queda expressiva em novembro, um sinal ruim para a dinâmica dos investimentos no curto prazo. Olhando para 2022, esperamos redução gradual dos gargalos nas cadeias de suprimentos globais. Logo, algum processo de recomposição de estoques deve puxar a produção em diversas atividades nos próximos meses, com destaque à indústria automotiva. Por outro lado, o encolhimento da demanda doméstica – devido sobretudo à política monetária contracionista – aliado a uma expansão mais moderada da demanda externa deve impedir que a indústria brasileira cresça de forma robusta ao longo deste ano. Hoje, a Anfavea publicará os resultados do setor automobilístico referentes a dezembro;
  • Em relação ao cenário internacional, os mercados estarão bastante atentos à divulgação do Relatório de Emprego nos EUA (Nonfarm Payroll) referente a dezembro. O consenso dos analistas aponta para (expressiva) criação líquida de quase 450 mil vagas no mês passado, enquanto o time de estratégia global da XP espera 525 mil novas ocupações. A taxa de desemprego nacional (consenso: 4,1%; XP: 4,2%) e o rendimento real médio por hora (consenso: 0,4% em dez/nov e 4,2% em dez-21/dez-20; XP: 0,3% em dez/nov e 4,1% em dez-21/dez-20) também serão monitorados de perto pelos agentes de mercado. Ontem, o Departamento do Trabalho dos EUA informou que os pedidos iniciais de seguro-desemprego totalizaram 207 mil na semana encerrada em 1º de janeiro, acima da previsão de 195 mil e do resultado anterior de 200 mil. Apesar disso, as solicitações permaneceram aquém dos níveis pré-pandemia (média de 215 mil), sugerindo que a rápida disseminação da variante Ômicron do coronavírus não tem elevado significativamente o número de demissões (ao menos até agora). Em suma, o mercado de trabalho americano está ficando cada vez mais apertado à medida que os empregadores enfrentam dificuldades crescentes para o preenchimento de vagas. Neste contexto, salários mais altos têm sido oferecidos para atrair novos trabalhadores. Enquanto isso, o índice de serviços ISM dos EUA recuou de 69,1 em novembro (patamar recorde) para 62,0 em dezembro, frustrando a estimativa do mercado (66,9). Isto posto, o índice aponta para o 19º mês consecutivo de expansão no setor terciário da maior economia do mundo;
  • Conforme já publicado nesta manhã pela agência de estatísticas Eurostat, a taxa anual de inflação ao consumidor na zona do euro atingiu o recorde histórico (igual a jul/1991) de 5,0% em dezembro de 2021, ligeiramente acima da alta de 4,9% registrada no mês anterior. O resultado surpreendeu os analistas de mercado, que esperavam taxa anualizada de 4,7%. A elevação do índice de preços ao consumidor da região deve ampliar as pressões para que o BCE (Banco Central Europeu) aperte sua política monetária, cuja meta explícita de inflação corresponde a 2%. Por sua vez, a medida de núcleo da inflação – exclui os itens de energia e alimentos – registrou acréscimo anual de 2,6% em dezembro, um pouco acima da projeção do mercado de 2,5%. Enquanto isso, as vendas no varejo da zona do euro cresceram 1,0% entre outubro e novembro, surpreendendo positivamente as estimativas dos analistas, cuja mediana indicava queda de 0,5% no período. Na comparação anual, as vendas avançaram 7,8% (consenso de 5,6%). Acreditamos que a recuperação do comércio varejista europeu perderá tração nos próximos meses, refletindo o forte aumento de casos de Covid-19 e a subsequente adoção de restrições de mobilidade. Por fim, a produção industrial da Alemanha declinou 0,2% entre outubro e novembro, segundo dados com ajuste sazonal divulgados mais cedo pela agência de estatísticas do país. O resultado veio muito abaixo da expectativa do mercado, que indicava aumento de 1,0% no período. A atividade manufatureira da maior economia europeia está cerca de 7% aquém dos níveis registrados antes da pandemia.

Empresas

Entenda a Queda da Bolsa nos Setores de Transportes e Bens de Capital. As quedas de Simpar, Vamos e Weg chamaram nossa atenção

  • Desde o início do ano (apenas 4 pregões) os mercados apresentaram forte aversão a risco, movimento impulsionado por:
    • fatores internacionais (principalmente indicações de retirada de estímulos por parte do Fed [Banco Central Americano]),
    • nuances locais (mais notavelmente em torno do aumento das preocupações fiscais em ano eleitoral).
  • Notamos, no entanto, um impacto negativo acima da média nos setores de Transportes e Bens de Capital (-9% e -6% no acumulado do ano, respectivamente, contra IBOV -3%);
  • Neste relatório, analisamos a forte queda do curto espaço de tempo e reiteramos nossas preferências em ambos os setores:
    • Transportes (Vamos e Rumo), e
    • Bens de Capital (Weg).

Gol reportou dados de tráfego de Dezembro; Neutro

  • A Gol reportou dados preliminares de tráfego para dezembro de 2021;
  • Os dados confirmaram um 4T21 ligeiramente abaixo do guidance fornecido pela empresa para ASK (oferta de assentos) e RPK (demanda realizada), mostrando um nível de taxa de ocupação saudável conforme esperado;
    • Dados preliminares do 4T21:
      • ASK: +13% A/A
      • RPK: +15% A/A
      • Taxa de ocupação: 82,6% (+ 1,5p.p. A/A)
  • Acreditamos que esses dados suportam a preocupação de alguns participantes do mercado de que o guidance financeiro fornecido pela Gol para 2022 pode representar uma expectativa desafiadora;
  • Reiteramos nossa visão cautelosa em relação ao setor de aviação, bem como nossa relativa preferência por Azul vs. Gol, apesar de nossa recomendação Neutra em ambos os nomes.

BK Brasil (BKBR3): Aprovação de programa de recompra de ações

  • O Burger King Brasil divulgou ontem (06) via fato relevante a aprovação de um Programa de Recompra de Ações, com limite de até 16 milhões de ações (ou 6,0% das ações em circulação no mercado);
  • O programa possui prazo máximo de 12 meses, com término em 06 de janeiro de 2023, e a operação será realizada a preço de mercado;
  • Vemos a notícia como positiva, pois é uma ferramenta de geração de valor para os acionistas após a recente queda expressiva do papel (~48% no último ano). Mantemos nossa visão construtiva para a companhia no longo prazo, com a reabertura econômica pós pandemia e transformação digital como pilares da nossa tese de investimentos, junto ao valuation atrativo;
  • Com isso, reiteramos nossa recomendação de Compra e preço-alvo de R$12,00 por ação para o final de 2022.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Jalles Machado levanta R$ 451 milhões com debêntures ‘verdes’ (Valor);
    • Market profile: Brazil counts for 24% of China’s meat imports (Euromeat);
    • Fabricação de bebidas alcoólicas cai 10,7% e recua pelo sexto mês consecutivo (Guia da Cerveja);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Petróleo fecha em alta robusta, em meio a conflitos no Casaquistão e na Líbia (Terra);
    • Uso de usinas térmicas a carvão até 2040 divide setor elétrico (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Estrangeiros aportam mais de R$100 bilhões na Bolsa brasileira em 2021 – Fluxo em foco

  • Em 2021, estrangeiros aportam mais de R$100 bilhões na Bolsa brasileira;
  • No início do ano, o progresso da vacinação, a retomada das atividades econômicas globais, a alta nos preços das commodities, e a taxa de juros nas mínimas históricas levaram o Ibovespa a registrar suas máximas históricas acima de 130 mil pontos em junho;
  • Porém, na segunda metade do ano as perspectivas se deterioraram significativamente: as reformas não avançaram, a trajetória fiscal piorou com a flexibilização do teto de gastos, a inflação e os juros subiram fortemente, mudando completamente o cenário;
  • Mesmo com as adversidades, o saldo total de 2021 de investidores estrangeiros na Bolsa foi recorde, superando o ano de 2009, quando o aporte de estrangeiros foi quase metade do valor;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

IPOs: Recorde de ofertas em 2021, mas desempenho foi fraco até agora

  • Em 2021, 46 empresas fizeram suas ofertas iniciais de ações e estrearam na B3, Bolsa brasileira, movimentando mais de R$ 65,6 bilhões*. O ano de 2021 foi um ano recorde para ofertas iniciais de ações no Brasil em valor, superando o ano de 2007, que era o recorde anterior com 64 IPOs. Porém, 2007 segue sendo o ano recorde para número de transações;
  • Apesar de dados fortes de IPO em 2021, nota-se que grande parte das ofertas ocorreram até julho, e maiores preocupações fiscais levaram a uma deterioração no sentimento para novas ofertas na segunda metade do ano – foram apenas 6 IPOs realizados a partir de agosto. Além disso, segundo dados da CVM, até o mês de novembro de 2021, foram contabilizadas 61 desistências de ofertas primárias no ano;
  • Vemos essa onda de IPOs como positiva para o mercado brasileiro. O grande número de IPOs é positivo pelos seguintes motivos: 1) O Brasil possui pouquíssimas empresas listadas; 2) maior liquidez no mercado; e 3) maior fluxo de capital estrangeiro para ações brasileiras;
  • Em 2022, é difícil de enxergar mais um ano tão forte como esse último, dado o cenário macroeconômico mais desafiador esperado para o ano. Esperamos que o crescimento econômico desacelere consideravelmente, resultado de um aperto material nas condições monetárias que teve início já no ano passado, junto com maiores incertezas trazidas pelo próximo ciclo eleitoral;
  • Já vimos um número significativo de empresas desistindo de suas ofertas em 2021, e, apesar da CVM ainda listar 30 companhias sob análise que potencialmente fariam o IPO nesse ano, temos um cenário desfavorável com crescimento menor, inflação em alta, taxa de juros subindo e maior volatilidade nos mercados que devem levar a um ano mais fraco de IPOs em 2022;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Radar global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Alibaba investe no metaverso

  • Alibaba planeja iniciar um novo ambiente colaborativo no mundo digital;
  • Amazon e Stellantis fecham parceria no setor automotivo;
  • WeChat continua crescendo apesar das repressões do governo chinês;
  • Consumo discricionário e tecnologia deverão ser os setores mais sensíveis ao aumento da taxa de juros nos EUA;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

ESG

ESG continua ganhando relevância | Café com ESG, 07/01

  • O mercado fechou o pregão desta quinta-feira com o Ibov em alta de +0,5% e o ISE em leve queda de -0,3%;
  • No Brasil, (i) segundo pesquisa realizada pela Anbima, para 87% das instituições financeiras, o tema ESG ganhou relevância no ano passado, sendo que mais da metade (52%) diz que ganhou muita relevância; e (ii) a sanção do Projeto de Lei 712/19, que prorroga por 15 anos, a partir de 2025, a contratação de termelétricas movidas a carvão mineral causou algumas controvérsias, pois, por um lado, a Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM) diz que a lei dá previsibilidade aos trabalhadores da cadeia produtiva do setor carbonífero e pode destravar investimentos, entretanto, por outro lado, grandes consumidores de energia, entidades do setor de renováveis e empresas lamentam o subsídio a ser pago pelos consumidores;
  • No internacional, de acordo com o S&P. os mercados voluntários de carbono, que desempenharam um papel significativo na descarbonização global no ano passado, parecem seguir uma tendência de crescimento em 2022, já que a urgência da crise climática global leva empresas e governos nacionais a estabelecer metas ambiciosas de neutralidade de carbono, com muitos pretendendo atingir o “Net Zero” nos próximos vinte anos. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.